Conectado com
LINKE

Notícias Produção

Do óleo às farinhas: como a produção de grãos chega à mesa do consumidor

Agroindústrias ligadas a cooperativas verticalizam cada vez mais a produção agrícola no Paraná

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Margarina, óleos, farinhas, misturas para pães e bolos, cafés. A variedade de produtos é grande e cada vez mais trazem no rótulo a marca de agroindústrias paranaenses. A produção de grãos no Paraná é historicamente destinada à exportação, mas as cooperativas do Estado têm investido cada vez mais na ampliação de unidades fabris para processar a produção primária e fornecê-lo ao consumidor como produto final.

Na série de reportagens do projeto Feito no Paraná, vamos conhecer algumas cooperativas que têm produção agroindustrial de beneficiamento de grãos. A Ocepar contabiliza 18 plantas de processamento de grãos, açúcar e café ligadas ao cooperativismo. Elas reforçam a grande cadeia da indústria paranaense de alimentos, que faz deste segmento um dos mais importantes da economia estadual.

“Por que as pessoas se juntam? Para fazer algo que não podem fazer sozinhas”. É com esta filosofia sempre em mente que o presidente-executivo da Coamo, Airton Galinari, define o trabalho da cooperativa, que completa 50 anos de existência.

Além de fomentar e dar suporte ao plantio, a empresa tem investido de forma pioneira na transformação de produtos agrícolas. Com produção em Campo Mourão, Paranaguá e em Dourados (MS), a cooperativa emprega cerca de 12 mil pessoas só no processo fabril.

“O objetivo da industrialização é verticalizar o produto e trazer mais valor agregado ao que produzimos”, explica Galinari. Com as marcas Coamo, Primé, Aniella e Sollos, a cooperativa vende farinhas, óleos, margarinas, massas prontas para pães e bolos, fios de algodão e café.

Unidades

Em Campo Mourão, a unidade fabrica margarinas, gorduras vegetais, óleo de soja, fios de algodão, tem uma torrefação de café e moinho de trigo. Em Dourados, a fábrica inaugurada em novembro do ano passado produz óleo de soja (embalagem PET) e farelos especiais. Em Paranaguá, a produção é exclusiva de óleo degomado (óleo bruto) e farelo para exportação.

A maior parte dos produtos industrializados pela cooperativa é destinada ao mercado interno, informa Galinari. “Temos compradores que levam nosso produto para a Venezuela e Paraguai. Já a soja, o farelo de soja, milho e óleo de soja, estes exportamos para o mundo todo”, afirma o executivo.

Farinhas 

Em Ponta Grossa, o moinho Herança Holandesa, do grupo Unium – que reúne as cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal – foi pensado para produzir farinhas especiais para linhas industriais do mercado B2B, como é conhecida a produção para outras marcas.

No entanto, em 2017, a empresa investiu em tecnologia, ampliou seu mix e iniciou a produção de farinhas para uso doméstico. No início do ano passado os produtos começaram a chegar às gôndolas dos supermercados da região dos Campos Gerais.

Cleonir Vitório Ongarato, coordenador de negócios da Herança Holandesa, informa que a unidade produz farinhas premium, tradicional e integral. Há ainda a linha especial, formada por farinhas para pizza, pastel e a farinha Precisa, uma segunda marca da empresa e com preço reduzido para o consumidor.

O moinho emprega cerca de 100 pessoas, de forma direta e indireta, e processa 450 toneladas de trigo por dia. A maior parte da matéria-prima usada no moinho vem dos cooperados da região dos Campos Gerais ligados à Frisia, Capal e Castrolanda.

Segundo Ongarato, o projeto da cooperativa é conquistar o mercado de dentro para fora. “Primeiro, temos que ser bons em casa e depois ir avançando, a medida que comprovamos a qualidade do nosso produto e conquistamos a confiança do produtor e dos clientes”, afirma.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × três =

Notícias Milho

Preços do milho seguem sustentados com dólar firme e foco na soja

Mercado brasileiro de milho teve uma semana de preços firmes mais uma vez

Publicado em

em

Siglia Souza

O mercado brasileiro de milho teve uma semana de preços firmes mais uma vez. A volatilidade no dólar agitou o mercado, embora o ritmo de negócios tenha sido lento. A firmeza no dólar e o foco na colheita e comercialização da soja mantiveram as cotações sustentadas nas principais praças de comercialização.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, a logística segue voltada toda para a soja, com fretes subindo e dificuldades para o fluxo do milho. Assim, há suporte para as cotações do cereal. “Apenas no Rio Grande do Sul, onde a colheita é mais tardia, a situação ainda é mais cômoda”, comenta.  Com o milho deixado “de lado”, a oferta reduz e os preços se mantêm.

No balanço dos últimos sete dias, entre a quinta-feira (25 de fevereiro) e a quinta-feira (04 de março), o preço do milho em Campinas/CIF subiu na venda de R$ 90,00 para R$ 92,00 a saca, elevação de 2,2%. Na região Mogiana paulista, o cereal avançou na venda de R$ 87,00 para R$ 88,00 a saca, aumento de 1,1%.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço seguiu estável em R$ 83,00 a saca. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação avançou de R$ 74,00 para R$ 75,00 a saca, elevação de 1,3% no balanço semanal. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, a cotação se manteve estável em R$ 85,00 a saca.

Em Uberlândia, Minas Gerais, as cotações do milho subiram de R$ 76,00 para R$ 80,00 a saca, alta de 5,3%. Em Rio Verde, Goiás, o mercado avançou no comparativo de R$ 77,00 para R$ 80,00 a saca, subindo 3,9%.

Exportações

As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 178,586 milhões em fevereiro (18 dias úteis), com média diária de US$ 9,921 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 822,892 mil toneladas, com média de 45,716 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 217,00.

Em relação a fevereiro de 2020, houve alta de 155,55% no valor médio diário da exportação, ganho de 141,85% na quantidade média diária exportada e desvalorização de 5,66% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Avicultura

Consumo de frango segue aquecido e preços avançam no atacado

Mercado de frango vivo voltou a se deparar com preços firmes no decorrer da semana

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O mercado de frango vivo voltou a se deparar com preços firmes no decorrer da semana, em linha com a boa reposição no decorrer da primeira quinzena do mês, o que pode favorecer novos ajustes de preço no curto prazo, segundo a avaliação do analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias.

Ele alerta, por outro lado, que os custos de nutrição animal seguem como uma preocupação recorrente, diante do recente comportamento dos preços do milho, que se mostram bem elevados.

No atacado, o mercado voltou a apresentar alta em seus preços no decorrer da semana e o ambiente de negócios sugere uma continuidade do movimento, em linha com a entrada dos salários na economia, motivando a reposição entre atacado e varejo. “É importante ressaltar que a carne de frango segue ganhando mercado em detrimento da carne bovina, que permanece em patamar bastante proibitivo”, disse.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito avançou de R$ 6,90 para R$ 7,00, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,20 e o quilo da asa aumentou de R$ 10,00 para R$ 10,10. Na distribuição, o preço do quilo do peito subiu de R$ 7,10 para R$ 7,20, o quilo da coxa de R$ 6,30 para R$ 6,40 e o quilo da asa de R$ 10,20 para R$ 10,30.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi modificações nos preços durante o mês de fevereiro. No atacado, o preço do quilo do peito avançou de R$ 7,00 para R$ 7,10, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,30 e o quilo da asa aumentou de R$ 10,10 para R$ 10,20. Na distribuição, o preço do quilo do peito subiu de R$ 7,20 para R$ 7,30, o quilo da coxa de R$ 6,40 para R$ 6,50 e o quilo da asa de R$ 10,30 para R$ 10,40.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 472,860 milhões em fevereiro (18 dias úteis), com média diária de US$ 26,270 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 323,838 mil toneladas, com média diária de 17,991 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.460,20.

Na comparação com fevereiro de 2020, houve queda de 7,66% no valor médio diário, baixa de 1,14% na quantidade média diária e retração de 6,59% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo se manteve R$ 4,25. Em São Paulo o quilo vivo seguiu em R$ 4,30.

Na integração catarinense a cotação do frango permaneceu em R$ 3,30. No oeste do Paraná o preço na integração continuou em R$ 4,60. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo prosseguiu em R$ 4,20.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango seguiu em R$ 4,30. Em Goiás o quilo vivo se manteve em R$ 4,25. No Distrito Federal o quilo vivo continuou em R$ 4,25.

Em Pernambuco, o quilo vivo se manteve em R$ 5,20. No Ceará a cotação do quilo continuou em R$ 5,20 e, no Pará, o quilo vivo seguiu em R$ 5,40.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços da soja sobem no Brasil, seguindo dólar e Chicago

Chicago e dólar apresentaram boas valorizações na semana, sustentando as cotações

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de soja teve uma semana de negócios moderados e preços firmes. Chicago e dólar apresentaram boas valorizações na semana, sustentando as cotações. Mas o ritmo da comercialização seguiu lento, com os produtores atentos à colheita, que permanece atrasada em decorrência do excesso de chuvas.

Em Passo Fundo (RS), a cotação subiu de R$ 166,00 para R$ 171,00 a saca de 60 quilos entre os dias 26 de fevereiro e 4 de março. No mesmo período, o preço subiu de R$ 157,50 para R$ 158,00 em Cascavel (PR). No Porto de Paranaguá, a saca avançou de R$ 167,50 para R$ 171,00.

Em Rondonópolis (MT), o preço passou de R$ 157,50 para R$ 163,00. Em Dourados (MS), a saca avançou de R$ 153,00 para R$ 154,00. Em Rio Verde (GO), a cotação subiu de R$ 156,00 para R$ 160,00.

Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), os contratos com vencimento em maio tiveram uma valorização de 0,44%, encerrando a quinta a US$ 14,10 ½ por bushel. O cenário fundamental seguiu dando sustentação às cotações. O atraso na colheita no Brasil e a estiagem na Argentina garantiram a valorização, além da alta do petróleo e dos sinais de aperto nos estoques e continuidade da demanda nos Estados Unidos.

O dólar comercial subiu 1,03% no período, fechando a quinta a R$ 5,66. Nesta sexta, o dólar já opera acima de R$ 5,70, em meio as preocupações com o futuro da economia brasileira. No exterior, o aumento da aversão ao risco completou o cenário negativo.

Exportações

O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, projeta a exportação de 15,497 milhões de toneladas de soja em grão para março, conforme levantamento realizado por SAFRAS & Mercado. No mesmo mês do ano passado, exportações somaram 13,314 milhões de toneladas segundo a estimativa.

Em fevereiro, foram 5,131 milhões de toneladas. Para abril, o line-up indica volume de 820,312 mil toneladas.

De janeiro a fevereiro, o line-up apontou o embarque de 5,184 milhões de toneladas. Em igual período do ano passado, foram embarcadas 8,155 milhões de toneladas. A Secretaria do Comércio Exterior (Secex) indicou o embarque no período em 1,298 milhão de toneladas.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.