Conectado com
OP INSTAGRAM

Suínos / Peixes

Conab atende demanda da ABCS e realiza o primeiro Leilão de Milho

Nesta primeira operação foram liberadas 200 mil toneladas do cereal, mas medida ainda não é suficiente para atender o setor

Publicado em

em

A Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) conseguiu junto à Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) disponibilizar modalidade Leilão de milho aos criadores filiados ao Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais (Sican), ao público do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), às cooperativas, associações e demais agentes. Ao todo, foram liberadas 200 mil toneladas do cereal e, segundo dados da Conab, cerca de 30% da oferta, o equivalente a 58 mil toneladas, foram vendidos no dia 27 de abril. As operações fazem parte da estratégia do governo federal de atender a demanda dos criadores devido ao alto preço do cereal no mercado, resultado de especulações.

O presidente da ABCS, Marcelo Lopes, reforçou que a Portaria, publicada no dia 19 de abril, que autorizou a liberação dos leilões, foi vista com bons olhos e reconheceu o esforço por parte do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para atender o setor.  “Mais uma vez o Ministério está atento às demandas da suinocultura, visto que o Leilão de milho foi um pleito da ABCS junto à Pasta. Entretanto, a modalidade não vai conseguir atender de forma ampla os suinocultores, já que os estoques de milho estão no estado do Mato Grosso e a maior parte da produção se encontra nos estados da Região Sul”.

No primeiro anúncio do Leilão, houve a expectativa de liberação de milho estocado nos estados do Mato Grosso (MT) e Santa Catarina (SC), porém, apenas o milho mato-grossense foi liberado. Segundo o analista de mercado da Conab, Thomé Guth, o milho estocado nos estados do Sul é destinado a atender a modalidade de venda balcão e não os leilões. "Para ser realizado Leilão dos estoques existentes na região sul do país seria necessária uma nova Portaria autorizando esta operação", explicou. Para o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi, o Leilão não foi eficaz para os suinocultores desta região do país. “Hoje não temos competitividade para subsidiar o frete do cereal disponibilizado no Mato Grosso, ou seja, a modalidade atendeu o setor em partes”.

Lopes explicou que um dos pleitos da entidade nacional ao MAPA e ao Ministério da Fazenda é a necessidade de se realizar a subvenção econômica do milho, por meio de leilões de Valor de Escoamento de Produto (VEP). “O VEP com certeza atenderá os produtores da região centro sul do país, pois é uma maneira de escoarmos o cereal sem que o produtor arque com o alto custo do frete”.

Para o diretor executivo da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Custódio Rodrigues, a medida foi morosa. “Acredito que o edital do Leilão poderia ter saído antes, pois daqui uns dias já estamos colhendo o milho safrinha e consequentemente as especulações vão diminuir". O diretor pontuou ainda sobre o preço cobrado pelo cereal no Leilão. “O produtor pagou quase o valor que o mercado estava vendendo – R$ 27,00, esperávamos preços menores”, ressaltou.

De acordo com informações da Conab, ainda serão realizados outros Leilões de milho.  O próximo está marcado para o dia 8 de maio e haverá uma oferta de mais 200 mil toneladas. A Companhia foi autorizada pelo Conselho Interministerial de Estoques Públicos de Alimentos (Ciep) a vender até 1 milhão de toneladas do cereal.

Fonte: ABCS

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + dois =

Suínos / Peixes Segundo Embrapa

Custos de produção de suínos têm alta recorde em 2020

Custos de produção de suínos acumularam percentuais recordes de aumento no ano de 2020

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os custos de produção de suínos acumularam percentuais recordes de aumento no ano de 2020 segundo a CIAS, Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, que disponibiliza os números no site embrapa.br/suinos-e-ave/cias.

O ICPSuíno encerrou 2020 com alta de 47,28%, marcando 375,17 pontos (em dezembro de 2019, o índice era de 238,75 pontos). Somente os custos com a alimentação dos animais subiram 42,05% em 2020. Mas, com a queda do ICP verificada em dezembro passado (-3,07%), o custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina baixou para R$ 6,56 ante os R$ 6,77 obtidos em novembro. Para comparação, em janeiro de 2020 o custo era de R$ 4,27 por quilo de suíno vivo.

Segundo o analista Ari Jarbas Sandi, da área de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves, em 2020 houve os maiores custos de produção da história, desde que o levantamento é feito pela Embrapa. “Fiz um apanhado dos últimos três anos – 2018, 2019 e 2020 – e no ano passado, o milho, por exemplo, que é um dos principais itens utilizados na produção de ração variou 62,3% o preço durante o ano, um dos itens que mais impactou, acompanhado do farelo de soja com um aumento de 67,5%. Tivemos em contra partida também o aumento do preço do suíno vivo praticado no mercado independente, que chegou a 57,8%. Comparado a 2018, por exemplo, o suíno vivo variou negativamente ao valor de 6,04%. Ou seja, os custos de produção no ano de 2020 foram elevados, contudo o preço praticado na praça também foi bom em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná”, conta.

Sandi conta que em 2020 o preço do milho começou em janeiro com R$ 0,81 por quilo grama e terminou em dezembro com R$ 1,35, sendo o maior valor praticado no mês anterior, ou seja em novembro com R$ 1,41. O farelo de soja também iniciou o mês de janeiro de 2020 com R$ 1,48 por quilo grama tendo o seu maior custo no mês de novembro a R$ 2,89. E o preço do suíno no mercado independente passou de R$ 5,11 em janeiro para R$ 7,56 em dezembro, tendo também em novembro o seu maior preço de mercado (R$ 8,73 por quilo grama).

Já no caso da integração, da suinocultura industrial, o analista explica que os preços foram um pouco diferentes, um pouco mais baixos. “Ele iniciaram janeiro com R$ 4,61 e finalizou dezembro ao valor de R$ 6,84 o quilo grama, tendo o menor valor praticado em maio e junho de 2020 ao valor de R$ 4,50”, diz.

De acordo com ele, o item que mais impactou nos custos totais de produção de suínos foi a alimentação que em Santa Catarina foi de 79,7%, sendo superado apenas no mês de novembro com 82,8%. Já os custos variáveis, ou seja, aqueles que geram desembolso no fluxo de caixa, representaram 94,3% dos custos totais de produção do suíno. Os demais 5,6% são relativos ao custo de oportunidade do capital investido e também das depreciações das instalações e equipamentos.

Sandi explica que nos Estados do Paraná e Rio Grande do Sul a alimentação também foi o item que mais impactou nos custos, sendo 77,3% no Paraná e 78,2% no Rio Grande do Sul. “O maior custo de produção de suínos entre os três Estados do Sul foi de R$ 6,67 no mês de novembro, tanto em Santa Catarina quanto no Rio Grande do Sul, e o menor custo médio anual foi no Paraná com R$ 5,03”, esclarece.

O analista ainda destaca os itens que merecem atenção do suinocultor na produção de suínos: gestão das informações técnicas da granja, como a quantidade de leitões nascido vivos por parto por matriz ao ano e o peso de suínos vivos comercializados por matriz ao ano; gestão do estoque de matéria prima utilizada para industrialização de rações, bem como dos insumos utilizados na profilaxia do rebanho e na biossegurança da granja; também gestão sobre os custos com tratamento e transporte de dejetos; gestão sobre os recursos humanos utilizados para o manejo da granja; mão de obra qualificada associada a tecnologia de equipamentos e processos. “Estes itens costumam ser o diferencial para o sucesso de granjas comerciais de suínos e também de frangos de corte em nosso país”, afirma.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Mercados Asiáticos e EUA fortalecem embarques de carne suína em 2020

Vendas para o mercado asiático foram principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

No ano em que as exportações brasileiras de carne suína registraram recorde histórico – com 1,02 milhão de toneladas (+36%), número já divulgado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) – as vendas para o mercado asiático foram o principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira.

Ao todo, a Ásia importou 800,2 mil toneladas em 2020, volume que superou em 66,9% o desempenho registrado ao longo de 2019. A China, líder entre os países importadores (com 50,7% de participação das exportações totais do Brasil) foi destino de 513,5 mil toneladas, volume 106% superior ao exportado em 2019. Vietnã, com 40,3 mil toneladas (+198%), Cingapura, com 52,1 mil toneladas (+50%) e Japão, com 11,5 mil toneladas (+91%) também apresentaram alta nas vendas no ano passado.

Os países da África também se destacaram entre os destinos, com 60,9 mil toneladas (+5,3%). O mercado angolano é o maior destino da região, com 28,4 mil toneladas (+5,6%).

Para os destinos das Américas foram exportadas 128,1 mil toneladas (-5,9%). Os Estados Unidos importaram, no período, 7,9 mil toneladas (+30,4%).

“Os impactos da Peste Suína Africana na Ásia, que determinaram o ritmo das vendas de 2020, devem continuar a influenciar as vendas dos exportadores brasileiros no mercado internacional em 2021”, avalia o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua.

Conforme os levantamentos da ABPA, foram habilitadas 15 novas plantas exportadoras de carne suína, para destinos como Chile, Filipinas, Singapura, Vietnã e África do Sul.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo Cepea

Setor suinícola pode registrar mais um ano favorável

Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar das dificuldades provocadas pela pandemia de covid-19, a suinocultura brasileira encerrou o ano de 2020 com preços, abate e embarques recordes. Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a demanda externa por carne suína deve continuar firme, sustentada pelas compras chinesas, ao passo que a procura interna deve ser favorecida pela possível retomada econômica.

Os custos de produção, contudo, devem continuar sendo um grande gargalo ao setor em 2021. Isso porque os valores dos dois principais componentes da ração, o milho e o farelo de soja, devem se manter altos neste ano, tendo em vista as aquecidas demandas interna e externa por esses grãos.

Esse cenário tende a pressionar, por mais um ano, o poder de compra dos suinocultores.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.