Conectado com

Notícias

Compost Barn e Freestall é tema de palestra e lota auditório do Itaipu Rural Show

A escolha entre o sistema de compost barn ou freestall deve se dar a partir dos elementos que se tem disponível na propriedade ou ao alcance de cada empresa rural

Publicado em

em

Na tarde de hoje, 25, o Itaipu Rural Show realizou importante palestra sobre Compost Barn e Freestall – Pontos Positivos e Negativos; Quem pode e como investir; E quem deve prosseguir ou parar, com o Palestrante – Sandro Luis Viechnieski. O evento ocorreu no auditório do pavilhão 01 e teve inicio às 14 horas.

O palestrante comenta que a margem de rentabilidade do setor é exprimida, mas ainda assim é um negócio rentável e é necessário que o produtor saiba decidir por qual investimento realizar e este investimento deve ser muito bem feito. “Toda questão de construção em especial a de compost barn vem se tornando uma realidade muito rápida no Brasil, já o freestall existe há muito tempo. O que estamos vivendo em nível de Brasil vendo sistemas de compostagem é que estes investimentos muitas vezes não dão o retorno esperado a longo prazo, muito pelas técnicas que estão utilizando, sejam elas de construção ou de manejo”, explica Sandro. O aproveitamento de construção, o que é natural da maioria dos produtores, em aproveitar o que se tem dentro da fazenda também pode ser uma prática falha, conforme o palestrante.  

A escolha entre o sistema de compost barn ou freestall deve se dar a partir dos elementos que se tem disponível na propriedade ou ao alcance de cada empresa rural. O segundo item a ser analisado é o quanto se quer trabalhar com os dejetos, o que pode ser um grande problema ou uma grande solução, finaliza o instrutor.

André Balestrini – Coordenador Técnico do setor Leiteiro da Cooperitaipu explica que o objetivo em trazer uma palestra com este tema para o evento se dá pela importância em avaliar cuidadosamente em qual tipo de sistema o produtor deve investir, para que o processo aconteça de forma correta e que dê o resultado que o produtor espera. “Todo o sistema tem desafios e é necessário que o produtor conheça esses desafios para saber supera-los. Este é um tema que esta crescendo em relevância tendo em vista que as propriedades estão aumentando em número de animais”, salienta André.

Visite o Itaipu Rural Show em sua 20ª edição. A evolução do agronegócio passa por aqui! Acesse o site e conheça a programação da feira e saiba mais www.itaipururalshow.com.br  

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × três =

Notícias Clima

Inmet prevê chuva em todo o país nos próximos 15 dias

Na Região Nordeste, as chuvas devem ser em menor volume de 27 de outubro a 4 novembro

Publicado em

em

Divulgação

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), ligado ao Mapa, divulgou na segunda-feira (19) a previsão do tempo no país entre os dias 19 e 26 de outubro. De acordo com o instituto, a semana deverá ter chuvas em praticamente todo o país.

Na Região Sul, a previsão é de maiores acumulados de chuva no centro do estado do Paraná, que poderão ficar em torno de 80 mm. No Sudeste, não estão descartadas tempestades, com ocorrência de chuva forte, granizo e rajadas de vento, mas as chuvas serão mais escassas no norte de Minas Gerais.

Na Região Centro-Oeste, as chuvas terão maior volume no norte do Mato Grosso do Sul, sul de Goiás e leste do estado de Mato Grosso. “Há possibilidade de ocorrência de chuva forte e rajadas de vento em algumas áreas da região”, diz o boletim meteorológico semanal nº 41.

No Norte, os acumulados deverão variar entre 10 e 90 mm no Amazonas, sul do Pará e em Rondônia.

Figura 1: Previsão de chuva para 1ª semana. Fonte: Inmet

No período de 27 de outubro a 4 de novembro de 2020, “a semana deverá ter chuvas em todo o Brasil, mas em menor volume, na Região Nordeste”.

“Na Região Sul a tendência é de chuvas volumosos especialmente no oeste dos estados da região e, os acumulados podem chegar aos100 mm. A Região Central e também a Região Sudeste deverão ter chuvas intensas, principalmente nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, onde os acumulados poderão ultrapassar os 120 mm. No Matopiba, as chuvas deverão variar entre 20 e 40 mm, com maior probabilidade de ocorrência em Tocantins e no oeste da Bahia”.

Temperatura

Em relação às temperaturas, haverá pequenas variações no período de 19 a 25 de outubro.

Figura 2: Previsão de temperatura mínima para o dia 20 de outubro às 6 horas. Fonte: Inmet

Fonte: MAPA
Continue Lendo

Notícias Mercado

Valor médio da soja do Paraná se aproxima do observado em Paranaguá

Preços ofertados no mercado interno se aproximam dos verificados nos portos brasileiros

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A soja brasileira começa a ficar menos atrativa aos importadores neste período de entressafra, já que a disponibilidade é baixa e os preços internos estão em patamares recordes. Assim, pesquisadores do Cepea indicam que a demanda se volta aos Estados Unidos, onde a colheita está em ritmo intenso, favorecida pelo clima.

No Brasil, demandantes têm dificuldades em realizar aquisições de novos lotes. Com isso, os preços ofertados no mercado interno se aproximam dos verificados nos portos brasileiros. O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná avançou 2,8% entre 9 e 16 de outubro, a R$ 157,8/sc de 60 kg na sexta-feira (16) e o Indicador ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá (PR) registrou aumento de 2,3% no mesmo período, a R$ 159,44/sc na sexta.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Com alta de 11% na parcial do mês, milho é negociado a R$ 70/sc

Impulso aos valores segue vindo da baixa disponibilidade interna, da maior demanda e da retração de vendedores

Publicado em

em

Divulgação

O Indicador ESALQ/BM&FBovespa (região de Campinas – SP) do milho vem registrando avanço consecutivo há 13 dias e, na sexta-feira (16) atingiu R$ 70,72/saca de 60 kg. Na parcial de outubro, a elevação do Indicador chega a 11,14%.

Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso aos valores segue vindo da baixa disponibilidade interna, da maior demanda e da retração de vendedores, que estão atentos ao clima e ao semeio da safra de verão 2020/21. Além disso, o avanço nos preços internacionais e o dólar em alto patamar também reforçam a valorização doméstica do cereal, tendo em vista que elevaram a paridade de exportação.

Pesquisadores do Cepea ressaltam que esses aumentos nos preços têm preocupado consumidores domésticos do cereal.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.