Conectado com

Suínos / Peixes Especialista explica

Cuidados essenciais para garantir uma boa ambiência na creche

Especialista aponta principais desafios enfrentados pelas granjas brasileiras e dá dicas sobre como garantir conforto térmico adequado aos leitões

Publicado em

em

Divulgação

Proporcionar um ambiente térmico adequado aos leitões na creche é fundamental. Afinal, trata-se de uma etapa que pré-determina o desempenho dos animais em todas as outras fases. A tarefa, porém, apesar de essencial, é desafiadora. Leitões precisam estar dentro de uma faixa estrita de temperatura para expressar seu completo potencial produtivo. Em entrevista exclusiva ao Presente Rural, Gustavo Lima, supervisor de Serviços Técnicos da Agroceres PIC, fala sobre o assunto, aponta os principais desafios enfrentados pelas granjas brasileiras e dá dicas sobre como garantir conforto térmico adequado aos leitões.

O Presente Rural (OP Rural) – Quais são as exigências de termorregulação dos leitões?

Gustavo Lima (GL) – É preciso revisar alguns conceitos quando se trata de traçar objetivos para o conforto térmico. Sob o ponto de vista fisiológico há, por exemplo, o conceito de zona termoneutra, que é a faixa de temperatura ambiente na qual o desvio energético para produção de calor, como produto fisiológico e metabólico, é mínimo. Suínos são animais homeotérmicos, ou seja, têm capacidade de regular a temperatura corporal a um nível constante e possuem uma faixa de temperatura ótima para sua sobrevivência, também conhecida como zona de conforto térmico. Posto isso, basicamente, o desafio, nos sistemas de produção, é colocar os suínos dentro da faixa de termoneutralidade, pois nessa condição o animal vai desviar o máximo de energia para o crescimento. A produtividade está diretamente ligada ao tempo em que o animal está submetido à zona termoneutra.

OP Rural – E o que é preciso levar em consideração para garantir conforto térmico aos leitões na fase de creche?

GL – Em primeiro lugar, conforto térmico não pode ser confundido com temperatura ambiente. Não necessariamente uma sala com 28ºC e, portanto, dentro da termoneutralidade do leitão, garante conforto térmico. É preciso considerar outra variável de controle que é temperatura efetiva, temperatura real que o animal está efetivamente sentindo.

OP Rural – E como se faz para aferir isso?

GL – Através de alguns instrumentos, como o termômetro de bulbo seco ou convencional, e da observação do comportamento dos animais. Por exemplo, leitões na creche, dentro de uma sala com temperatura de 28ºC, mas ainda assim amontoados, indica que estão sentindo frio. Isso pode estar acontecendo por várias razões. O isolamento do galpão, a qualidade dos materiais, como piso, e dos equipamentos usados para o aquecimento dos leitões, tudo isso tem influência na garantia do conforto térmico. Por isso, é essencial estar atento ao comportamento dos animais para fazer os ajustes necessários.

OP Rural – Existe uma configuração mínima de equipamentos para garantir um conforto térmico adequado aos leitões?

GL – A ambiência na creche vai depender do foco produtivo do suinocultor. Não existe a temperatura ideal para o suíno em si, e sim uma faixa de temperatura ideal, que é a zona de conforto térmico. Existem tecnologias para manter um galpão dentro de uma faixa restrita de temperatura efetiva. Ao mesmo tempo, pode-se tolerar uma variação um pouco maior de temperatura efetiva. É tudo uma questão de custo-benefício.

OP Rural – Mas quais os cuidados mínimos que o produtor deve tomar?

GL – O produtor deve estar atento a quatro variáveis: a condutividade de calor dos materiais, pois estes apresentam diferenças em calor específico, as estratégias de ventilação, de aquecimento e o isolamento térmico do galpão. No caso da primeira, é preciso preconizar o uso de pisos plásticos. Os de concreto são recomendados apenas em situações em que se quer trabalhar com pisos térmicos ou como base para comedouro. É preciso também definir estratégias de ventilação, que podem ser natural – que permite trabalhar com galpões mais estreitos e cortinas manuais ou automáticas. O produtor pode optar ainda pela ventilação mecânica, que pode apenas envolver ventilação mínima, ou a ventilação completa por pressão positiva ou negativa.

OP Rural – Quais as diferenças?

GL – No caso da ventilação mínima, o galpão pode ser um pouco mais largo e trabalha-se com as cortinas totalmente fechadas e exaustores para manter os níveis de gases dentro de limites aceitáveis. Já os galpões que trabalham com pressão positiva são equipados com cortinas automáticas e ventiladores. E há também os galpões com pressão negativa, nos quais a ventilação é 100% mecânica, com a entrada de ar pelos inlets. O terceiro item se refere às estratégias de aquecimento. É possível trabalhar com fornos – a gás, lenha ou elétricos -, de maior ou menor capacidade. O uso de campânulas, nos galpões maiores, e de lâmpadas infravermelhas nos menores, também são soluções efetivas. E por fim, é preciso checar o isolamento térmico do galpão, sempre preconizando o uso de telhas de poliuretano ou sanduíche.

OP Rural – De que forma uma ambiência adequada na etapa de creche deixa a produção de leitões mais eficiente?

GL – A adoção de um bom sistema de ambiência na creche é importante para manter a qualidade do ar dentro de parâmetros adequados, esse é o primeiro ponto. O segundo é manter uma oscilação menor de temperatura no galpão, independente da temperatura externa. Isso, nos primeiros 15 dias, é um grande determinante da saúde animal. Boas condições de ambiente e temperatura reduzem significativamente o número de refugados, de leitões que não têm acesso à ração, e os casos de diarreia. Com isso, há melhoras no ganho de peso e redução drástica na mortalidade.

OP Rural – Como são as granjas brasileiras quanto ao uso de sistemas e equipamentos para a ambiência de creche?

GL – As granjas brasileiras são bastante heterogêneas. Essa variação está muito ligada ao conceito econômico de produção.

OP Rural – Quais os modelos predominantes?

GL – A maioria trabalha com ventilação natural, com investimento em exaustores, em qualidade de entrada de ar, de forno etc. Ainda existem novos projetos sendo construídos dentro desse conceito. Existem também projetos com ventilação híbrida, natural e mecânica, nos quais os galpões são equipados com exaustores e cortinas automáticas. Há  galpões completamente fechados em pressão negativa, porém, sem entradas de ar pelo teto e, portanto, feito via placa evaporativa, que não é o ideal, e projetos com exaustores para pressão negativa normal e inlets de teto. E, claro, existem sistemas de produção de alta tecnologia, com galpões em pressão negativa, equipados com exaustores menores e maiores trabalhando em conjunto, que proporcionam ventilação suave, inlets de teto e fase de transição para entrar em túnel, que promove a entrada de ar pela cortina central ou por placa evaporativa.

OP Rural – Quais as principais deficiências quando a assunto é ambiência em creche de suínos?   

GL – Insistir em trabalhar com exaustores grandes. A exigência de troca de ar dos leitões na creche é pequena. Por exemplo, um leitão, no inverno, precisa de 3 m³ por hora de troca de ar para manter os níveis de gases dentro do limite adequado. Tomemos como exemplo um galpão com 3 mil animais, seriam 9 mil m³ por hora. Um exaustor grande, de 50 polegadas, troca 39 mil m³/hora. Acontece que nenhum exaustor, por questões mecânicas e elétricas, pode rodar abaixo de 50% de sua capacidade. E como o equipamento não se auto resfria, se rodar abaixo de 30% ele queima. Isso significa que a maioria dos galpões trabalha em ciclos de liga e desliga, consequentemente, alternando períodos de acúmulo e dispersão de gás e aumento e redução de temperatura na sala. Isso prejudica o desempenho dos leitões. Dessa forma, a maior oportunidade que existe é o uso de exaustores menores, trabalhando num raio de 12 metros.

OP Rural – Quais indicadores podem apontar se as condições ambientais estão adequadas na creche?

GL – Primeiro, os níveis de CO2 e amônia. No galpão, os níveis de CO2 devem ser inferiores a 3 mil ppm e os de amônia entre 15 a 20 ppm. O segundo ponto é checar a temperatura de bulbo seco. É preciso manter os galpões secos. Em ambientes frios, é possível reduzir a umidade do galpão aumentando a taxa de ventilação. E terceiro, é observar o comportamento dos animais. Se os leitões estão muito magros, se estão se alimentando, conferir a incidência de animais em jejum na primeira semana. É a partir dessa análise que o produtor vai saber se terá que fazer alguma intervenção e de que tipo.

OP Rural – Que intervenções podem ser feitas para melhorar os sistemas de ambiência de creche?

GL – Existem as ações urgentes e as estratégicas. Entre as urgentes estão os investimentos em aquecimento local da baia, em cortina dupla, no leitoeiro, que é aquela lona usada para cobrir as baias, porém este último com algumas ressalvas. São medidas inadiáveis para garantir o mínimo de conforto térmico. Já entre as estratégicas estão os investimentos em zona de conforto térmico, em forno, em bons isolantes térmicos, em cortinas tecnológicas, em forros que seguram um pouco mais o calor e material de piso. As ações estratégias são mais racionais e eficazes.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de julho/agosto de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − três =

Suínos / Peixes Nutrição

Óleos essenciais inibem a proliferação de patógenos

Conheça o poder dos óleos essenciais na nutrição animal como alternativa natural ao uso de antibióticos promotores de crescimento

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Gabriella Schiavon, médica veterinária da Agromilena Feed Additives

Os óleos essenciais apresentam uma nova alternativa ao mercado, em um aspecto natural, por possuir grande potencial de utilização na alimentação animal, com uma alternativa ao uso de antibióticos promotores de crescimento, de maneira a minimizar ou eliminar seu uso. Reduzindo os residuais ambientais e se adequando às novas instruções normativas.

O desempenho zootécnico é o ponto chave de todas as produções animais, buscando e intensificando o máximo da eficiência alimentar. Substituindo os agentes químicos, antibióticos e biológicos que, em um uso prolongado causam malefícios a saúde animal e humana, além dos resíduos em seus processos de produção.

Os princípios ativos dos óleos essenciais atuam em processos biológicos das membranas celulares, como: transporte de elétrons, fosforilações e outras reações enzimáticas que regularizam o funcionamento das células. As moléculas possuem categoria hidrofóbica, o que facilita sua ação nas membranas dos microrganismos patogênicos. Desencadeando no extravasamento de íons e conteúdos citoplasmáticos, provocando ruptura e morte celular.

As novas regulamentações sobre a alimentação dos animais de produção deixaram de fora aditivos como monensina, ionóforos e virginiamicina; conhecidos como melhoradores de desempenho animal, que vinham sendo difundidos desde os anos 1940, principalmente nos sistemas intensivos de produção. Essa proposta de regulamentação, visada pela globalização, atende a melhoria da saúde humana, já que o aumento da população é seguido pelo crescimento da disponibilização de proteína de origem animal.

Os insumos alimentares correspondem à 70% dos custos de produção de um sistema de confinamento, por exemplo. Portanto, os produtores buscaram nutrientes com o máximo de aproveitamento pelos animais, implementando a utilização destes antibióticos.

Os óleos essenciais chegaram para substituir definitivamente os APCs, como exemplos podemos evidenciar os compostos: Timol, Carvacrol, Capsaicina e Aldeído Cinâmico; que são extraídos de diversas regiões morfoanatômicas das plantas, chegando na sua finalização, com um blend.

Os óleos essenciais atuam também na diminuição da produção do gás metano, possuem alta atividade antioxidante, melhoram a digestão (estimulando a atividade enzimática), e atuam com propriedades antifúngicas, antiparasitárias, cicatrizantes e antissépticas.

Além dos benefícios para os animais de produção, os óleos essenciais não são prejudiciais à saúde humana, excluindo riscos quando comparamos à ingestão dos alimentos cárneos com antibióticos, que elevaram consideravelmente problemas de saúde apontados pela Organização Mundial da Saúde.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de outubro/novembro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Saúde Animal

Uso de probiótico pode reduzir perdas totais pré-desmame

Aumento de perdas totais de leitões pré-desmama representa um desafio e também uma oportunidade para uma suinocultura globalizada

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Fabio Catunda, gerente global – suínos – da Phileo

Genética, nutrição e sanidade nunca tiveram sob um ritmo de transformação tão acelerado. Estas mudanças estão relacionadas não apenas à avanços de produtividade da indústria como também à globalização de nossa atividade que passa a produzir sob uma demanda de consumidores globais. Para fidelizar consumidores oriundos de diferentes culturas, necessitamos nos diferenciar com valores que vão além de oferecer uma carne suína de excelente sabor e qualidade. Cada vez mais, nossos consumidores começam a participar ativamente sobre a maneira com que os alimentos são produzidos. Neste sentido, valores relacionados ao bem-estar animal, sustentabilidade, uso de produtos alternativos aos antibióticos, emissão de carbono e práticas de manejo começam a influenciar qual carne será preferencialmente consumida. Desta maneira, cabe a nós, envolvidos na cadeia de produção, nos adaptar às demandas dos consumidores.

Manejo de Perdas Totais Pré-Desmama: Desafios e Oportunidades

A genética moderna prevê um aumento ainda maior de número de leitões nascidos, o que pode representar tanto uma oportunidade quanto um desafio da suinocultura moderna. A tendências de aumentos em perdas totais de leitões no período pré-desmama têm chamado a atenção da indústria que está em busca de produtividade com sustentabilidade. Como perdas totais, consideramos as somas de natimortos, mumificados e mortalidade pré-desmame.

Dados recentes relacionados à mortalidade total pré-desmama em países como Dinamarca, Estados Unidos e Canadá demonstram que estas perdas chegam a ser superiores a 20% sobre os nascidos totais. O impacto de leitões leves ao nascer sobre mortalidade pré-desmame e de desempenho destes animais pós-desmama é um assunto bastante conhecido. Em 2015,  um pesquisador comparou o perfil de desempenho de 10 mil leitões nascidos oriundos de  220 granjas. A mortalidade de leitões leves (900g) foi de 36,8% comparados com 10% de mortalidade de leitões com 1,18 kg ao nascer. Como podemos ver na tabela 1, leitões leves apresentam maior mortalidade pré-desmame e pior desempenho durante toda sua vida representados por maior idade ao abate e menor peso final de carcaça.

Estratégias efetivas que visem diminuir altos índices de perdas totais de leitões pré-desmame necessitam de uma visão holística com impacto nas áreas de instalações, genética, ambiência, manejo e nutrição.

Colostro

O principal papel do colostro é fornecer energia e imunidade passiva nas três primeiras horas de vida do leitão.  Um em cada sete leitões que morrem no primeiro dia ao nascer tem causa direta relacionada ao baixo consumo de colostro. O consumo adequado de colostro influencia não apenas de peso a desmame como também índices de mortalidade.

Estima-se que o consumo desejado de colostro por leitão seja 250g. As figuras 2a e 2b demonstram claramente a importância de quantidade de colostro consumido sobre desempenho de leitões aos 42 dias de idade e mortalidade até 24 horas pós-parto.

Melhora de saúde intestinal e qualidade de colostro através do uso de probiótico levedura viva Saccharomyces cerevisiae Sc 47

Probióticos são bactérias, leveduras ou fungos capazes de restringir o crescimento de organismos patogênicos através de diversos modos de ação. Diversos autores relacionam o uso de probióticos com melhora do ambiente microbiano gastrointestinal, aumento da diversidade microbiana e modulação da microbiota. Ainda, segundo os mesmos autores, os probióticos são capazes de produzirem componentes antimicrobianos, como bacteriocinas e ácidos orgânicos atuando também diretamente sobre bactérias patogênicas e aderência competitiva. Estudos mais recentes têm demonstrado como os probióticos interagem com o sistema imunitário intestinal, estimulando resposta imunitária da mucosa intestinal melhorando assim, saúde intestinal e bem-estar animal.

Outros estudiosos demonstraram que os probióticos levedura viva em dietas de gestação e lactação atuam melhorando as propriedades nutricionais e imunológicas do colostro e leite resultando em consequente melhoria de desempenho em maternidade e posterior desempenho de leitões pós desmame.

A relação direta entre melhora de saúde intestinal influenciada pelo uso de levedura viva probiótica Saccharomyces cerevisiae Sc 47 sobre saúde intestinal, aumento de concentração de imunoglobulina G no plasma de porcas e colostro, sua transferência para leitões, além de melhoria de qualidade de leite das porcas. Como consequência temos melhora na composição nutricional do leite e consequente melhoria do desempenho de leitões durante o período de amamentação.

Conclusão

O aumento de perdas totais de leitões pré-desmama representa um desafio e também uma oportunidade para uma suinocultura globalizada que prioriza aumento de produção de maneira sustentável.

O uso de probióticos levedura viva Saccharomyces cerevisiae Sc 47 é ferramenta importante para melhora de saúde intestinal de porcas e leitões, impactando em redução de mortalidade pré-desmama, melhora de peso e qualidade de leitões ao desmame.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de outubro/novembro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Mercado

Embarques de carne suína aumentam 13,2% em novembro

Em receita, o saldo das exportações de novembro totalizou US$ 149,3 milhões

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e industrializados) alcançaram 66,4 mil toneladas em novembro, volume 13,2% superior às 58,7 mil toneladas embarcadas no mesmo período do ano passado, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Em receita, o saldo das exportações de novembro totalizou US$ 149,3 milhões, número 42,3% maior que o efetivado no mesmo período de 2018, com US$ 104,9 milhões.

Já no acumulado do ano (janeiro a novembro), os embarques de carne suína alcançaram 674,2 mil toneladas, saldo 14,4% superior ao efetivado no mesmo período do ano passado, com 589,2 mil toneladas.

Em receita, o valor total das vendas em 2019 alcançou US$ 1,413 bilhão, número 27,9% acima do registrado no mesmo período de 2018, com US$ 1,105 bilhão.

“O impulso das vendas para a Ásia segue sólido nas exportações do setor. Na comparação entre novembro deste ano e do ano passado, a diferença é positiva em 117%.  No mesmo passo, Hong Kong incrementou suas compras em 25%”, ressalta Francisco Turra, presidente da ABPA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.