Conectado com

Notícias

Eleições: Faltou falar do papel do Brasil no mundo

Essa ausência de debate sobre a inserção brasileira no mundo, entre os principais postulantes à presidência, guarda alguma relação com a cultura sedimentada pelo isolacionismo histórico da economia brasileira

Publicado em

em

Artigo escrito por Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e professor da ESPM

Chegamos ao segundo turno da eleição presidencial e praticamente não se discutiu, durante toda a campanha eleitoral, qual o papel do Brasil no mundo. No entanto, somos hegemônicos no agronegócio mundial, um dos principais produtores e exportadores de alimentos, com a perspectiva de mais do que dobrar as exportações nessa área, nos próximos 10 anos, segundo o USDA. Nosso principal parceiro comercial é a China, potência em ascensão na geopolítica internacional. Também estamos entre as 10 maiores economias mundiais, com um mercado de 208 milhões de pessoas e influência estratégica na América Latina. De quebra, o país é uma potência ambiental, o que é de grande relevância nesses tempos de mudanças climáticas e mobilização mundial para colocar um freio.

Essa ausência de debate sobre a inserção brasileira no mundo, entre os principais postulantes à presidência, guarda alguma relação com a cultura sedimentada pelo isolacionismo histórico da economia brasileira. Hoje o mercado internacional pauta-se pelo multilateralismo, com o desenvolvimento contínuo de acordos bilaterais ou multilaterais de comércio em todos os continentes, mas o engajamento brasileiro nessa tendência ainda se mostra tímido. A própria agenda econômica de quase todos os candidatos, meio que passava ao largo dessa questão. Contudo, agora que o palanque do segundo turno está definido, é chegado o momento de levar essa discussão aos dois postulantes ao governo federal, e também às demais forças políticas que desenharão a agenda político-econômica do país, nos próximos anos.

O agronegócio é uma exceção no cenário isolacionista do país, pois o setor já exporta para cerca de 140 países. Mas mesmo assim pode ampliar esse dinamismo com novos mercados ou maior penetração em mercados atuais, até porque tendem a vir de além fronteira importantes alavancagens do setor, na próxima década. Nessa perspectiva, dois pontos parecem surgir como estratégicos para o agro. Primeiro, uma efetiva política para promover maior abertura comercial do país, sob a batuta do multilateralismo e, inclusive, aproveitando o forte potencial competitivo do nosso agro, seja em produtos ou mesmo em serviços tecnológicos para a faixa tropical do planeta. Sempre lembrando que abertura comercial é sinônimo de vender, comprar e aprender, estendendo seus benefícios de competitividade para toda a economia, do campo à indústria e aos serviços.

O outro pilar essencial para somar no fortalecimento do país no mercado internacional é a modernização e o compliance dos processos fiscalizadores da defesa sanitária e de outras eventuais atividades de impacto sobre a segurança dos alimentos aqui produzidos. Isso tem a ver com o conceito dos produtos brasileiros no exterior, portanto é fator para abrir oportunidades de venda, além de combustível para estratégias de agregação de valor em nossas ofertas e para aumento de prestígio da marca Brasil. Para um setor com peso de um quarto do PIB e presença internacional ascendente, essa questão bem que poderia merecer atenção de prioridade nacional.

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 2 =

Notícias Sanidade

ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção

Será apresentado o sistema de treinamento na inspeção ante e post mortem de aves e suínos

Publicado em

em

Divulgação/Agrostock

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura (DIPOA/MAPA) realizam ao longo desta semana um encontro conjunto para tratar sobre temas do sistema de inspeção do setor de proteína animal. A programação do evento, iniciada na segunda-feira (18), segue até sexta-feira (22), em São Paulo, SP.

Na ocasião, será apresentado o sistema de treinamento na inspeção ante e post mortem de aves e suínos. Além disso, também serão discutidas as ações e procedimentos de verificação oficial dos controles em estabelecimentos produtores de carne e suínos. Participam do encontro técnicos das agroindústrias produtoras e exportadoras e auditores fiscais do Ministério da Agricultura.

“Este é um trabalho que tem como princípio o fortalecimento do trabalho pela qualidade e a reconstrução da imagem do setor produtivo, seguindo todos os parâmetros legais em uma parceria do setor público e da iniciativa privada.  Esperamos realizar, em breve, novos eventos com o mesmo objetivo”, ressalta Francisco Turra, presidente da ABPA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Leiteiro

Estoques reduzidos e menor produção elevam preço do UHT

Altas estiveram atreladas aos estoques, que continuam controlados, e à redução da produção por parte de alguns laticínios

Publicado em

em

Divulgação

O preço do leite UHT negociado no atacado do Estado de São Paulo subiu 0,24% entre as duas últimas semanas, fechando com média de R$ 2,4357/litro no período entre 11 e 15 de fevereiro. Conforme colaboradores do Cepea, as altas estiveram atreladas aos estoques, que continuam controlados, e à redução da produção por parte de alguns laticínios.

Apesar da valorização, as negociações entre laticínios e atacados permaneceram baixas. Já o queijo muçarela se desvalorizou 0,83% na mesma comparação, fechando com média de R$ 17,2862/kg entre 11 e 15 de fevereiro. Quanto à liquidez no mercado deste derivado, permaneceu estável no período.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias No Paraná

Trigo pode ser boa alternativa ao produtor na 2ª safra

Como o clima está favorável, os preços e custos de produção irão balizar tomada de decisão dos agricultores

Publicado em

em

Divulgação/SECS

Com o avanço da colheita dos grãos de verão no Paraná, triticultores do Estado já planejam a divisão das áreas de semeio na segunda safra. Como o clima está favorável ao desenvolvimento tanto do trigo quanto do milho, os preços e custos de produção é que irão balizar a tomada de decisão dos agricultores por um ou outro.

Segundo dados da equipe de custos agrícolas do Cepea, em Cascavel, PR, o custo operacional de produção do milho 2ª safra foi calculado em R$ 2.822,54/hectare, contra R$ 1.901,03/ha para o trigo. A produtividade média das últimas três safras foi de 93 sacas/ha para o milho e de 49 sc/ha para o trigo, de acordo com dados do Deral/Seab.

Considerando-se os valores médios de venda em janeiro/19, as receitas geradas seriam de R$ 2.724,08/ha para o milho e de R$ 2.343,38/ha para o trigo. Portanto, a receita obtida com a cultura do trigo foi suficiente para saldar os custos operacionais e gerar margem positiva ao produtor, de R$ 442,35/ha. Já a receita obtida com o milho 2ª safra não foi suficiente para cobrir o total de desembolsos, resultando em margem negativa ao produtor, de R$ 98,46/ha.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Biochem site – lateral
APA
Facta 2019
Nucleovet 2

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.