Conectado com

Notícias

EFAPI 2013: Santa Catarina tem os melhores bovinos da raça Jersey do Brasil

Publicado em

em

Os melhores exemplares da raça, os resultados da evolução e da seleção dos animais de ponta do Estado de Santa Catarina foram apresentados durante o julgamento dos animais em lactação da raça Jersey, no último sábado (12), na Exposição-feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Chapecó (EFAPI), no parque de exposições Tancredo de Almeida Neves.
O julgamento morfológico é dividido em dez categorias. Na primeira etapa são avaliadas as vacas com um ano de parida, dois anos junior, dois anos sênior, três anos junior e três anos sênior. Destas, cinco categorias são selecionadas a campeã vaca jovem, a reservada campeã vaca jovem e a terceira melhor vaca jovem.
Na segunda etapa são analisados os animais nas categorias: quatro anos, cinco anos, adulta, longeva e seca. Após as classificações, retornam para a pista as vacas selecionadas anteriormente com os títulos de campeã vaca jovem e reservada campeã vaca jovem para disputar o “Grande campeonato da raça Jersey”. O momento mais esperado pelo público, produtores e compradores é do anúncio da grande campeã, da reservada de grande campeã e da terceira melhor fêmea da exposição. A premiação foi em dinheiro para todas as campeãs e troféu.

Grandes campeãs

A grande campeã foi uma vaca PO, da Cabanha Diamantina, do município de Irani de propriedade dos irmãos Moacir e Victor Sopelsa. O animal produz 45 litros de leite por dia.
A reservada grande campeã também é de raça pura da Cabanha Diamantina e produz 40 litros de leite por dia. A mesma propriedade foi premiada nas categorias campeã vaca jovem e melhor úbere da região.
De acordo com o proprietário da Cabanha Diamantina, Victor Sopelsa, as premiações representam o resultado do trabalho de 37 anos dedicados à raça. “É muita emoção receber esse reconhecimento”, complementou.
A propriedade possui 50 hectares e um rebanho de 140 animais. Victor ressaltou a dedicação do técnico agrícola, Luciano Loureiro, que atua há 20 anos com a família,. “Escolhemos a raça Jersey pelo tamanho da propriedade e pelo terreno acidentado, uma vez que os animais são mais rústicos. Além disso, trabalhamos 100% com inseminação artificial e transferência de embrião”, complementou. Segundo Sopelsa, os animais de raça pura são comercializados com preço médio de R$ 8 a 10 mil. Com esta premiação o valor comercial amplia para R$ 40 a R$ 50 mil.
A terceira melhor fêmea da exposição é de raça pura, produz mais de 30 litros de leite por dia e veio da capital nacional do Jersey, o município de Braço do Norte. O proprietário da Cabanha Loch, Antenor Loch, relatou que possui tantos troféus que já perdeu as contas, porém na EFAPI é a primeira vez que participa. “Recebo o título com orgulho, porque vim da região Sul do Estado e fomos premiados. Isso representa o trabalho de 27 anos com o gado Jersey e vejo que aumenta nossa responsabilidade de melhorar cada vez mais”, observou.
A Cabanha Loch possui 30 hectares e 130 animais, trabalha apenas com gado puro e inseminação artificial. A principal atividade da família é a suinocultura, com mais de 3 mil animais.

Avaliação

O jurado oficial de classificação de pista Altair Valloto enfatizou que os expositores mais qualificados do Estado participaram do julgamento morfológico da raça Jersey. “Foram apresentados os melhores exemplares da raça do Brasil, o que é mérito da organização do evento”, observou.
Para Valloto, a vaca campeã deve ter atributos que a valorizem na pista e na propriedade, pois precisa mostrar a beleza zootécnica da raça. Entre os critérios analisados estão o sistema mamário para ter uma vida longa produtiva; aprumos, que são pernas e pés corretos para ir no campo buscar alimento; garupa larga e nivelada para facilitar no momento do parto e estrutura de força leiteira, que é abertura de peito e costelas e profundidade de corpo. “Esse conjunto faz com que se tenha uma grande campeã, baseada em um modelo ideal de conformação para produção”.
A presidente da Associação Catarinense dos Criadores de Bovinos (ACCB), Maria Rosinete Souza, relatou que ficou impressionada com a apresentação dos animais. “Na maioria das regiões há um predomínio da raça Holandesa, porém, os produtores fizeram um trabalho surpreendente com a raça Jersey, que refletiu na excelência dos animais”, comentou.
Maria explicou que o trabalho em genética, manejo, nutrição é visualizado na pista durante o julgamento morfológico. “Os produtores estão investindo na raça porque a indústria está exigindo qualidade. O leite da raça Jersey tem mais proteína, gordura e sólidos necessários, que são a matéria-prima que compensa a quantidade”, justificou.
Santa Catarina tem os melhores bovinos da raça Jersey do País porque o Estado é livre de aftosa, o que incentiva os produtores a aprimorarem o rebanho, uma vez que não podem trazer animais de outros Estados.

Fonte: MB Comunicação

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Para o produtor

Custos de produção de aves e suínos aumentaram em 2018

Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar de os custos de produção de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa terem se mantido estáveis em dezembro de 2018 (218,06 pontos, ante 218,05 em novembro), acumularam uma alta de 14,21% durante todo o ano passado.

 Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018. O gasto com a alimentação das aves representa 69% do total dos custos de produção dos frangos. Em seguida, as maiores altas em 2018 ficaram com os itens pinto de um dia (2,18%), custo de capital (0,18%) e depreciação (0,16%).

O custo de produção do quilo do frango de corte vivo também se manteve estável em dezembro, encerrando o ano em R$ 2,82 no Paraná, valor calculado a partir dos resultados em aviário tipo climatizado em pressão positiva.

Já o ICPSuíno caiu pelo terceiro mês consecutivo, chegando aos 219,49 pontos em dezembro, -1,34% em relação a novembro de 2018 (222,47 pontos). No ano, os custos de produção de suínos subiram 9,85%, influenciados principalmente pela alimentação dos animais, que teve um aumento de 9,68%.

O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina caiu para R$ 3,84 em dezembro (o menor valor desde março de 2018). 

Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. Santa Catarina e Paraná são usados como estados referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves
Continue Lendo

Notícias Mercado

Desaquecimento de negócios pressiona valores da carne de frango

Vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Colaboradores do Cepea afirmam que as vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano. Assim, as cotações do produto, especialmente do congelado, estão em queda na maior parte das regiões acompanhadas. Na Grande São Paulo, o preço do frango inteiro congelado recuou 0,6% frente a dezembro, com média de R$ 4,37/kg na parcial deste ano (até 17 de janeiro).

Quanto à carne resfriada, por outro lado, foram observadas variações distintas na primeira quinzena de janeiro dentre as regiões pesquisadas pelo Cepea. No comparativo com janeiro/18, porém, os preços atuais estão significativamente mais elevados, em termos nominais.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Ovos

Poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda

Quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor desde 2013

Publicado em

em

Domicio Faustino

De acordo com pesquisadores do Cepea, a oferta elevada, que segue pressionando as cotações dos ovos, tem impactado negativamente o poder de compra do avicultor de postura paulista frente aos principais insumos utilizados na alimentação das poedeiras, o milho e o farelo de soja.

Na parcial deste mês, a quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor de toda a série do Cepea, iniciada em maio/13. Já sobre a quantidade do derivado da soja, é a menor desde dezembro/13.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Nucleovet 2
APA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.