Conectado com
FACE

Empresas

Dia de Campo sobre produção técnica de silagem de milho

Evento reuniu cerca de 100 produtores do Campus do IFES em Itapina (Colatina-ES)

Publicado em

em

A falta de chuva dos últimos anos tem impactado diretamente na nutrição balanceada dos bovinos, concentrado e forragem. Por isso, a Coopeavi e o Instituto Federal do Espírito Santo (IFES – campus Itapina), com apoio da Biomatrix, realizaram o 1º Dia de Campo sobre produção técnica de silagem de milho. O evento aconteceu em Itapina (Colatina) no dia 11 de junho e contou com a presença de aproximadamente 100 produtores da região.

Os produtores da bacia leiteira do Rio Doce estão sofrendo muito com a falta de chuvas relevantes desde 2014, por isso, as pastagens estão cada vez mais sem a capacidade adequada de forragem para alimentar o gado. Na dieta equilibrada de ruminantes, a forragem é essencial para o desenvolvimento esperado dos animais, por isso não basta ter um concentrado de altíssimo nível sem uma forrageira. A forragem é toda espécie de plantas ou partes de plantas, verdes ou secas para alimentar o gado, que estimula todas as cavidades estomacais do bovino.

“Não existe produção de ruminantes sem a produção de forrageira, a dieta de uma vaca é composta por forragem e concentrados (rações Coopeavi)”, afirma o zootecnista da Coopeavi Filipe Ton.

A silagem é a solução mais comum para suprir a falta de pastagem disponível nos períodos de seca, mas a produção de um material de qualidade é um desafio para os produtores. O controle para evitar perdas no final do processo começa na escolha da semente, passa pelo plantio, colheita, trituração, compactação e vedação do material. Além disso, a manutenção dos equipamentos influencia no resultado final da silagem.

Para explicar para o produtor todos estes passos, a organização do Dia de Campo dividiu o parque experimental de plantio de milho do IFES em quatro partes com tendas temáticas. Na primeira tenda, o produtor teve informações sobre a mecanização com foco no plantio e sobre a regulagem da plantadeira de milho.

Na segunda tenda, a Biomatrix apresentou três cultivares de milho, sendo dois de ciclo normal e um de ciclo super precoce. O produtor também conheceu um pouco mais sobre o ponto de colheita para não ter desperdícios. “O ideal é colher o milho quando ele está com 30 a 36% de matéria seca. Para identificar este ponto é simples: basta observar o grão, quando a parte leitosa (branca) está na metade do grão é o ponto ideal para começar a colheita”, explicou o representante da Biomatrix Guilherme Schmid. “Colhendo antes deste ponto, o produtor terá muito líquido no material e depois a qualidade também fica comprometida pois dificulta a digestão correta pelo animal”, complementa.

Na terceira tenda, o tema foi a mecanização da colheita e a importância da manutenção dos equipamentos durante o processo. “Verificar a posição das facas é essencial para garantir a máxima distância de 3 milímetros e ter o picado do tamanho ideal. Se essa distância aumentar, a máquina começa a esmagar e rasgar o material, provocando uma perda de qualidade depois na silagem”, disse o professor Raphael. Além disso, ele enfatizou sobre a lubrificação. “Terminou o serviço, com máquina ainda quente é importante fazer a lubrificação de todos os pinos graxeiros e, a cada oito horas é bom, verificar o nível da graxa dentro deles”.

Já na última tenda, o professor Nilson Nunes explicou o processo de ensilagem e relembrou o motivo de todos os cuidados anteriores com o material adequado para ter uma silagem com máxima eficiência. “Ter um material com 30 a 36% de matéria seca e picado de tamanho uniforme, é ideal para ensilá-lo e compactá-lo, sem perder os nutrientes necessários para uma boa silagem”, disse. Além disso, os produtores receberam diversas dicas de como compactar o material e de vedação para evitar desperdícios e ter uma silagem de má qualidade no final do processo. “Uma boa compactação e vedação garantirá a ausência de oxigênio, que é o principal vilão nessa fase”, comentou Nunes. Sem o oxigênio no material, elimina-se a possibilidade de proliferação de fungos e bactérias, principais agentes provocadores de desperdícios do material final.

Por isso, nessa etapa do processo é essencial buscar soluções resistentes para garantir uma vedação total do material preparado. Durante o Dia de Campo foram apresentadas lonas mais resistentes e eficientes para auxiliar ao produtor.

Para o vice-presidente da Coopeavi Denilson Potratz, a busca de parcerias para gerar conteúdo novo e relevante para os produtores é o grande diferencial no mercado da cooperativa. “O nosso foco é contribuir com como os cooperados e clientes da melhor maneira possível, produzimos e comercializamos rações, mas também levamos conhecimento para auxiliar os produtores no momento que mais precisam, queremos construir parcerias relevantes para toda a região”, conclui.

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + oito =

Empresas

SAN Group anuncia Christoph Rauch como CEO

Publicado em

em

CEO Christoph Rauch - Divulgação

O SAN Grupo inicia 2021 com a contratação do CEO Christoph Rauch. Ele tem como foco o desenvolvimento estratégico do grupo, que reúne as empresas Sanphar Saúde Animal, Bio-Ferm e Westbridge, todas do agronegócio, SAN Real – de construção e mercado imobiliário – e SAN Pacific Investiments. Nascido em Viena, capital da Áustria, o novo CEO é PhD em física.

“Christoph e eu dividimos a mesma visão sobre futuro e sustentabilidade para o planeta. Ele traz ao SAN Group a experiência de muitos anos em negócios internacionais, especificamente em estratégias comerciais e tecnologia”, afirma Erich Erber, proprietário e fundador do SAN Group. O novo CEO inicia sua atuação concentrando investimentos na cadeia da produção e biotecnologia, digitalização e automação, bem como energia verde e sustentabilidade.

Rauch começou sua carreira na Universidade de Tecnologia de Viena, tendo também passado pelo Instituto Weizmann de Ciência, em Israel. Após essas experiências, migrou para a consultoria estratégica. Nesse segmento, trabalhou para a A.T. Kearney, na qual prestou serviços para indústrias e empresas de energia líderes, como foco no desenvolvimento de estratégias, organização e integração pós-fusão.

Em 2005, Rauch conheceu Erich Erber enquanto trabalhava na Palfinger AG em Cingapura. Após retornar à Áustria, tornou-se diretor-executivo da Mechatronik Systemtechnik GmbH, fabricante líder de máquinas especiais para semicondutores. No mesmo ano, tornou-se membro do Comitê de Supervisão da Erber AG. Entre 2019 e 2020, supervisionou a venda da empresa Erber Group para o holandês Royal DSM Group.

O SAN Group foi fundado em 2020 e conta com a Sanphar Saúde Animal, Bio-Ferm, Westbridge, SAN Real e SAN Pacific Investments. O grupo possui aproximadamente 200 funcionários em quatro continentes. O SAN Group investe em empresas com modelos de negócios escaláveis ​​e sustentáveis ​​nas áreas de agronegócio, biotecnologia, energia verde, alta tecnologia e imobiliário. O SAN Group é propriedade de Erich Erber.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Agricultura

FMC reforça parceria com produtor em mais um ano de apoio ao Rally da Safra

Companhia participa pela quarta vez consecutiva do expedição

Publicado em

em

Divulgação FMC

A FMC empresa de ciências para agricultura, participa por mais um ano do Rally da Safra, principal expedição técnica privada para monitoramento da safra de grãos no país. Organizado pela Agroconsult, a 18ª edição do Rally da Safra teve seu formato renovado para colaborar com as medidas de distanciamento social e conter a disseminação da Covid-19. Com isso, a expedição terá dois pilares: o digital, com reuniões virtuais com agricultores por meio de plataformas de videoconferência, eventos na internet e a nova TV Rally, e o tradicional, com equipes de campo viajando com mais segurança, visitas aos produtores nas propriedades e eventos regionais.

No campo, serão 20 equipes para avaliar as condições das lavouras de soja de 25 de janeiro até o final de março. Outras 06 percorrerão as lavouras de milho segunda safra em maio e junho.

A FMC, que participa pelo quarto ano consecutivo, tem orgulho de apoiar a iniciativa tão fundamental para a cadeia produtiva. “Para nós, é de extrema importância fazer parte desse projeto que mapeia e revela dados sobre as condições das lavouras de soja e milho do país, ainda que de forma remota neste ano. Nosso propósito é sempre estar junto do produtor, para entender suas necessidades e contribuir com inovações, por isso, as informações obtidas pelas equipes do Rally são fundamentais e nos ajuda e entregar sempre as melhores tecnologias para o manejo pragas, doenças e plantas daninhas”, avalia o Gerente de Cultura da FMC, Ivan Jarussi.

O Gerente também lembra que a FMC tem investido fortemente nas culturas de soja e milho, com grande capacidade de descoberta e desenvolvimento de produtos. Além disso, a empresa realiza um extenso trabalho junto a todos elos da cadeia produtiva, chamado Projeto Soja, que visa discutir o presente e o futuro das culturas no país. São iniciativas que vão desde extensão rural digital, até parceria com consultores para avaliar o desempenho de soluções tecnológicas e construir posicionamentos em conjunto.

“Acreditamos que é mais produtivo quando a gente faz junto, por isso queremos aproximar todos os elos da cadeia e construir soluções eficientes e sustentáveis para o campo. Nosso compromisso é ser parceiro do sojicultor e ajudá-lo a enfrentar os desafios produtivos”, acrescenta Jarussi.

O levantamento de dados do Rally, ocorre durante a fase de desenvolvimento das lavouras e colheita e as equipes percorrerão polos produtores em 12 estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Maranhão, Piauí e Tocantins, que respondem por 95% da área de produção de soja e 72% da área de milho.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas suinocultura

Falhas reprodutivas e fluxo de produção

Unidade de Negócios Suinocultura Polinutri realiza treinamento virtual para mais de 40 participantes

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O primeiro treinamento virtual Polinutri aconteceu em 22 de janeiro e abordou o tema “Falhas reprodutivas e fluxo de produção” com a apresentação da médica veterinária e consultora Dra. Maria Nazaré Simões Lisboa da Consuitec (Paulínia/SP). “Mais que um encontro, desenvolvemos um programa extenso com objetivo de analisar de forma criteriosa as granjas de suínos”, iniciou o Representante Comercial da Polinutri, Marcílio Cesar Moreira dos Santos.

Ao abordar questões relacionadas as falhas reprodutivas, a consultora destacou a importância de obter resultados diferentes em função dos avanços genéticos da suinocultura. “Não podemos fazer as mesmas coisas, ainda mais pensando em fêmeas de alta reprodução”, destacou.

Avaliando o fluxo de produção, a especialista ressaltou a importância de entender as características da granja observando e agindo em diversas frentes, entre elas: sanidade, manejo, sistema de produção, capacidade de lotação, proposta do sistema produtivo (lote ou banda), número de matrizes, formação dos lotes, destino dos animais e vendas. Pontos importantes que predizem o impacto econômico da atividade. “Temos que entender qual é o perfil de cada granja atendida em especial no que tange ao controle da biosseguridade”, definiu.

A partir deste momento, enfatizou Nazaré, o suinocultor deve levar em consideração a taxa de parição e o número de leitões desmamados. “Hoje temos condições de melhorar esta relação, identificar e filtrar as oportunidades, a exemplo de fêmeas que repetem cio”, incluiu. Por isso, avaliou a especialista, o fluxo passa a ser uma ferramenta determinante para padronização, sanidade do plantel e impacto econômico da granja.

Ao encerrar a apresentação, a doutora deixou a grande lição: o olhar sobre o sistema produtivo. “A produção de leitões é quem determina a produtividade da granja. Devemos fazer a conta de traz para frente, ou seja, quantos animais venderemos para assim definir o sistema”, alinhou.

Marcílio encerrou o encontro com um balanço desta primeira ação virtual do ano. “A Dra. Nazaré deixou bem claro: devemos entrar nas granjas com ar de auditor. Contamos com uma infinidade de recursos e ferramentas que nos apoiam frente as tomadas de decisão. O primeiro treinamento foi muito enriquecedor e permitiu a abertura de novos horizontes para o nosso time”, salientou.

Fonte: Ass. de Imprensa.
Continue Lendo
Euro 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.