Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias Mercado Interno

Demanda aquecida garante novas altas de preço do frango no Brasil

Mercado brasileiro de frango apresentou novo movimento de alta nos preços no atacado e na distribuição ao longo da semana

Publicado em

em

ave de corte
Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de frango apresentou novo movimento de alta nos preços no atacado e na distribuição ao longo da semana. “Com os preços proibitivos da carne bovina para os consumidores, a carne de frango vem ganhando espaço cada vez maior, uma vez que é a proteína mais atrativa em termos de preço frente às concorrentes”, sinaliza o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias.

No mercado de frango vivo, não houve alterações nas cotações, ainda que o setor siga tentando estabelecer novos repasses dos custos de produção cada vez mais elevado para a alimentação animal, puxados pelo milho e o farelo de soja. “A expectativa é de que ainda possa haver reajustes dos preços no curto prazo, em linha com o aquecimento da demanda durante o último bimestre”, pontua.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas mudanças para os cortes congelados de frango ao longo da semana. O quilo do peito no atacado passou de R$ 6,90 para R$ 7,00, o quilo da coxa seguiu em R$ 7,40 e o quilo da asa avançou de R$ 13,90 para R$ 14,00. Na distribuição, o quilo do peito subiu de R$ 7,00 para R$ 7,10, o quilo da coxa permaneceu em R$ 7,60 e o quilo da asa aumentou de R$ 14,00 para R$ 14,10.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de alterações nos preços durante a semana. No atacado, o preço do quilo do peito avançou de R$ 7,00 para R$ 7,10, o quilo da coxa seguiu em R$ 7,50 e o quilo da asa subiu de R$ 14,00 para R$ 14,10. Na distribuição, o preço do quilo do peito aumentou de R$ 7,10 para R$ 7,20, o quilo da coxa permaneceu em R$ 7,70 e o quilo da asa mudou de R$ 14,10 para R$ 14,20.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 107,302 milhões em novembro (4 dias úteis), com média diária de US$ 26,825 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 80,322 mil toneladas, com média diária de 20,080 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.335,90.

Na comparação com novembro de 2019, houve alta de 7,28% no valor médio diário, ganho de 28,24% na quantidade média diária e retração de 16,34% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo seguiu em R$ 4,30. Em São Paulo o quilo vivo permaneceu em R$ 4,35.

Na integração catarinense a cotação do frango continuou em R$ 3,90. No oeste do Paraná o preço na integração se manteve em R$ 4,25. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo prosseguiu em R$ 4,10.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango continuou em R$ 4,20. Em Goiás o quilo vivo seguiu em R$ 4,20. No Distrito Federal o quilo vivo permaneceu em R$ 4,25.

Em Pernambuco, o quilo vivo continuou em R$ 5,10. No Ceará a cotação do quilo se manteve em R$ 5,10 e, no Pará, o quilo vivo prosseguiu em R$ 5,30.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 5 =

Notícias Mercado

Procura elevada, alta do dólar e problemas logísticos elevam preços domésticos da soja

Esse atraso se deve à baixa disponibilidade de caminhões, o que tem gerado filas de navios nos portos

Publicado em

em

Danilo Estevão/Embrapa

Os preços da soja subiram no mercado brasileiro nos últimos dias, impulsionados pela valorização do dólar, pela firme demanda e pelo atraso nos embarques do grão. Esse atraso se deve à baixa disponibilidade de caminhões, o que tem gerado filas de navios nos portos.

Agentes consultados pelo Cepea indicam que o frete rodoviário saltou de R$ 110/tonelada no início de fevereiro para aproximadamente R$ 200/t na primeira semana de março. Com o atraso na colheita e na entrega da soja, o volume disponível no mercado spot segue baixo, elevando as cotações.

O Indicador ESALQ/BM&FBovespa – Paranaguá subiu 4,1% entre 26 de fevereiro e 5 de março, fechando a R$ 174,34/sc na sexta-feira (05). O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná registrou alta de 3,6% na mesma comparação, a R$ 166,40/sc de 60 kg no dia 5.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Com dificuldades logísticas e preocupação com semeadura, preços do milho sobem no Brasil

Apesar da elevação dos preços, as negociações continuam em ritmo lento

Publicado em

em

Divulgação

Os preços do milho continuam em alta no mercado brasileiro. O impulso vem da combinação da posição firme dos vendedores – diante das preocupações com o atraso da semeadura da segunda safra frente à temporada anterior – com as constantes elevações dos fretes, visto que há escassez de caminhões para o escoamento da safra verão e entregas do cereal. Apesar da elevação dos preços, as negociações continuam em ritmo lento.

As maiores dificuldades de abastecimento têm sido observadas nas regiões consumidoras de São Paulo, o que impulsiona as cotações. Em Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa segue registrando recordes nominais consecutivos, fechando a R$ 89,07/saca de 60 kg na sexta-feira (05), alta de 4,28% frente ao fechamento de 26 de fevereiro – vale reforçar que esse valor está bem próximo do recorde real da série do Cepea, de R$ 89,9/sc, registrado em 30 de novembro de 2007.

Devido à dificuldade enfrentada pelos consumidores, alguns têm optado pelo grão que está mais próximo, levando-os a aceitar os patamares mais elevados.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Agroengócio

Paraná apresenta sugestões para aprimorar Plano Safra 2021/22

Documento foi elaborado com a contribuição dos sindicatos, produtores rurais, cooperativas, assistência técnica e extensão rural

Publicado em

em

Divulgação

A Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep) e a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Seab) encaminharam, na sexta-feira (05), à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, as propostas das entidades para o Plano Safra 2021/2022.

O documento foi elaborado com a contribuição dos sindicatos, produtores rurais, cooperativas, assistência técnica e extensão rural, e apresenta os pontos considerados prioritários em relação às linhas de custeio, investimento, comercialização e industrialização do crédito rural. Traz ainda sugestões de aprimoramento ligadas às políticas de gestão de riscos, como o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), Seguro Rural e Proagro. Além disso, são elencadas propostas para o apoio à agricultura familiar e medidas setoriais.

Exigibilidade bancária

O primeiro item que consta no documento trata da exigibilidade bancária, cujas demandas estão diretamente ligadas à disponibilidade de recursos obrigatórios para funding do crédito rural. As entidades do setor produtivo paranaense solicitam, por exemplo, manter em 27,5% o percentual da exigibilidade dos recursos obrigatórios, revogando o art. 5º da Resolução 4.829/20, que estabelece redução para 25%, a partir do período de cumprimento que se inicia em 1º de julho de 2021. Também, a manutenção em 59% o percentual de exigibilidades para a poupança rural, entre outros pleitos.

Recursos

Mais uma proposta importante refere-se ao montante que deverá ser disponibilizado pelo governo federal para o próximo ciclo. O Paraná está solicitando o total de R$ 277 bilhões para a safra 2021/2022, sendo R$ 209 bilhões para créditos de custeio e comercialização e R$ 68 bilhões para investimentos. No ano passado, o governo federal destinou R$ 236,6 bilhões para a safra 2020/2021. As entidades paranaenses reivindicam ainda o aumento no montante de recursos alocados para a equalização de taxas de juros no crédito rural, de R$ 11,3 bilhões para R$ 15 bilhões. Elas sugerem ainda a redução da taxa de juros do crédito rural em 1 ponto percentual para o Pronaf, Pronamp e demais produtores, além de não indexar a taxa de juros de nenhum programa de crédito rural.

Fonte: Ocepar
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.