Conectado com
OP INSTAGRAM

Empresas

DSM elege as 10 regras de ouro do confinamento

Publicado em

em

Divulgação DSM

O crescimento constante do confinamento de bovinos de corte no Brasil, que tem registrado recordes de número de animais nesse sistema ao longo dos últimos anos, exige bastante atenção dos pecuaristas que atuam com esse modelo. Como cada etapa produtiva é fundamental para o sucesso da atividade, Marcos Baruselli, gerente de categoria Confinamento da DSM, detentora da marca Tortuga® de suplementos nutricionais para animais, elegeu as “10 regras de ouro” para o confinamento.

Confira abaixo as orientações mais importantes:

1. Balanceamento correto da dieta dos animais

A dieta dos bovinos confinados deve ser corretamente balanceada em todos os nutrientes essenciais, como: proteínas, fibras, nutrientes digestíveis totais, minerais e vitaminas. Esse é um fator importante e que permite que os animais atinjam o bom desempenho zootécnico e produtivo esperado. Dietas que não são balanceadas adequadamente e/ou desprovidas de nutrientes essenciais, como minerais e vitaminas, por exemplo, podem comprometer o desempenho e expor os animais às deficiências e enfermidades de origem nutricional.

2. Disponibilidade de água limpa

O fornecimento constante de água feito por meio de bebedouros apropriados e bem localizados é de vital importância para o sucesso do confinamento. Água limpa e à vontade deve ser uma prioridade em todos os confinamentos, sem a qual os desempenhos zootécnicos planejados não serão atingidos. Limpeza periódica e manutenção constante dos bebedouros é regra. Contudo, nota-se no campo que, muitas vezes, essa regra é negligenciada ou deixada em segundo plano, o que representa um erro “fatal” para o sucesso da atividade.

3. Inclusão de aditivos na dieta (tecnologia de nutrição)

A inclusão de ingredientes com tecnologias que aumentam o desempenho zootécnico dos animais e a rentabilidade dos produtores é outra regra muito importante. Do portfólio da DSM, por exemplo, os confinadores pequenos, médios e grandes de todo o país encontram uma linha completa de núcleos minerais vitamínicos que possuem em sua formulação diversos ingredientes e aditivos, como CRINA®, RumiStar™, Hy-D® e os Minerais Tortuga.

O RumiStar (alfa amilase pura exclusiva da DSM) melhora a digestibilidade do amido do milho da dieta, reduzindo as perdas do milho nas fezes e aumentando o ganho de peso diário (GPD). O CRINA, blend de óleos essenciais, substitui com vantagens o uso de antibióticos na ração empregados como melhoradores de desempenho e melhora a eficiência alimentar. O Hy-D melhora o rendimento de carcaça e o peso da carcaça quente, gerando expressivo aumento da produtividade. E os Minerais Tortuga, como o cromo, por exemplo, reduzem o estresse e aumentam a produção de arrobas.

4. Gestão zootécnica do confinamento

Controle eficiente dos indicadores zootécnicos, como consumo diário de ração, ganho de peso diário (GPD), ganho médio diário de carcaça (GMDC), rendimento de carcaça (RC), eficiência biológica, conversão alimentar (CA) e quantidade de arrobas produzidas por animal. Isso é fundamental a todos os confinadores que almejam conhecer e fazer a gestão correta dos índices de produtividade. Os produtores eficientes devem evitar o manejo de “bica corrida”, que consiste em fornecer a ração sem o devido controle da quantidade por baia.

5. Gestão financeira (custos, receitas, lucro em R$ e % e ROI)

O controle eficiente dos indicadores financeiros é um ponto de atenção ao envolver os custos operacionais, custo da ração, custo por animal ao dia, custo por animal por período, custo total final, receita e lucro (ou ROI – retorno sobre o investimento). Nesse aspecto, um bom aliado dos confinadores é o aplicativo Mais Arroba, desenvolvido pela DSM e pelo Cepea-USP, ao permitir realizar vários cálculos e projeções financeiras.

6. Capacitação da mão-de-obra

Equipe treinada e capacitada para operar nos confinamentos é fundamental. Importante frisar, porém, que a equipe deve compreender de fato o que ela está executando no confinamento e não simplesmente realizar tarefas no “modo automático”. Treinamento constante nas áreas de manejo, lida do gado, nutrição e sanidade permitem ao produtor contar com uma mão-de-obra rural que reconhece a importância das suas atividades diárias e contribuem para o sucesso do confinamento.

7. Acompanhamento do mercado

Saber as tendências e perspectivas dos preços da arroba e do milho (base da ração) é um ponto vital para os confinadores se planejarem e impulsionarem os resultados econômicos e financeiros da atividade. Saber a hora de comprar o boi magro e os insumos da ração, como milho, farelo de soja, núcleos minerais vitamínicos e demais ingredientes faz parte do negócio e reflete de forma expressiva no resultado do confinamento. O aplicativo Mais Arroba (DSM e Cepea-USP) também fornece ao confinador informações valiosas de mercado do boi e do milho em diversas regiões.

8. Bem-estar animal e instalações apropriadas

A infraestrutura do confinamento também é uma das prioridades dos confinadores bem-sucedidos. Currais de manejo bem planejados, com baias construídas com materiais adequados e bem dimensionadas, com bebedouros e cochos em lugares corretos é fundamental para o bem-estar dos animais e, consequentemente, para a saúde e para o seu desempenho zootécnico.

9. Controle sanitário estratégico

Cumprir de forma correta o calendário de vacinação é mais uma regra de ouro. Realizar a vermifugação dos animais e manter uma farmácia com os medicamentos adequados próximo ao escritório do confinamento também é importante. Praticar ronda sanitária periódica (diária) por meio de equipe devidamente treinada é mais uma regra que o confinador deve praticar.

10. Controle dos ingredientes da ração (inventário)

Realizar um inventário periódico é mais uma regra importante. Controlar compras dos ingredientes, os estoques, época ideal de compra de gado, milho, soja etc. Deixar faltar um ingrediente no meio do manejo pode colocar em risco o sucesso da atividade. Da mesma forma, deixar sobrar também pode representar prejuízos e perdas. Portanto, estocar os ingredientes em barracões apropriados e corretamente dimensionados é uma atenção que pode fazer diferença no bolso do confinador.

 

Marcos Baruselli, gerente de categoria Confinamento da DSM, detentora da marca Tortuga®

Fonte: Ass. de imprensa DSM Tortuga
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − um =

Empresas Bronquite Infecciosa

Ceva traz informações relevantes em vídeo sobre a doença de maior impacto na avicultura brasileira

Os interessados pelo tema poderão conferir os vídeos apresentados de forma prática pelo Gerente Nacional de Serviços Técnicos da companhia, Dr. Jorge Chacón

Publicado em

em

Dr. Jorge Chacón, Gerente Nacional de Serviços Técnicos CEVA - Foto: Assessoria

Enfermidade de elevada patogenicidade e altamente contagiosa, a Bronquite Infecciosa (BI) é uma doença causadora de consideráveis perdas econômicas e disseminada nos plantéis avícolas afetando frangos de corte, galinhas reprodutoras e poedeiras comerciais, e no Brasil o cenário não é diferente.

Por esta razão e atenta ao status sanitário, zootécnico e econômico de seus clientes, a Unidade Aves da CEVA apresenta vídeo destacando os pontos-chave, de forma prática, sobre causas, desafios, tecnologias e controles sobre a Bronquite Infecciosa.

“Esta é mais uma prestação de serviços que estendemos para os nossos clientes bem como para todos os profissionais da avicultura interessados em conhecer a visão, ações, experiências e soluções CEVA para um assunto que merece atenção de todos atores da cadeia produtiva avícola”, insere o Gerente Aves Ciclo Curto, Tharley Carvalho.

Felipe Pelicioni, Gerente Aves Ciclo Longo, considera o vídeo um compilado resumido das inúmeras experiências exitosas de imunização e prevenção sobre a doença. “Um material enriquecedor que trata da qualidade, segurança, eficácia, inovação e tecnologia CEVA reconhecida por todo o mercado avícola nacional”, salienta.

Apresentada pelo Dr. Jorge Chacón, Gerente Nacional de Serviços Técnicos CEVA, com muita propriedade, aborda a variante de maior prevalência no país, a do grupo BR-I. Em um levantamento de 2015 realizado em 453 amostras suspeitas em frangos de corte, galinhas reprodutoras e poedeiras comerciais, referenda esta informação. “Foi detectado uma grande prevalência do vírus BR em todas as regiões do país”, afirma Chacón e continua: “ao avaliar 278 amostras positivas entre frango de corte, galinhas reprodutoras, poedeiras comerciais e avós, 75,9% dos vírus eram do genótipo BR-I, o restante eram vírus vacinal Massachusetts.”

Por esta razão, continua o Gerente Nacional de Serviços Técnicos, “as vacinas vivas Cevac IBras e as inativadas, Cevac Maximune Pró e Cevac Eggmune, desenvolvidas pela Ceva com o vírus BR-I têm contribuído enormemente à produtividade e rentabilidade das grandes avícolas do país porque estas vacinas conferem excelente proteção contra a doença causante pelos maiores prejuízos econômicos da indústria avícola atual.”

 

Para assistir o vídeo acesse: https://www.youtube.com/watch?v=gJPDffFZr54&list=PLvOUUCnxp-CNxoHdWbj5PGKEzVKyVd5Mu&index=8

 

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Bovinos

Segmento de gado de corte se consolida como uma das grandes apostas do agronegócio

Cenário é estimulado pelo aumento da demanda por carne bovina brasileira, crescimento da população mundial e soluções personalizadas que contribuem para o bem-estar animal

Publicado em

em

A constante demanda mundial por carne tem impulsionado a intensa produção de bovinos de corte. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) aponta que, em 2021, esse consumo deve bater recordes, atingindo cerca de 60 milhões de toneladas de carne bovina. Atrelado a isso, a ONU prevê que a população mundial será de 9,7 bilhões de pessoas em 2050, cerca de 26% maior do que o quadro atual, de 7,7 bilhões de habitantes.

Dentro deste contexto, a Wisium, marca global referência em premixes, aditivos e serviços, registra sólida e consistente expansão, por conta da equipe altamente qualificada, dos resultados comprovados e das soluções personalizadas que contribuem para o bem-estar animal, entre outros diferenciais de mercado.

Este posicionamento da Wisium será ainda mais evidente com a atuação de Letícia Custódio, que acaba de ser anunciada como Gerente Técnica Comercial – Bovinos de Corte. Formada em Zooctenia pelo Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos, a profissional tem mestrado em Ciência Animal e Pastagens, com o professor Nussio, na ESALQ/USP, com foco em tecnologias aplicadas a conservação de forragens. Na sequência, iniciou doutorado em Zootecnia na UNESP, em Jaboticabal, em parceria com a APTA em Colina, sob a orientação do professor Gustavo Siqueira, tendo como principal objetivo avaliar a importância de micotoxinas para bovinos de corte confinados.

Letícia explica que seu foco na Wisium será atendimento personalizado e treinamento técnico diferenciado para clientes e equipe comercial. “Participarei ativamente da conquista de resultados, além do controle e gerenciamento das metas de bovinos de corte do time de vendas. Focarei diariamente no pleno e saudável crescimento da equipe, por meio da seleção e contratação de novos representantes para expansão da Wisium no território nacional, de forma estratégica e extremamente eficaz”, destaca.

 

Tecnologias e Bem-Estar Animal

A Gerente Técnica Comercial – Bovinos de Corte acrescenta que a inclusão de tecnologia nas soluções Wisium está muito atrelada ao crescimento com eficiência. “O crescimento horizontal das grandes propriedades brasileiras não é mais a melhor forma de desenvolvimento. Precisamos focar no crescimento vertical dos grandes negócios com a inclusão de novas tecnologias, com as quais conseguimos produzir mais com menos. Para isso, é necessário muito estudo e planejamento das estratégias aplicadas no campo”, pontua.

Nesse cenário, o principal enfoque da marca global será o bem-estar animal. “O cuidado com o bem-estar dos animais de produção é o grande objetivo da Wisium e está cada vez mais evidente no meio pecuário. Além de ser a forma correta e ética de produção, é também a forma mais rentável, pois animais que se encontram em situações de conforto produzem mais e melhor”, finaliza.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Grupo Vittia completa 50 anos e realiza investimentos de R$ 100 milhões na maior fábrica de produtos biológicos da América Latina

Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação integra o complexo fabril e amplia presença do Grupo nesse setor, com foco em produtividade e sustentabilidade

Publicado em

em

Fotos: Assessoria

O Grupo Vittia, empresa brasileira de biotecnologia (defensivos biológicos e inoculantes) e nutrição especial de plantas, completa 50 anos de atuação, celebrados no ano em que inaugura a maior fábrica da América Latina para a produção de insumos biológicos para a agricultura. A unidade, localizada em São Joaquim da Barra (SP), recebeu investimentos na ordem de R$ 100 milhões e conta com ampla capacidade produtiva e elevado nível tecnológico, já preparada para as próximas expansões .

Desde 1971 no mercado, a companhia tem expandido sua atuação por meio de uma estratégia robusta de aquisições e expansão dos negócios. José Roberto Pereira de Castro, Diretor de Marketing do Grupo Vittia ressalta que a indústria tem capacidade para atender à crescente demanda do mercado. “A sólida história que construímos ao longo dessas cinco décadas nos dá segurança para seguirmos expandindo, tendo agora a maior escala industrial para produção de produtos biológicos no Brasil. Assim, estamos devidamente equipados para ampliar nossa participação de mercado e estar ao lado dos principais produtores e distribuidores do país”.

Instalada em área total de 110 mil m2, a nova fábrica possui capacidade instalada para produzir cinco milhões de litros / quilogramas desses insumos biológicos por ano. O local conta também com um Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&DI) de última geração em área de 1.300 m2 contando com laboratórios e casas de vegetação. Na estrutura de P&DI estão os núcleos de bioprospecção, bioprocessos, fertilizantes e experimentação agronômica.

O mercado de controle biológico está em plena expansão no mundo. No Brasil, soma em 2020, um crescimento de 40% em relação a 2019, chegando a um total de R$ 1,578 milhões. Segundo a CropLife, com base nos dados levantados pela consultoria Blink, em 2021, a previsão é de um crescimento de 33% no setor. Atento a esse potencial, o Grupo Vittia mantém firme sua atuação focada no desenvolvimento de mercado, expansão dos negócios e visão de futuro para atender às diferentes culturas.

Líder nacional no mercado de inoculantes, o Grupo Vittia figura entre os três maiores players de nutrição especial do Brasil e projeta ser líder no mercado de biológicos no Brasil.

 

Forte Competência em Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação

A capacidade de desenvolver e aplicar tecnologia nos processos produtivos e de desenvolvimento de novos produtos é um dos pilares estratégicos da empresa. Atualmente, possui um time de 22 profissionais dedicados exclusivamente à pesquisa de novos produtos e tecnologias; um banco com mais de 2.000 variedades de fungos e bactérias com potencial biotecnológico para a agricultura e defensivos biológicos com cepas de microrganismos exclusivas do Grupo Vittia.

Nos últimos 4 anos, os pesquisadores do Centro de Pesquisa do Grupo Vittia foram responsáveis pelo desenvolvimento e regulamentação de 72 novos produtos e recomendações de uso. Hoje, a companhia possui um intenso pipeline de desenvolvimento de tecnologias, das quais 35 encontram-se em fase de registro.

“Nossos investimentos em pesquisa e desenvolvimento em 2020 somaram R$ 14 milhões, contribuindo para levar cada vez mais produtividade ao produtor rural. Por isso temos orgulho de celebrar esse marco de cinquenta anos com um portfólio de defensivos biológicos que nos posiciona como empresa com maior número de alvos biológicos (pragas e doenças de plantas) aprovados pelo MAPA”, complementa Castro.

 

Cinco décadas de expansão

Fundado em 1971 por Plinio Romanini, na cidade de São Joaquim da Barra (SP), o Grupo Vittia iniciou suas atividades como um dos primeiros produtores nacionais de inoculantes (ou fertilizantes biológicos) focados, inicialmente, no mercado de soja. Ao longo dos anos, expandiu o escopo de atuação. Nesta nova etapa, buscou sempre consolidar o modelo vertical de negócios, e ao longo dos últimos anos o Grupo tem trabalhado em aquisições que dão robustez aos negócios:

2001 – Adquire uma unidade fabril no município de Serrana/SP, destinada a fabricação de fertilizantes organominerais para aplicação via solo e condicionador de solo.

2004 – Aquisição da Granorte, localizada em Ituverava/SP, especializada na produção de micronutrientes farelados e granulados para aplicação via solo na agricultura.

2014 – Iniciou um novo ciclo de crescimento com o aporte minoritário do fundo de private equity Brasil Sustentabilidade FIP, gerido pela BRZ Investimentos.

2014 – É adquirida a Samaritá, situada no município de Artur Nogueira/SP, que há mais de 26 anos atua no mercado de nutrição e proteção vegetal.

2017 – A Biovalens passa a fazer parte do Grupo. Especializada em soluções para controle microbiológico de pragas e doenças da agricultura, para a conquista de novos desafios no mercado de biotecnologia.

2020 – Aquisição da Vitória Fertilizante, de fertilizantes organominerais a base de resíduos orgânicos e da JB Biotecnologia, especializada na produção, desenvolvimento e comercialização de agentes macrobiológicos para o controle biológico de pragas.

2021 – Celebração dos 50 anos de atuação no país e o fortalecimento dos investimentos no setor, incluindo a maior fábrica de produtos biológicos da América Latina que conta com um Centro de excelência voltado para Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.