Conectado com

Empresas

Conheça 3 vantagens do uso de minerais orgânicos em suínos

Além do menor impacto ambiental, uso de minerais orgânicos é benéfico para produtores e consumidores

Publicado em

em

Com o grande desafio de melhorar a eficiência na produção e manter a competitividade com práticas sustentáveis, a suplementação tem sido uma alternativa rentável ao produtor. Exemplo disso é o uso de uma dieta a base de minerais orgânicos em suínos, que traz ganhos no desempenho, uma vez que melhora a absorção de nutrientes pelo organismo. Segundo as Tabelas Brasileiras (Rostagno et al., 2017), a exigência destes elementos na forma orgânica é de 45% quando comparado dos inorgânicos para suínos.

“A partir da melhor absorção, a dose de inclusão é menor, o que melhora a rentabilidade do produtor. Com esse melhor aproveitamento, estamos redesenhando a demanda dos minerais 100% na forma orgânica”, explica o gerente Nacional para Suinocultura da Alltech do Brasil, Julio Acosta.

Confira a seguir três vantagens que são obtidas ao utilizar os minerais orgânicos:

1. Concentrações mais baixas

Em comparação aos inorgânicos, são necessários níveis de minerais orgânicos menores para garantir o mesmo desempenho nos animais. Isso ocorre por causa da biodisponibilidade dos microminerais, que facilita a absorção dos nutrientes no trato digestivo, favorecendo, por exemplo, o ganho de peso e a eficiência alimentar da granja.

2. Menor impacto ambiental

Com menores concentrações de minerais, ocorre a redução de excreção dessas substâncias no meio ambiente. Isso reduz o risco de contaminação ambiental e pode, inclusive, beneficiar os consumidores, que vão encontrar mais qualidade no produto final.

3. Retorno para o consumidor

Com o avanço da biotecnologia, cada vez mais pesquisas têm sido feitas na linha de minerais na forma orgânica. Elas têm comprovado que nesta forma, os minerais atendem às necessidades dos animais e auxiliam a alcançar um produto de qualidade produzido de forma sustentável. A genética também tem importante papel, uma vez que além da exigência nutricional, é preciso garantir que estes estejam disponíveis para o animal.

“O intuito é fornecer aos suínos os elementos na forma mais próxima à encontrada na natureza, beneficiando não só os animais como o meio ambiente. É assim que funciona o Bioplex TR, por exemplo, desenvolvido pela Alltech”, complementa.

 

Fonte: Ass. de imprensa Alltech

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + catorze =

Empresas

Vetanco é patrocinadora do Congresso IPVS 2022

O IPVS 2022 acontece de 21 a 24 de junho, no Rio de Janeiro, em uma realização da Associação Brasileira dos Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves)

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Considerado o mais importante evento científico da suinocultura mundial, o 26º Congresso IPVS 2022 tem o patrocínio da Vetanco, laboratório veterinário internacional que há 35 anos desenvolve, fabrica e comercializa produtos inovadores para a saúde e produção animal.

“O IPVS é um dos eventos de maior relevância para o setor de suinocultura e não poderia ser diferente para a Vetanco, pois somos uma empresa com participação ativa e importante neste mercado. Para nós é fundamental estarmos presentes nesse evento, reforçando a nossa marca e podendo reencontrarmos nossos clientes”, comenta o Diretor Técnico/Comercial da Vetanco, Tiago Urbano.

O IPVS 2022 acontece de 21 a 24 de junho, no Rio de Janeiro, em uma realização da Associação Brasileira dos Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves). O Congresso reunirá os maiores especialistas mundiais em sanidade, bem-estar animal, nutrição e reprodução, criando um ambiente para troca de conhecimentos e experiências.

“Além de oferecer a estrutura de uma feira de negócios através dos estandes, onde as empresas têm a oportunidade de apresentar novidades, tendências e atualizações, o IPVS conta com um congresso extremamente técnico, que oferece e agrega muito conhecimento e informação técnica atualizada para o setor como um todo”, complementa Urbano sobre o Congresso IPVS.

O Gerente Comercial – Suínos da Vetanco, Lucas Piroca, menciona a participação da Vetanco no IPVS 2022 em parceria com a Dr. Bata, que juntas deram origem à BV Science. “Vamos mostrar a nova planta industrial para produção de aditivos que teremos em Chapecó e, sem dúvida, será um momento de encontro, de troca de informações, de realização de negócios e momento da Vetanco poder mostrar todo o seu valor tanto para a suinocultura brasileira quanto para a suinocultura global”, frisa Lucas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Executiva da Boehringer Ingelheim fala sobre a detecção precoce de doenças respiratórias em suínos por meio de ferramentas inovadoras

A ferramenta SoundTalks® monitora e analisa os sons das tosses dos suínos na propriedade para detectar doenças respiratórias e intervir de maneira precoce, resultando em redução de custos com tratamentos e maior produtividade

Publicado em

em

FOTOS: JULIO VILELA e O Presente Rural

Durante o Sinsui 2022, realizado em Porto Alegre (RS), a Consultora de Novos Negócios para a área de Suínos da Boehringer Ingelheim no Brasil, Elisa De Conti, promoveu um painel com o tema “Tecnologia de precisão no combate de doenças respiratórias”, onde apresentou dados relevantes sobre a importância da detecção precoce de doenças respiratórias em suínos e os meios e ferramentas para atingir este objetivo.

Uma opção é a tecnologia SoundTalks®, da Boehringer Ingelheim. Ele é composto por dois equipamentos: um monitor que capta os sons do ambiente na granja e um aparelho que faz a filtragem dessa captação, separando apenas os sons respiratórios emitidos pelos suínos, que, por meio de inteligência artificial e machine learning, detecta possíveis doenças respiratórias nos animais antes de apresentarem sintomas clínicos. Esses alertas precoces são fundamentais para que o suinocultor interfira com antecedência, evitando a propagação da doença, infecções secundárias e grandes perdas econômicas. Além disso, evita uma intervenção mais incisiva por meio de antimicrobianos, garantindo o bem-estar dos animais.

Elisa explica que o SoundTalks® vai muito além de uma contagem de tosse nos suínos. “A ferramenta trabalha com sintomas clínicos respiratórios, fazendo uma métrica deles, trazendo um valor que vai de 0 a 100, indicando o status respiratório da granja de forma contínua, em tempo real”. E finaliza: “Esses dados ficam disponíveis ao produtor por meio de um aplicativo, favorecendo a rapidez de ação em casos de possíveis surtos”.

Já o diretor da área de Aves e Suínos da Boehringer Ingelheim, Abílio Alessandri, enfatiza o DNA de inovação da empresa: “Nós temos um compromisso com a cadeia de produção de proteína animal no Brasil. Por isso, procuramos sempre trazer novas vacinas, soluções e tecnologias para garantir proteína animal segura e nutritiva na mesa dos brasileiros”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Cuidados redobrados

Meses mais frios do ano e confinamento são ideais para aumento das doenças infecciosas em bovinos

O médico veterinário Thales Vechiato, esclarece o quanto se perde com esses problemas

Publicado em

em

Divulgação Syntec

Com a chegada do período mais frio do ano, as infecções respiratórias tornam-se mais frequentes em bovinos de todas as idades e podem causar queda de desempenho tanto no gado de corte quanto no de leite, aumentando os custos com a sanidade nas propriedades. O médico veterinário Thales Vechiato, gerente de produtos para grandes animais da Syntec do Brasil, esclarece o quanto se perde com esses problemas. “Estima-se que um bovino com pneumonia pode perder de 50 a 200g/dia de peso, ou seja, no final do período de confinamento de 90 dias o impacto negativo pode atingir 1,2 arroba por animal. Esse desafio é ainda maior devido à incidência da doença subclínica nos animais. Basta fazer a conta para ter noção clara das perdas em produtividade”.

Além dos problemas, como a pneumonia, o veterinário da Syntec alerta que as doenças respiratórias não são as únicas que merecem atenção nesse período. “Os pecuaristas também devem ficar atentos aos processos infecciosos gastrointestinais, no gênito urinário e em decorrência de feridas, além do controle parasitário condizente com a época do ano”, diz. Ele complementa que os bovinos são acometidos por inúmeras infecções, ocasionando doenças respiratórias, locomotoras, reprodutivas e digestivas. “É o caso das diarreias em bezerros, que representam um problema recorrente e importante”, assinala o especialista.

Vechiato explica que as infecções respiratórias decorrem da contaminação por agentes microbianos, vírus ou bactérias, que invadem e colonizam o trato respiratório dos animais. “As portas de entrada podem ser o contato entre animais ou a queda de imunidade, predispondo o acesso de bactérias presentes na cavidade oro nasal dos bovinos”.

Para evitar processos infecciosos em bovinos, o gerente de produtos da Syntec recomenda que é preciso realizar rondas diárias nos lotes para identificar rapidamente bovinos doentes e proceder com tratamento imediato, minimizando perdas. “Para identificar animais com possíveis infecções, é preciso estar atento, primeiramente, à queda de desempenho produtivo (redução no ganho de peso e menor produção de leite). Esse é um indicativo de que algum quadro infeccioso pode estar ativo. Para descobrir a origem do problema, é fundamental a presença e o acompanhamento do médico veterinário”.

A Syntec do Brasil oferece Oxitetraciclina L.A. 20%, antibiótico injetável de amplo espectro de ação e que oferece ação prolongada em uma única aplicação. O medicamento tem a vantagem de atingir concentrações séricas em curto espaço de tempo e apresentar meia-vida por um período mais estendido quando comparado a formulações convencionais. Para efeito mais eficaz, Oxitetraciclina pode ser utilizado com Maxitec, anti-inflamatório à base de Meloxicam 3% que possui propriedades antipirética e analgésica, sendo indicado para o tratamento de inflamação, febre e dor associados às injúrias musculoesqueléticas, teciduais ou viscerais. E, para contribuir com o rápido retorno a produtividade, os medicamentos podem ser administrados com ADE, solução injetável à base de Vitamina A, Vitamina D3 e Vitamina E, indicada para animais que possuem deficiência clínica ou subclínica dessas vitaminas e auxiliam na recuperação animal.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.