Conectado com
FACE

Empresas Bovinos

Controle das verminoses em bovinos exige um calendário sanitário, estratégico, eficiente e racional

Estima-se que as perdas anuais são da ordem de U$ 7,11 bilhões e que cerca de 10 milhões de bovinos e búfalos morrem todos os anos no mundo

Publicado em

em

Animais desverminados - Foto: Divulgação
*Por João Paulo Lollato, médico-veterinário e coordenador de Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó e, Reuel Luiz Gonçalves, médico-veterinário e gerente Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó

As verminoses são um dos fatores que mais afetam a produtividade dos bovinos em várias regiões do País. Segundo GRISI, Laerte et al (2014), um dos parasitos que prejudicam o bem-estar do gado, a produtividade e o impacto econômico são os nematódeos gastrointestinais e pulmonares. Estima-se que as perdas anuais são da ordem de U$ 7,11 bilhões e sabe-se que cerca de 10 milhões de bovinos e búfalos morrem, anualmente no mundo, em consequência direta ou indireta da presença de helmintos.

Devido às nossas condições climáticas, a maioria dos bovinos encontra-se parasitado durante todo o ano por helmintos gastrointestinais e/ou pulmonares. A erradicação destes parasitos é impossível, sobretudo devido à sua capacidade de multiplicação e adaptação ao meio ambiente. Eles são sócios indesejáveis e permanentes do produtor e, pelo fato de não provocarem grande mortalidade ou doença aguda, vão, paulatinamente, minando a economia do pecuarista.

As verminoses representam um grupo de doenças infecciosas causadas por várias espécies de vermes ou helmintos, que afetam clinicamente, sobretudo, animais jovens. Podem ser: verminose pulmonar ou broncopneumonia verminótica e verminose gastrointestinal.

A verminose pulmonar é comum em algumas regiões, principalmente, em gado jovem (bezerros de ano e sobre ano), e caracteriza-se por tosse, corrimento nasal, respiração ofegante e taquicardia, sendo, muitas vezes, confundida com as pneumonias bacterianas.

Já a verminose gastrointestinal é muito frequente em todos os sistemas de criação de bovinos. Normalmente, todos os animais criados a pasto estão ou já estiveram parasitados por uma ou mais espécies de helmintos gastrointestinais, sendo os mais jovens mais sensíveis e os mais velhos mais resistentes.

Pelo Brasil, bovinos criados em pastagens naturais estão expostos à infecção por larvas de nematódeos gastrointestinais e pulmonar, principalmente  dos  gêneros  Bunostomum, Cooperia, Dictyocaulus, Haemonchus, Oesophagostomum, Strongyloides e Trichostrongylus. A incidência e distribuição destes parasitos apresentam variações regionais e sazonais, dependendo de vários fatores como: regime de chuvas, ecossistema, manejo das pastagens e animais, tipo e idade dos bovinos.

 

Ação sobre os animais

Animais adultos geralmente apresentam infecção subclínica, mantendo baixa infecção, mas contaminam continuamente as pastagens, principlamente as vacas. Em algumas situações como a alta lotação, pastagens naturais ou degradadas e ocorrência de doenças concomitantes que afetam o sistema imunológico tipo Diarreia Viral Bovina (BVDV), os bovinos adultos podem adquirir altas cargas parasitárias e apresentar alguma sintomatologia clínica.

Os animais jovens são altamente susceptíveis às infecções verminóticas durante o primeiro ano de pastejo. No segundo e terceiro anos, são capazes de desenvolver uma pequena imunidade, pois à medida que vão ficando mais velhos entram em contato constante com as larvas infectantes nas pastagens e adquirem certa imunidade.

Os vermes ou nematódeos gastrointestinais são os agentes etiológicos diretamente relacionados com a diminuição da produtividade na pecuária bovina, acarretando menor produção do leite a pasto, diminuição no ganho de peso e retardo no crescimento de animais jovens. Além disso, é porta de entrada para outras doenças importantes por meio da queda da resistência imunológica, menor resposta às vacinas e, sobretudo, morte de animais jovens por anemia, diarreia, caquexia, entre outras causas.

 

Danos causados pelas verminoses nos bovinos 

Ação espoliativa: principalmente o Haemonchus e Bunostomum alimentam-se de sangue, injetando substância anticoagulante no local de fixação e sucção, que pode causar pequenas hemorragias gastrointestinais por 5 a 6 minutos após se alimentarem.

Ação inflamatória: as lesões diretas na mucosa gastrointestinal, excreções e secreções das glândulas esofagianas dos helmintos e o líquido liberado pelas larvas causam reações inflamatórias das mucosas gástrica e intestinal com forte edema e presença de grande número de linfócitos, eosinófilos, mastócitos e neutrófilos. Com frequência ocorre perda de albumina plasmática por meio da mucosa edemaciada, o que pode alterar a pressão oncótica vascular e o animal apresentar edema submandibular. Também é possível ter alteração da absorção de nutrientes pelas mucosas inflamadas, contribuindo para caquexia dos animais parasitados.

Danos causados pelas verminoses nos bovinos

Ação mecânica: nas verminoses pulmonares são observadas obstruções de órgãos como brônquios e bronquíolos, por exemplo, pelo parasitismo por Dictyocaulus viviparus.  Larvas e vermes adultos de helmintos gastrointestinais destroem a mucosa gastrointestinal e levam à formação de úlceras e instalação de infecções secundárias. Também ocorre a substituição do tecido funcional (de absorção) por fibroso (tipo uma cicatris), impedindo a absorção de nutrientes e a produção de enzimas, alterando o metabolismo das proteínas, energia, mineral e o balanço hídrico. Consequentemente, interferindo na condição corporal, ou seja, no peso e na qualidade da carcaça. Este tipo de verminose também causa quadros diarreicos.

 

Sintomas clinicos das verminoses em bovinos

Os parasitas gastrointestinais de bovinos levam a quadros sintomatológicos, principalmente em bezerros, que se confunde com um grande número de doenças e pode ser clínico ou subclínico. O efeito nos animais é fortemente influenciado pelo estado nutricional dos hospedeiros. Os sinais ou sintomas incluem diminuição na velocidade de ganho de peso, causando uma severa redução na ingestão de alimentos, caquexia e podendo levar à morte.

Entre os sintomas mais comuns, podemos destacar: anorexia (falta de apetite), desidratação, diarreia, diminuição da produtividade, infecções bacterianas secundárias, pelos arrepiados, pneumonia parasitaria, retardo do crescimento, entre outros.

 

Animais desverminados 

Diagnóstico precoce

Para realizar o diagnóstico devem-se cruzar as informações clínicas dos animais com os exames laboratoriais, se possivel.

O exame parasitológico de fezes pode estimar a carga parasitária por meio da contagem dos ovos dos parasitos presentes numa quantidade conhecida de fezes, ovos por grama de fezes (OPG). Este exame é realizado, principalmente, para auxiliar no controle parasitário e é importante também para ajudar no diagnóstico da resistência anti-helmíntica quando se tem um alto desafio local, podendo ser feito individual ou em “pool” por categorias, lotes ou pastagens.

O hemograma também possui grande valor diagnóstico, principalmente em quadros agudos de verminose, uma vez que nas helmintoses pode ocorrer anemia severa, leucocitose e eosinofilia.

 

Controle e tratamento das verminoses

O controle estratégico combinado de verminoses é importante para o produtor. Uma das combinações possíveis está na proposta da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, desenvolvida pelo médico-veterinário e doutor Ivo Bianchin, pesquisador da Embrapa Gado de Corte. A técnica determina os meses na forma numérica para vermifugação estratégica sendo maio – julho – setembro (5 – 7 – 9).

Já o protocolo desenvolvido pelo pesquisador da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, professor doutor Fernando Borges, que atua em Doenças Parasitárias, sugere o calendário em maio – agosto – novembro (5 – 8 – 11), respectivamente, sendo datas cômodas, mas não estritamente técnicas para todo o País.

No Brasil as estações climáticas não são muito bem definidas e, de maneira geral, o clima é favorável aos parasitas durante o ano todo, menos nos meses de seca e/ou inverno. O conceito de controle estratégico é fundamentado exatamente na grande oportunidade sanitária de desverminar os animais com vermífugos ou endectocidas no momento biológico de menor potencial biótico do parasita. Isso ocorre quando as cargas parasitárias das pastagens estão reduzidas pela seca ou inverno, enquanto a infecção nos animais é afetada pelos tratamentos. A regra vale e não muda a premissa das vermifugações estratégicas de entrada, meio e fim da seca (ou inverno) ou início das chuvas.

Recentemente FERREIRA, Roberta M. et al (SBTE 2020) publicou o trabalho: “O tratamento com Fosfato de Levamisol (Biopersol Forte) no início do protocolo de IATF melhora o desempenho reprodutivo e produtivo de fêmeas Nelore”, em que o uso de uma dose do vermífugo Fosfato de Levamisol (Biopersol Forte) no D0 do protocolo IATF melhorou a taxa de prenhez cumulativa (IATF + touro) e o peso corporal de fêmeas Nelore (vacas e novilhas).

Resumindo, para definir um calendário sanitário eficiente e racional, consulte sempre um coordenador técnico de pecuária da Biogénesis Bagó. O profissional poderá organizar seu calendário sanitário e recomendar produtos e princípios ativos mais indicados para cada categoria animal e a melhor época de utilizá-los.

A Biogénesis Bagó possui em seu portfólio várias opções de antiparasitários internos, entre eles o Closantel 7,5%, o Fosfato de Levamisol a 23,63%, como também endectocidas: Ivermectina 1%, Ivermectina 1,13% LA, Ivermectina 3,15% e Doramectina 1,1%.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + 8 =

Empresas Oportunidade

IHARA abre inscrições para contratação de profissionais para atuar no setor do Agronegócio

Iniciativa tem como foco contratar agrônomos com experiência na área comercial para compor o time da empresa

Publicado em

em

Reprodução

A IHARA, empresa de pesquisa e desenvolvimento especializada em defensivos agrícolas, está com inscrições abertas para a contratação de agrônomos com experiência para fazerem parte do time Comercial, em todo o Brasil, atuando na função de ATVs (Administrador Técnico de Vendas) da empresa. Para concorrer às vagas, os candidatos podem se inscrever pelo link (http://jobs.solides.com/ihara/vaga/67457), até o dia 1º de junho.

A IHARA busca por profissionais que deverão ser parceiros dos agricultores para oferecer soluções inovadoras, que são bastante eficazes para o combate dos principais detratores de cada cultura. Os requisitos para a seleção são: formação em agronomia, experiência comprovada acima de quatro anos na área comercial, profissional no nível sênior ou especialista, ter afinidade com o trabalho em campo e disponibilidade para viagens ou mudanças de cidade.

Instalada no Brasil há mais de 56 anos, a empresa desenvolve soluções inovadoras e também adapta às tecnologias japonesas para atender as necessidades da agricultura brasileira, oferecendo produtos altamente eficientes para o controle dos principais detratores das lavouras e assim marca uma nova era em proteção de cultivos. Hoje, a empresa leva ao agricultor tudo o que há de mais moderno em acaricidas, herbicidas, fungicidas, inseticidas, biológicos e defensivos especiais através de seu portfólio completo, com 60 soluções inovadoras, para atender 100 diferentes tipos de culturas, ajudando assim a fim de ajudar os produtores em seus desafios no campo.

Alfredo Ucha Neto, Gerente de Desenvolvimento Humano da IHARA, comenta que a empresa investe constantemente em seu maior patrimônio, que são as pessoas, e isso também reflete na confiança que a IHARA representa para o setor. “Nossa equipe comercial está presente nos principais cultivos de cada estado brasileiro com o objetivo de garantir a qualidade e a alta produtividade no campo. Esses profissionais, além de oferecer as melhores soluções para as lavouras, são capacitados para localizar, analisar e solucionar problemas que possam afetar o potencial produtivo dos cultivos no que se refere ao manejo de pragas, doenças e plantas daninhas resistentes. O trabalho dessa equipe consiste ainda em multiplicar conhecimento técnico através de treinamentos, palestras e dias de campo para as mais diferentes regiões agrícolas do Brasil, além de estarem preparados para oferecer orientações sobre segurança nas lavouras, cuidados com o meio ambiente e o uso correto dos agroquímicos, um recurso indispensável em benefício da agricultura”, ressalta o executivo.

Atualmente, a companhia conta com mais de 800 colaboradores atuando para desenvolver, produzir e comercializar um portfólio completo para centenas de cultivos. Em 2021, a meta é contratar mais profissionais e ultrapassar a marca de 900 colaboradores.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Bovinos

Biogénesis Bagó fortalece atuação na pecuária leiteira com projeto “Balde de Soluções Leite”

Empresa investe na capacitação de sua equipe de campo para ampliar atuação na pecuária leiteira com soluções que trazem mais produtividade e rentabilidade ao negócio

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

Um dos focos de atuação da Biogénesis Bagó, empresa de biotecnologia especializada no desenvolvimento, produção e comercialização de produtos para saúde e produtividade animal, em 2021 é ampliar sua atuação no mercado de pecuária leiteira.

A empresa reorganizou seu portfólio com foco em performance, saúde e reprodução e vem capacitando de maneira técnica e comercial sua equipe de campo para identificar oportunidades de crescimento com a oferta de soluções da marca para a atividade leiteira. O conjunto dessas ações recebeu o nome de “Balde de Soluções Leite”.

“Identificamos as principais ‘dores’ do pecuarista de leite e nossa equipe está sendo capacitada para ajudar os clientes a lidar de maneira assertiva com os desafios sanitários. Em uma atividade com margens cada vez mais apertadas, o produtor não pode correr riscos de perdas e deve atuar tanto na prevenção como no tratamento dos problemas sanitários e reprodutivos que podem afetar a produtividade e a rentabilidade do negócio”, explica o Gerente de Produtos e Marcas da Biogénesis Bagó Brasil, Pedro Hespanha.

A estratégia inclui uma ferramenta inédita no mercado intitulada de “O Balde de Soluções” disponível no formato físico e digital. Trata-se de um arquivo portátil no formato de um balde de leite que contempla cards com mais de 20 soluções de sanidade, performance e reprodução na pecuária leiteira. “O conteúdo foi organizado com um racional dinâmico que permite que nossa equipe ofereça ao produtor de leite soluções com abordagem rápida, dinâmica e instrutiva. Cada card segue a mesma sequência (introdução, principais categorias afetadas, impacto econômico, protocolos preventivos e protocolos curativos) e a dinâmica também contempla cópias do conteúdo para serem entregues ao produtor no ato do atendimento como material para consulta posterior”, descreve Hespanha.

“O Balde de Soluções” é uma ferramenta inédita no mercado

Dentro do portfólio da estratégia estão temas sanitários como: colostro de boa qualidade, criação de bezerras, secagem/transição, produção de silagem, afecções pós-parto, doenças do puerpério, protocolos reprodutivos, doenças da reprodução, mastite ambiental, problemas respiratórios, papilomatose, tristeza parasitária, afecções podais, ceratoconjuntivite infecciosa, febre do leite, controle de endo e ectoparasitas, clostridioses e diarreia neonatal.

“Além desse mapeamento dos principais desafios, nossa equipe elabora um programa sanitário personalizado construído com base no histórico da tríade epidemiológica da fazenda (agente, ambiente e hospedeiro). Dessa forma, é possível adotar uma estratégia preventiva que interfere diretamente no rumo do negócio, diminuindo possíveis impactos econômicos ocasionados por perdas produtivas e reprodutivas”, complementa o Gerente de Produtos e Marcas da Biogénesis Bagó Brasil.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

IA a serviço da nutrição animal

Cerca de 70% do custo na produção animal é composto pela dieta. Contar com ferramentas capazes de auxiliar esta equação e ir além do esperado é uma máxima da Aleris 

Publicado em

em

Divulgação Aleris

Pensando nisso a Aleris destaca o MAC (Microbiota Activating Compounds) – compostos naturais extraídos de diferentes extratos de fermentação com função de modulação específica da microbiota. Esta nova classe de soluções nutricionais busca a maximização do desempenho animal por meio do entendimento aprofundado do trato gastrintestinal e suas interações com a microbiota particular de cada espécie. O MAC foi desenvolvido com base em estudos e sua produção acontece somente na fábrica de especialidades da Aleris. Desta forma, esta tecnologia exclusiva foi fundamentada em todo know-how da companhia em entender as relações entre diferentes substratos da levedura, considerados precisos para a modulação da microbiota animal.

Quem traz detalhes dos benefícios dessa tecnologia é a Gerente Técnica da Aleris, Adriana Figueiredo. “Por meio do MAC, compostos bioativos naturais, passamos a compreender os mecanismos para modulação da microbiota e, assim, desenvolver uma formulação atenta às necessidades características a fim de maximizar o desempenho zootécnico com vistas para o bem-estar animal”, insere.

A profissional explica que com o MAC os produtores de proteína animal e indústria petfood passam a contar com soluções exclusivas e personalizadas, fruto de consideráveis investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D).

E neste seu plano ousado, a empresa investiu mais de R$ 2,9 milhões em uma unidade industrial para dar vazão a esta nova classe de aditivos nutricionais. “Para nós, da Aleris, está mais que comprovada a inter-relação entre o perfil da microbiota e a expressão genética dos animais. Por isso, os investimentos em um fábrica de especialidades dedicada para a produção destes compostos exclusivos e suas interações com diferentes aditivos serão capazes de dar suporte às estratégias totalmente personalizadas para os nossos clientes”, reforça Adriana e acrescenta: “’descomoditizamos” o conceito e uso das leveduras. Entendemos suas particularidades e como o seu processamento pode impactar diretamente na nutrição do animal. Partindo disso, imprimimos o DNA Aleris através de toda a nossa expertise nos mais diferentes processos fermentativos e aplicações consideradas espécie-especifica apresentando para o mercado a linha Provillus.”

“Sustentada por uma plataforma de bioinformática visando o entendimento da microbiota animal (ferramenta MAP), os produtos são formulados de forma exclusiva visando componentes específicos para cada microbiota, que é o conceito da linha Provillus”, complementa Adriana.

O MAP (Modulation Advanced Program), utiliza o conhecimento da Inteligência Artificial (IA) para integrar e correlacionar o perfil da microbiota com as características de desempenho e bem-estar animal.

“O MAP é uma ferramenta construída em torno de um sistema multifatorial utilizando a inteligência artificial e a big data para direcionar as tomadas de decisões orientadas pelos dados da microbiota”, explica a Coordenadora Técnica da Aleris, Mariana Nascimento.

Sendo assim, os modelos matemáticos – algoritmos e a bioinformática – são capazes de estabelecer fortes correlações entre os dados da microbiota e as características de bem-estar e performance animal. “Com o MAP passamos a desenvolver os nossos produtos de uma maneira mais assertiva, sempre buscando a máxima expressão do potencial genético de animais de produção e animais de companhia dos nossos clientes”, destaca Mariana.

 

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo
CBNA 1

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.