Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Zootecnia

Dia do Zootecnista: profissional atende do produtor ao consumidor final ao oferecer tecnologias que geram segurança alimentar

A palavra Zootecnia origina-se do grego “zoon – animal” e “technê- arte”, que significa a arte de criar animais

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural

A zootecnia colocou o Brasil como maior produtor e exportador de carnes do mundo. E é no dia 13 de maio, data da aula inaugural do primeiro curso de Zootecnia do Brasil, realizado em 1966 no Rio Grande do Sul, que a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo reconhece a importância do trabalho do profissional zootecnista, que contribui para que muitos alimentos cheguem à mesa dos consumidores com segurança.

Na área da pesquisa, o Instituto de Zootecnia (IZ-Apta), por exemplo, desenvolve pesquisas científicas nas mais variadas áreas da produção animal, colaborando com fatores que vão do manejo à administração e economia da produção, pois “a conscientização dos direitos dos consumidores e a preocupação com a saúde e o bem-estar animal impõem condições ao mercado para consumo dos produtos”, enfatiza a diretora geral do IZ, zootecnista Cristina Maria Pacheco Barbosa.

“A Pesquisa Científica na área de zootecnia deve atender ao mercado consumidor moderno focando nos anseios de uma população cada vez mais preocupada com a forma como os animais estão sendo criados e cuidados, como essa produção se relaciona com o meio ambiente e como esse produto pode ser considerado saudável e seguro”, explica Cristina.

Para o pesquisador Mauro Sartori Bueno, doutor em Nutrição Animal, a segurança alimentar da nossa população em relação aos produtos de origem animal está garantido pelo trabalho dos zootecnistas. “Proteína de origem animal está sempre disponível para a população a preços acessíveis.”

A economia fica fortalecida com a geração de empregos no campo e nas agroindústrias de transformação dos produtos de origem animal, e garantem renda a muitas famílias brasileiras. “Tudo isso foi conseguido pelo trabalho dos zootecnistas que atuam na produção animal e na geração de conhecimento e tecnologia em áreas como melhoramento genético e alimentação animal, levando a melhor eficiência animal e diminuição dos custos de produção”, destaca Mauro.

O trabalho dos zootecnistas contribuiu, segundo Mauro, para que “saíssemos da situação de importador de produtos de origem animal [até a década de 1980], para maior produtor e exportador de produtos de origem animal do mundo”.
A pesquisadora Cláudia Cristina Paro de Paz ressalta que o zootecnista que desempenha o papel de pesquisador busca continuamente desenvolver processos ou produtos inovadores, que garantam a eficiência do sistema de produção, a segurança alimentar, a sustentabilidade da produção e bem-estar animal.

Cláudia cita o projeto temático FAPESP [Estudos genômicos associados às características de resistência a endoparasitas em ovinos Santa Inês], e diz que a equipe “busca realizar a seleção genômica para características de resistência aos endoparasitas em ovinos de corte, visando melhorar a eficiência, sustentabilidade e bem-estar nos sistemas de produção de carne ovina”.

O projeto, já obteve os primeiros resultados. “Foram identificados animais resistentes, resilientes e susceptíveis aos nematódeos gastrintestinais. Os animais classificados como resistentes e resilientes são os animais indicados para seleção como reprodutores para formação de rebanhos”, detalha Cláudia.

Já a pesquisadora Flávia Simili, que completa 20 anos de formação em Zootecnia, fala que se pudesse voltar no tempo, escolheria a mesma profissão, pois ao atuar como pesquisadora em sistemas integrados de produção agropecuária compreendeu que todos os segmentos da produção animal estão interligados. “É necessário cuidar do solo, das plantas, dos animais e do ambiente para produzir bem, com qualidade e respeito, e assim alcançar a sustentabilidade.”

Simili explica que as vantagens para o produtor em adotar as técnicas da integração lavoura-pecuária estão na produção de alimentos, tanto vegetal quanto animal, de forma mais eficiente, com maior retorno econômico, maximização do uso do solo e menor impacto ambiental. “É oferecer aos bovinos pastagens mais produtivas e de melhor qualidade ao longo do ano.”

Os sistemas integrados trazem viabilidades econômicas ao oferecer para o produtor rural sistemas de produção de grãos e de carne e leite, que proporcionam diversificação de produtos e maior rentabilidade econômica. Além de importantes impactos ambientais, como melhorar as características químicas e físicas do solo e emissão de CO2 do solo, com uso de integração lavoura-pecuária.

“A zootecnia alia o desenvolvimento e a aplicação de tecnologias de ponta com a gestão”, destaca a zootecnista Simone Raymundo de Oliveira, quer seja gestão de pessoas, empresas, empreendimentos ou todas juntas.

“Entender a resposta do animal por meio da sua produção e qualidade do produto final, compreender o bem-estar do sistema produtivo, a sua interação com o trabalho do ser humano e destes com o meio ambiente, analisando esta sinergia, suas nuances e implicações, com o olhar no hoje e a visão do amanhã, fazem parte do cotidiano de quem se entregou à zootecnia como missão de vida, nutrindo, alimentando, produzindo, contribuindo efetivamente na geração de empregos e de renda”, expõe Simone.

Para Simone, não existe zootecnia sem sustentabilidade. A gestão dos resíduos da produção animal é convertida em energia, água, adubos, transformando assim o passivo ambiental em ativo financeiro. “No campo não existe passivo ambiental, existe o ativo financeiro que ainda não foi convertido em produtos que recuperem investimentos monetários e ambientais. O zootecnista acima de tudo é um visionário, enxerga soluções antes do impacto dos problemas e percalços na produção de alimento de alta qualidade, respeitando o animal, o ser humano e o ambiente.”

O maior número de profissionais atuantes está em São Paulo, mais de 1.550 zootecnistas, sendo que só o Instituto de Zootecnia conta com 23 zootecnistas, profissionais com doutorado, que compõem o quadro dos 42 pesquisadores. Os zootecnistas atuam na produção animal nas áreas de melhoramento genético, manejo, nutrição, cuidados com o bem-estar animal e gestão ambiental, sempre buscando possibilitar a sustentabilidade alimentar.

Zootecnistas fazem diferença na extensão rural

Atualmente, a Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS), órgão de extensão rural da Secretaria, conta com 25 zootecnistas em seu quadro de servidores, que atuam diretamente no campo ou na condução de projetos em nível estadual.

Com uma atuação ampla, em consonância com os demais profissionais da instituição, eles têm apoiado os produtores no fortalecimento da gestão nas propriedades e nas organizações rurais, visando ao aprimoramento e à potencialização da produção de origem animal com qualidade, bem como à manutenção do bem-estar dos animais e ao desenvolvimento sustentável do agronegócio, com base no tripé social, econômico e ambiental.

“Considerando sua formação, o zootecnista é um profissional importante para o desenvolvimento das ações de assistência técnica e extensão rural, pois seu perfil se encaixa na condução de políticas públicas estruturais, uma vez que tem em sua formação treinamento nas áreas de manejo, nutrição e melhoramento genético dos rebanhos. Além disso, tem formação em disciplinas de caráter socioeconômico, as quais são importantes para construção e mudanças de paradigmas que contribuam com a segurança alimentar”, avalia José Luiz Fontes, coordenador da CDRS.

O zootecnista Diego Barrozo tem 37 anos e há 12 atua como profissional da Pasta Estadual. “Sou natural de Jaboticabal (SP) e cresci passeando pelo campus da Universidade Estadual Paulista (Unesp), onde tive os primeiros contatos com estudos e produção agropecuária desenvolvidos em ambiente acadêmico. Além desse privilégio, tenho uma tia que é produtora rural e conduzia uma horta comercial no sítio onde passei diversas férias, entre a ‘roça’ e a criação de galinhas, porcos e carneiros. Com essas raízes, a escolha por um curso de Ciências Agrárias foi natural, e a Zootecnia me conquistou, quando percebi a versatilidade e o potencial desse profissional”, explica Diego.

Ao final da graduação, ele foi aprovado em concurso da Secretaria, ingressando como assistente agropecuário na Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro), em 2009, sendo, posteriormente, transferido para a extensão rural. “A extensão é minha paixão, pois cresci conhecendo o trabalho da Casa da Agricultura e acompanhando o meu avô, que, além de agricultor, era saqueiro no Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes (DSMM)/CDRS.

A partir desse momento, o zootecnista conta que começou as suas atividades ‒ para não dizer aventuras (segundo ele, a extensão rural é um mundo a ser explorado diariamente) ‒ na Casa da Agricultura de Guaraci, cidade com cerca de 10 mil habitantes e 350 propriedades rurais, pertencente à área de atuação da CDRS Regional Barretos. “Nesse município, atuei apoiando, principalmente, os pecuaristas de gado de corte e leite, tendo como orientação geral de trabalho a gestão global da propriedade e os ensinamentos da minha graduação, os quais possibilitaram fazer ações em toda a cadeia produtiva, com enfoque na qualidade de vida dos produtores e seus colaboradores; no bem-estar e na sanidade dos rebanhos; assim como na promoção da sustentabilidade ambiental”.

Após alguns anos, Diego foi convidado a integrar a equipe de assistentes da CDRS Regional Barretos, onde passou a atuar também no planejamento e na articulação regional, principalmente da cadeia produtiva da bovinocultura leiteira, implantando, em conjunto com outros técnicos da unidade e apoio do diretor regional, o Projeto Mais Leite, Mais Renda, provendo tecnologia a assentados do município de Colômbia e aos fornecedores de leite do laticínio instalado na região.

“Esse projeto contou com a participação de diversas prefeituras, instituições de ensino e pesquisa, bem como de empresas envolvidas com a cadeia produtiva. Durante sua execução, pudemos acompanhar e contribuir com a evolução dos produtores, com o aumento de seu desenvolvimento técnico; bem como com a mudança de manejo e melhoramento genético dos animais e das pastagens. Nesse contexto, articulei a fundação de uma associação e de uma cooperativa e organizei mais de 20 eventos ‒ como visitas técnicas, cursos, palestras e Dias de Campo ‒, para melhorar a renda e a qualidade de vida de quase uma centena de famílias rurais da região, o que me trouxe grande satisfação como profissional e pessoa”.

Além desse trabalho, o zootecnista enumera outras experiências marcantes, como a participação na elaboração do Plano Municipal de Desenvolvimento Rural de Mococa; a fundação da Cooperativa dos Produtores Rurais de Barretos (Coopbar); a organização do Dia de Campo – Cultivo de Inverno e a criação do Consea, em Guaraci; e a participação na elaboração da Nota Técnica – 2.ª Sondagem sobre impactos da pandemia da Covid-19 nos agricultores familiares do Estado de São Paulo.

“Ser zootecnista é ter a possibilidade de melhorar a vida dos produtores e de suas famílias; ter um olhar para o bem-estar dos animais, garantindo a qualidade e segurança dos produtos de origem animal para toda a população. Para meus colegas zootecnistas que atuam na extensão rural, o que tenho a dizer é que sei das dificuldades que enfrentamos, mas com dedicação, união e prática do que aprendemos em nossa formação acadêmica, é possível transformar vidas e contribuir para o desenvolvimento sustentável do nosso Estado e do Brasil”, conta.

Origem da Zootecnia

Pode-se dizer que a Zootecnia brasileira começou sua história um pouco antes de 1951, quando técnicos especializados em criação animal de diferentes formações e participantes da Exposição Nacional de Gado Zebu (Expozebu), estimularam um grupo de professores, de instituições de ensino superior tradicionais, a organizar uma entidade que tratasse da pesquisa e do ensino da Zootecnia no país, para contribuir com o desenvolvimento necessário da pecuária nacional a partir da geração de conhecimento e formação de recursos humanos qualificados.

Segundo informações da Associação Brasileira de Zootecnia (ABZ), a zootecnia é essencial para conferir o grau de competitividade das diferentes cadeias produtivas da criação animal e assegurar a produção de proteína de origem animal de forma eficiente, economicamente viável, socialmente justa, ética, garantindo bem-estar aos animais e ambientalmente correta para atendimento da demanda da população.

O zootecnista pode atuar em Nutrição e manejo alimentar dos animais de produção, pets e silvestres; Gestão das propriedades rurais; Melhoramento genético animal; Agronegócio e cadeia produtiva; Conservação dos recursos animais e ambientais; Manejo e conservação de pastagens; Comportamento e bem-estar animal, Manejo da fauna e de animais silvestres; Construções e instalações para animais de produção, pets e silvestres; Sistemas de criação de organismos aquáticos; Ensino e pesquisa em produção animal; e Planejamento e administração de eventos agropecuários.

Hoje a Zootecnia nacional conta com mais de 115 cursos de graduação em Zootecnia, mais 18 mil alunos regularmente matriculados e um número estimado empiricamente superior a 35 mil profissionais atuantes em todos os rincões deste Brasil de dimensões continentais.

Fonte: Comunicação SAA-SP
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =

Notícias Pecuária

Exportação de carne bovina segue consistente, mas preocupação com China aumenta

Mercado físico voltou a se deparar com negócios acima da referência média em algumas regiões do país

Publicado em

em

Divulgação

O mercado físico de boi gordo apresentou preços firmes nas principais regiões de produção e comercialização do país na terceira semana de junho. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o mercado físico voltou a se deparar com negócios acima da referência média em algumas regiões do país. “Apesar dos frigoríficos operarem com uma condição melhor em suas escalas de abate, por enquanto não são evidenciadas condições para pressionar os pecuaristas, considerando que a oferta de animais terminados segue restrita neste momento”, disse ele.

Enquanto isso, o ritmo de embarques de carne bovina permanece em bom nível no decorrer do mês de junho, avaliando que a China ainda está atuante no mercado internacional. “No entanto a preocupação fica à cargo dos embarques do segundo semestre, com sinalização por parte do mercado chinês de maior volume de oferta de carne suína. Ou seja, haveria uma menor necessidade de importação”, apontou o analista.

Já no mercado atacadista, os preços da carne bovina seguem firmes. Conforme Iglesias, o ambiente de negócios sugere por menor espaço para reajustes no curto prazo, em linha com o menor apelo ao consumo no decorrer da segunda quinzena do mês. “Importante mencionar que o consumidor médio ainda opta por proteínas mais acessíveis, com ênfase a carne de frango, algo bastante compreensível no atual ambiente macroeconômico”, assinalou Iglesias.

Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade a prazo nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 17 de junho:

  • São Paulo (Capital) – R$ 322,00 a arroba, contra R$ 320,00 a arroba em 10 de junho, subindo 0,63%.
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 312,00 a arroba, contra R$ 310,00 (+0,65%).
  • Goiânia (Goiás) – R$ 305,00 a arroba, ante R$ 302,00 (+0,99%).
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 312,00 a arroba, contra R$ 310,00 a arroba (+0,65%)
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 310,00 a arroba, estável.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Consumo aquecido de frango no Brasil garante suporte aos preços

Consumo aquecido no Brasil, garantindo uma boa reposição entre o atacado e o varejo, contribuiu para um novo movimento de alta nos preços

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O mercado brasileiro de carne de frango registrou uma semana de preços mais altos para o quilo vivo, com o recuo nos preços do milho trazendo um pouco de alívio ao setor no que tange aos custos.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, o consumo aquecido no Brasil, garantindo uma boa reposição entre o atacado e o varejo, contribuiu para um novo movimento de alta nos preços.

De acordo com levantamento semanal de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango. No atacado, o preço do quilo do peito seguiu em R$ 7,70, o quilo da coxa subiu de R$ 7,25 para R$ 7,30 e o quilo da asa de R$ 9,80 para R$ 9,90. Na distribuição, o preço do quilo do peito continuou em R$ 7,90, o quilo da coxa passou de R$ 7,45 para R$ 7,50 e o quilo da asa de R$ 9,90 para R$ 10,00.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de modificações em alguns preços durante a semana. No atacado, o preço do quilo do peito continuou em R$ 7,80 e o quilo da coxa aumentou de R$ 7,35 para R$ 7,40 e o quilo da asa de R$ 9,90 para R$ 10,00. Na distribuição, o preço do quilo do peito permaneceu em R$ 8,00 e o quilo da coxa avançou de R$ 7,55 para R$ 7,60 e o quilo da asa de R$ 10,00 para R$ 10,10.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 216,964 milhões em junho (8 dias úteis), com média diária de US$ 27,120 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 136,605 mil toneladas, com média diária de 17,075 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.588,20.

Na comparação com junho de 2020, houve alta de 40,10% no valor médio diário, ganho de 12,26% na quantidade média diária e avanço de 24,80% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo subiu de R$ 5,00 para R$ 5,30. Em São Paulo o quilo aumentou de R$ 5,10 para R$ 5,50.

Na integração catarinense a cotação do frango passou de R$ 3,60 para R$ 3,90. No oeste do Paraná o preço mudou de R$ 5,00 para R$ 5,25. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo avançou de R$ 4,80 para R$ 5,00.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango subiu de R$ 4,90 para R$ 5,20. Em Goiás o quilo vivo aumentou de R$ 4,90 para R$ 5,20. No Distrito Federal o quilo vivo passou de R$ 5,00 para R$ 5,25.

Em Pernambuco, o quilo vivo passou de R$ 5,70 para R$ 5,75. No Ceará a cotação do quilo subiu de R$ 5,70 para R$ 5,75 e, no Pará, o quilo vivo permaneceu em R$ 5,80.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Cotações do milho caem forte no Brasil com tombo em Chicago e “pré-colheita”

As baixas foram quase gerais, iniciando pelos portos e atingindo também o interior

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de milho apresentou quedas significativas nesta semana. As baixas foram quase gerais, iniciando pelos portos e atingindo também o interior. A combinação de queda na Bolsa de Chicago, dólar mais fraco e a “pré-colheita” da safrinha, que deve trazer aumento da oferta adiante, pesou sobre os preços. Os compradores se afastaram das negociações e as bases de cotações do milho foram aos poucos caindo nos últimos dias.

Na Bolsa de Chicago, somente nesta quinta-feira o contrato setembro caiu quase 7%. O mercado foi pressionado por uma combinação de fatores, como a fraca demanda para o cereal norte-americano e a expectativa de clima úmido e favorável às lavouras no cinturão produtor.

O cereal também foi impactado pela postura do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que surpreendeu os investidores ao dizer que poderia aumentar as taxas de juros em um ritmo muito mais rápido do que o esperado. Isso pode pressionar adiante o dólar para cima e levar a quedas das commodities.

Com isso, os preços baixaram nos portos para exportação e houve declínios também ao produtor. A oferta cresceu sem o interesse do comprador.

No balanço dos últimos sete dias, entre a quinta-feira (10 de junho) e esta quinta-feira (17 de junho), o milho no Porto de Santos na base de compra caiu de R$ 86,00 para R$ 75,00 a saca, baixa de 12,8%.

O preço do milho em Campinas/CIF no mesmo comparativo caiu na venda de R$ 99,00 para R$ 91,00 a saca, queda de 8,1%. Na região Mogiana paulista, o cereal recuou na venda de R$ 99,00 para R$ 88,00 a saca, perda de 11,1%.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço caiu de R$ 95,00 para R$ 90,00 a saca, baixa de 5,3%. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação recuou de 83,00 a saca para R$ 77,00 (-7,2%). Já em Erechim, Rio Grande do Sul, o valor caiu de R$ 97,00 para R$ 93,00 a saca, baixa de 4,1%.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.