Conectado com

Empresas Trigo

Dia de campo reúne cadeia produtiva do trigo em Ijuí

De olho nos resultados desta safra e buscando novas tecnologias para as próximas, cerca de 200 pessoas participaram nesta terça-feira (8) do dia de campo de trigo

Publicado em

em

Participaram do evento cerca de 200 pessoas representando a cadeia do trigo vindas de mais de 50 cidades do Estado. Foto: Divulgação Biotrigo

Nas principais áreas tritícolas do Rio Grande do Sul, o momento é de expectativa com as lavouras de trigo e atenção ao clima. Nas regiões de Ijuí e Santa Rosa, que representam juntas mais da metade da área de trigo no estado – 420 mil hectares de trigo, as primeiras lavouras que avançam para a maturação fisiológica apresentam ótimo potencial produtivo e produtores esperam iniciar a colheita nas próximas duas semanas. O bom desempenho até o momento é resultado das condições climáticas que foram favoráveis unidas a um manejo adequado, combinadas ao uso de tecnologias que safra após safra chegam com novidades em termos de genética. De olho nos resultados dessa safra e buscando novas tecnologias para as próximas, cerca de 200 pessoas, entre multiplicadores de sementes, recomendantes, indústria moageira e agricultores participaram nesta terça-feira (8) do dia de campo de trigo, na cidade de Ijuí (RS). O evento promovido pela Biotrigo Genética, foi organizado em um circuito composto por seis temáticas que envolveram novas tecnologias e boas práticas de manejo
Na abertura do dia de campo, o gerente comercial para a América Latina (Latam) da Biotrigo Genética, Fernando Michel Wagner, fez um resgate da safra atual no país dando enfoque especial a do Rio Grande do Sul, destacando a importância deste momento onde  já se definem algumas  das estratégias para a próxima safra e da importância da troca de informações direto no campo. “Visualizar no campo a performance das cultivares já disponíveis para o mercado e os potenciais lançamentos é fundamental para melhoria da eficiência produtiva, tendo em vista as várias realidades que encontramos no campo. Cada cultivar pode atender a demanda que é distinta entre os agricultores”, disse.
Iniciando as estações tecnológicas, o supervisor comercial da Biotrigo para a região, Everton Garcia, apresentou uma das novidades para a safra 2020. Segundo Everton, a cultivar TBIO Ponteiro, atende a uma demanda importante entre os agricultores: um trigo médio-tardio para abrir a semeadura e ideal para combinar com trigos mais precoces. “O TBIO Ponteiro tem potencial de rendimento similar ao TBIO Sinuelo e ainda com destaque ao superior perfil sanitário, sendo altamente resistente ao Oídio e pela tolerância ao Alumínio tóxico que em anos de estiagem oferece maior resistência à seca. São características que promovem uma maior estabilidade produtiva”, explicou o agrônomo.
Na sequência as palestras abordaram outros lançamentos para a safra 2020: TBIO Astro (superprecoce) e TBIO Capricho CL (médio-tardio). André Cunha Rosa, melhorista e diretor da Biotrigo destacou os diferenciais da cultivar TBIO Astro. “O maior destaque desse trigo é a Força de Glúten (W), com valores médios de W 550 10ˉ⁴J, tendo grande destaque na qualidade mesmo nas regiões frias. Possui ainda alta resistência às doenças de espiga, ótima reação especialmente à Giberela, ao acamamento e à germinação na espiga. Entrega excelente manutenção de PH e ainda traz na sua genética a capacidade de entregar uma proteína mais alta. É o nosso recordista no ranking da Biotrigo”, comentou.
A nova tecnologia para controle de plantas daninhas, TBIO Capricho CL, foi apresentada pelo melhorista da Biotrigo, Francisco Gnocato. A cultivar é a primeira do Brasil com a tecnologia Clearfield CL – já utilizada em países produtores de trigo, como Canadá e Austrália e, no Brasil, na cultura do arroz. Segundo Francisco, o diferencial dessa cultivar, derivada de TBIO Sinuelo, foi a introdução da tolerância aos herbicidas do grupo das imidazolinonas, mais precisamente ao ingrediente ativo imazamoxi (Raptor 70DG®). “É uma tecnologia criada em conjunto com a Basf, promissora para o manejo de plantas daninhas resistentes como o azevém, aveia e nabo, o que ajuda, por exemplo, no controle de biótipos de azevém resistentes ao glifosato, aos inibidores da ACCase (graminicidas) e aos inibidores da ALS”, explicou.
O doutor em fitotecnia e professor na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Giliardi Dalazen, explicou que a tecnologia é eficiente quando introduzida num cronograma de rotação de cultivares na propriedade. “Recomendamos que o produtor utilize o trigo Clearfield em no máximo 1/3 da área cultivada com trigo a cada ano, sem repeti-la na mesma área no ano seguinte. Assim, se dificultará a seleção de biótipos de plantas daninhas resistentes ao herbicida utilizado, prolongando a vida útil da tecnologia”, complementou Giliardi. A cultivar TBIO Capricho CL, que será comercializada já na próxima safra para a multiplicação de sementes, é resultado do programa de melhoramento genético da Biotrigo em parceria com a empresa alemã.

Potencial produtivo das lavouras do RS em 2019 é promissor.

Nutrição vegetal

Giovani Facco, gerente de experimentação da Biotrigo, palestrou sobre a interação solo, planta e ambiente e a importância dos formatos adequados para absorção e utilização dos nutrientes durante todo o ciclo da cultura. “Para que possamos extrair ao máximo do potencial de cada cultura, trazido pela genética, devemos conhecer o que cada planta consome e fazer o aporte destes nutrientes, assim como a ciclagem e incorporação dos mesmos via palha e culturas de cobertura”, disse.

Manejo para Giberela

Como em toda safra, na fase de florescimento da planta, é importante que técnicos e agricultores estejam atentos às boas práticas de manejo para reduzir os impactos da Giberela. Na estação fitopatologia, Paulo Kuhnem, fitopatologista da Biotrigo, explicou que a doença é muito dependente das condições climáticas, especialmente nos anos úmidos (El niño). “Nessa fase é extremamente importante monitorar as condições do clima, pois a chuva aumenta as chances de os esporos infectarem com sucesso as anteras. Como o fungo pode sobreviver em restos culturais e possui uma ampla gama de hospedeiros, seu manejo com práticas culturais é pouco eficiente. O uso de cultivares moderamente resistentes associado à aplicação de fungicida específico no florescimento tem tido os melhores resultados para o manejo de redução da micotoxina DON, proveniente desta doença”, explicou.
Tomas Cargnelutti, consultor técnico em tecnologia de aplicação da Astec Agro, comentou que o momento da aplicação é um importante fator no controle. “É preciso ficar atento as condições climáticas no período de florescimento do trigo, especificamente com o período de molhamento das anteras, local onde ocorre a infecção. A tecnologia de aplicação – volume de calda, pontas adequadas, tamanho de gota – devem ser utilizadas de maneira adequada especialmente quando há previsão de chuva durante o florescimento”, complementou.

Trigos especiais

Tiago de Pauli, supervisor comercial da Biotrigo, apresentou a linha de trigos especiais voltadas para nutrição de gado de leite e corte – Linha Energix (Energix 201 e Energix 202) e Lenox (trigo para pastejo). Para o mercado de panificação, foram apresentadas as cultivares TBIO Noble e TBIO Aton e, para biscoito, TBIO Alpaca.

 

Fonte: Assessoria da Biotrigo
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − dezoito =

Empresas Agrozootec

Balança Salter disponível e com autorização do Inmetro

A Agrozootec, com a devida autorização do Inmetro, tem o equipamento disponível no Brasil para venda imediata.

Publicado em

em

A avicultura depende de precisão e praticidade e existem equipamentos que são como o braço direito do produtor. Exemplo é a Balança Salter analógica, uma das mais procuradas pelos produtores de frangos de corte para controle de ganho de peso. A Agrozootec, com a devida autorização do Inmetro, tem o equipamento disponível no Brasil para venda imediata.

“A Salter é a balança analógica mais procurada pelos avicultores devido a sua alta precisão, ganchos em aço inoxidável, molas de pesagem anti-corrosão e robustez”, afirma a gerente nacional de vendas, Giana Hirose, da Agrozootec. De origem inglesa, estão disponíveis nas capacidades de 5 Kg e 10kg, a primeira com escala de 20 g e a segunda com escala de 50 g respectivamente. “A graduação possui espaços curtos, isso é muito importante no manejo de pesagem onde o ganho de peso é um ponto crucial para o retorno financeiro da granja”, explica Giana que também é médica veterinária.

“O controle da conversão alimentar e ganho de peso dos frangos de corte é uma das formas de garantir margem financeira do produtor, para isso, é importante uma boa genética, nutrição, controle sanitário e acompanhamento de pesagens, sem esquecer da capacitação e motivação da equipe de trabalho”, explica Giana. “Por esse motivo balanças como a Salter são tão procuradas”, afirma. “É uma ferramenta básica que atende ao avicultor em sua rotina”, conclui.

Com 15 anos de mercado em 2019, a AGROZOOTEC é uma indústria e importadora de equipamentos da Europa, América e Ásia para atender as cadeias produtivas de corte, leite, suínos, aves, equinos, ovinos e caprinos possuindo em seu portifólio mais de 2.200 itens, os produtos podem ser encontrados em distribuidores, cooperativas e lojas especializadas em produtos agropecuários.

 

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Nutrição Animal

Evonik participa da Reunião Anual CBNA com palestras dirigidas

Além de patrocinadora do evento, a empresa marca presença com duas importantes apresentações na Sala Bovinos durante o CBNA 2019

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A Evonik estará presente na 32a Reunião Anual CBNA“Congresso sobre Nutrição e Bem-Estar Animal” , realizada pelo Colégio Brasileiro de Nutrição Animal – CBNA, que acontece entre os dias 12 e 14 de novembro de 2019, em Campinas, no interior de São Paulo. No evento, que reúne profissionais da cadeia produtiva e especialistas de renome internacional, serão apresentadas as mais recentes pesquisas e tecnologias nas áreas de nutrição e bem-estar animal nos segmentos de avicultura, suinocultura e ruminantes.

A Evonik é uma das patrocinadoras do encontro, que também conta com a entrega do “Prêmio CBNA de Pesquisa”, que avalia trabalhos científicos nas áreas de nutrição de aves (corte e postura), suínos e ruminantes (corte e leite). “Para a Evonik estar presente em um evento como esse é uma experiência bastante enriquecedora tanto pelo conteúdo quanto pelos oportunos encontros com experts da área. Não temos dúvidas de que representa importante agenda técnica do mercado brasileiro e momento propício para estreitarmos relacionamento com profissionais que atuam no setor”, salienta Nei Arruda, responsável pelo Marketing da área de Nutrição e Saúde Animal da Evonik.

 

Know how Evonik na Sala Bovinos

Além do patrocínio, a Evonik participa do evento com duas palestras na quarta-feira, dia 13, das 17h30 às 18h30, na Sala Bovinos:

 

– “Variação nutricional das matérias-primas e seu impacto sobre a nutrição de monogástricos”, com Maria Melo, Diretora Técnica da Evonik;

 

– “Ferramentas analíticas que auxiliam no processo de mitigação da variabilidade nutricional de matérias-primas”, com Valeska Passarelo, Coordenadora de Serviços Analíticos da Evonik, além de química, com experiência de mais de 7 anos em suporte técnico a campo em clientes com foco principal no controle de matéria-prima na fabricação de ração por meio do uso da tecnologia NIR.

 

Serviço: 

32a Reunião Anual CBNA “Nutrição e Bem-estar Animal”
Data: 12 a 14 de novembro de 2019
Local: Expo D. Pedro

 

Fonte: Assessoria da Evonik
Continue Lendo

Empresas AB Vista

OVUM em Lima foi o palco para o lançamento do Signis da AB Vista – o primeiro ativador de microrganismos de dupla ação da indústria

AB Vista estava presente no estande do seu distribuidor no Peru – Globalvet

Publicado em

em

Diretor de Investigação e Desenvolvimento, Dr. Mike Bedford

O Congresso Latino Americano de Avicultura – OVUM, que aconteceu na semana passada foi o palco da AB Vista para o lancamento de Signis – seu mais novo produto inovador de dupla ação, concebido para acelerar o desenvolvimento de um microbioma que degrada as fibras.

Signis é um produto inovador de dupla ação com uma combinação única de xilanase e xiloligossacarídeos (XOS) fermentáveis – que acelera o desenvolvimento de um microbioma que degrada as fibras, permitindo a fermentação de fontes de fibra que de outra forma permaneceriam não fermentáveis. Isto incrementa o padrão de fermentação da fibra de forma mais precoce no ciclo de vida dos monogástricos.

Nos últimos anos, a indústria tem assistido a uma série de mudanças interligadas, com uma redução do uso de antibióticos que levou a um enfoque na saúde intestinal. Isto gerou uma pressão para as empresas de alimentos para desenvolver estratégias nutricionais destinadas a estimular o microbioma intestinal.

O Diretor de Investigação e Desenvolvimento, Dr. Mike Bedford, explica que Signis é o resultado de anos de investigação sobre os efeitos benéficos dos produtos de decomposição de fibras na função intestinal e no desempenho animal:

“Nos últimos seis anos, através da nossa investigação, observámos a ligação entre a produção de determinados produtos de degradação de fibras, o microbioma intestinal e a melhoria do desempenho animal. O que sabemos é que certos xiloligossacarídeos produzidos pelas xilanases agem como “sinais” para que os micróbios intestinais desenvolvam uma capacidade mais eficaz de degradação de fibras ao longo do tempo. Este é o conceito central da Signis e onde o nome do produto deriva do seu efeito de sinalização”, conclui.

Acelerar o desenvolvimento de um microbioma degradante de fibras

Signis tem demonstrado acelerar o desenvolvimento de bactérias que degradam as fibras no intestino de suínos e aves. O produto contém uma combinação de xilanase fermentável e xiloligossacarídeos, especificamente selecionados pelo seu efeito benéfico na fermentação intestinal.

O Dr. Alexandre Barbosa de Brito, gerente técnico da LAM, descreve o mecanismo de ação – e explica o que isto significa em termos reais para os produtores:

“O Signis atua por uma dupla ação: a xilanase hidrolisa a fibra, aumentando a capacidade de fermentação e a rugosidade da superfície da fibra para fixação bacteriana, enquanto os xiloligossacarídeos assinalam ao microbioma para que desenvolva sua capacidade de fermentar XOS o mais rapidamente possível”, revela.

Jorge Rubio, Gerente de Negócios para o México, CA & Caribe, afirma que “Esta sinalização resulta em mudanças adaptativas para uma maior capacidade de degradar a fibra, permitindo maior digestibilidade da dieta, melhorando o grau de decomposição da fibra em uma idade mais precoce do que normalmente ocorreria. O resultado final para os produtores é uma melhor digestibilidade dos nutrientes, melhores rendimentos e uma redução geral dos custos de produção.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
PSA
AB VISTA Quadrado
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.