Conectado com

Avicultura Nutrição

Desafios de micotoxinas e tecnologias para mitigação de efeitos negativos em aves

Contaminação dos grãos pode causar danos às superfícies de absorção intestinais e com isso reduzir produtividade

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Mariel Neves Tavares, médica veterinária, mestranda em Gestão e Inovação na Industria Animal, Laboratório de Análises Econômicas LAE e gerente de Território da Olmix

A questão do uso de antimicrobianos na avicultura como promotores de crescimento e o conceito de resistência bacteriana no conceito de saúde única vem cada vez mais assolando as decisões dos nutricionistas nas granjas produtoras de ovos. Com a Portaria 171 de 13 dezembro de 2018 do Mapa vimos o quão próximo estamos da proibição do uso de algumas moléculas, que podem causar prejuízos produtivos.

Diante dessa situação, algumas alternativas que buscam melhorar a saúde dos animais preventivamente têm sido consideradas. Opções que melhoram digestibilidade são uma das ferramentas das quais não devemos abrir mão. Ácidos e/ou probióticos para controle de microbiota são fundamentais para os controles sanitários exigidos pelos serviços de inspeção para manutenção da saúde alimentar.

A contaminação dos grãos que são a base alimentar das aves comerciais pode causar danos às superfícies de absorção intestinais e com isso reduzir produtividade, além de alterar microbiota e permitir com maior facilidade desenvolvimento de outros patógenos devido também á redução de imunidade que metabólitos produzidos por fungos ainda ao longo da produção das culturas, bem como transportes podem causar aos animais. Por isso, também indispensável é o uso de um adsorvente de micotoxinas no contexto prevenção via nutrição.

As contaminações

Tricotecenos

Em 1989, pesquisadores descreveram a inibição da síntese proteica bloqueando a peptidiltransferase de 60S-ribossômicos como principal modo de ação dos tricotecenos, um dos tipos de micotoxinas.

Em 1993, outro estudioso entendeu que as perdas observadas em condições de campo com milho contaminado com 10000ppb de Deoxinivalenol (Vomitoxinas) – DON podem ter sido nível superior de DON, ou a um efeito sinérgico entre DON e outras micotoxinas.

Em 1996, pesquisa associou necroses, diarreias e vômitos  à presença de DON nas dietas de suínos. Diarreias podem estar ligadas à alteração de microbiota intestinal, com redução da absorção de nutrientes também em aves.

Em 2002 um grupo estudioso relatou perda de desempenho em poedeiras alimentadas com dietas contendo milho contaminados por 7600ppb de DON e 1600ppb  de ZEA. No mesmo ano, outro grupo relatou que baixas concentrações (<10 µmol / L) de DON na digesta modulou seletivamente a atividades de transportadores intestinais.

Fumonisinas

Em 2018, estudo encontrou 100% das  240 amostras de milho analisadas pela metodologia de HPLC MS/MS contaminadas por Fumonisinas (FUM); 56,7% continham ZEA e 77% continham Aflatoxinas, isso demonstra que muitas das amostras continham policontaminações. DON não apareceram em HPCL MS/MS com metodologia considerando níveis mínimos de 200ppb de detecção.

Zearalenona

Já estudos em 1976 com milho contaminado com 10000ppb de zearalenona (ZEA), produzido por  Fusarium mycoestrogen, não influenciou o desempenho da camada intestinal, fertilidade ou eclodibilidade dos ovos quando oferecidas a poedeiras. O que demonstra que é um tipo de micotoxina menos preocupante para poedeiras.

Policontaminações

Outro estudioso observou em 2004 que a suplementação com adsorventes de micotoxinas diminuiu o consumo de ração e aumentou a eficiência da utilização de ração no período de 8 a 12 semanas. Produção de ovos e peso de ovo diminuiu em semanas 4 e 8 em comparação com controles quando grãos contaminados foram oferecidos na alimentação, enquanto ovos e os pesos da casca de ovo diminuíram na quarta semana.

A suplementação com adsorventes impediu a elevação nas concentrações de ácido úrico e peso relativo dos rins. Então, o desempenho da camada intestinal e metabolismo foram adversamente afetados pela alimentação crônica de uma combinação de micotoxinas Fusarium spp, e o uso de adsorvente impediu muitos desses efeitos.

Monitorias de Risco e Micotoxinas Mascaradas

Monitorias para análise de risco nas dietas auxiliam diagnósticos e guiam decisões, mas não reduzem os efeitos negativos que esses contaminantes podem trazer à produção animal. Essa situação pode ser atribuída à interação de micotoxinas não identificadas com micotoxinas conhecidas.

Essa já é uma hipótese que foi confirmada. A alimentação de misturas de grãos (milho e trigo) contaminados naturalmente com micotoxinas de Fusarium podem aumentar a gravidade das micotoxicoses em comparação com a alimentação contendo uma única micotoxina como contaminante.

Um grupo, em 2015, mediu a quantidade de fumonisinas totais nas formas hidrolisadas (HFB1 e HFB2) em 1,5 e 3,8 vezes maior que a quantidade de fumonisinas livres (FB1 e FB2). A concentração de fumonisinas ocultas foi calculada subtraindo-se níveis de fumonisinas livres dos níveis totais de fumonisina. Os níveis de fumonisinas ocultas foram calculados entre 0.5 e 2.0 vezes maior que o nível de fumonisinas livres. Uma forte correlação positiva (R = 0,97) foi observada entre fumonisinas livres (FB1 e FB2) e fumonisinas totais (HFB1 e HFB2).

Com base nesta correlação, gerou modelo preditivo para estimar o nível total de fumonisina com base nos achados por análises de concentração de fumonisina livre. Estes resultados mostram o risco de exposição a fumonisinas provavelmente subestimado se apenas forem consideradas fumonisinas livres. O modelo preditivo poderia ser uma nova abordagem para estimar a quantidade total de fumonisinas em amostras de milho sem a necessidade executar métodos analíticos caros e demorados.

Soluções e Eficácia

A prevalência das micotoxinas, somada aos efeitos encontrados nos animais e ainda a demanda de redução do uso de terapias tradicionais para corrigir as falhas de desempenho causada pelo risco que esses fatores contaminantes da dieta expõe os animais, leva a necessidade do uso de ferramentas de controle.

Segundo relatório anual da European Food Safety Authority (EFSA, 2009) estruturas disponíveis para adsorção de micotoxinas são: carvão ativado, alumínio silicatos, esmectitas (bentonita, montemorilonita), zeolitas, alumínio silicatos ou montemorilonitas modificados, parede celular de levedura.

Há ainda agentes de biotransformação que podem reduzir os danos causados pelas micotoxinas no organismo, são eles: Flavobacterium aurantiacum para detoxificação de aflatoxinas, Eubacterium para tricotecenos, T. mycotoxinivorans para ocratoxinas e zearalenona e Komagataela pastoris para fumonisinas.

Um composto híbrido de algas e argilas foi testado a 1kg/ton de dieta completa base milho-soja, em 2006 por Havenaar e Demais, demonstrando a capacidade de adsorção de 40% de DON a 1ppm associada a 60% de adsorção de FUM a 2ppm concomitantemente, em um sistema dinâmico gastrointestinal, TIM-1 no TNO em Wageningen Holanda.

Uma integração de frango testou em 2016 o composto alga-argila nas dietas pré-inicial e inicial aplicando 0,5Kg/ton de dieta base milho-soja em galpões teste contra galpões testemunhos utilizando produto com estratégias detoxificantes para fumonisinas, a desafio médio de 1ppm desta micotoxina. Os resultados de desempenho produtivo foram comparados e o ganho de peso diário e a conversão alimentar foram 4% superior quando o composto hibrido foi comparado ao agente detoxificante.

Em 2018, uma granja de poedeiras em São Paulo, sob desafio médio de 2ppm de FUM associado a média de 0,8ppm de DON e 2ppb de Aflatoxinas, o mesmo composto foi utilizado em um galpão teste a 0,5Kg/ton contra galpão testemunho utilizando 2Kg/ton de produto a base de bentonita associada a parede celular de levedura, entre as semanas 21 e 34 de idade. Os resultados comparativos foram de 3,65% a mais na taxa de produção de ovos, com p = 0,009.

Novas tecnologias disponíveis podem mudar decisões em uma área produtiva. Importante é observar que o tratamento deve corresponder ao desafio, ou seja, há estratégia eficazes para micotoxinas específicas que não tem ação sob outras micotoxinas. Para conhecer o desafio é preciso monitorar as matérias-primas ou dietas totais. E o ponto decisório deve ser firmado onde há retorno sobre o investimento, afinal é o dinheiro que paga as contas!

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − 3 =

Avicultura Avicultura

Nutrição livre de fitato: um novo paradigma na produção de animais monogástricos

A nutrição livre de fitato é complexa e é muito mais do que apenas a remoção do fitato da dieta e a liberação de fosfato e inositol

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Rafael Sens, engenheiro agrônomo e gerente de Enzimas e Eubióticos para América Latina da DSM

Como a maior parte dos alimentos para aves é baseada em vegetais, até 70% do P da dieta pode estar na forma de fitato, e, portanto, indisponíveis para animais monogástricos. Mesmo os níveis normais de fitato encontrados nas dietas à base de milho e farelo de soja podem ter um efeito negativo no desempenho do crescimento e na eficiência alimentar. Entre os ingredientes vegetais, a maior concentração de inositol está presente nas oleaginosas, como a soja, e a menor concentração é encontrada nos vegetais folhosos e no milho. As dietas típicas de frangos de corte, por exemplo, podem conter de 2,5 a 4,0 g kg-1 de fitato.

Enzimas exógenas têm sido usadas para fornecer mais nutrientes da ração, permitindo ao nutricionista maior flexibilidade na escolha dos tipos de ingredientes a serem utilizados na formulação da ração. As fitases são as enzimas responsáveis ​​pela hidrólise de uma molécula de fitato em inositol e seis moléculas de fosfato inorgânico

Ainda que a completa remoção de fitato das dietas de animais monogástricos pode não ser realista, por causa da presença de concentrações variáveis de ácido fítico persistente em determinadas regiões de cereais, farelos de sementes oleaginosas e leguminosas, a maior parte do ácido fítico reativo é rapidamente degradada a ésteres menores, inócuos, no trato gastrointestinal proximal.

Assim sendo, o paradigma nutricional mudou, passando da formulação de dietas para acomodar a presença de fitase passando para a formulação de dietas para acomodar a ausência de ácido fítico. Estas diferenciações não são banais, mas podem ter implicações consideráveis para o desempenho animal e o equilíbrio nutricional ideal da dieta.

A ‘nutrição livre de fitato’ (NLF) é definida como sendo a remoção enzimática rápida e completa de todos os ésteres de alto peso molecular do ácido fítico (IP6, IP5 e IP4), utilizando uma ou mais enzimas exógenas, potencializadas por alterações estratégicas da densidade nutricional da dieta, e a subsequente desfosforilação destes ésteres menores para fosfato livre e mio-inositol por fosfatases endógenas. O termo NLF está associado não apenas com a ausência de fitato, mas também com a geração de fosfato, isômeros úteis de polifosfato de inositol e mio-inositol livre”.

Há vários fatores fundamentais que precisam ser considerados para otimizar a utilização das estratégias de superdosagem de fitase. Estes fatores incluem a fonte e a concentração de fitato, liberação de mio-inositol, densidade de energia e aminoácidos, balanço iônico da dieta, genética/idade dos animais e a fitase incluída na ração.

A figura 01 mostra um espaço geométrico delimitado pela concentração de fitato-P na dieta no eixo horizontal e a liberação de P disponível pela fitase no eixo vertical. Dentro deste espaço do nutriente, temos os efeitos da dose de fitase mapeados mostrando um aumento da liberação do P disponível com o aumento da dose de fitase, mas chega a um platô quando o substrato é esgotado. A Zona 1 é uma região onde o substrato é um fator limitante na dose de fitase e premissas do valor da matriz. Observe que esta zona não é limitada apenas pela concentração de fitato-P mas também pela dose de fitase usada e a premissa de avP (fósforo disponível) na matriz. Se a concentração de fitato-P for relativamente baixa, < 0,18% por exemplo, esta zona se expande com o aumento da dose de fitase, mostrando que a depleção/esgotamento do substrato torna-se cada vez mais arriscada(o) quanto mais fitase for usada e quanto maior forem as premissas de equivalência de avP. A Zona 2 é uma zona de fronteira entre a zona 1 e a zona 3, onde fitase ou fitato podem ser limitantes de forma intercambiável. Para os nutricionistas que usam elevadas doses de fitase há um risco maior de que a concentração do substrato possa se tornar limitante. A Zona 3 é a zona em que a fitase é o fator limitante. Nesta zona, o único fator que influencia a liberação de avP é a dose de fitase. Se isto ocorrer em situações práticas, seria lógico relaxar as margens de segurança nas matrizes de fitase e aumentar a dose de fitase.

Figura 01: Nível de fitato da dieta e o percentual de liberação de P disponível conforme inclusão de fitase em dietas práticas.

A nutrição livre de fitato é complexa e é muito mais do que apenas a remoção do fitato da dieta e a liberação de fosfato e inositol. A nutrição livre de fitato é criar um cenário de dietas que podem acomodar os efeitos benéficos da remoção do fitato, geração de fosfato e inositol, e traduzir isso em forma de respostas de taxa de conversão alimentar e ganho de peso.

Quais são os principais pré requisitos de uma fitase exigidos pela indústria de nutrição animal?

  • Termoestabilidade (deve ser monitorada constantemente)
  • Padrão de granulometria e fluidez desenhado para rações animais assim como um número de partículas por grama adequado para atender as exigências nutricionais em todas as fases de produção animal.
  • Liberação rápida e consistente de P de IP6 / IP5 (proporcionando uma maior segurança e rentabilidade ao produtor).

Outras notícias você encontra na edição de Aves de junho/julho de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

Ventilação mínima: princípios e principais pontos de atenção

Correto manejo da ventilação mínima é de extrema importância para a obtenção de resultados zootécnicos superiores e a expressão de todo o potencial genético das aves

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 Rodrigo Tedesco Guimarães, Supervisor Regional de Serviços Técnicos, especialista em frango de corte da Aviagen

Contato: rtedesco@aviagen.com Aviagen

 

A ventilação é o principal parâmetro de atenção e controle de um ambiente adequado para as aves. A ventilação mínima traz ar fresco para dentro do galpão, remove o excesso de umidade e limita o acúmulo de gases potencialmente nocivos.

Trata-se de um processo orientado por ciclos de tempo. A qualquer hora, dia ou noite, que a temperatura externa estiver abaixo do Set-Point do aviário, deve-se considerar “clima frio em relação às aves” e a ventilação mínima será benéfica para as mesmas.

Deve-se ter atenção a dois pontos fundamentais para a correta execução da ventilação mínima:

1 – Aviário Bem-Vedado e Isolado

  • Os aviários devem ser bem fechados e vedados ao máximo.
  • Quanto melhor a vedação do galpão:
  • mais fácil será criar a pressão negativa;
  • mais controle você terá de onde e do modo como o ar entrará no aviário;
  • Um aviário bem isolado manterá o calor em seu interior em condições de clima frio.

2 – Capacidade de Aquecimento

Deve-se ter capacidade de aquecimento suficiente para manter o Set-Point ideal de acordo com a idade das aves, proporcionando ventilação adequada para que a qualidade do ar seja aceitável para as aves independente da temperatura externa.

Reduzir a capacidade de aquecimento em um aviário não reduzirá necessariamente o custo/consumo total do aquecimento:

ter mais capacidade de aquecimento, bem distribuído em todo o aviário, muitas vezes resultará em menor custo e ambiente melhor e mais uniforme para as aves.

A ventilação não deve ser reduzida abaixo do mínimo necessário para manter a qualidade do ar (umidade, amônia, CO2, CO) a fim de reduzir o custo de aquecimento.

Para o correto manejo e configuração da ventilação mínima, o ar frio deve passar pelas entradas das paredes laterais dos galpões (Inlets), e ser direcionado até o topo do teto.

Isso é importante porque:

  • mantém o ar frio que entra longe das aves;
  • o ar frio que entra irá misturar-se com o ar quente interno do aviário, que em um aviário bem isolado e vedado se acumula no topo do teto;
  • o fluxo do ar que entra ajuda a trazer o ar quente para baixo, a nível das aves;
  • a ventilação mínima ajuda a misturar o ar no aviário, quebrar qualquer estratificação térmica e na qualidade do ar;

Durante a ventilação mínima, as entradas de ar devem operar de acordo com a pressão negativa (diferencial de pressão).

A pressão negativa operacional ideal para um aviário específico varia e depende:

  • da largura do aviário (distância que o ar precisa percorrer para chegar ao topo do teto);
  • do ângulo e forma do teto interno;
  • do tipo de entrada de ar;
  • do tamanho da entrada de ar;

Para uma determinada forma de teto, a exigência da pressão será menor para um teto liso em comparação com um teto com vigas/treliças expostas.

Um guia útil para estimar a pressão operacional para um determinado aviário, é que para cada aumento na pressão negativa de 3-4 Pa, o ar será lançado cerca de 1m para dentro do aviário.

Por exemplo, para um aviário com 14 m de largura, a pressão operacional deverá ser:

(14/2) * 3-4 = 21-28 Pa

O manejo da entrada de ar é parte crucial da ventilação mínima. Geralmente, nem todas as entradas de ar deverão ser abertas durante a ventilação mínima, e estas deverão ser abertas de maneira uniforme garantindo o correto fluxo e distribuição de ar uniformes.

A abertura mínima recomendada da entrada de ar é de aproximadamente 5cm.

Se as entradas de ar não estiverem abertas o suficiente, o ar que entra só percorrerá uma curta distância antes de chegar até as aves, independentemente da pressão do aviário.

Se as entradas de ar estiverem muito abertas ou muitas delas estiverem abertas, a pressão negativa no aviário será reduzida e a velocidade que o ar entrará no aviário será muito baixa, chegando diretamente até as aves.

Ter menos entradas de ar abertas e com a abertura “correta” (mínimo de 5 cm) é melhor do que ter todas as entradas de ar não suficientemente abertas.

Se houver obstáculos no teto e/ou forração do aviário obstruindo a passagem do ar, será importante utilizar uma placa direcionadora do ar, que deverá ser instalada acima da entrada de ar lateral (Inlet).

Se o aviário tiver um teto liso, a orientação geral é ajustar a placa direcionadora de modo que o ar entre em contato com a superfície do teto ±0,5m a 1m distante da parede lateral.

Para tetos que tenham obstruções que cruzam a direção do fluxo de ar, a placa direcionadora deve ser ajustada para conduzir o ar que entra abaixo da(s) obstrução(s).

Uma forma simples e eficaz de verificar se a configuração da placa direcionadora está correta é, usar um ponteiro laser fixado na placa afim de ajustar o ângulo correto desta.

Abaixo dois exemplos de utilização de ponteiro laser para verificar o fluxo do ar:

O fluxo do ar e a pressão operacional devem ser testados, verificados e confirmados através de um teste de fumaça ou do método com fita magnética.

O ar deve fluir para o centro do aviário (topo do telhado) antes de desacelerar e descer em direção ao chão.

Ao usar um teste de fumaça verifique:

Ao usar o método com fita magnética verifique:

  • Escolha uma entrada da ventilação mínima, de preferência, próximo da entrada do aviário.
  • Pendure tiras de fita magnética ou de plástico leve (aproximadamente 15cm de comprimento) a cada 1-1,5m na frente da entrada escolhida, até o topo do teto.
  • Se o movimento do ar estiver correto, cada tira deverá se mover. A tira mais próxima da entrada de ar se moverá mais do que as outras tiras, e à medida que observamos as demais tiras em direção ao topo do teto o movimento vai diminuindo gradativamente.
  • Essas tiras podem permanecer no lugar durante todo o ciclo de produção, para fornecer uma verificação visual rápida.

A regulagem/calibração/verificação das entradas deverá ser feita quando o aviário estiver na temperatura operacional definida e a temperatura externa for mínima (em outras palavras, em condições menos favoráveis).

As explicações acima sobre a configuração e manejo das entradas referem-se às laterais (Inlets). No entanto, os princípios básicos serão aplicados à maioria dos tipos de entrada ao serem utilizadas durante a ventilação mínima. É importante ter em mente que o ar quente sobe e se acumula sempre na parte mais elevada do galpão e todo o ar que entra, independentemente do tipo de entrada, deve ser direcionado para cima, garantindo assim o correto acondicionamento e dinâmica de ar.

Como calcular a taxa de ventilação mínima?

Existem tabelas e programas de ventilação mínima que se baseiam em uma série de fatores, tais como o peso corporal das aves, níveis de CO2, amônia, temperatura e umidade ambiental.

Qualquer programa de ventilação mínima deve ser considerado apenas como uma forma de orientação, visto que, na maioria das vezes, a ventilação mínima destina-se a controlar a umidade, não a fornecer ar fresco às aves.

O aumento da umidade no aviário é muitas vezes o primeiro sinal de insuficiência na ventilação mínima.

Ao avaliar o histórico de umidade, verifique o comportamento da mesma e observe como estava a umidade ao entardecer e como está ao amanhecer. Esta informação é importante para verificar possíveis sinais de insuficiência na ventilação, constatada sempre que a umidade ao amanhecer for superior a umidade ao entardecer.

O bom manejo do ciclo de ventilação mínima é importante para garantir que o ar úmido seja removido do aviário de forma eficiente. Normalmente quando a umidade está sob controle, as outras variáveis como CO2, amônia, umidade da cama e níveis de poeira também estarão.

Para garantir que saúde, bem-estar e indicadores zootécnicos não sejam comprometidos, torna-se importante manter os níveis abaixo:

  • Amônia: abaixo de 10ppm;
  • CO²: abaixo de 3000ppm;
  • CO: abaixo de 10ppm;
  • Umidade ambiental: 60-70% no alojamento e 50-60% nas demais fases;
  • Poeira: os níveis de poeira no aviário devem ser mantidos mínimos;

Quando em visita à uma granja, avalie a qualidade do ar no primeiro minuto em que entrar no aviário, evitando assim que se habitue às condições internas do aviário.

O comportamento das aves e a qualidade do ar são os melhores indicadores da qualidade do manejo da ventilação mínima.

Observe as aves em silêncio e responda as seguintes questões:

  • Como está a atividade das aves nos comedouros e bebedouros?
  • As aves estão distribuídas adequadamente?
  • Há áreas abertas sem aves?

Para minimizar possíveis interferências ao observar o comportamento das aves, certifique-se de que ninguém tenha estado no aviário nos últimos 20-30 minutos. Se houver uma janela de visualização na sala de serviço, use-a para observar o máximo possível o comportamento e a distribuição das aves antes de entrar no aviário.

Os seguintes sinais sugerem a necessidade de aumentar a taxa de ventilação mínima:

  • UR elevada;
  • ar “abafado”;
  • níveis de amônia elevados;
  • gotas de água (condensação) nas linhas de água;
  • condensação nas paredes e/ou no teto;
  • cama úmida;

Os seguintes sinais sugerem que a taxa de ventilação mínima pode estar elevada e que pode ser reduzida:

  • a qualidade do ar está tão boa quanto a externa;
  • cama muito seca;
  • ambiente empoeirado no aviário;
  • não foi possível manter a temperatura definida no aviário durante a noite;

Durante toda a vida do lote, faça anotações sobre as mudanças aplicadas à ventilação mínima. Use as anotações para atualizar as configurações do controlador e o programa de ventilação mínima.

Lembre-se que o correto manejo da ventilação mínima é de extrema importância para a obtenção de resultados zootécnicos superiores e a expressão de todo o potencial genético das aves. As taxas de ventilação mínima podem e devem ser alteradas sempre que os fatores mencionados acima não estiverem dentro dos parâmetros aceitáveis.

Deve-se manejar as taxas de ventilação mínima com a mesma atenção dada ao manejo da temperatura, e sempre que se optar por reduzir as taxas, isto deve ser feito sem que prejudique a qualidade do ar.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de junho/julho de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

Estudo revela que probiótico amplia número de ovos vendáveis

A lucratividade do produtor depende mais da qualidade dos ovos produzidos do que o número de ovos

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Aves que receberam probiótico a base de Bacillus subtilis PB6 obtiveram melhor qualidade de casca, o que resultou no aumento do número de ovos vendáveis. Esse foi o resultado de um estudo feito pela Kemin, uma empresa de nutrientes para nutrição animal conduzido em uma granja comercial no Nordeste do Brasil. A pesquisa comparou um probiótico de cepa múltipla com outro probiótico a base de Bacillus subtilis PB6, que se mostrou mais eficaz para a avicultura de postura.

O mercado doméstico da avicultura de postura tem acompanhado um quadro de preços mais elevados das matérias-primas, com a consequente alta nos custos dos processos. Entretanto, o ovo é uma fonte de proteína com valores mais acessíveis e capaz de alimentar as famílias por vários dias, por isso a expectativa é de mercado firme.

Wanessa Oliveira

De acordo com a médica veterinária e doutora em Zootecnia, Patrícia Aristimunha, e da médica veterinária e doutora em Ciência Veterinária, Wanessa Oliveira, que conduziram o estudo, foram 30 semanas de acompanhamento. A granja que recebeu o probiótico a base de Bacillus subtilis PB6 produziu dez mil ovos vendáveis a mais.

“O estudo, que foi realizado em uma das mais tradicionais granjas do Nordeste, estabeleceu uma avaliação da 23a semana até a 53a semana, no modelo de produção californiano. A pesquisa avaliou o percentual de produção, número de ovos vendáveis, trincados, sujos, quebrados e sem pele. “Observamos uma melhora gradual do lote na produção. Em ovos vendáveis, o probiótico a base de Bacillus subtilis PB6 se sobressaiu. Foram 338 bandejas de ovos vendáveis a mais”, disseram as especialistas.

Patrícia Aristimunha

O ganho financeiro total, que é o retorno de investimento (ROI) ficou em R$ 19 para cada R$ 1 investido, destacou Aristimunha. “Observamos ainda ganhos de 11 pontos na conversão/dúzia de ovos, mortalidade reduzida, melhor qualidade da casca de ovo, redução de ovos sujos, trincados e quebrados”, ampliou Oliveira.

Se a qualidade da casca está melhor, há redução de perdas, pois o número de ovos vendáveis é maior. “Mais ovos vendáveis significa mais eficiência produtiva”, pontua Aristimunha. Oliveira destacou que o mercado comprador de ovos observa muito a qualidade e o padrão da marca.

Por isso, “o produtor precisa estar preocupado com eficiência e performance das aves, mas também qualidade”, destaca Aristimunha, frisando que o probiótico a base de Bacilus subtilis PB6 é “uma solução natural, que melhora a integridade intestinal dos animais e controla os prejuízos causados pelo Clostridium perfringens”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.