Conectado com

Notícias Rio Grande do Sul

Criadores apostam em 2019 como ano da raça Jersey

Projeção é sustentada na qualidade e composição do leite que atende uma forte demanda de mercado da indústria láctea

Publicado em

em

Divulgação/Assessoria

A crescente necessidade do mercado lácteo por matéria prima com maior quantidade de sólidos deve impulsionar ainda mais o desenvolvimento da raça Jersey no estado. A perspectiva é da Associação de Criadores de Gado Jersey do RS. A qualidade e composição do leite cru são fatores primordiais que afetam diretamente o rendimento, a inocuidade e as características sensoriais dos derivados lácteos, tendo em vista que nenhum processo tecnológico é capaz de melhorar a qualidade da matéria-prima.

Nesse quesito, a raça Jersey possui vantagens, pois produz o leite com maior quantidade de sólidos como proteína, vitaminas, minerais e gordura. Comparado com o leite de outras raças, o leite Jersey pode conter até 18% mais proteína e 29% a mais de gordura. Outra vantagem comparada com outras raças, é que o leite produzido pelas vacas Jersey apresenta, em média, 20% a mais de cálcio.

Diante dessas características no leite, a criação de Jersey tem ganhado espaço ao longo dos anos no Brasil e, principalmente, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, por sua facilidade de adaptação a diferentes tipos de climas. Além disso, por ser um animal dócil e de médio porte, traz outros benefícios aos criadores. Com sua eficiência produtiva, consome um menor volume de alimentos para uma maior produção de leite.

No município de Santo Cristo, noroeste do RS, essas vantagens levaram o médico veterinário Ivan Rodrigues a optar pela criação de Jersey. Há seis anos criando a raça, Ivan mantém um plantel reduzido, com 25 vacas, focando em qualidade. “Focamos em qualidade e exposições. Temos uma campeã do torneio leiteiro 2018 na Expointer, que produziu 56 kg de leite em 48 horas em quatro ordenhas”, destaca Ivan, que em 2019 projeta participar de exposições em Três de Maio, Ijuí e Expointer. “Além da qualidade do leite, optei por criar Jersey pelo gosto que tenho por essa raça, pela docilidade dos animais e praticidade de lidar com eles”, enfatiza o criador.

Introduzida no Brasil através do Rio Grande do Sul, a raça Jersey acabou se espalhando rapidamente para outros estados. No entanto, o atual presidente da Associação dos Criadores de Gado Jersey do RS, Darcy Bitencourt, afirma que é preciso resgatar a relevância e o pioneirismo dos gaúchos na criação da raça Jersey, e para isso a entidade conta com essa necessidade de mercado.

“É preciso produzir leite de qualidade que atenda às necessidades do mercado atual, que busca produtos lácteos de qualidade. E o leite Jersey possui esse diferencial em termos de qualidade. Nesse aspecto a Jersey leva vantagem sobre as outras raças, tem mais gordura, mais sólidos no leite, sendo apropriado para desenvolver produtos diferenciados, com maior valor agregado”, destaca o presidente.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + seis =

Notícias Sanidade

ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção

Será apresentado o sistema de treinamento na inspeção ante e post mortem de aves e suínos

Publicado em

em

Divulgação/Agrostock

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura (DIPOA/MAPA) realizam ao longo desta semana um encontro conjunto para tratar sobre temas do sistema de inspeção do setor de proteína animal. A programação do evento, iniciada na segunda-feira (18), segue até sexta-feira (22), em São Paulo, SP.

Na ocasião, será apresentado o sistema de treinamento na inspeção ante e post mortem de aves e suínos. Além disso, também serão discutidas as ações e procedimentos de verificação oficial dos controles em estabelecimentos produtores de carne e suínos. Participam do encontro técnicos das agroindústrias produtoras e exportadoras e auditores fiscais do Ministério da Agricultura.

“Este é um trabalho que tem como princípio o fortalecimento do trabalho pela qualidade e a reconstrução da imagem do setor produtivo, seguindo todos os parâmetros legais em uma parceria do setor público e da iniciativa privada.  Esperamos realizar, em breve, novos eventos com o mesmo objetivo”, ressalta Francisco Turra, presidente da ABPA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Leiteiro

Estoques reduzidos e menor produção elevam preço do UHT

Altas estiveram atreladas aos estoques, que continuam controlados, e à redução da produção por parte de alguns laticínios

Publicado em

em

Divulgação

O preço do leite UHT negociado no atacado do Estado de São Paulo subiu 0,24% entre as duas últimas semanas, fechando com média de R$ 2,4357/litro no período entre 11 e 15 de fevereiro. Conforme colaboradores do Cepea, as altas estiveram atreladas aos estoques, que continuam controlados, e à redução da produção por parte de alguns laticínios.

Apesar da valorização, as negociações entre laticínios e atacados permaneceram baixas. Já o queijo muçarela se desvalorizou 0,83% na mesma comparação, fechando com média de R$ 17,2862/kg entre 11 e 15 de fevereiro. Quanto à liquidez no mercado deste derivado, permaneceu estável no período.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias No Paraná

Trigo pode ser boa alternativa ao produtor na 2ª safra

Como o clima está favorável, os preços e custos de produção irão balizar tomada de decisão dos agricultores

Publicado em

em

Divulgação/SECS

Com o avanço da colheita dos grãos de verão no Paraná, triticultores do Estado já planejam a divisão das áreas de semeio na segunda safra. Como o clima está favorável ao desenvolvimento tanto do trigo quanto do milho, os preços e custos de produção é que irão balizar a tomada de decisão dos agricultores por um ou outro.

Segundo dados da equipe de custos agrícolas do Cepea, em Cascavel, PR, o custo operacional de produção do milho 2ª safra foi calculado em R$ 2.822,54/hectare, contra R$ 1.901,03/ha para o trigo. A produtividade média das últimas três safras foi de 93 sacas/ha para o milho e de 49 sc/ha para o trigo, de acordo com dados do Deral/Seab.

Considerando-se os valores médios de venda em janeiro/19, as receitas geradas seriam de R$ 2.724,08/ha para o milho e de R$ 2.343,38/ha para o trigo. Portanto, a receita obtida com a cultura do trigo foi suficiente para saldar os custos operacionais e gerar margem positiva ao produtor, de R$ 442,35/ha. Já a receita obtida com o milho 2ª safra não foi suficiente para cobrir o total de desembolsos, resultando em margem negativa ao produtor, de R$ 98,46/ha.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
APA
Facta 2019
Biochem site – lateral
Nucleovet 2

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.