Conectado com
OP INSTAGRAM

Bovinos / Grãos / Máquinas Pecuária leite e corte

Doença Respiratória Bovina exige controle da infecção, mas também do processo inflamatório

Os principais agentes infecciosos envolvidos na DRB são vírus e bactérias, sendo as infecções bacterianas as de maior importância

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

Artigo escrito por Marcos Malacco, Gerente de serviço veterinário Ceva Saúde Animal Brasil.

A Doença Respiratória Bovina tem sido cada vez mais frequente em nosso meio e os processos de intensificação empregados na pecuária bovina têm papel importante para isto. Estudos brasileiros têm demonstrado morbidade, ou número de casos presentes no rebanho, variável. No gado leiteiro um estudo brasileiro verificou que 23,9% dos animais mostraram a DRB durante os primeiros 12 meses de vida. Ainda em um levantamento que envolveu 4.628 animais leiteiros, foram observados dois momentos críticos para a DRB na criação de bezerras leiteiras até aproximadamente 8 meses de idade.

O primeiro ocorreu entre as 1ª e 3ª semanas de idade e o segundo entre os 90 e os 150 dias de idade, sendo este último o de maior número de casos. É importante destacar que a ocorrência da DRB nos primeiros 12 meses de vida comprometerá a vida produtiva futura, contribuindo para baixo desempenho no desenvolvimento corporal, atraso para a entrada na reprodução, aumento do descarte involuntário de novilhas, menor produção de leite na 1ª lactação, maior chance de distocias ao 1ºparto e, obviamente, maior taxa de mortalidade.

No confinamento de bovinos de corte, estudos realizados no Brasil apontam que a DRB é a doença infecciosa de maior preocupação. Em um levantamento realizado junto a consultores de grandes confinamentos brasileiros a prevalência da DRB foi de 56%. Pesquisadores avaliando confinamentos de bovinos de corte na Região Sudeste do Brasil verificaram que a DRB foi a principal causa de óbitos, correspondendo a 33% do total das mortalidades ocorridas. Em levantamento realizado por consultoria entre 2012 e 2014, envolvendo 71.279 bovinos confinados, a DRB foi responsável por 31% dos casos ocorridos de mortalidade. Outro estudioso avaliando tratamentos contra doenças infecciosas em 05 confinamentos no Brasil verificou que entre 63,7% e 91,4% dos tratamentos contra enfermidades foram destinados a DRB, com uma média de 75,6% de animais tratados.

Os principais agentes infecciosos envolvidos na DRB são vírus e bactérias, sendo as infecções bacterianas as de maior importância. Dentre as bactérias destaca-se a família Pasteurellaceae com as espécies Mannheimia haemolytica e Pasteurella multocida, seguidas pelo Histophilus somni. Estas bactérias são habitantes normais das vias respiratórias superiores dos bovinos, onde vivem e em condições normais não causam doença. Com relação aos vírus seu papel destes é debilitar os mecanismos naturais de defesa do trato respiratório, proporcionando a multiplicação bacteriana e sua posterior invasão do trato respiratório inferior.

Há outras situações que podem debilitar os mecanismos de defesa locais ou mesmo lesar a superfície mucosa do trato respiratório como o excesso de poeira (Figura 1) e de gases irritantes da mucosa respiratória (amônia, por exemplo). Também situações que levem a queda da imunidade geral contribuem para a instalação da DRB. Neste caso o estresse é fator importante. Assim situações como o desmame, o transporte dos animais por longas distâncias e com longa restrição de água e alimentação, a formação de novos lotes com disputas por hierarquias, as mudanças bruscas de temperatura, o manejo agressivo dos animais, por exemplo, têm importância. Outro ponto de destaque é a formação dos lotes com animais de origens diferentes, o que proporciona uma “mistura” de patógenos (agentes) com os quais os animais não estejam familiarizados.

As infecções pela M. haemolytica têm grande importância e como mencionado anteriormente, esta bactéria é habitante natural do trato respiratório superior dos bovinos. Quando a M.haemolytica se multiplica no trato respiratório, há liberação de substâncias tóxicas que determinam inflamação significativa, ocasionando graves lesões e destruição nos tecidos pulmonares.

A invasão e a multiplicação bacteriana no trato respiratório inferior atrai células de defesa para o local na tentativa de controlar e expulsar os agentes invasores. Entretanto a chegada excessiva destas células pode proporcionar a liberação de substâncias que agravam a inflamação e a destruição dos tecidos. Assim, no tratamento da DRB, além do tratamento antibiótico específico, é fundamental o controle da inflamação.

 

Tratamento

O tratamento deve ser imediato e realizado assim que se observem os sintomas clássicos e o diagnóstico da DRB (depressão, febre, queda do apetite, lacrimejamento, corrimento nasal, tosse, cansaço). O atraso no tratamento pode levar a perdas significativas de produtividade e ainda elevar a taxa de insucesso devido a gravidade das lesões.

Para tratamento é importante como primeira opção antimicrobiana o uso de antibióticos de amplo espectro, de alta potência e baixa chance de ocorrência de cepas bacterianas resistentes. Também formulações que exijam o menor número de aplicações, facilitam o manejo, reduzem a mão de obra e o estresse dos animais. Das opções antibióticas disponíveis temos as tetraciclinas, os macrolídeos, as penicilinas, as fluorquinolonas e o florfenicol, por exemplo. O florfenicol tem sido uma ótima opção e estudos têm demonstrado baixo nível de desenvolvimento de resistência envolvendo os principais agentes bacterianos da DRB, ao contrário do que vem acontecendo com outros grupos de antimicrobianos. Ainda em relação ao florfenicol, devemos buscar formulações que permitam rápido início de controle da infecção, dose única, e o máximo de tempo da cobertura antibiótica.

Além da antibioticoterapia, o controle da inflamação é importante na DRB. Estudo verificando pulmões de bovinos ao abate e terminados em confinamento (150 dias) mostrou queda significativa no desempenho (p<0,001) nos animais que mostravam lesões inflamatórias pulmonares quando comparados animais sem lesões. A queda no GMD variou de -0,150 Kg para animais que mostravam lesões já resolvidas e de -0.410 Kg para animais que mostravam lesões inflamatórias ativas, mas sem doença clínica aparente – Gráfico 1.

No controle da inflamação na DRB destacam-se os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs). Há vários grupos de AINEs que podem ser classificados de acordo com seu mecanismo de ação. Na inflamação a enzima Cicloxigenase 2 (COX-2), denominada indutiva, exerce importante papel e substância derivadas da ação desta enzima são responsáveis pelos sinais inflamatórios clássicos: calor, rubor, tumor e dor. Entretanto também existe a Cicloxigenase 1 (COX-1), denominada constitutiva, que desempenha importantes papeis fisiológicos na proteção e funcionamento de diversos sistemas orgânicos. A COX-1 contribui para a proteção do trato gastrointestinal evitando que ácidos, naturalmente produzidos para os processos digestivos, ataquem a mucosa, irritando-a e possibilitando a formação de úlceras, por exemplo. Também atua na proteção do sistema renal e na regulação da pressão sanguínea. A maioria dos AINEs apresenta ação não seletiva, deprimindo a ação tanto da COX-2, indutiva ou inflamatória, quanto da COX-1, constitutiva.

Portanto, contribuem para o surgimento de efeitos colaterais que podem ser significativos, dependendo do grau de depressão da COX-1. Ainda dentre os AINEs temos aqueles com ação preferencial sobre a COX-2 e com baixo impacto sobre a COX-1, o que resulta em menos efeitos colaterais. Nessa classe temos o meloxicam como importante representante na veterinária. Uma outra vantagem do meloxicam frente aos outros AINEs é sua longa meia-vida no organismo, proporcionando efeito anti-inflamatório por até 3 dias.

Portanto, no tratamento da DRB, além do controle da infecção bacteriana, o controle do processo inflamatório instalado é de grande importância e contribui para mais rápida recuperação e sucesso da terapia. Para isso formulações que associem antibiótico potente, de longa ação junto a AINE preferencial representam ótima opção.

As referências bibliográficas estão com o autor: Contato via: diana.araujo@ceva.com

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + seis =

Bovinos / Grãos / Máquinas Bovinocultura

Clima do verão pode ser aliado no controle de verminoses em bovinos

As verminoses são problema que se acentua nos períodos quentes e úmidos, porém essas condições também podem ser aliadas do pecuarista. O consultor técnico em saúde animal na unidade de negócios de Animais de Produção da Ourofino, Ingo Mello, explica como essa doença afeta o rebanho, como tratar e o quanto o clima interfere no controle parasitário.

Publicado em

em

Divulgação/Ourofino

As verminoses são problema que se acentua nos períodos quentes e úmidos, porém essas condições também podem ser aliadas do pecuarista. Confira as dicas que o consultor técnico em saúde animal na unidade de negócios de Animais de Produção da Ourofino Saúde Animal, Ingo Mello, preparou para os leitores do jornal O Presente Rural.

O Presente Rural O que são verminoses e de que maneira elas afetam os bovinos de corte e leite?
Ingo Mello – As verminoses são os principais parasitas dos ruminantes e afetam os rebanhos provocando diversos prejuízos para a pecuária de leite e de corte. As verminoses podem afetar diversos órgãos como sistema gastrintestinal, pulmões, fígado, rins e até mesmo a musculatura dos animais. Os sinais clínicos variam desde uma simples indigestão, diarreia, baixo desenvolvimento corporal e baixo ganho de peso, perda de peso, anemias e mortes, além de predispor os animais a outras enfermidades.

O Presente Rural – Quais são os vermes mais preocupantes para a bovinocultura?
Ingo Mello – As verminoses podem ser provocadas por vermes redondos, achatados em forma de folha e suas fases intermediárias. Os principais vermes são Cooperia, Haemonchus, Oesophagostomum e Dictyocaulus.

O Presente Rural – O calor e/ou a umidade alta agravam o aparecimento de verminoses? Explique.
Ingo Mello – O período quente e úmido favorece a manutenção das verminoses na fase de vida livre ou no ambiente. Os ovos e larvas encontram condições favoráveis para cumprirem o ciclo de vida livre em busca do hospedeiro (bovinos). A rotação de pastagens no Brasil é uma estratégia que ajuda na garantia de nutrição animal, mas pouco contribui para o controle de parasitas.

O Presente Rural – O período de chuvas (verão) dificulta o controle?
Ingo Mello – Durante o verão (período quente e úmido) é favorável ao aumento da infestação ambiental, mas um bom protocolo de controle parasitário permitirá um controle eficiente. Fortes chuvas também prejudicam a viabilidade de muitos parasitas devido à destruição do bolo fecal, lavagem e encharcamento do solo. O período seco do ano é um grande desafio para os parasitas na fase de vida livre, ficam mais fragilizados, expostos a radiação solar, altas temperaturas, inversões térmicas noturnas e baixa umidade, neste contexto é recomendável intensificar as vermifugações e controle de parasitas, pois estes se encontram mais fragilizados, garantindo maior eficiência dos tratamentos e redução das infestações futuras.

O Presente Rural – Quais os sintomas (sinais clínicos e/ou subclínicos) causados por verminoses?
Ingo Mello – A Cooperia e o Oesophagostomum parasitam os intestinos, provocando irritação, inflamação e baixa eficiência ali-mentar, diarreia, desidratação e anorexia, o Haemonchus parasita o estomago dos ruminantes e provoca forte anemia, além da inflamação e irritação, sendo uma das mais preocupantes. O Dictyocaulus é o parasita dos pulmões e provoca irritação e pneumonia. Outras verminoses menos frequentes podem provocar grandes prejuízos para a pecuária quando aparecem nos rebanhos, é o caso da Fascíola hepática que provoca lesões no fígado e ductos biliares, a cisticercose bovina (fase larval ou intermediária da solitária ou teníase humana).

O Presente Rural – Quais os problemas que podem acontecer no desempenho zootécnico (carne e leite)?
Ingo Mello – Baixa eficiência alimentar, atrasos/perdas de peso: 10 a 25% (cria) (Rehagro Ensino, 2018), atrasos de 40 a 44kg na engorda (Bianchin et al.,1996), redução média de 20% na produção de leite, atrasos no desenvolvimento corporal e na puberdade, reduzindo a capacidade reprodutiva do rebanho e anemias e mortes (Bianchin et al.,1996).

O Presente Rural – Como as verminoses afetam o bem-estar do animal?
Ingo Mello – As lesões, a desidratação, a dor e a inflamação prejudicam a saúde e o bem-estar dos animais.

O Presente Rural – Como evitar verminoses no rebanho?
Ingo Mello – Através de protocolos e calendários de vermifugação. O exame amostral das fezes de alguns animais pode ajudar a desvendar o perfil de verminose dos lotes e rebanhos trazendo maior assertividade nos esquemas de vermifugação e na escolha do vermífugo/endectocida mais eficaz. Recomendamos a vermifugação de controle estratégico, mais intensificada no período seco do ano e nas transições (entrada, meio e final do período seco). A entrada de animais novos na propriedade requer uma vermifugação planejada para reduzir novas infestações ambientais. O período pré-parto é de alta importância a vermifugação das fêmeas gestantes (são muito sensíveis as verminoses), reduzindo as infestações ambientais na maternidade. Outra estratégia muito importante é a alternância de bases químicas no controle da verminose.

O Presente Rural – Como tratar as verminoses em um rebanho?
Ingo Mello – Os animais devem ser vermifugados periodicamente, principalmente no período seco utilizando bases químicas de amplo espectro de ação. Animais jovens (3 a 24 meses) devem ser vermifugados pelo menos 3 vezes ao ano, fêmeas gestantes devem ser vermifugadas no pré-parto. Animais com idade superior a 24 meses devem ser vermifugados estratégicamente no período seco.

O Presente Rural – Em que períodos da vida dos bovinos as verminoses são mais comuns?
Ingo Mello – As verminoses são mais frequentes nos animais mais jovens, bezerros durante a fase de cria e recria são mais severamente acometidos.

Vacas no terço final de gestação
É importante que os animais recebam pelo menos uma vez ao ano o tratamento com vermífugos/endectocidas mais concentrados (ex.: Ivermectina 4%) e a alternância de bases químicas (associações de ivermectina e sulfóxido de albendazole).

Fonte: OP Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas VII RPCS

Evento debate alta produtividade e conservação do solo

Em formato on-line, VII Reunião Paranaense de Ciência do Solo contará com a presença de um time de profissionais qualificados para discutir o tema, nos dias 17 e 18 de novembro. Prazo para inscrições e submissão dos trabalhos foi prorrogado até 18 de outubro.

Publicado em

em

Romulo Penna Scorza Jr.

Com o tema “Alta produtividade aliada à conservação do solo”, a VII Reunião Paranaense de Ciência do Solo (RPCS) está com uma programação especial. O evento ocorrerá nos dias 17 e 18 de novembro próximo, em formato on-line, das 08h às 17h30. O prazo para inscrições e submissão dos trabalhos foi prorrogado até 18 de outubro.

A VII RPCS é um evento técnico-científico promovido pelo Núcleo Paranaense de Ciência do Solo vinculado à Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (NEPAR-SBCS) e organizado pelo Grupo de Solos da Universidade Estadual do Centro-Oeste – Unicentro-PR. O principal objetivo é discutir a interação das várias áreas da ciência do solo em busca de alta produtividade agrícola, aliada à conservação do solo e produção sustentável.

A programação será aberta pelo presidente do NEPAR-SBCS, Adriel Ferreira da Fonseca, e pelo presidente da Comissão Organizadora, professor Cristiano Potti. Durante os dois dias serão realizadas quatro mesas redondas, formadas por um time de profissionais especialistas no tema. Entre eles o pesquisador da Embrapa Florestas, Gustavo Ribas Curcio, que profere a palestra de abertura “Solos do Paraná: heranças e responsabilidades”.

A primeira mesa-redonda sobre “Manejo e Conservação do Solo” inicia às 10 horas com a participação de duas pesquisadoras. Graziela Barbosa, pesquisadora do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR), antigo Iapar, vai falar sobre a “Rede de Agro Pesquisa do Paraná em Conservação do Solo: estado da arte”, e a professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Nerilde Favaretto, conduzirá a palestra “Manejo do Solo e Perdas de Nutrientes”. Após a explanação será aberto o debate. No período da tarde, a programação inicia às 13h30 com apresentação oral dos trabalhos de destaques – também haverá apresentação às 17 horas.  No segundo dia as apresentações ocorrem das 08h às 08h30, das 13h30 às 14 horas e das 17h às 17h30. Ao todo serão 12 trabalhos selecionados pela Comissão Técnico-Científica.

Ainda no dia 17, a partir das 14 horas, terá início a segunda mesa-redonda com o tema “Fertilidade do Solo, Nutrição de Plantas e Agricultura de Precisão”. Entre os palestrantes estão o professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Eduardo Caires, que vai abordar o “Manejo da acidez no perfil do solo sob plantio direto”; o pesquisador da Embrapa Soja, César de Castro, que vai falar sobre “Adubação e nutrição para altas produtividades e sustentabilidade” e o pesquisador Fabrício Povh, da Fundação ABC, com a palestra “Fertilidade do solo e nutrição de plantas na agricultura de precisão”.

No segundo dia as apresentações dos trabalhos começam às 08 horas e, logo em seguida, às 08h30, inicia a mesa-redonda “Biologia do Solo” conduzida por três pesquisadores. George Brown, da Embrapa Florestas vai falar sobre “Fauna edáfica como indicadora da sustentabilidade”; o pesquisador do IDR-PR (antigo Iapar) Arnaldo Colozzi abordará a “Microbiologia como indicador de sustentabilidade” e Marco Nogueira, da Embrapa Soja, traz o tema “Bioinsumos para alavancar a produtividade com sustentabilidade”.

No período da tarde, a programação segue com o tema “Física do Solo”. Esse debate contará com a presença do professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Moacir Tuzzin de Moraes, que vai mostrar os “Desafios da física do solo para alta produtividade: o sistema radicular das culturas”.

E ainda para falar sobre a “Compactação e erosão do solo: desafios para o manejo conservacionista em sistemas intensivos de produção” também foi convidada a professora Karina Cavalieri Polizeli, da UFPR. A professora Rachel Guimarães, da UTFPR, finaliza com a palestra “Como métodos de avaliação visual podem auxiliar no manejo do solo”. O encerramento será às 17 horas.

O presidente da Comissão Organizadora, Cristiano Pott, destaca o alto nível dos palestrantes, assim como a pauta diversa, que mescla discussões sobre fertilidade e nutrição de plantas, do ponto de vista químico, físico e biológico. “Esse triângulo será o cerne da discussão do tema principal”, diz Pott.

Segundo ele, a conferência de abertura dará um panorama geral dos solos no Paraná, tanto do ponto de vista de produtividade quanto de suscetibilidade à erosão ou degradação. Destaca também o trabalho da Rede de Agro Pesquisa do Paraná, instituída pelo governo, na qual pesquisadores trabalham de forma interdisciplinar com foco na conservação do solo.

A RPCS já é considerada um dos eventos mais tradicionais que ocorrem no Estado sobre solo, reunindo pesquisadores, extensionistas, técnicos, representantes e empresários do setor agropecuário, além de acadêmicos da graduação e pós-graduação das áreas de Ciências Agrárias.

Eleição NEPAR
No primeiro dia do evento acontece a assembleia para a escolha da nova diretoria do Núcleo Estadual do Paraná de Ciência do Solo – Sociedade Brasileira da Ciência do Solo (NEPAR-SBCS) para o período de 01 de janeiro de 2022 a 31 de dezembro de 2023. Será das 18h às 19 horas. Participam somente associados do Nepar.

Fonte: NEPAR-SBCS
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Em novembro

8º Congresso Brasileiro de Fertilizantes evidencia expectativas do setor e sua contribuição para a evolução do agro nacional

Considerado um dos principais eventos do calendário nacional, toda sua programação será no formato on-line. Para participar, os interessados podem realizar sua inscrição gratuita pelo site www.congressoanda.com.br.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A 8ª edição do Congresso Brasileiro de Fertilizantes, que será realizada em 23 de novembro, vai tratar sobre a discussão dos principais temas que envolvem o setor, responsável por contribuir para o desenvolvimento sustentável do agronegócio brasileiro. Organizado e promovido pela Associação Nacional para Difusão de Adubos (ANDA), é considerado um dos principais eventos do calendário nacional.

O evento on-line terá início com a solenidade de abertura, que contará com a participação de Eduardo de Souza Monteiro, presidente do Conselho de Administração da ANDA, e importantes representantes do governo e do agronegócio, e marcará o lançamento oficial do Prêmio “Carlos Florence”.

A programação do 8º Congresso Brasileiro de Fertilizantes terá três painéis, que serão compostos por uma palestra e um debate, coordenados por um presidente de uma indústria do setor. A moderação ficará a cargo do jornalista William Waack.

No primeiro painel “Mercado Brasileiro e Mundial de Fertilizantes”, a apresentação será proferida por Alzbeta Klein, CEO e diretora geral da International Fertilizer Association IFA e a coordenação será feita por Corrine Ricard, sênior VP e presidente da Mosaic Fertilizantes Brasil e terá como debatedores: Carlos Cogo, fundador da Cogo Inteligência em Agronegócio e Kauanna Navarro, jornalista especializada em agronegócios da Argus Media Brasil.

O palestrante do segundo painel “A Economia no Brasil e as Expectativas para o Agronegócio” será Marcos Jank, coordenador do Centro Insper Agro Global e Olaf Hektoen, presidente da Yara Fertilizantes Brasil, fará a coordenação. Para os debates estarão Guilherme Bastos Filho, secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e Marcello Brito, presidente do Conselho Diretor da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG).

Por fim, o terceiro painel “Logística e Infraestrutura como Desenvolvimento do Agro Brasileiro” será coordenado por Lieven Cooreman, CEO da EuroChem Fertilizantes Tocantins, e terá as participações, como debatedores, de José Velloso, presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ) e do ex-ministro Roberto Rodrigues, coordenador do FGVAgro.

O 8º Congresso Brasileiro de Fertilizantes deverá ser seguido por mais de 800 pessoas, entre os principais formadores de opinião, executivos que atuam no mercado brasileiro e internacional de fertilizantes, além de profissionais, técnicos, acadêmicos e demais públicos ligados ao agro. Para participar, os interessados podem realizar sua inscrição gratuita pelo site www.congressoanda.com.br.

Fonte: Associação Nacional para Difusão de Adubos
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.