Conectado com
OP INSTAGRAM

Avicultura

Demanda melhora e preço do frango reage em boa parte do Brasil

Para essa semana a tendência é de que o avanço nas cotações possa se acomodar novamente, por conta da chegada da segunda metade do mês, que historicamente acaba limitando o consumo

Publicado em

em

O mercado brasileiro de carne de frango apresentou reação nos preços em boa parte das praças de comercialização. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, o reajuste nas cotações reflete a melhora na demanda, mas, especialmente, o repasse dos custos de produção, que se intensificaram bastante ao longo da semana.

     Iglesias ressalta que esse ajuste foi necessário para recompor as margens da atividade, haja vista que o custo médio de produção já oscila entre R$ 2,70 e R$ 2,80 no mercado paulista. “Outros avanços de preço se fazem necessários, até mesmo pelo fato do produtor ter começado a reter as ofertas da safrinha, o que já refletiu em um aumento nas cotações do milho durante a semana”, alerta.

     O analista destaca que no atacado e na distribuição os preços tiveram algumas mudanças no mercado paulista ao longo da última semana. Para os produtos congelados, o quilo do peito na distribuição seguiu cotado a R$ 4,40, o quilo da asa caiu de R$ 6,50 para R$ 6,40 e o quilo da coxa continuou em R$ 4,30. No atacado, o quilo do peito foi mantido em R$ 4,20, o da asa caiu de R$ 6,25 para R$ 6,20 e o da coxa avançou de R$ 4,10 para R$ 4,20.

     Nos cortes resfriados, ele salienta que os preços também apresentaram alterações. O preço do quilo peito na distribuição subiu de R$ 4,45 para R$ 4,60, o da coxa seguiu em R$ 4,40 e o da asa avançou de R$ 6,55 para R$ 6,70. No atacado, o preço do quilo do subiu de R$ 4,30 para R$ 4,40, o quilo da coxa avançou de R$ 4,20 para R$ 4,30 e o do quilo da asa passou de R$ 6,35 para R$ 6,50.

     Para essa semana a tendência é de que o avanço nas cotações possa se acomodar novamente, por conta da chegada da segunda metade do mês, que historicamente acaba limitando o consumo.

     Nas exportações, ainda que o desempenho siga positivo, Iglesias reflete que o fortalecimento do real frente ao dólar pode refletir nos negócios. “Acreditamos que a cotação em R$ 3,20/dólar ainda seja bem lucrativa aos exportadores. Abaixo disso já se torna um pouco preocupante, com uma redução nas margens de lucratividade”, comenta.

     De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), as exportações de carne de frango do Brasil renderam US$ 157,10 milhões em julho, com média diária de US$ 26,2 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 102,1 mil toneladas, com média diária de 17 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.538,60.

     Na comparação com a média diária de junho, houve uma perda de 4,9% no valor médio exportado, uma retração de 2,9% na quantidade e uma baixa de 2% no preço médio. Em relação a julho de 2015, houve baixa de 12,1% no valor total exportado, perda de 4,5% na quantidade total e desvalorização de 8% no preço médio.

     O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que em Minas Gerais a cotação do quilo vivo passou de R$ 2,95 para R$ 3,10. Em São Paulo o quilo vivo se manteve em R$ 2,95.

     Na integração catarinense a cotação do frango subiu de R$ 2,80 para R$ 2,85. No oeste do Paraná o preço avançou de R$ 2,80 para R$ 2,85. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo subiu de R$ 2,85 para R$ 2,90.

     No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango teve alta de R$ 2,85 para R$ 3,00. No Distrito Federal o quilo vivo foi cotado a R$ 3,10, alta de quinze centavos frente à semana anterior. Em Goiás o quilo vivo passou de R$ 2,90 para R$ 3,05.

     Em Pernambuco, o quilo vivo continuou em R$ 4,20. No Ceará a cotação do quilo vivo passou de R$ 3,75 para R$ 3,80, enquanto no Pará o quilo vivo foi mantido em R$ 4,20.

   

 

Fonte: Safras & Mercado

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =

Avicultura Segundo Embrapa

Gastos com alimentação de frango de corte teve alta de 33,02% em 2020

ICPFrango fechou o ano com alta de 38,93%, aos 336,88 pontos (em dezembro de 2019, o índice era de 231,14 pontos)

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os custos de produção de frango de corte acumularam percentuais recordes de aumento no ano de 2020 segundo a CIAS, Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, que disponibiliza os números no site embrapa.br/suinos-e-ave/cias.

O ICPFrango fechou o ano com alta de 38,93%, aos 336,88 pontos (em dezembro de 2019, o índice era de 231,14 pontos). Em 2020, os gastos com a alimentação das aves também tiveram forte alta, chegando a 33,02%. Por outro lado, com o recuo no índice no último mês do ano passado (-2,51%), o custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná, produzido em aviário tipo climatizado em pressão positiva, passou dos R$ 4,47 em novembro para R$ 4,35 em dezembro. Em janeiro de 2020, para comparação, o custo era de R$ 3,01 por quilo vivo.

O analista Ari Jarbas Sandi, da área de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves, explica que no ano de 2020 também houve os maiores custos. “No caso da Embrapa Suínos e Aves nós analisamos os custos de produção de frango de corte para os tipos de aviários climatizado em pressão positiva para o Estado do Paraná que é o maior produtor nacional de frangos, concentrando aproximadamente 35% da produção nacional”, explica.

O analista conta que é possível observar, também analisando os últimos três anos – 2018, 2018 e 2020 – alguns itens de preços, como por exemplo o milho, no ano passado no Paraná aumentou 56,5%, já em 2018 ele havia aumentado apenas 23,4%. O farelo de soja também foi um item que aumentou no Paraná, tendo 65,4% de aumento, comparado a 2019 que teve apenas 8,9% de aumento.

“Pintinhos de um dia de idade, por exemplo, em 2020 o aumento chegou a aproximadamente 30%, já em 2019 esse aumento foi de apenas 6,2%. Também tem outros itens que são importantes serem salientados, como o preço do frango vivo no mercado que em 2019 variou apensar 7,8% em 2020 foi de 28%. O custo de produção de frangos de corte no Paraná variou então no ano passado 38,9%, enquanto em 2019 essa variação foi de apenas 5,97%”, informa. Sandi diz que outro item que sobrecarrega dos custos de produção do avicultor diz respeito a recomposição do capital médio, cuja recomposição é realizada utilizando o índice geral de preços e disponibilidade interna. E o IGPDI em 2020 aumentou 21%, enquanto que no ano de 2018 foi de 3,6% e 2019 foi de 7,5%.

Sandi comenta que o menor custo do frango vivo no Paraná nos últimos três anos foi em janeiro de 2018 ao preço de R$ 2,48 por quilo de frango vivo e o maior foi em novembro de 2020 ao valor de R$ 4,46. No ano passado o preço do milho no Paraná para a produção de frangos de corte passou de R$ 0,74 em janeiro para R$ 1,19 em dezembro, sendo que o maior preço foi praticado em novembro ao valor de R$ 1,26 por quilo. O farelo de soja em janeiro custava R$ 1,45 e em dezembro passou para R$ 2,65, sendo também que o maior preço foi praticado em novembro com R$ 2,92 por quilo.

Segundo o analista, o item que mais impactou nos custos de produção do frango de corte durante o ano de 2020 foi e continuará sendo a alimentação. “No ano, o impacto percentual médio no Paraná foi de 71,8%, sendo que em novembro esse percentual foi de 73,8%”, conta. Em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul a alimentação também foi o item de maior impacto nos custos totais de produção do frango de corte, sendo 68,5% em Santa Catarina e 72,4% no Rio Grande do Sul.

“Diferente da suinocultura, na avicultura de corte há dois agentes econômicos principais, sendo um constituído pelas agroindústrias e integradoras, e outro constituído por avicultores parceiros das integradoras. Assim o preço do frango vivo no mercado avícola industrial do Paraná foi de R$ 3,42 por quilo em janeiro de 2020 sendo o menor preço praticado no mês de abril ao valor de R$ 3,19 e o maior em novembro do ano passado ao preço de R$ 4,59 por quilo. Os avicultores parceiros das agroindústrias e integradoras receberam como remuneração pela produção de frangos vivos em média R$ 0,95 por cabeça por 2,07 kg de peso vivo”, comenta.

Desse modo, explica Sandi, cada agente assume distintas responsabilidades e sobre estas recai alguns custos principais: o item alimentação, por exemplo, recai sobre a responsabilidade de agroindústria, sendo que no ano de 2020 representou 78,8% dos seus custos totais, acompanhado pelo item pintinhos de um dia de idade, com 15,4% do custo total no elo primário. Aos avicultores paranaenses o item que mais impactou nos seus custos totais no ano de 2020 foi a mão de obra, com 33% do total de R$ 0,35 por kg de frango vivo. Item seguido pela depreciação do capital imobilizado (24,2%) e da remuneração do capital investido (12%).

Outros itens como cama, energia elétrica e manutenção das instalações e dos equipamentos impactaram os custos dos avicultores em 8%, 7% e 4% respectivamente. O maior custo de produção dos frangos de corte entre os três Estados do Sul foi de R$ 4,57 durante os meses de novembro e dezembro no Rio Grande do Sul e o menor custo médio anual foi em Santa Catarina ao valor de R$ 3,25 por kg de frango vivo.

Os Estados de Santa Catarina e Paraná são usados como referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Avicultura paranaense cresce acima de 4% em produção e exportação no ano de 2020

Ao todo, 1,95 bilhão de aves foram abatidas no estado do Paraná, segundo dados do Sindiavipar

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A atividade avícola no Paraná mostrou a sua força em 2020. Mantendo suas atividades durante a pandemia da Covid-19 e alimentando famílias de todo o mundo, o setor apresentou crescimento nos índices de produção e exportação de frango. Ao todo, 1,95 bilhão de aves foram abatidas no estado, segundo dados do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná – Sindiavipar. O número é 4,5% superior à produção de 2019, quando 1,87 bilhão de aves foram abatidas.

O presidente do Sindiavipar, Irineo da Costa Rodrigues, destaca que o principal problema enfrentado mundialmente no ano passado foi a pandemia, que exigiu adaptações e investimentos. Entretanto, foi preciso também a compreensão, de alguns segmentos da sociedade, de que a área de alimentos era tão importante quanto a da saúde, e que não poderia parar. “O setor de alimentos do Brasil provou que é possível se adaptar e manter a produção em condições saudáveis. Sempre tivemos um rigor muito alto com a higienização, antes mesmo do surgimento da pandemia”, explica. Rodrigues ainda reforça que um dos pilares da força do segmento continua sendo a sanidade.

Exportação

Embarcando seu produto para mais de 160 países, a avicultura paranaense também apresentou alta na exportação em 2020, mantendo-se como maior produtora e exportadora de carne de frango no país. De acordo com o portal Comex Stat, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, no Paraná, 1,64 milhão de toneladas foram enviadas ao exterior, o que representa 33,68% do total produzido no estado. Comparado com 2019, quando 1,58 milhão de toneladas foram exportadas, o aumento nos embarques foi de 4,2%. Com estes números, o Paraná foi responsável por 39,62% de todos os embarques de produtos avícolas feitos pelo Brasil.

Ainda segundo o Comex Stat, os principais compradores da carne de frango paranaense foram: China (354,8 mil toneladas), África do Sul (139,9 mil toneladas), Emirados Árabes (118,5 mil toneladas), Japão (114,3 mil toneladas) e Arábia Saudita (92,9 mil toneladas). O total das exportações resultou em uma receita de US$ 2.319.783.641, valor 9,6% menor que o de 2019.

Expectativas

Conforme a vacinação contra a Covid-19 for avançando no Brasil, e seus efeitos forem percebidos, será possível a retomada da economia e o aumento nos postos de trabalho, a expectativa do setor é positiva. “O agro brasileiro se saiu bem em 2020, em plena pandemia, e para nós as perspectivas para 2021 são muito boas. Esperamos um ano melhor, no qual a economia brasileira vai ter um crescimento significativo, termos mais emprego, e maior renda para consumo de alimentos, portanto estamos bem otimistas”, finaliza o presidente do Sindiavipar.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Opinião

Em tempos de pandemia, cuidados com biosseguridade na avicultura se tornam cada dia mais fundamentais

Independente do desafio sanitário, o controle do programa de biosseguridade é feito de acordo com a tendência atual do mercado

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Eduardo Conte, médico veterinário e especialista em Saúde Animal

Nos últimos anos foi possível observar no sistema de produção intensivo de proteína animal, no Brasil e no mundo, um aumento significativo das pressões nos aspectos e desafios sanitários. Um exemplo da história recente é o advento da Influenza Aviária, em 2006, quando o vírus se adaptou ao homem transformando-se em um problema mundial de caráter emergencial e zoonótico.

Esse vírus, em função principalmente da movimentação das aves migratórias da Ásia, assim como dos indivíduos de uma região a outra, causou um risco pandêmico para o mundo, motivo pelo qual as autoridades sanitárias de produção animal adotaram medidas mais rigorosas para controle de pessoas e programas de isolamento. Nesse sentido, o Brasil ganhou destaque.

Isso porque, desde o surgimento do primeiro quadro até hoje, o Brasil não registrou nenhuma incidência da enfermidade, evidenciando a qualidade do sistema de controle de produção e das medidas de biosseguridade e segurança adotadas no país.

Além disso, outras espécies animais, ao longo desses últimos anos, têm sofrido com situações nas quais a pressão viral tem comprometido tanto os aspectos financeiros quanto zootécnicos da produção animal. Recentemente o Senecavírus causou danos no mercado de suinocultura, com perdas econômicas também no Brasil, no entanto, a rápida ação de todas as entidades envolvidas para a execução das medidas de segurança tem surtido efeito, e o controle efetivo na área de produção animal diminuiu o impacto.

Independente do desafio sanitário, o controle do programa de biosseguridade é feito de acordo com a tendência atual do mercado. Por exemplo, o Brasil, um grande exportador de proteína animal, segue principalmente a legislação do mercado Europeu, onde as normas de produção e controle de aditivos, com foco em qualidade, programas de melhorias de trabalho, bem-estar animal e ambiência, buscam oferecer ao consumidor final uma qualidade de proteína com custos competitivos e isentos de contaminantes e micro-organismos, assim como um melhor resultado econômico.

Nesse sentido, a avicultura brasileira cresceu e deve continuar crescendo, não só como um grande produtor global, mas principalmente como um país referência na exportação de carne segura para diversos países do mundo. Parte do sucesso desse trabalho está relacionado aos protocolos de controle de biosseguridade e biossegurança estabelecidos no Brasil.

Biosseguridade e biossegurança no sistema de produção

Dentro do sistema produtivo é importante saber diferenciar a biosseguridade da biossegurança, embora ambas tenham finalidades semelhantes, na prática são bem diferentes.

A biosseguridade engloba tudo o que é desenvolvido em termos de produção animal e vegetal para minimizar os riscos da entrada de patógenos no sistema produtivo. Esse sistema de controle com programas de biosseguridade trazem normas mais flexíveis e tem a premissa de melhorar a saúde animal e das plantas, assumindo alguns riscos no sistema de produção.

O programa de biosseguridade se caracteriza por um conjunto de regras de manejo, protocolos e procedimentos que são destinados à redução de risco de entrada ou a disseminação de doenças. Em produção animal, ele visa uma melhor eficiência na produção, com uma redução de riscos e melhora nos custos de produção.

Quando falamos em programa de biossegurança, ele é direcionado à saúde humana, as normas são permanentes e o risco é zero, ou seja, o indivíduo precisa estar 100% protegido. Esse tipo de protocolo é utilizado comumente em laboratórios de pesquisas com organismos geneticamente modificados, laboratórios de vacinas e medicamentos, sempre por indivíduos que trabalham em áreas de alto desafio sanitário, como é o caso dos profissionais da linha de frente da Covid-19.

Criar barreiras protetivas para a produção animal é o foco de um programa de biosseguridade, a avicultura de corte brasileira é hoje referência em programas dessa categoria. Tanto os mercados de postura comercial e suinocultura apresentaram investimentos nessa área nos últimos anos, assim como a produção de camarão, peixes e agrícola.
Um ponto importante do programa de biosseguridade é, portanto, a redução da pressão de infecção, ou seja, a carga infectiva de um determinado ambiente, de forma que ele consiga obter resultados econômicos e zootécnicos com baixo risco de contaminação.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Euro 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.