Conectado com

Empresas

DSM elege as 10 regras de ouro do confinamento

Publicado em

em

Divulgação DSM

O crescimento constante do confinamento de bovinos de corte no Brasil, que tem registrado recordes de número de animais nesse sistema ao longo dos últimos anos, exige bastante atenção dos pecuaristas que atuam com esse modelo. Como cada etapa produtiva é fundamental para o sucesso da atividade, Marcos Baruselli, gerente de categoria Confinamento da DSM, detentora da marca Tortuga® de suplementos nutricionais para animais, elegeu as “10 regras de ouro” para o confinamento.

Confira abaixo as orientações mais importantes:

1. Balanceamento correto da dieta dos animais

A dieta dos bovinos confinados deve ser corretamente balanceada em todos os nutrientes essenciais, como: proteínas, fibras, nutrientes digestíveis totais, minerais e vitaminas. Esse é um fator importante e que permite que os animais atinjam o bom desempenho zootécnico e produtivo esperado. Dietas que não são balanceadas adequadamente e/ou desprovidas de nutrientes essenciais, como minerais e vitaminas, por exemplo, podem comprometer o desempenho e expor os animais às deficiências e enfermidades de origem nutricional.

2. Disponibilidade de água limpa

O fornecimento constante de água feito por meio de bebedouros apropriados e bem localizados é de vital importância para o sucesso do confinamento. Água limpa e à vontade deve ser uma prioridade em todos os confinamentos, sem a qual os desempenhos zootécnicos planejados não serão atingidos. Limpeza periódica e manutenção constante dos bebedouros é regra. Contudo, nota-se no campo que, muitas vezes, essa regra é negligenciada ou deixada em segundo plano, o que representa um erro “fatal” para o sucesso da atividade.

3. Inclusão de aditivos na dieta (tecnologia de nutrição)

A inclusão de ingredientes com tecnologias que aumentam o desempenho zootécnico dos animais e a rentabilidade dos produtores é outra regra muito importante. Do portfólio da DSM, por exemplo, os confinadores pequenos, médios e grandes de todo o país encontram uma linha completa de núcleos minerais vitamínicos que possuem em sua formulação diversos ingredientes e aditivos, como CRINA®, RumiStar™, Hy-D® e os Minerais Tortuga.

O RumiStar (alfa amilase pura exclusiva da DSM) melhora a digestibilidade do amido do milho da dieta, reduzindo as perdas do milho nas fezes e aumentando o ganho de peso diário (GPD). O CRINA, blend de óleos essenciais, substitui com vantagens o uso de antibióticos na ração empregados como melhoradores de desempenho e melhora a eficiência alimentar. O Hy-D melhora o rendimento de carcaça e o peso da carcaça quente, gerando expressivo aumento da produtividade. E os Minerais Tortuga, como o cromo, por exemplo, reduzem o estresse e aumentam a produção de arrobas.

4. Gestão zootécnica do confinamento

Controle eficiente dos indicadores zootécnicos, como consumo diário de ração, ganho de peso diário (GPD), ganho médio diário de carcaça (GMDC), rendimento de carcaça (RC), eficiência biológica, conversão alimentar (CA) e quantidade de arrobas produzidas por animal. Isso é fundamental a todos os confinadores que almejam conhecer e fazer a gestão correta dos índices de produtividade. Os produtores eficientes devem evitar o manejo de “bica corrida”, que consiste em fornecer a ração sem o devido controle da quantidade por baia.

5. Gestão financeira (custos, receitas, lucro em R$ e % e ROI)

O controle eficiente dos indicadores financeiros é um ponto de atenção ao envolver os custos operacionais, custo da ração, custo por animal ao dia, custo por animal por período, custo total final, receita e lucro (ou ROI – retorno sobre o investimento). Nesse aspecto, um bom aliado dos confinadores é o aplicativo Mais Arroba, desenvolvido pela DSM e pelo Cepea-USP, ao permitir realizar vários cálculos e projeções financeiras.

6. Capacitação da mão-de-obra

Equipe treinada e capacitada para operar nos confinamentos é fundamental. Importante frisar, porém, que a equipe deve compreender de fato o que ela está executando no confinamento e não simplesmente realizar tarefas no “modo automático”. Treinamento constante nas áreas de manejo, lida do gado, nutrição e sanidade permitem ao produtor contar com uma mão-de-obra rural que reconhece a importância das suas atividades diárias e contribuem para o sucesso do confinamento.

7. Acompanhamento do mercado

Saber as tendências e perspectivas dos preços da arroba e do milho (base da ração) é um ponto vital para os confinadores se planejarem e impulsionarem os resultados econômicos e financeiros da atividade. Saber a hora de comprar o boi magro e os insumos da ração, como milho, farelo de soja, núcleos minerais vitamínicos e demais ingredientes faz parte do negócio e reflete de forma expressiva no resultado do confinamento. O aplicativo Mais Arroba (DSM e Cepea-USP) também fornece ao confinador informações valiosas de mercado do boi e do milho em diversas regiões.

8. Bem-estar animal e instalações apropriadas

A infraestrutura do confinamento também é uma das prioridades dos confinadores bem-sucedidos. Currais de manejo bem planejados, com baias construídas com materiais adequados e bem dimensionadas, com bebedouros e cochos em lugares corretos é fundamental para o bem-estar dos animais e, consequentemente, para a saúde e para o seu desempenho zootécnico.

9. Controle sanitário estratégico

Cumprir de forma correta o calendário de vacinação é mais uma regra de ouro. Realizar a vermifugação dos animais e manter uma farmácia com os medicamentos adequados próximo ao escritório do confinamento também é importante. Praticar ronda sanitária periódica (diária) por meio de equipe devidamente treinada é mais uma regra que o confinador deve praticar.

10. Controle dos ingredientes da ração (inventário)

Realizar um inventário periódico é mais uma regra importante. Controlar compras dos ingredientes, os estoques, época ideal de compra de gado, milho, soja etc. Deixar faltar um ingrediente no meio do manejo pode colocar em risco o sucesso da atividade. Da mesma forma, deixar sobrar também pode representar prejuízos e perdas. Portanto, estocar os ingredientes em barracões apropriados e corretamente dimensionados é uma atenção que pode fazer diferença no bolso do confinador.

 

Marcos Baruselli, gerente de categoria Confinamento da DSM, detentora da marca Tortuga®

Fonte: Ass. de imprensa DSM Tortuga
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − seis =

Empresas

Cobb-Vantress defende revisão nutricional para acompanhar melhoramento genético

O médico veterinário e especialista Mundial em Nutrição da Cobb-Vantress, Vitor Hugo Brandalize, fala da importância de uma revisão na formulação das dietas para acompanhar o potencial genético das aves, com características para melhor ganho de peso diário, conversão alimentar e rendimento de carcaça, entre outros indicadores

Publicado em

em

Vitor Hugo Brandalize / Divulgação

A nutrição das aves sempre despontou entre os desafios mais importantes da cadeia produtiva em função do impacto que tem nos custos de produção, chegando até cerca de 80%. O atual cenário de preços muito elevados dos grãos, principais insumos, combinado com os avanços do melhoramento genético tem levado as principais empresas avícolas a rever estratégias nutricionais, explicou o médico veterinário e especialista Mundial em Nutrição da Cobb-Vantress, Vitor Hugo Brandalize, durante sua apresentação no XV Simpósio Goiano de Avicultura.

De acordo com ele, o melhoramento genético evoluiu rapidamente na direção de melhores resultados em indicadores como ganho de peso diário, conversão alimentar, rendimento de carcaça e empenamento precoce, entre outros benefícios. Este quadro exige das empresas atenção às formulações das dietas para acompanhar estes avanços e extrair o máximo do potencial genético do plantel. “É uma revisão necessária, como em relação aos níveis de aminoácidos, cálcio e fósforo, por exemplo. Outro ponto a ser avaliado é para uma redução da energia metabolizável, que indiretamente reduz o custo da ração”, salientou.

Brandalize ressalta ainda a importância de avaliar a alta inclusão de produtos de origem animal e o nível de potássio da dieta. “Tenho observado menor mortalidade em aves cujas dietas incluem produtos de origem vegetal na comparação com aquelas aves que consomem nutrição com alta inclusão de produtos de origem animal. São questões já estudadas, mas que devemos investigar para acompanhar as necessidades desta nova ave que está no mercado”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Agroceres PIC inaugura nova Unidade de Disseminação de Genes no Paraná

Em operação, a nova UDG terá capacidade para alojar 800 reprodutores e potencial para processar 1,2 milhão de doses de sêmen por ano.

Publicado em

em

Fotos: Sandro Mesquista e Selmar Marquesin/OP Rural 

Esta sexta-feira (1º) marca o início de um novo ciclo na história da empresa de genética Agroceres PIC, que nesta manhã inaugurou uma nova Unidade de Disseminação de Genes (UDG), na cidade de Paranavaí, na região Noroeste do Paraná. Através deste empreendimento e de mais duas novas UDGs, que serão implantadas no Centro-Oeste e outra na região Sul, a companhia projeta em até três anos fornecer sêmen para mais de 70% de seus clientes.

Diretor superintendente da Agroceres PIC, Alexandre Furtado da Rosa: “Esse novo ciclo de investimentos nos permitirá aumentar a eficiência da disseminação de genes superiores e acelerar o progresso genético nas unidades de produção comercial”

Durante o ato solene de inauguração da UDG, o diretor superintendente da Agroceres PIC, Alexandre Furtado da Rosa, destacou o crescimento do mercado suinícola no Estado paranaense, a importância do setor para a economia nacional e os novos rumos que a empresa busca através da expansão de seu negócio de genética líquida no país “Esse novo ciclo de investimentos nos permitirá aumentar a eficiência da disseminação de genes superiores e acelerar o progresso genético nas unidades de produção comercial, agregando valor e competitividade ao negócio de nossos clientes”, enalteceu.

O moderno Centro Tecnológico de Excelência Com a UDG Paranavaí em operação, a produção total da Agroceres PIC salta para 4,5 milhões de doses inseminantes por ano.

A nova unidade vai atender a demanda da rede de multiplicadores de material genético Agroceres PIC, de parceiros Multiplicadores de Rebanho Fechado (MRF) e clientes instalados nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

As primeiras doses de genética líquida da nova unidade paranaense devem chegar ao mercado em setembro.

A equipe do Jornal O Presente Rural está fazendo a cobertura jornalística da inauguração da nova UDG, a reportagem completa você confere na próxima edição de Suínos e Peixes e também nas nossas plataformas digitais.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Empresas Reforço de equipe

Francisco Dolejal é o novo Gerente de Vendas Sênior da NOVUS para o estado do Paraná

Anúncio reforça o compromisso da companhia por um atendimento estratégico e afinado às particularidades dos seus clientes paranaenses

Publicado em

em

Francisco Dolejal / Divilgação

A NOVUS apresentou mais um profissional estratégico visando estreitar ainda mais sua proximidade com os produtores de proteína animal de todo estado às especialidades exclusivas contidas no seu portfólio, programas e conhecimento técnico global que fazem da multinacional referência no mercado de nutrição animal.

Graduado em Zootecnia em 2009 pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste, Campus Marechal Cândido Rondon/PR), Francisco Dolejal agora responde por todo o atendimento técnico-comercial do Estado.

Há 12 anos no mercado, o profissional construiu toda sua rede de relacionamento na região de suma importância para as operações da NOVUS. “Paraná é uma referência multiproteína, um grande polo agroindustrial dentro do nosso segmento e em constante evolução. Portanto, atento a todos estes movimentos deste estado referência produtiva, anunciamos mais este reforço ao time. Gente certa no lugar certo”, inicia o Gerente Sênior Regional de Negócios da NOVUS, Alessandro Lima.

“Estou feliz e motivado com esta nova casa. Logo nos meus primeiros dias de integração me surpreendi com a organização, conhecimento técnico, equipe altamente qualificada, soluções e programas diferenciados. Um mundo de oportunidades para uma série de desafios produtivos que quero, apoiado a toda essa minha bagagem, contribuir ainda mais para o desenvolvimento dos nossos clientes e prospectar novos negócios”, insere o Gerente de Vendas Sênior para o Paraná, Francisco Dolejal.

O profissional, que também possui especialização em Nutrição pelo Instituto Rehagro (Belo Horizonte/MG), “agregará muito ao nosso time”, inclui Alessandro em menção a importância do estado do Paraná que em 2021 produziu 6,213 milhões de toneladas entre carne bovina, suína e frango, além de ser protagonista nacional no setor avícola, segundo colocado no ranking de produção suinícola, ovos e leite de acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, Brasília/DF).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.