Conectado com

Empresas Trigo

Dia de campo reúne cadeia produtiva do trigo em Ijuí

De olho nos resultados desta safra e buscando novas tecnologias para as próximas, cerca de 200 pessoas participaram nesta terça-feira (8) do dia de campo de trigo

Publicado em

em

Participaram do evento cerca de 200 pessoas representando a cadeia do trigo vindas de mais de 50 cidades do Estado. Foto: Divulgação Biotrigo

Nas principais áreas tritícolas do Rio Grande do Sul, o momento é de expectativa com as lavouras de trigo e atenção ao clima. Nas regiões de Ijuí e Santa Rosa, que representam juntas mais da metade da área de trigo no estado – 420 mil hectares de trigo, as primeiras lavouras que avançam para a maturação fisiológica apresentam ótimo potencial produtivo e produtores esperam iniciar a colheita nas próximas duas semanas. O bom desempenho até o momento é resultado das condições climáticas que foram favoráveis unidas a um manejo adequado, combinadas ao uso de tecnologias que safra após safra chegam com novidades em termos de genética. De olho nos resultados dessa safra e buscando novas tecnologias para as próximas, cerca de 200 pessoas, entre multiplicadores de sementes, recomendantes, indústria moageira e agricultores participaram nesta terça-feira (8) do dia de campo de trigo, na cidade de Ijuí (RS). O evento promovido pela Biotrigo Genética, foi organizado em um circuito composto por seis temáticas que envolveram novas tecnologias e boas práticas de manejo
Na abertura do dia de campo, o gerente comercial para a América Latina (Latam) da Biotrigo Genética, Fernando Michel Wagner, fez um resgate da safra atual no país dando enfoque especial a do Rio Grande do Sul, destacando a importância deste momento onde  já se definem algumas  das estratégias para a próxima safra e da importância da troca de informações direto no campo. “Visualizar no campo a performance das cultivares já disponíveis para o mercado e os potenciais lançamentos é fundamental para melhoria da eficiência produtiva, tendo em vista as várias realidades que encontramos no campo. Cada cultivar pode atender a demanda que é distinta entre os agricultores”, disse.
Iniciando as estações tecnológicas, o supervisor comercial da Biotrigo para a região, Everton Garcia, apresentou uma das novidades para a safra 2020. Segundo Everton, a cultivar TBIO Ponteiro, atende a uma demanda importante entre os agricultores: um trigo médio-tardio para abrir a semeadura e ideal para combinar com trigos mais precoces. “O TBIO Ponteiro tem potencial de rendimento similar ao TBIO Sinuelo e ainda com destaque ao superior perfil sanitário, sendo altamente resistente ao Oídio e pela tolerância ao Alumínio tóxico que em anos de estiagem oferece maior resistência à seca. São características que promovem uma maior estabilidade produtiva”, explicou o agrônomo.
Na sequência as palestras abordaram outros lançamentos para a safra 2020: TBIO Astro (superprecoce) e TBIO Capricho CL (médio-tardio). André Cunha Rosa, melhorista e diretor da Biotrigo destacou os diferenciais da cultivar TBIO Astro. “O maior destaque desse trigo é a Força de Glúten (W), com valores médios de W 550 10ˉ⁴J, tendo grande destaque na qualidade mesmo nas regiões frias. Possui ainda alta resistência às doenças de espiga, ótima reação especialmente à Giberela, ao acamamento e à germinação na espiga. Entrega excelente manutenção de PH e ainda traz na sua genética a capacidade de entregar uma proteína mais alta. É o nosso recordista no ranking da Biotrigo”, comentou.
A nova tecnologia para controle de plantas daninhas, TBIO Capricho CL, foi apresentada pelo melhorista da Biotrigo, Francisco Gnocato. A cultivar é a primeira do Brasil com a tecnologia Clearfield CL – já utilizada em países produtores de trigo, como Canadá e Austrália e, no Brasil, na cultura do arroz. Segundo Francisco, o diferencial dessa cultivar, derivada de TBIO Sinuelo, foi a introdução da tolerância aos herbicidas do grupo das imidazolinonas, mais precisamente ao ingrediente ativo imazamoxi (Raptor 70DG®). “É uma tecnologia criada em conjunto com a Basf, promissora para o manejo de plantas daninhas resistentes como o azevém, aveia e nabo, o que ajuda, por exemplo, no controle de biótipos de azevém resistentes ao glifosato, aos inibidores da ACCase (graminicidas) e aos inibidores da ALS”, explicou.
O doutor em fitotecnia e professor na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Giliardi Dalazen, explicou que a tecnologia é eficiente quando introduzida num cronograma de rotação de cultivares na propriedade. “Recomendamos que o produtor utilize o trigo Clearfield em no máximo 1/3 da área cultivada com trigo a cada ano, sem repeti-la na mesma área no ano seguinte. Assim, se dificultará a seleção de biótipos de plantas daninhas resistentes ao herbicida utilizado, prolongando a vida útil da tecnologia”, complementou Giliardi. A cultivar TBIO Capricho CL, que será comercializada já na próxima safra para a multiplicação de sementes, é resultado do programa de melhoramento genético da Biotrigo em parceria com a empresa alemã.

Potencial produtivo das lavouras do RS em 2019 é promissor.

Nutrição vegetal

Giovani Facco, gerente de experimentação da Biotrigo, palestrou sobre a interação solo, planta e ambiente e a importância dos formatos adequados para absorção e utilização dos nutrientes durante todo o ciclo da cultura. “Para que possamos extrair ao máximo do potencial de cada cultura, trazido pela genética, devemos conhecer o que cada planta consome e fazer o aporte destes nutrientes, assim como a ciclagem e incorporação dos mesmos via palha e culturas de cobertura”, disse.

Manejo para Giberela

Como em toda safra, na fase de florescimento da planta, é importante que técnicos e agricultores estejam atentos às boas práticas de manejo para reduzir os impactos da Giberela. Na estação fitopatologia, Paulo Kuhnem, fitopatologista da Biotrigo, explicou que a doença é muito dependente das condições climáticas, especialmente nos anos úmidos (El niño). “Nessa fase é extremamente importante monitorar as condições do clima, pois a chuva aumenta as chances de os esporos infectarem com sucesso as anteras. Como o fungo pode sobreviver em restos culturais e possui uma ampla gama de hospedeiros, seu manejo com práticas culturais é pouco eficiente. O uso de cultivares moderamente resistentes associado à aplicação de fungicida específico no florescimento tem tido os melhores resultados para o manejo de redução da micotoxina DON, proveniente desta doença”, explicou.
Tomas Cargnelutti, consultor técnico em tecnologia de aplicação da Astec Agro, comentou que o momento da aplicação é um importante fator no controle. “É preciso ficar atento as condições climáticas no período de florescimento do trigo, especificamente com o período de molhamento das anteras, local onde ocorre a infecção. A tecnologia de aplicação – volume de calda, pontas adequadas, tamanho de gota – devem ser utilizadas de maneira adequada especialmente quando há previsão de chuva durante o florescimento”, complementou.

Trigos especiais

Tiago de Pauli, supervisor comercial da Biotrigo, apresentou a linha de trigos especiais voltadas para nutrição de gado de leite e corte – Linha Energix (Energix 201 e Energix 202) e Lenox (trigo para pastejo). Para o mercado de panificação, foram apresentadas as cultivares TBIO Noble e TBIO Aton e, para biscoito, TBIO Alpaca.

 

Fonte: Assessoria da Biotrigo
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + quinze =

Empresas Bovinos

Programa de Eficiência de Carcaça (PEC) quer triplicar de tamanho, com 600 pecuaristas e 300 mil animais de SP, MT, TO e GO

As inscrições estão abertas até agosto pelo site www.minervafoods.com/pec

Publicado em

em

Mauricio Graziani, presidente da Phibro Saúde Animal no Brasil. - Foto: Divulgação

O Programa de Eficiência de Carcaça (PEC), iniciativa da Phibro Saúde Animal, Minerva Foods e, a partir deste ano, Biogénesis-Bagó, quer triplicar de tamanho em 2020, atraindo 600 pecuaristas de Goiás, Tocantins, Mato Grosso e São Paulo, para produzir, hoje, o boi do amanhã. O objetivo é abater 300 mil bovinos no âmbito do programa.

O PEC tem como objetivo contribuir para que a pecuária brasileira alcance um novo patamar de eficiência por meio da disseminação de boas práticas, integração dos vários elos da cadeia produtiva e apoio aos pecuaristas para produzir mais e melhor. Para isso, avalia os critérios de constância de oferta; menor idade animal; excelente acabamento de gordura; carcaça uniforme; bom peso ao abate; padronização do lote; e pH adequado da carne.

A decisão de estender o programa para outros municípios deve-se aos ótimos resultados obtidos com a primeira edição realizada em Araguaína e Palmeiras de Goiás, que superou expectativas com mais de 200 produtores participantes e quase 100 mil animais avaliados.

Em 2020, participarão do PEC os pecuaristas parceiros da Minerva Foods que abatem nas unidades de Araguaína (TO), Palmeiras de Goiás (GO), José Bonifácio (SP) e Mirassol D´Oeste (MT).  As inscrições estão abertas até agosto. Os interessados podem se inscrever pelo site do programa (www.minervafoods.com/pec).

“Com o sucesso da primeira edição, nossa expectativa é que o Programa de Eficiência de Carcaça cresça e possa levar mais conhecimento a um maior número de pecuaristas. Coletamos muitas informações, que nos mostram o atual estágio da pecuária. Continuaremos trabalhando na disseminação de boas práticas, sempre com a integração dos vários elos da cadeia produtiva – criadores, indústria da carne, indústria de insumos e pesquisa. Nosso objetivo é reconhecer o trabalho daqueles que procuram por máxima eficiência na produção de carne e dar-lhes visibilidade para que sirvam de exemplo para aqueles que estão na busca desse objetivo”, assinala Mauricio Graziani, presidente da Phibro Saúde Animal no Brasil.

O diretor de compra de gado da Minerva Foods, Fabiano Tito Rosa, comenta que essa “é uma forma de compartilharmos conhecimento técnico com nossos parceiros, bem como novas tecnologias. Com o mercado cada vez mais exigente e com um perfil de consumidor que vem mudando com o decorrer dos anos, é preciso aprimorar a criação a cada dia e o pecuarista tem papel fundamental nessa entrega de qualidade. Mas nós, da indústria, também temos a missão de instruir o que tem que ser produzido e remunerar de forma adequada. É com esse intuito que criamos o PEC. Com base nos aprendizados e diagnóstico da primeira edição, vamos eliminando os gaps identificados a cada ano”.

“A Biogénesis Bagó Saúde Animal entra como parceira do PEC por acreditar que a sanidade e o bem-estar animal são pilares importantes na busca por um produto final bem-acabado e padronizado. Todos os nossos profissionais veterinários e zootecnistas estarão a campo auxiliando os pecuaristas a produzirem cada vez mais e melhor para termos um Brasil pecuário cada vez maior e melhor”, ressalta Marcelo Bulman, diretor presidente da Biogénesis Bagó Brasil.

Fonte: Assessoria da Phibro
Continue Lendo

Empresas

Rovério Magrini é o novo gerente de produtos de suínos da Auster Nutrição Animal

Publicado em

em

A Auster Nutrição Animal anuncia a contratação de Rovério Magrini para o cargo de gerente de produtos de suínos. Com quase 40 anos de carreira, ele conta com vasta experiência em produção e nutrição animal e grande capacidade para visualizar oportunidades e gerar valor na produção de alimentos, ingredientes e aditivos para animais. “Ingresso no time da Auster com a missão de desenvolver estratégias e planos de negócios para fortalecer a área de suínos e contribuir para atingir resultados ainda melhores das linhas de produtos”, informa.

Rovério é formado em ciências animais pela Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (UNESP) e tem MBA em gestão de negócios pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).  Ele iniciou a carreira em 1983, quando ingressou como técnico responsável pelo controle de qualidade dos alimentos da fábrica da Ajinomoto. Na década de 90, foi contratado pela Mogiana Alimentos para o cargo de coordenador de serviços de nutrição em fazendas de suínos e aves. Passou pela Nutron Alimentos, pela M.Cassab Tecnologia Animal e, posteriormente, pela AB Vista Brasil, na qual foi gerente de negócios na América Latina.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas

Katayama Alimentos conquista Certificação Halal

Indústria avícola conquista certificado que garante a qualidade e a segurança do processo produtivo e dos produtos que comercializa para o mercado global

Publicado em

em

A Katayama Alimentos, uma das maiores indústrias avícolas do país, comemora a conquista do Certificado de Conformidade Halal, uma certificação essencial para empresas que pretendem expandir suas áreas de atuação no mundo. Trata-se de uma garantia de que o processo produtivo, os produtos e os serviços prestados pela marca respeitam os rígidos critérios de qualidade e segurança alimentar exigidos em vários países.

Halal é um termo de origem árabe que significa lícito ou permitido. No contexto islâmico, representa um sistema baseado em princípios e valores éticos e morais que beneficiam a humanidade em várias áreas, incluindo a alimentação. Atualmente, é um passaporte para empresas que tem interesse em ampliar suas vendas para a comunidade mulçumana ao redor mundo, estimada em 1,8 bilhão de pessoas, pois o estilo de vida Halal garante aos muçulmanos que a empresa age com transparência, responsabilidade socioambiental e de acordo com a jurisprudência islâmica.

“O Certificado Halal é reconhecido como sinônimo de confiança. A conquista desta certificação confirma que os valores da Katayama Alimentos estão alinhados ao perfil dos consumidores do mundo e em conformidade com a legislação e normas internacionais de segurança exigidas por centenas de países”, diz Gilson Katayama, Diretor Comercial da empresa. “A certificação reforça nosso compromisso em crescer de forma sustentável, sempre colocando em primeiro lugar a qualidade e segurança alimentar”, conclui o executivo.

Certificadora

Para obter o certificado, a Katayama Alimentos contratou a certificadora CDIAL Halal (Centro de Divulgação do Islam para a América Latina), referência global no segmento, que analisou documentos, produtos e realizou auditorias para verificação de diversos aspectos, como as matérias-primas, métodos de produção e a conduta da indústria avícola do interior do Estado de São Paulo. A certificação é um importante diferencial competitivo e abre à marca a possibilidade de ampliar os negócios no setor alimentício.

Para Omar Chahine, da CDIAL Halal, “certificar a Katayama Alimentos foi um processo rápido, visto que a indústria avícola atende todas as conformidades exigidas pela certificadora. Ainda nos dois primeiros anos serão realizadas duas auditorias de manutenção, e em até seis meses antes de vencer o certificado, realizaremos a auditoria de recertificação”.

 

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.