Conectado com

Notícias No Paraná

Dia de Campo Copagril acontecerá quarta e quinta-feira

Evento reúne associados, parceiros e visitantes de toda a região Oeste paranaense e sul-mato-grossense

Publicado em

em

Divulgação

Acontecerá na quarta e quinta-feira, dias 15 e 16, o maior evento realizado pela Cooperativa Agroindustrial Copagril: o Dia de Campo Copagril 2020. A vitrine do agronegócio reúne associados, parceiros e visitantes de toda a região Oeste paranaense e sul-mato-grossense, com a proposta de conhecer as melhores tecnologias disponíveis no mercado para potencializar as atividades agrícolas e pecuárias.

A cooperativa e empresas parceiras trazem aos associados e público visitante do Dia de Campo as novidades, melhoramentos e novas tecnologias em plantas, equipamentos e serviços, explica o superintende agropecuário da Copagril e coordenador do evento, Enoir José Primon. “Um grande evento preparado para receber todos da melhor forma e com as melhores opções disponíveis no mercado, onde o público tem a oportunidade de conferir as cultivares, híbridos, pastagens, defensivos, fertilizantes testados pela Copagril e com as melhores adaptações a nossa região, além de máquinas, equipamentos e serviços, tanto para o trabalho na agricultura como na pecuária”, comenta.

“Os associados e clientes da Copagril tem no Dia de Campo uma vitrine, ondem podem conferir aquilo que é testado pela Copagril e assim tem mais segurança para aplicar lá na propriedade. Todos são convidados para vir e conferir, fazer o comparativo, tirar as dúvidas e conhecer as novidades e tecnologias. Hoje não temos espaço para falhas e precisamos ser cada vez mais assertivos em cada etapa e é isso que buscamos apresentar no Dia de Campo, as melhores opções em todas as novas atividades”, explica Primon, que também lembra das palestras e atividades das áreas pecuárias que serão realizadas no evento.

Edição especial

Primon destaca que a edição de 2020 do Dia de Campo é ainda mais importante para a cooperativa porque integra as comemorações dos 50 anos de atuação. Um dos maiores eventos e que terá toda a preparação para o jubileu de ouro, marcando o início de um ano festivo para a Copagril. “É a marca de uma grande trajetória, uma história de crescimento e desenvolvimento que deve ser compartilhada com todos e que só foi possível pelo trabalho e envolvimento dos cooperados, parceiros, colaboradores e da comunidade regional. É também um ano de muito trabalho em que vamos ter muitas oportunidades de conhecimento e informação. Começando por esse grande encontro de tecnologia e bons negócios que é o nosso Dia de Campo”, descreve.

São mais de 11 hectares de ocupação dentro da Estação Experimental, com novidades no atendimento dos visitantes e destaque para os investimentos em apresentação e inovação nas diversas áreas. “Estamos sempre em busca das novidades e melhorias, para apresentar aos nossos cooperados e clientes. O Dia de Campo é a oportunidade de conferir tudo em um só lugar”, destaca Primon ao comentar sobre a participação de todas as áreas de atividades da Copagril, como agricultura, áreas de fomentos, máquinas, lojas agropecuária, áreas sociais e o envolvimento de todos os segmentos na realização e atendimento.

Parceiros

Além de toda a organização da Copagril, o evento ganha ainda mais destaque por meio da participação dos parceiros comerciais. São mais de 100 empresas presentes no evento, nas linhas de híbridos de milho, cultivares de soja, pastagens, defensivos e fertilizantes, agricultura de precisão, seguros agrícolas, máquinas e implementos para a agricultura e pecuária, prestação de serviços e parceiros das Lojas Agropecuárias que disponibilizam ao público diversos produtos de uso pessoal, para casa e propriedade.

“As empresas parceiras trazem o que têm de melhor para o agronegócio como um todo. São os melhores produtos e serviços com as novidades e tendências disponíveis no mercado. Com alto padrão em apresentação e atendimento a todos os visitantes do Dia de Campo”, completa o coordenador.

Programação

A programação do Dia de Campo terá início às 08 horas de quarta-feira (15), com café da manhã para recepção aos visitantes. A abertura para visitação aos estandes está marcada para as 08h30. A programação do primeiro dia será estendida até 20 horas, proporcionando horário estendido para o público prestigiar as atrações.

No segundo dia do evento também haverá café da manhã às 08 horas e abertura para visitação às 08h30. O encerramento da feira está marcado para as 18 horas da quinta-feira (16).

A Estação Experimental Copagril fica próxima ao posto da Polícia Rodoviária Estadual na rodovia PR 491, Km 02, em Marechal Cândido Rondon saída para Nova Santa Rosa.

Todos os dias será servido almoço por adesão, no refeitório local, a partir das 11h30. A ficha custará R$ 25 (adulto) e R$ 13 (crianças de 6 a 10 anos).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × quatro =

Notícias Segundo Cepea

Preços do milho sobem na maioria das regiões acompanhadas, mas indicador recua

Sustentação vem da demanda, visto que parte dos compradores precisa repor estoques

Publicado em

em

Divulgação

Os preços do milho seguem em alta na maioria das praças acompanhadas pelo Cepea, mas o ritmo de negócios ainda é baixo. Segundo colaboradores do Cepea, a sustentação vem da demanda, visto que parte dos compradores precisa repor estoques.

O movimento de alta foi mais intenso no Rio Grande do Sul, onde produtores estão retraídos, temendo queda na produtividade. Já no Centro-Oeste, especificamente em Mato Grosso do Sul, colaboradores do Cepea reportaram casos em que produtores têm necessidade de liberar espaço nos armazéns com milho, devido ao avanço da colheita da soja, o que acaba limitando as valorizações.

Em Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa registrou ligeira queda de 0.67% entre 17 e 24 de janeiro, fechando a R$ 51,42/sc de 60 kg na sexta-feira (24).

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Internacional

ABPA e AGROICONE apresentam estudo sobre sustentabilidade da avicultura e suinocultura no GFFA 2020

Estudo abordou pontos importantes da sustentabilidade produtiva da proteína animal brasileira

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e o Agroicone, apresentou um estudo sobre sustentabilidade da avicultura e da suinocultura do Brasil durante o Global Forum for Food and Agriculture (GFFA), realizado entre os dias 16 e 18 de janeiro, em Berlim (Alemanha).

Com as presenças de Javier Garrido Vaquero, da consultoria da ABPA em Bruxelas, e de Luciane Chiodi Bachion, sócia do Agroicone,– que representaram a associação na ocasião – a ação no GFFA destacou detalhes sobre o sistema produtivo da avicultura e da suinocultura nacionais, atributos dos alimentos e as diversas frentes de trabalho setoriais para o atendimento a metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

“Neste ano, a avicultura mundial assumiu compromissos globais no âmbito do ODS. O estudo demonstrou nosso engajamento nestes objetivos tanto na avicultura, quanto na suinocultura, unificando oferta de alimentos de qualidade, seguros e sustentáveis. Esta é uma posição estratégica que assumimos perante o mundo, e que temos fortalecido ao longo dos anos”, ressalta Ricardo Santin, diretor-executivo da ABPA.

O estudo apresentado no GFFA abordou, ainda, pontos importantes da sustentabilidade produtiva da proteína animal brasileira, como a reduzida emissão de CO² em comparação com outros importantes produtores, os ganhos de eficiência produtiva e redução de uso de insumos, a preservação do status sanitário, entre outros.

“Produzimos o suficiente para atender a demanda interna, enquanto somos o primeiro exportador de aves e quarto maior de suínos. Exportamos carne de frango para cerca de 150 países e de suínos para 90 países, alimentando 223 milhões de pessoas fora do Brasil. Tudo isso aliado a redução de emissões, bem-estar animal, segurança sanitária e contribuições para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU”, explica Luciane, do Agroícone.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preço da carne bovina desacelera e segue em tendência de queda

Arroba do boi gordo já caiu em torno de 5% desde o início do ano, segundo levantamento do Mapa

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A redução na demanda pelo consumidor e no volume de exportações da carne bovina para a China têm provocado o recuo no preço do produto no varejo. Esse movimento reflete a variação no preço da arroba do boi gordo ao produtor que, em média, já caiu em torno de 5% desde o início do ano, segundo levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Os preços do boi gordo na sexta-feira (24) estavam cotados entre R$ 170 e R$ 180.  Em Mato Grosso do Sul, por exemplo, foi registrada uma queda 10,5%, na comparação entre o preço de R$ 190, em 30 de dezembro de 2019, e o fechamento na sexta-feira, em R$ 170.

A redução se torna ainda maior ao avaliar o comportamento do mercado em relação ao início de dezembro, quando a arroba chegou a R$ 216, conferindo uma queda da ordem de 21% em relação a sexta-feira.

O recuo no preço da carne também foi verificado no levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na quinta-feira (23). O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), a prévia da inflação, captou uma forte desaceleração no valor do produto. De uma alta de 17,71% em dezembro, a variação no preço da carne chegou a 4,83% em janeiro, puxando a inflação para baixo.

Para o coordenador-geral de Apoio à Comercialização da Agricultura Familiar do Mapa, João Antônio Salomão, além da questão das exportações, outros fatores contribuíram para pressionar o preço para baixo. “Neste período, há uma tendência de menor consumo de carne bovina, em virtude das férias e houve também uma mudança de hábito do consumidor, que migrou para a compra de outros tipos carnes, como frango e peixes”, observa.

No varejo, os preços devem seguir tendência de queda, em virtude da demanda enfraquecida. O valor de cortes traseiros, que têm cotações mais altas e mais sensíveis à variação do mercado, registrou forte queda, como a alcatra. Enquanto em dezembro esse corte teve uma variação de 21,26%, neste mês, foi 4,49%, de acordo com o IPCA-15, do IBGE.

Fonte: MAPA
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.