Conectado com

Empresas

Cresce interesse da pecuária e da avicultura pelos benefícios do sulfato de cálcio

Mais conhecido como gesso agrícola pré-seco, o produto tem se mostrado como um sequestrador de umidade nas camas dos animais

Publicado em

em

Estudos já comprovaram que a utilização de sulfato de cálcio na lavoura oferece significativos ganhos para as mais diferentes culturas, através do equilíbrio químico do solo. No entanto, as aplicações e vantagens da utilização desses componentes na atividade agrícola vão além da lavoura.

A avicultura e a pecuária nacional também vêm descobrindo os benefícios do gesso agrícola pré-seco, especialmente como sequestrador de umidade nas camas dos animais. Mas as vantagens desse produto podem ir além disso. Grandes aviários do país perceberam que a combinação de cálcio e enxofre pode proporcionar ganho de peso e redução da mortalidade entre as aves.
 
Os produtos desenvolvidos a partir do beneficiamento do gesso agrícola in natura são aplicados nas camas de aviários por resultar em um maior bem-estar animal, inclusive minimizando a incidência de calo de pata. O principal motivo é a sua propriedade de reter a umidade e reduzir a formação de torrões, um dos fatores que mais afeta a qualidade e a vida útil da cama de aviário, respectivamente.
 
De acordo com Eduardo Silva e Silva, engenheiro agrônomo da SulGesso, empresa referência no fornecimento de sulfato de cálcio, muitas cooperativas e produtores ainda usam a cal virgem hidratada, mas já é possível identificar um grande interesse pelo sulfato de cálcio (gesso agrícola pré-seco) como, por exemplo, tem feito a BRF Brasil, parceira da empresa. "Em princípio, apesar de ainda incipientes os ensaios com gesso em aviários, alguns relatos de parceiros próximos afirmam que a aplicação do gesso seco na cama de aviário tem gerado bons resultados", observa.
 
Responsável pela maior reserva de sulfato de cálcio do sul do Brasil, a SulGesso trabalha constantemente no desenvolvimento de novos produtos à base de sulfato de cálcio, como é o caso do GessoFer. Silva e Silva destaca que o produto seco, comparado ao gesso agrícola in natura, apresenta significativamente menor umidade e, por ser um pó bastante fino, com partículas muito pequenas, torna-se altamente reativo, ou seja, sua reação de contato com o ambiente externo é mais rápida. "O produto apresenta-se na forma de um pó claro, fino e pré-seco (com baixa umidade), contendo altos teores de cálcio e enxofre. Tem, basicamente, as mesmas aplicações do gesso agrícola in natura, mas apresenta maior reatividade nos solos em virtude da granulometria mais fina e da menor umidade. O produto tem se mostrado um excelente sequestrador de umidade e tem sido utilizado com ótimos resultados por aviários e pecuaristas nas camas de aves e gado leiteiro com essa finalidade", explica.

 
Cálcio e Enxofre na pecuária

A utilização de alternativas dessecantes na cama com o objetivo de reduzir custos e os efeitos negativos sobre a produção é uma realidade presente todos os dias. Na pecuária o sulfato de cálcio, como o GessoFer, vem sendo utilizado não só pelo seu grande potencial de sequestrar umidade, mas também como uma alternativa de enriquecimento da cama, pelo aumento do teor de nitrogênio retido na forma de sulfato de amônio, o que a torna mais rentável no momento da comercialização como adubo orgânico.  

“A urina da ave ou da vaca tem ureia, que contém nitrogênio. Quando cai na cama, o sulfato do gesso se liga à fonte nitrogenada, no que seriam as fases iniciais do ciclo do nitrogênio, formando o sulfato de amônio, e isso faz com que esse sulfato de amônio fique mais tempo na cama. Então eu acabo tendo uma cama com maior concentração de nitrogênio”, explica Eduardo Silva e Silva.
 
Produtos como o GessoFer também vêm sendo utilizados com ótimos resultados nas camas de descanso de vacas leiteiras, sendo inserido, por exemplo, no sistema de compost barn, como explica Silva e Silva. "O GessoFer tem demonstrado excelentes resultados no sequestro de umidade de camas, sejam elas da avicultura, bovinocultura (compost barn), dente outras atividades que envolvam a criação e produção de animais zootécnicos. Os ganhos são rapidamente percebidos e o produtor fica convencido que está diante de uma alternativa positiva e que aumenta a margem de lucro", destaca Eduardo.
 
Atenta sempre às inovações no campo, a CLAC – Cooperativa de Laticínios de Curitiba- é referência em medicamentos veterinários e insumos agrícolas, e é uma das parceiras da SulGesso que já conta com o GessoFer no seu portfólio de produtos à disposição dos produtores. "A nossa ideia em trabalhar com o GessoFer é a de poder oferecer ao produtor uma alternativa para tentar ajudar na melhora da cama e, como é um produto em pó e extremamente seco, ajudar a tira a umidade, especialmente no compost barn”, destaca o representante de vendas na CLAC, Eduardo Sudoski.
 
Sudoski explica que com os animais em cima da cama, cada vez mais vai entrar matéria orgânica e urina de vaca, umedecendo ainda mais, além da influência externa no barracão. “Hoje existem as cortinas e os ventiladores para tirar a umidade da cama.
Mas isso nem sempre resolve e aumenta o custo. Uma medida que a gente pensou é usar o GessoFer para adicionar na cama, visando tirar a umidade e, também, como a base é de sulfato de cálcio, misturando o GessoFer à amônia, em uma das etapas da reação ele vai virar nitrato de cálcio na mistura, com isso, a gente vai ter lá na frente uma cama mais enriquecida, consequentemente aumentando a vida útil da cama. Além de reduzir o índice de evaporação da amônia, que ajuda na conservação de desgastes da estrutura de ferro do barracão”, finaliza.

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + 9 =

Empresas Bovinos

Por uma pecuária bem nutrida e tecnificada

1º Ciclo Novus de Inovações na Nutrição de Gado de Corte cumpriu seu objetivo levando informações e atualizações técnicas de relevância para profissionais do setor

Publicado em

em

Gerente de Serviços Técnicos Novus®, Rodrigo Gardinal - Foto: Divulgação

Missão cumprida. Este foi o sentimento da NOVUS® pela conclusão do Ciclo Novus de Inovações na Nutrição de Gado de Corte, webinários realizados entre os meses de maio e setembro que, divididos em quatro módulos, abordou diferentes fases da produção da pecuária de corte: cria, recria, engorda e reprodução.

O tema central trouxe os benefícios zootécnicos obtidos com o uso da metionina, aminoácido essencial amplamente utilizado na produção de monogástricos e que vem se consagrando na produção pecuária leiteira e de corte. “Hoje o uso deste aditivo se tornou estratégico e traz resultados extremamente positivos para a suplementação de bovinos”, informa o Gerente de Serviços Técnicos Novus®, Rodrigo Gardinal.

Para ele, o Ciclo de Inovações apresentou para mais de 300 participantes conceitos e resultados de estudos atuais sobre a importância da metionina não só no quesito saúde animal, mas para o desempenho zootécnico e reprodução. “A correta escolha da fonte de metionina a ser utilizada é o diferencial para obter o máximo de desempenho e benefícios na produção de gado de corte”, destaca Rodrigo.

O profissional informa que atualmente o análogo de metionina (HMTBa), devido as suas atribuições, é a fonte mais completa e de melhor custo benefício para ser utilizado em todas as fases do ciclo produtivo da pecuária. “Estudos recentes publicados confirmam sua importância na melhora da reprodução, potencializando índices reprodutivos para gado de corte e de leite, melhoria de desempenho e no status de saúde”, revela Rodrigo.

O profissional destaca que há no mercado diversas fontes de metionina, contudo, o análogo de metionina se diferencia por suas características. “Apresentamos durante todo o Ciclo que o HMTBa é um aditivo inovador devido a sua composição e característica molecular estrutural, com parte de sua ação local no rúmen – aumento de síntese de proteína microbiana e melhora da digestibilidade da dieta – e ação sistêmica como excelente fonte de metionina metabolizável. Isso ocorre devido a sua composição tecnológica, tornando-o um aditivo de nova geração”, insere o Gerente de Serviços Técnicos Novus®.

Os interessados poderão ter acesso a todos os conteúdos apresentados durante os módulos do Ciclo Novus de Inovações na Nutrição de Gado de Corte. “Disponibilizaremos para os interessados vídeos das palestras dos quatro módulos com todo o conceito, benefícios e aplicações desta tecnologia”, insere Rodrigo e adianta: “O setor pode aguardar outros webinários com temas atuais, diferenciais que só a Novus® pode oferecer.”

Todas as etapas foram ministradas pelo Prof. Dr. Reginaldo Nassar Ferreira da Universidade Federal de Goiás (UFG) que há mais de 20 anos estuda os efeitos dos diferentes aditivos na pecuária.

Solicite o material para o e-mail: dac@novusint.com

Ciclo Novus de Inovações na Nutrição de Gado de Corte:
11/05 – Módulo 1 – Metionina e Zinco na terminação; melhorando o rendimento de carcaça e a conversão alimentar;

22/06 – Módulo 2 – Recria potencializada a pasto – Ação do análogo de metionina na modulação ruminal;

03/08 – Módulo 3 – Cria – Análogo de Metionina e Zinco na prevenção de fotossensibilização e impacto na saúde intestinal de bezerros;

14/09 – Módulo 4 – Como aumentar os índices reprodutivos com o uso da metionina?

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Nutrição adequada minimiza efeitos de estresse térmico em aves de corte, recuperando a produtividade

Publicado em

em

Divulgação Auster

As altas temperaturas ambientais são incômodas para as aves de corte, sendo um fator estressante para elas. “A elevação térmica provoca desconforto nesses animais homeotérmicos, gastando sua energia para manter a temperatura interna por volta dos 41°C”, explica a médica veterinária Sibele Lourenço, representante técnica comercial da Auster Nutrição Animal. “Esse incômodo gera reações comportamentais e fisiológicas, pois as aves tentam diminuir a temperatura corporal, podendo até ocasionar desequilíbrios no organismo conforme duração e intensidade do estresse”, explica a especialista.

Entre as reações, destacam-se abertura das asas a fim de aumentar a área de superfície corporal, aumento da procura por locais mais frescos no aviário e maior ingestão de água, além da redução do consumo de ração na tentativa de minimizar o calor corporal produzido pelos processos de digestão, absorção e metabolismo dos nutrientes. “Isso provoca deslocamento do uso da energia que seria destinada à produção para promover perda de calor, desviando os nutrientes para mantença, com consequente redução no ganho de peso e desempenho, queda na imunidade e aumento da taxa de evaporação pelo trato respiratório na tentativa de resfriamento”.

No estresse térmico agudo, podem surgir alterações na morfologia intestinal das aves de corte, visto que as altas temperaturas reduzem a proliferação dos enterócitos, causam redução na profundidade das criptas sem alteração na altura das vilosidades e reduzem a relação vilo:cripta. Já o estresse crônico reduz a altura das vilosidades e o peso do jejuno. Tais alterações afetam a capacidade da ave de digerir e absorver nutrientes para sua manutenção e produção.

A representante técnica da Auster explica que para as aves atingirem o máximo desempenho, utilizando a mínima quantidade de energia para manutenção da temperatura corporal, é necessário que a temperatura ambiente esteja na faixa de conforto térmico – que pode variar conforme a idade e com umidade entre 50% e 70%.

Sibele Lourenço afirma que o estresse térmico pode causar consistentes prejuízos, elevando os custos da produção a partir da necessidade de equipamentos e instalações, além de proporcionar maior ocorrência de doenças devido à queda da imunidade, frequência respiratória elevada e, como consequência, afetando o bem-estar dos animais. “Nos Estados Unidos, as perdas econômicas devido ao estresse térmico variam de US$ 128 a US$ 165 milhões anualmente. É uma referência importante para entender os prejuízos que causa também à avicultura brasileira”, informa.

Para minimizar os efeitos negativos do estresse térmico, a representante técnica da Auster orienta cuidados com o ambiente da granja e as instalações, com adoção de tecnologias e equipamentos que auxiliem no melhor condicionamento térmico ambiental, como ventiladores, exaustores, nebulizadores e placas evaporativas, o que possibilita bom desempenho produtivo das aves. “A instalação precisa ter orientação correta, evitando a incidência da luz solar para evitar o superaquecimento. Porém, a adequação do ambiente não é a única medida recomendada. Os cuidados incluem o bom manejo nutricional, com atenção à formulação das rações para frangos de corte em diferentes instalações, regiões e estações do ano”, explica Sibele Lourenço.

Para melhorar as condições ambientais e diminuir os efeitos do estresse térmico, a Auster Nutrição Animal oferece aditivos que ajudam a revigorar características intestinais, auxiliando no aproveitamento dos nutrientes e amenizando perdas principalmente energéticas, como Econase XT, com atuação na degradação das ligações entre as cadeias de fibras, melhorando a digestão proteica  e a eficiência no crescimento; Novyrate C (butirato de sódio), que contribui para o controle de carga microbiana no trato digestivo, inibe o crescimento de bactérias patogênicas e reduz o pH gástrico; e o suplemento energético em pó Prius Booster Avis, derivado do óleo de soja refinado com 99% de gordura e com complemento de enzimas, que oferece efeitos benéficos, visto que a adição de óleos e gorduras nas rações de animais submetidos ao estresse por calor está associada a modificações na fisiologia gastrointestinal e ao menor incremento calórico.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas

BRF lança campanha sobre sustentabilidade e reforça compromissos com o meio ambiente

Ação estreia na data em que se celebra o Dia Internacional de Conscientização sobre a Perda e o Desperdício de Alimento

Publicado em

em

Divulgação

A BRF lançou na terça-feira (29) uma campanha que reforça as atitudes sustentáveis que fazem parte da essência da Companhia, uma das maiores empresas de alimentos do mundo. Em português e inglês, o filme – em versões de 75”, 30” e 15” segundos e realizado pela agência Ana Couto – reflete os compromissos da BRF em uma agenda que permeia diversas fases de sua cadeia de produção. A campanha será veiculada em rede nacional, em programação de TV paga e nas redes sociais da empresa.

No filme são destacadas as ações da BRF como investimentos para redução de impactos ambientais, preservação de florestas e recursos naturais, como água e energia, presença no Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3, sendo a única empresa de alimentos a configurar neste indicador, cuidados com bem-estar animal, além de certificações e parcerias renomadas no mercado.

“Estamos acompanhando de perto a agenda ambiental em todo o mundo. Sabemos da nossa missão neste contexto, e o filme é fruto deste entendimento. Além disso, possuímos um Índice de Sustentabilidade Ambiental pelo qual monitoramos a melhoria contínua dos nossos processos e fazemos a gestão das inúmeras iniciativas de sustentabilidade e meio ambiente da nossa empresa”, destaca Neil Peixoto, vice-presidente de Sustentabilidade, Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da BRF.

Combate ao desperdício de alimentos

A campanha da BRF estreia no dia em que se celebra, pela primeira vez, o Dia Internacional de Conscientização sobre a Perda e o Desperdício de Alimentos. A data, instaurada pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), visa enfatizar a importância de reduzir a perda de alimentos e os benefícios sociais e econômicos que esta prática traz para o planeta.

De acordo com a entidade, 14% de toda a comida produzida no mundo estraga antes mesmo de chegar aos supermercados. Além disso, há alimentos que são rejeitados por não atenderem a padrões de qualidade, já que não possuem a aparência desejada para a venda.

Evitar que isso aconteça é um grande desafio, pois o alimento percorre um longo caminho até chegar à mesa dos consumidores. Nesse contexto, a BRF, oferece, por meio da plataforma digital Ecco, um serviço com o propósito de disseminar informações para ajudar as pessoas a diminuírem o desperdício em suas casas. O site também traz dicas para restaurantes e mercados. Dentro do site interativo, o consumidor é apresentado ao Ecco – Especialista de Consumo Consciente da BRF – que  ensina de forma rápida e simples como minimizar o desperdício com o ajuste de pequenos hábitos do dia a dia, que vão desde a compra dos ingredientes, o preparo das refeições, até seu armazenamento e descarte das sobras.

Disponível em diferentes formatos como texto, fotos, quiz, mosaico e espaço para preenchimento, o visitante do site poderá escolher a jornada de aprendizado que quer percorrer e se aprofundar no tema. O conteúdo combina a longa experiência da BRF na garantia da segurança e qualidade dos alimentos com as recomendações da FAO, Anvisa e outros órgãos competentes para ensinar a todos como ajudar o meio ambiente e a população ao evitar a perda de alimentos em suas casas e estabelecimentos comerciais.

“O Projeto Ecco tem um forte papel educacional, além de ser uma plataforma atrativa, democrática e acessível a serviço da sociedade como um todo. Os conteúdos foram desenvolvidos para mostrar de forma descomplicada o consumo consciente dos alimentos, enfatizando todo o processo, desde o momento da compra e armazenamento, até o aproveitamento total dos alimentos”, declara Stephanie Blum, gerente de Inovação da BRF.

Para conhecer a plataforma Ecco, basta acessar o link consumoconsciente.brf.com e realizar um cadastro simples para acompanhamento do progresso de seu aprendizado.

Outras ações

Além da plataforma Ecco, a BRF também promove outras iniciativas para encontrar soluções para minimizar o desperdício e aprimorar a segurança dos alimentos. Em parceria com a EMERGE, organização que impulsiona a inovação de base científica no Brasil, a Companhia selecionou diversos projetos de pesquisadores brasileiros que participaram do desafio EMERGE Labs BRF. Entre as ações, destaca-se, por exemplo, a utilização de embalagens inteligentes que garantem maior validade aos produtos. O intuito da BRF é acelerar o desenvolvimento de tecnologias para prover novas soluções.

Outro projeto da Companhia no combate ao desperdício de alimentos é o envolvimento do Instituto BRF na área de desenvolvimento social, que desde 2012 já impactou mais de 400 mil pessoas, com doações de alimentos para instituições parceiras. Por meio dessas ações, o instituto disponibiliza alimentos a pessoas vulneráveis e gera resultados positivos em toda a cadeia.

Além disso, a BRF já conseguiu reduzir em aproximadamente 70% as perdas de diversas naturezas, como o desperdício de alimentos, entre os anos de 2018 e 2020 por meio do seu programa Sistema de Excelência Operacional (SEO), que estreita o vínculo entre as unidades do agronegócio e da indústria, com foco total na disciplina operacional produtiva.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Nucleovet-SC PIG

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.