Conectado com

Notícias Em outubro

Custos de produção de suínos e frangos de corte atingem maior valor do ano em R$/kg vivo

Os gastos com a ração, que compõe a maior parte dos custos de produção mais uma vez puxaram a alta dos dois índices

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Os custos de produção de suínos e de frangos de corte calculados pelas CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, tiveram aumento acima de 2% no mês de outubro. Enquanto o ICPFrango registrou o terceiro mês consecutivo de alta (+2,74%), chegando aos 228,62 pontos, o ICPSuíno subiu 2,17%, fechando o décimo mês de 2019 em 226,51 pontos.

Os gastos com a ração, que compõe a maior parte dos custos de produção dos suínos (76,49% em outubro) e dos frangos (69,44% no mesmo período), mais uma vez puxaram a alta dos dois índices. No caso do ICPFrango, os custos da nutrição subiram 3,44% em outubro, fazendo com que o índice só não fosse maior pela baixa no valor de aquisição dos pintos de um dia (-0,83%).

No ano, o ICPFrango acumula agora uma alta de 4,86% em 10 meses. O custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná passou de R$ 2,88 em setembro para R$ 2,95 em outubro, calculado a partir dos resultados em aviário tipo climatizado em pressão positiva, maior valor do ano.

Já o ICPSuíno acumula alta de 3,30% em 2019. O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina passou dos R$ 3,88 em setembro para R$ 3,96 em outubro, também o maior valor do ano.

Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. Santa Catarina e Paraná são usados como Estados referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

Fonte: EMBRAPA
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + sete =

Notícias Guerra Comercial

China diz que espera poder chegar a acordo comercial com EUA o mais rápido possível

Próxima rodada de tarifas de Washington contra produtos chineses está programada para entrar em vigor em 15 de dezembro

Publicado em

em

REUTERS/Jason Lee/Illustration

A China disse nesta segunda-feira (09) que espera fazer um acordo comercial com os Estados Unidos o mais rápido possível, em meio a intensas discussões antes que novas tarifas norte-americanas sobre importações chinesas entrem em vigor no final desta semana.

Pequim espera conseguir um acordo comercial com os Estados Unidos que satisfaça os dois lados, disse o ministro assistente do Comércio chinês, Ren Hongbin, a repórteres nesta segunda-feira. “Sobre a questão das conversas e negociações comerciais China-EUA, desejamos que ambos os lados possam, com base na igualdade e no respeito mútuo, avançar nas negociações e, considerando os interesses principais de cada um, chegar a um acordo que satisfaça todos os lados o mais rápido possível”, disse Ren.

A China e os Estados Unidos estão negociando a chamada “fase um” de um acordo que visa aliviar sua prolongada disputa comercial, mas não está claro se um acordo pode ser alcançado no curto prazo. A próxima rodada de tarifas de Washington contra produtos chineses está programada para entrar em vigor em 15 de dezembro.

O presidente dos EUA, Donald Trump, exigiu que a China se comprometesse com compras mínimas específicas de produtos agrícolas norte-americanos, entre outras concessões sobre direitos de propriedade intelectual, câmbio e acesso aos mercados de serviços financeiros da China.

O assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse na sexta-feira que os dois lados conversam quase diariamente, mas atualmente não há planos para conversas presenciais ou para uma cerimônia de assinatura entre Trump e o presidente chinês Xi Jinping.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Mercado

Importação de soja da China salta em novembro com cargas dos EUA agendadas durante trégua

China importou 8,28 milhões de toneladas de soja em novembro, alta de 54% na comparação anual

Publicado em

em

Ivan Bueno/APPA

As importações de soja da China em novembro saltaram na comparação com mesmo mês do ano anterior à medida que embarques dos Estados Unidos agendados durante uma trégua na guerra comercial entre chineses e norte-americanos foram liberadas pelas alfândegas, segundo dados oficiais.

A China importou 8,28 milhões de toneladas de soja em novembro, alta de 54% na comparação anual, com a chegada das cargas dos EUA, mostraram dados da Administração Geral de Alfândegas no domingo. O dado também mostrou alta de 34% na comparação com as 6,18 milhões de toneladas em outubro.

A China, maior compradora de soja do mundo, geralmente obtém a maior parte de suas importações da oleaginosa junto aos EUA nos últimos meses do ano, quando a colheita norte-americana domina o mercado. Mas as cargas dos EUA caíram após Pequim ter colocado uma tarifa de 25% sobre produtos do país, incluindo a soja, em julho passado.

Os compradores chineses têm evitado a produção dos EUA em meio à guerra comercial, mas compraram mais grãos norte-americanos nos últimos meses, depois que o governo ofereceu a alguns deles a compra de compras cargas americanas isentas de tarifas extras, em um gesto de boa vontade com Washington.

A China disse na sexta-feira (06) que vai oferecer mais isenções em alguns embarques de soja, à medida que os dois lados tentam fechar um acordo para acabar com a prolongada guerra comercial.

Ainda assim, a demanda da China por soja, esmagada para produzir farinha de soja para alimentação animal, tem sido contida por um surto devastador da peste suína africana que reduziu em 41% o seu rebanho suíno, segundo dados oficiais.

Nos primeiros 11 meses do ano, a China comprou 78,97 milhões de toneladas de soja, uma queda de 4% em relação ao mesmo período do ano passado, mostraram dados alfandegários.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Mercado

Mapa identifica recuo no preço da carne bovina na primeira semana de dezembro

Ministra Tereza Cristina disse que preço deve se estabilizar, pois mercado está se ajustando

Publicado em

em

Rodrigo Flix Leal

O monitoramento feito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) aponta recuo no preço da carne bovina em dezembro. Nos principais mercados, a queda foi de cerca de 9% na primeira semana do mês.

Em Mato Grosso, a arroba do boi passou de R$ 216 na última segunda-feira (02) para R$ 197 na quinta-feira (05). Na Bahia, caiu de R$ 225 para R$ 207, de segunda para quinta-feira. Em Mato Grosso do Sul, a arroba estava cotada a R$ 220 e foi para R$ 200 no período. Os resultados mostram a tendência iniciada na última semana de novembro.

Ao participar do Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, em Medianeira (PR), a ministra Tereza Cristina ressaltou que o preço da proteína está se ajustando. “O preço daqui para frente deve se estabilizar”, disse.

A ministra explicou que a alta decorreu de diversos fatores: seca deste ano prejudicou o crescimento do pasto e, consequentemente, afetou a engorda do rebanho bovino de corte; a arroba do boi gordo ficou estável nos últimos dois, três anos inibindo os investimentos; e a abertura de mercados externos, em especial o aumento da demanda da China por proteína animal em razão da peste suína africana, que dizimou pelos menos 40% do rebanho suíno chinês.

A ministra destacou que cabe ao mercado encontrar o equilíbrio nos preços entre a oferta e a procura, sem interferência do Mapa. “Isso é mercado. Não tem o que a gente fazer no momento”. Tereza Cristina descartou falta de carne para consumo interno. “Fiquem todos absolutamente tranquilos, tem carne para todo o Brasil”, acrescentando que o país dispõe de um rebanho de mais de 215 milhões de cabeças.

Fonte: MAPA
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.