Conectado com

Notícias Crescimento de 19%

Coopavel encerra 2018 com faturamento de R$ 2,5 bilhões

Cerca de 300 cooperados participaram da AGO, que foi a última de um ciclo de 16 pré-assembleias que contemplaram as 28 filiais da Coopavel

Publicado em

em

Divulgação/Assessoria

Apesar de um ano difícil e desafiador, a Cooperativa Agroindustrial de Cascavel (Coopavel) faturou R$ 2,5 bilhões em 2018, o que representa aumento de 19% sobre os R$ 2,1 bilhões movimentados no exercício anterior, de acordo com o relatório aprovado pelos cooperados em Assembleia Geral Ordinária (AGO) realizada na terça-feira (22), em Cascavel, PR.  “Os desafios foram vencidos com confiança, dedicação e persistência de todos os produtores rurais associados e de todos os colaboradores”, comentou o presidente da cooperativa, Dilvo Grolli, ao acrescentar que também o número de cooperados aumentou 6% chegando a 5.289 associados frente aos 5.066 de 2017. Grolli e equipe também apresentaram dados do relatório, como balanço patrimonial e demonstração de sobras, que foram aprovados por unanimidade.

Cerca de 300 cooperados participaram da AGO, que foi a última de um ciclo de 16 pré-assembleias que contemplaram as 28 filiais da Coopavel, e a primeira de 2019 das cooperativas ligadas ao Sistema Ocepar. Diversas autoridades participaram, entre elas o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Desenvolvimento 

Em seu discurso, Ricken lembrou que 2018 foi um ano dramático para o agronegócio e para a economia brasileira. “Foi politicamente complicado, com enormes desafios internacionais ao mercado de carnes e com dificuldades de acesso ao crédito.” Mesmo assim, segundo ele, o crescimento de faturamento das cooperativas foi de R$ 13 bilhões superior ao ano anterior, mas com redução de resultados, consequência da junção de dificuldades de um ano de crise bastante séria.

Em apenas oito anos, o faturamento das cooperativas no Paraná aumentou de R$ 26 bilhões para R$ 83,5 bilhões. “E em dois anos vamos alcançar R$ 100 bilhões, com crescimento líquido acima de 10% ao ano”. O avanço se deve, especialmente, aos novos investimentos em agroindustrialização e em infraestrutura, na casa de R$ 2 bilhões por ano. As 215 cooperativas paranaenses, juntas, geram 97 mil empregos. E em mais de 130 municípios a maior empresa é uma cooperativa.

O desempenho das cooperativas e a expectativa de anos melhores com um novo governo, também foram destacados por José Roberto Ricken. “Mesmo que o clima seja de otimismo, temos inúmeros desafios pela frente, como de reconstruir vários contatos que se perderam ao longo dos últimos anos. Porém, mudanças importantes no governo permitem vislumbrar dias melhores sempre de olho na nossa missão primeira que é o compromisso com o desenvolvimento”, disse.

Ricken falou também que na próxima década o mercado exigirá 10% a mais de alimentos, e dessa soma significativa 40% deverão ser produzidos no Brasil. “Queremos poder trabalhar com segurança, com respeito e com perspectivas. Queremos crescer junto com o Brasil”, afirmou.

A Assembleia Geral da Coopavel elegeu também o novo Conselho Fiscal da cooperativa para o ano de 2019, que ficou assim constituído: Gustavo Riepenhoff, Ademir Sebold, Luiz Carlos Magro, Luiz Boni, Gilmar Mossoi e Valmor Stofela.

Destaque 

A capa do relatório de 2018 foi um dos destaques da Assembleia Geral Ordinária da Coopavel, realizada na manhã de terça-feira (22), no auditório da sede da cooperativa, em Cascavel. A bandeira do Brasil, sobre um fundo branco, é a representação de uma propriedade rural, com áreas agrícolas, reflorestamento, silo, máquinas e moradias. Na parte de cima à esquerda, uma frase que resume o otimismo do campo com uma nova era que se inicia no País: Um novo caminho para o amanhã.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 1 =

Notícias Mercado Interno

Indicador do milho chega a menor patamar em cinco meses

Ritmo de negócios está limitado, tendo em vista a disparidade entre as ofertas de compradores e os pedidos de vendedores

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A oferta superior à demanda tem mantido os preços do milho em queda na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea. Em Campinas (SP), os valores voltaram a operar próximos dos patamares observados em novembro do ano passado. Entre 12 e 18 de abril, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa Campinas (SP) caiu 2,32%, a R$ 35,84/sc de 60 kg na quinta-feira (18), o menor patamar nominal desde meados de novembro/18.

No geral, o ritmo de negócios está limitado, tendo em vista a disparidade entre as ofertas de compradores e os pedidos de vendedores. Além disso, alguns produtores têm dado preferência em comercializar a soja – vale lembrar que a cotação da oleaginosa está firme, favorecida pelas altas do dólar e dos preços externos. No campo, o clima segue favorável ao desenvolvimento das lavouras de milho, o que pode resultar em antecipação da colheita.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços da soja sobem, mas médias mensais são as menores desde janeiro

Apesar dos recentes aumentos, na parcial deste mês, os valores da oleaginosa são os menores desde janeiro de 2019

Publicado em

em

Divulgação

As cotações da soja registraram ligeira alta na semana passada, devido à valorização do dólar frente ao Real, à relativa estabilidade dos prêmios e ao aumento de cotas nos armazéns portuários, cenário que aumentou também a liquidez no mercado.

O Indicador ESALQ/BM&FBovespa da soja Paranaguá avançou 0,2%, a R$ 76,66/saca de 60 kg nessa quinta-feira (18). No mesmo comparativo, o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná subiu 0,3%, a R$ 72,11/sc de 60 kg nessa quinta.

Pesquisadores do Cepea afirmam que, apesar dos recentes aumentos, na parcial deste mês, os valores da oleaginosa são os menores desde janeiro de 2019, em termos nominais. Isso se deve à menor procura de indústrias brasileiras, uma vez que grande parcela tem garantido os lotes por contrato a termo e negociado poucos volumes no spot. Além disso, as aquisições são para consumo a médio prazo, visto que agentes esperam preços menores.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Ovos

Última semana da quaresma é marcada por preços estáveis

No geral, o mercado de ovos apresentou bom desempenho de vendas no período de Quaresma deste ano

Publicado em

em

Divulgação

Apesar da estabilidade nas cotações dos ovos comerciais, o ritmo de negócios esteve mais intenso na semana passada. Com isso, colaboradores do Cepea afirmam que, no geral, o mercado de ovos apresentou bom desempenho de vendas no período de Quaresma deste ano.

Entre 11 e 18 de abril, as cotações do ovo tipo extra, branco, colocado na Grande São Paulo, registraram elevação de 0,3%, com a média da caixa com 30 dúzias passando para R$ 94,42 na última quinta-feira (18).  Para o produto vermelho, entregue na Grande SP, houve alta de 0,9% de 11 a 18 de abril, com a caixa de 30 dúzias comercializada a R$ 110,87 na quinta-feira.

Com o encerramento da Quaresma, avicultores consultados pelo Cepea se mostram receosos com o possível enfraquecimento das vendas nas próximas semanas. Parte dos agentes, inclusive, já cogita intensificar os descartes de poedeiras mais velhas.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Abraves
Conbrasul 2019
Facta 2019
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.