Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Paraná

Cooperativas reúnem agroindústrias gigantes no mercado de carnes

No Estado, 19 das 79 agroindústrias ligadas às cooperativas são do segmento de carnes, entre elas Frimesa, Alegra, Copacol, Coopavel, Lar, C.Vale

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

As cooperativas agrícolas paranaenses têm cada vez mais investido na industrialização dos seus produtos. Com o objetivo de agregar maior valor à produção de seus cooperados, as agroindústrias se tornaram potências espalhadas pelo Estado, gerando emprego, renda e muitos produtos, que vão direto para a mesa do consumidor final.

De acordo com dados da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), no Estado existem 215 cooperativas, sendo que 60 são do ramo agropecuário. Ao todo, são 2 milhões de cooperados e o setor gera cerca de 100 mil empregos diretos em todo o Paraná.

São 79 agroindústrias ligadas às cooperativas, sendo 10 indústrias de óleo de soja, 12 moinhos de trigo e milho, 30 indústrias de ração, 16 indústrias de carne, frango e suínos, além de oito plantas de processamento de leite.

Na série de reportagens sobre empresas e produtos “Feitos no Paraná”, apresentamos algumas cooperativas que produzem carnes e derivados.

De acordo com a Ocepar, são 19 cooperativas no Estado com agroindústrias no segmento de carnes (que contemplam bovinos, suínos, frangos, peixes e cordeiros). A maior parte dedica-se à produção de produtos derivados de carne suína. São 11 ao todo e a Alegra é uma delas.

Com sede em Castro, a unidade abate 3.200 suínos por dia e produz cerca de 140 toneladas de produtos diariamente, o que leva a uma média mensal de 3,3 mil toneladas de carnes industrializadas por mês.

De acordo com Valdomiro Santuches, gerente de operações industriais da Alegra, além dos produtos de marca própria, a fábrica industrializa produtos para as marcas Boua e Ceratti, de Goiás e de São Paulo, respectivamente. “Além disso, temos clientes para os quais somos os fornecedores exclusivos, como é o caso do Madero. Todo o bacon utilizado na rede de restaurantes deles é produzido por nós. E também sai daqui 80% de todo o bacon usado no McDonalds no Brasil”, explica.

Além de atender todo o mercado nacional, os produtos da Alegra são exportados para 33 países. São 1,6 mil funcionários na unidade de Castro, o que torna a cooperativa a maior empregadora da região. A empresa integra o grupo Unium, que reúne as cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal.

Referência

Outra gigante do setor, a Frimesa, está investindo pesado na produção de carne suína processada. Está prevista para 2023 a inauguração do maior frigorífico de suínos da América Latina em Assis Chateaubriand, na Região Oeste.

O complexo, com 147 mil metros quadrados de área construída, terá capacidade para abater 15 mil porcos diariamente, resultado de um investimento de R$ 2,5 bilhões. Serão 5,5 mil empregos diretos, que chegam a 8,5 mil quando contados os indiretos.

Toda essa produção fará a cooperativa ganhar escala nacional e internacional. Atualmente, a agroindústria em operação abate 8,3 mil suínos por dia ou 5% da produção nacional. Quantia que abastece parte do mix de 445 produtos.

A cooperativa, explica o diretor-presidente da Frimesa, Valter Vanzella, é resultado da união de outras cinco: Lar, Copagril, Copacol, C. Vale e Primato. Reunião que dá sustentação ao projeto de expansão. “Temos de crescer sempre, não podemos parar no tempo. Mas isso tendo por base uma produção de qualidade, garantindo segurança para quem compra”, ressalta.

Vanzella explica que o planejamento passa diretamente por ganhar mercado no exterior, especialmente no Oriente. “Exportar se tornou um bom negócio, especialmente depois da peste suína africana na China. Saímos de 5% para 20% do faturamento. E há ainda muitas oportunidades para venda no mercado externo”, diz.

Peixes 

Em Cafelândia, no Oeste paranaense, a Copacol também processa carnes, conta com seis mil associados, grupo formado basicamente por pequenos produtores rurais, e emprega, diretamente, 15 mil pessoas.

A Copacol é uma potência, com números robustos na produção de aves e peixes. São 172,3 milhões de frangos abatidos por ano, cerca de 700 mil por dia. E outros 42 milhões de peixes, que ajudam a fazer do Paraná o maior produtor de tilápias do País. Já os suínos são entregues à Frimesa, que fica responsável por industrializar este segmento do negócio.

De acordo com o presidente da Copacol, Valter Pitol, a intenção é dobrar a capacidade de alguns setores até 2023, como a produção de peixes. Hoje, diz ele, os produtos que saem do Oeste paranaense com a marca Copacol chegam a boa parte do Brasil e a 60 países. “Aumentando o processo industrial, aumentamos os empregos e melhoramos a qualidade de vida das pessoas e das cidades”, afirma o presidente.

Crescimento

Também no Oeste, a Coopavel é outra cooperativa forte. Com 50 anos de história, reúne cerca de seis mil cooperados e produz insumos, grãos, trigo, suínos e frango, que representam um faturamento de R$ 3,5 bilhões ao ano.

A Coopavel deve fechar 2020 com um crescimento entre 25% e 30%, mesmo em um período marcado pela pandemia do novo coronavírus. Desempenho semelhante é esperado para 2021. “A geração de emprego começa pela preferência do consumidor. Um produto da Coopavel, por exemplo, está gerando emprego no Paraná. E essa é uma identidade que cresce no Estado de uma maneira muito forte”, ressalta Dilvo Grolli, diretor-presidente da cooperativa. “Nos orgulhamos de ser uma cooperativa 100% paranaense”, acrescenta.

Segundo ele, a cooperativa abate atualmente 220 mil frangos, número que deve saltar para 250 mil em 2021. São também 2 mil suínos diariamente, quantidade prevista para subir 50% no ano que vem, chegando a 3 mil animais.

Emprego

“Somos a cooperativa agroindustrial que mais emprega no País”, afirma o diretor-presidente da Lar Cooperativa Agroindustrial, Irineo da Costa Rodrigues. Com 56 anos de história e quase 12 mil cooperados, a Lar gera 18,3 mil empregos diretos, trabalhando em três atividades principais: produção e soja, de milho e abate de aves.

Considerando apenas a produção de carnes, a Lar abate 700 mil aves por dia, com metade desta produção direcionada para o exterior. De acordo com Rodrigues, a marca Lar está presente em aproximadamente 300 produtos, entre enlatados, congelados, cortes de frangos e grãos. As exportações chegam às Américas, Europa e Ásia.

Por aqui, as unidades da cooperativa estão instaladas em 12 municípios do Oeste paranaense, Leste do Paraguai (10 unidades), em Mato Grosso do Sul com 14 unidades, em Santa Catarina no município de Xanxerê para produção de sementes. Tudo isso, junto, significa um faturamento estimado em R$ 10 bilhões em 2020. “Nosso objetivo é viabilizar as pequenas propriedades. E isso não tem limite”, destaca Rodrigues.

Imponente

Em Palotina, é difícil chegar e não se impressionar com a imponência da C. Vale. Todo dia, por ali, são abatidos 615 mil frangos e 100 mil tilápias. Entre empanados, grelhados, temperados e outros gêneros, 160 toneladas saem da fábrica rumo a pontos de venda de diferentes regiões do País. Há ainda produção de soja, milho, trigo, mandioca, leite e suínos. Tudo isso administrado por um exército de 12 mil funcionários e 23 mil associados.

“O cooperativismo foi a forma que encontramos para fazer com que o pequeno produtor se fixasse no campo. Uma ajuda mútua em que todos ganham”, diz o presidente da cooperativa, Alfredo Lang.

O dirigente conta que tudo ali é aproveitado. Restos da tilápia, por exemplo, são transformados em farinha e as escamas vendidas para a China, usada no Oriente como matéria-prima para a produção de colágeno. Já o pé do frango, pouco aproveitado no Brasil, também é exportado para a China. “Lá é uma iguaria, a população disputa o corte. Chega a ser mais caro do que a coxa e sobrecoxa”, destaca o presidente.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + oito =

Notícias Sanidade

Agricultura presta esclarecimentos sobre surtos de gafanhotos no Rio Grande do Sul

Espécies encontradas na região Noroeste não são pragas de importância agrícola

Publicado em

em

Divulgação

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) publicou nesta quarta-feira (02) nota técnica redigida pelo Comitê de Emergência Fitossanitária para Schistocerca cancellata que presta esclarecimentos sobre as ocorrências de gafanhotos no Rio Grande do Sul. O Comitê é composto por técnicos da secretaria, Ministério da Agricultura, Laboratório de Manejo Integrado de Pragas da Universidade Federal de Santa Maria, Embrapa Clima Temperado e Emater/RS-Ascar.

Conforme o documento, os surtos relatados nos municípios de Santo Augusto, São Valério do Sul e Bom Progresso estão sendo monitorados pelas equipes da Seapdr a fim de delimitar a área perifocal e abrangência das infestações. As espécies foram identificadas pela Dra. Kátia Matiotti, da PUCRS, como indivíduos adultos de Zoniopoda iheringi e ninfas de Chromacris speciosa, ambas da família Romaleidae, que não tem hábitos migratórios. Sua ocorrência é esperada, devido ao clima seco e à baixa precipitação acumulada nas últimas safras de verão.

Ambas as espécies estão sendo mantidas no Laboratório de Manejo Integrado de Pragas da UFSM, para estudos. As espécies não correspondem à Schistocerca cancellata, estando momentaneamente descartada a infestação por este gafanhoto migratório. Tratam-se de espécies endêmicas, de ocorrência natural e que normalmente não são pragas de importância agrícola.

Foi observado que a preferência de hospedagem das infestações está centrada nas áreas de mata nativa e vegetação espontânea. A prioridade dos levantamentos é constatar se há desequilíbrio nas populações naturais com possibilidade de danos às lavouras limítrofes aos focos.

A Seapdr e o grupo gestor estão atuando para a delimitação das ocorrências. Estão sendo preparadas alternativas de emprego de soluções frente às infestações, caso se configure risco de dano econômico à produção agropecuária.

A orientação do Comitê é para que produtores não tomem medidas preventivas frente às infestações, sob a possibilidade de aumentar o desequilíbrio entre os inimigos naturais dessas espécies e agravar os danos futuramente. Havendo constatação de surtos, deve ser realizada comunicação através da rede de vigilância, pelos canais:

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Segundo Deral

Plantio de soja no PR vai a 99% com lavouras na pior condição em ao menos 5 anos

De acordo com o Deral, a semeadura avançou 2 pontos percentuais na semana e atingiu 99% da área esperada

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O plantio de soja 2020/21 no Paraná avançou para a reta final dos trabalhos com as lavouras em condições piores do que as verificadas pelo menos nos últimos cinco anos, indicou na terça-feira (1°) o Departamento de Economia Rural (Deral).

Em informativo semanal, o órgão do governo paranaense apontou que 72% das lavouras de soja do Estado possuem condições boas, enquanto 4% foram avaliadas em situação ruim, mantendo os mesmos níveis vistos na semana passada.

Em igual período do ano anterior, porém, as lavouras em condição boa eram 81%, enquanto as que possuíam estado ruim atingiam 3%.

Antes disso, de acordo com os dados do Deral que remetem a 2015, as piores condições neste período do ano haviam sido vistas em 2017, quando 90% das lavouras estavam em condição boa e 10% em situação média.

Ainda segundo o departamento, 12% das lavouras estavam em fase de floração até segunda-feira, ante 22% no mesmo momento da safra passada, enquanto 82% se mantinham em desenvolvimento vegetativo, versus 72% em 2019/20.

O plantio da oleaginosa está praticamente concluído no Paraná –segundo maior produtor do Brasil, atrás somente de Mato Grosso. De acordo com o Deral, a semeadura avançou 2 pontos percentuais na semana e atingiu 99% da área esperada.

Na última semana, o departamento estimou a safra de soja 2020/21 do Estado em 20,47 milhões de toneladas, queda de 1% em relação à produção recorde de 2019/20.

O Paraná sofreu com a falta de chuvas nesta temporada, especialmente no início da safra. Nas últimas semanas, as precipitações contribuíram para o avanço do plantio, mas o Deral ainda via uma necessidade de melhor regularidade de chuvas para “garantir a safra”.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Mercado

Datagro eleva estimativa de produção de soja 20/21 do Brasil para 134,98 mi t

Resultado também representa um avanço de cerca de 6% em relação às 127,45 milhões de toneladas colhidas em 2019/20

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A produção de soja do Brasil deve atingir 134,98 milhões de toneladas na safra 2020/21, estimou a consultoria Datagro na terça-feira (1°), elevando sua projeção em 540 mil toneladas na esteira de um incremento em área de plantio.

Segundo a Datagro, o resultado também representa um avanço de cerca de 6% em relação às 127,45 milhões de toneladas colhidas em 2019/20.

A estimativa de área plantada foi atualizada para 38,79 milhões de hectares, sobre 38,68 milhões de hectares na última projeção e 3% acima da temporada passada, confirmando o 14º ano consecutivo de incremento.

“Os fatores de estímulo ao cultivo da soja dominaram a decisão dos produtores a novamente elevarem a área nesta safra, já que os preços médios estiveram acima do padrão, houve alta produtividade média, positiva lucratividade bruta da safra atual, oferta de crédito…”, afirmou a Datagro.

O clima, contudo, segue como fator de atenção, uma vez que a safra está agora em desenvolvimento, com a finalização do plantio na maioria das áreas.

“Já tivemos irregularidade na chegada das chuvas na região central, e clima seco dominante em outubro e novembro na região Sul”, disse o coordenador de Grãos da Datagro, Flávio Roberto de França Júnior.

A partir de agora, em função do resfriamento das águas do Atlântico Sul nas últimas semanas, a previsão é de que as chuvas se normalizem, o que estabilizaria as perdas no milho e recuperaria as condições da soja, acrescentou ele.

Milho

A produção potencial de milho foi revisada para baixo e passou para 114,04 milhões de toneladas, ante 114,48 milhões do último levantamento, mas ainda está cerca de 7% acima do ciclo de 2019/20.

Após episódios de seca em regiões produtoras, a Datagro passou a estimar a colheita de milho verão em 27,33 milhões de toneladas, cerca de 5% superior a 2019/20, mas abaixo da projeção anterior de 27,76 milhões de toneladas.

A área do cereal de primeira safra foi mantida em 4,43 milhões de hectares, alta de 2% ante a temporada passada.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.