Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias Avicultura

Demanda aquece e cotações do frango voltam a subir no Brasil

Novos reajustes são necessários para melhorar a margem operacional da atividade, muito pressionada em função dos acentuados custos de nutrição animal

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de frango voltou a apresentar alta em seus preços no decorrer da semana, em meio à melhora na demanda por parte dos consumidores. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, novos reajustes são necessários para melhorar a margem operacional da atividade, muito pressionada em função dos acentuados custos de nutrição animal.

Iglesias salienta que o mercado atacadista voltou a se deparar também com preços mais altos ao longo da semana. “Aparentemente esse movimento está atrelado a transferência da demanda que busca por proteínas mais acessíveis em um momento de descapitalização. Somado a isso, é importante ressaltar que os preços da carne bovina estão travados em um patamar muito proibitivo, o que, sem questionamentos, acentua esse processo de migração”, destaca.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango ao longo da semana. O quilo do peito no atacado passou de R$ 6,00 para R$ 6,75, o quilo da coxa de R$ 5,70 para R$ 6,15 e o quilo da asa de R$ 9,30 para R$ 9,80. Na distribuição, o quilo do peito subiu de R$ 6,15 para R$ 7,00, o quilo da coxa de R$ 5,90 para R$ 6,25 e quilo da asa de R$ 9,50 para R$ 10,00.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi modificações nos preços durante a semana. No atacado, o preço do quilo do peito avançou de R$ 6,10 para R$ 6,80, o quilo da coxa de R$ 5,80 para R$ 6,25 e o quilo da asa de R$ 9,40 para R$ 9,90. Na distribuição, o preço do quilo do peito aumentou de R$ 6,25 para R$ 7,10, o quilo da coxa recuou de R$ 6,00 para R$ 6,25 e o quilo da asa de R$ 9,60 para R$ 10,10.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 134,169 milhões em fevereiro (5 dias úteis), com média diária de US$ 26,833 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 89,617 mil toneladas, com média diária de 17,923 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.497,10.

Na comparação com fevereiro de 2020, houve queda de 5,67% no valor médio diário, perda de 1,51% na quantidade média diária e retração de 4,23% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo seguiu em R$ 4,25. Em São Paulo o quilo vivo passou de R$ 3,90 para R$ 4,20.

Na integração catarinense a cotação do frango avançou de R$ 3,00 para R$ 3,30. No oeste do Paraná o preço na integração subiu de R$ 4,40 para R$ 4,60. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo mudou de R$ 4,00 para R$ 4,10.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango seguiu em R$ 4,30. Em Goiás o quilo vivo se manteve em R$ 4,25. No Distrito Federal o quilo vivo continuou em R$ 4,25.

Em Pernambuco, o quilo vivo avançou de R$ 5,00 para R$ 5,20. No Ceará a cotação do quilo passou de R$ 5,00 para R$ 5,20 e, no Pará, o quilo vivo aumentou de R$ 5,20 para R$ 5,40.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − cinco =

Notícias Responsabilidade social

Inscrições para Selo Mais Integridade 2021/22 estão abertas a partir de hoje

Prêmio reconhece empresas e cooperativas do agro que adotam práticas de integridade, responsabilidade social, ambiental e ética

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

A partir desta terça-feira (02), empresas e cooperativas do agronegócio podem se inscrever no Selo Mais Integridade 2021/22. O prazo termina no dia 4 de junho de 2021. Em sua quarta edição, o Selo reconhece organizações do agro que adotam práticas de integridade com enfoque na responsabilidade social, sustentabilidade, ética e comprometimento de impedir fraudes, suborno e corrupção.

As inscrições podem ser feitas no seguinte endereço: https://sistemas.agricultura.gov.br/agroform/index.php/183221?lang=pt-BR. A cerimônia de premiação está prevista para janeiro de 2022.

Na última edição, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) premiou 19 empresas, sendo que quatro delas receberam a certificação pela segunda vez e oito, pela terceira vez. A premiação foi entregue pela ministra Tereza Cristina e pelo ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário.

Para conquistar o Selo Mais Integridade, a empresa ou cooperativa precisa comprovar que tem um programa de compliance, código de ética e conduta, canais de denúncia efetivos,  promove ações com ênfase na responsabilidade social e ambiental e  treinamentos para melhoria corporativa, Além disso, é preciso estar em dia com as obrigações trabalhistas, não ter multas relacionadas ao tema nos últimos dois anos, não ter casos de adulteração ou falsificação de processos e produtos fiscalizados pela Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA/Mapa), ter ações de boas práticas agrícolas enquadradas nas metas de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e não ter cometido crimes ambientais nos últimos 24 meses.

Toda a documentação é analisada pelo Comitê Gestor do Selo, instituído pela Portaria nº 599, de 16/04/2018. Após a análise e homologação do resultado, a lista com as vencedoras é publicada no Diário Oficial da União, até o dia 31 de dezembro de 2021.

O Mapa é pioneiro entre os ministérios na implementação de um selo setorial alinhado ao Programa de Fomento à Integridade da Controladoria-Geral da União.

Fonte: MAPA
Continue Lendo

Notícias Conab

Progresso de Safra inova com dados sobre estágios das principais culturas

Objetivo da proposta é ampliar o acesso às informações coletadas no campo, permitindo o aumento da transparência das atividades realizadas, com confiabilidade para o setor

Publicado em

em

Divulgação

Os agricultores e agentes do setor poderão acompanhar os estágios de crescimento e desenvolvimento das lavouras do país. Agora, além dos percentuais de plantio e colheita, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) passa a informar a fenologia das plantas. A nova informação está publicada desde segunda-feira (1º), no boletim do Progresso de Safra, divulgado no site da Conab a partir das 18h.

A iniciativa consolida os dados levantados pela Companhia em todo o país, além de trazer um retrato mais próximo das fases de crescimento e desenvolvimento encontrados nas lavouras das principais culturas cultivadas. Outro objetivo da proposta é ampliar o acesso às informações coletadas no campo, permitindo o aumento da transparência das atividades realizadas, com confiabilidade para o setor.

“Este produto permite uma previsibilidade do andamento da safra, e com isso um planejamento das ações futuras necessárias, tornando-se uma importante ferramenta para auxiliar tanto os atores públicos como privados, seja na formulação das políticas agrícolas e de abastecimento, ou para subsidiar as tomadas de decisão”, destaca o gerente de Acompanhamento de Safras da Conab, Maurício Lopes. “Uma empresa, por exemplo, que negocia grãos em todo o país, poderá fazer o planejamento da comercialização, inclusive logístico, tanto atual como futuro, ao conhecer os percentuais plantados e colhidos e a fenologia das culturas plantadas, a partir das informações publicadas pela Companhia”.

O primeiro levantamento do Progresso de Safra foi publicado em novembro do ano passado. O documento traz o andamento dos cultivos e permite que o setor tenha dados atualizados com agilidade. Atualmente, a publicação traz indicações sobre milho, soja, arroz e algodão. Também serão disponibilizados no site da Conab outros produtos, como feijão e trigo, de acordo com o calendário de plantio destas culturas.

Fonte: Conab
Continue Lendo

Notícias Clima

Monitoramento Agrícola indica maior quantidade de chuvas no centro-norte do país

Apesar dos altos índices de precipitação, chuvas contribuíram para recuperação e manutenção do armazenamento hídrico no solo e para desenvolvimento das lavouras

Publicado em

em

Divulgação

Durante a primeira quinzena de fevereiro, a região onde ocorreu a maior quantidade de chuvas foi a região centro-norte do país, em uma faixa que abrange os estados produtores de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Tocantins, Pará e Rondônia. Apesar dos altos índices de precipitação, às vezes concentrados em um curto período de tempo, essas chuvas contribuíram para a recuperação e a manutenção do armazenamento hídrico no solo e para o desenvolvimento das lavouras.

A análise faz parte da nova edição do Boletim de Monitoramento Agrícola dos Cultivos de Verão, divulgado na última sexta-feira (26), pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O estudo mostra que mesmo nas regiões onde os índices pluviométricos foram menores, o armazenamento hídrico no solo foi suficiente para garantir o bom desenvolvimento das lavouras. Na região Sul, os intervalos com pouca ou nenhuma precipitação foram importantes para a retomada dos tratos culturais que estavam atrasados, em função do excesso de chuvas no final de janeiro.

Ainda de acordo com os dados, nos mapas da média diária do armazenamento hídrico no solo, a cada intervalo de cinco dias observou-se a recuperação da umidade no centro e norte de Minas e no centro-sul da Bahia, e a manutenção ou elevação do índice nas demais regiões
produtoras do país. Por outro lado, o excesso de chuvas chegou a prejudicar a colheita da soja, onde as lavouras encontravam-se no final da maturação fisiológica, prontas para serem colhidas, principalmente em áreas do Mato Grosso, Goiás e Tocantins.

Os resultados obtidos a partir do monitoramento climático servem de apoio para a Conab nas estimativas de safra, nas análises de mercado e na gestão dos estoques públicos do governo federal. Nesta edição, o estudo concentrou-se nas principais regiões produtoras do país e analisou parâmetros agrometeorológicos e espectrais com foco nos cultivos de verão – Safra 2020/2021, durante o período de 1º a 15 de janeiro de 2021.

Fonte: Conab
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.