Conectado com
O Presente Rural Youtube

Avicultura Segundo Cepea

Competitividade da carne de frango pode seguir elevada em 2021

Expectativa é de que a diferença entre os preços da proteína avícola e os das carcaças bovina e suína continue elevada

Publicado em

em

Divulgação/ABPA

Em 2020, a competitividade da carne de frango bateu recorde, e, para 2021, a expectativa é de que a diferença entre os preços da proteína avícola e os das carcaças bovina e suína continue elevada.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a retomada do crescimento econômico tende a ocorrer de forma gradual, e, com isso, o poder de compra dos consumidores deve continuar enfraquecido, o que, por sua vez, pode favorecer as vendas de carne de origem avícola, que é negociada a valores mais baixos que os das concorrentes.

Quanto às vendas externas, apesar do empenho da China (maior comprador da carne brasileira) de aumentar a produção interna de frango, em 2021, as exportações brasileiras para esse destino devem continuar crescentes.

Além disso, espera-se que outros países também elevem as aquisições, como é o caso do Japão, o terceiro maior parceiro comercial do Brasil nesse segmento.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − dez =

Avicultura Avicultura

Avicultura também tem espaço especial na EuroTier 2021

Temas como bem-estar, saúde animal na avicultura bem como a proibição do abate de pintinhos estarão em discussão.

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Conhecimento especializado para a indústria pecuária internacional poderão ser conferidos de 9 a 12 de fevereiro de 2021 durante a EuroTier digital.

Os detalhes da programação técnico digital que faz parte da “EuroTier digital” foram anunciados recentemente. Com o novo formato, o DLG Spotlight “Aves” que faz parte do programa técnico, a DLG (Sociedade Agrícola Alemã), organizadora da EuroTier digital, em cooperação com a ZDG (Associação Alemã de Aves), oferecerá extenso know-how prático sobre questões atuais e conhecimento especializado durante o evento que esse ano ocorre, exclusivamente online.

Serão em torno de 20 programas voltados especificamente para a avicultura, que poderão ser acompanhados na plataforma digital da feira, https://eurotier.digital.dlg.org/ dentro da área “Programa Técnico”.
Após cada tópico de apresentação, os visitantes poderão se juntar ao vivo e participar de um fórum de discussão, tirar dúvidas e trocar ideias. Os tópicos profissionais abrangem todas as questões relevantes na indústria avícola, desde bem-estar animal e saúde animal na avicultura até a proibição do abate de pintinhos.

Em dois dias, 9 e 11 de fevereiro, durante o evento digital de quatro dias, acontecerão na DLG dois eventos noturnos em formato de talk show e um tema avícola dedicado, no âmbito do “Evento Internacional de Aves”, organizado pela ZDG, European Poultry Club (EPC) e DLG.
Dando início à noite avícola em 9 de fevereiro, várias personalidades de alto perfil da indústria avícola estarão se dirigindo ao público ao vivo. Orientado pelo tema “Avicultura – Quo vadis?” eles compartilharão suas visões para o futuro diretamente com os espectadores. Na segunda noite da programação especial de avicultura em 11 de fevereiro, especialistas de todo o mundo discutirão os efeitos da gripe aviária e da Covid-19 nos mercados de aves. O público é convidado a participar da discussão.

Nenhum equipamento técnico especial é necessário para “visitar”(acompanhar) a “EuroTier digital”. Para participar é necessário apenas um computador ou laptop com funções de vídeo e áudio. Para os interessando em acompanhar o evento é necessário adquirir um bilhete, que é válido para várias visitas durante os quatro dias. Esta opção está disponível para compra online.
O evento terá a opção de idiomas em Inglês ou Alemão, ou ambos.

A programação completa pode ser conferida no site https://www.eurotier.com/en/technical-programme/event-calendar#!/events/tag/Poultry

O PRESENTE RURAL, que já participou de 4 edições do evento como mídia convidada, é mais uma vez mídia parceira da EuroTier 2021.

Fonte: O Presente Rural com informações da Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Avicultura paranaense cresce acima de 4% em produção e exportação no ano de 2020

Ao todo, 1,95 bilhão de aves foram abatidas no estado do Paraná, segundo dados do Sindiavipar

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A atividade avícola no Paraná mostrou a sua força em 2020. Mantendo suas atividades durante a pandemia da Covid-19 e alimentando famílias de todo o mundo, o setor apresentou crescimento nos índices de produção e exportação de frango. Ao todo, 1,95 bilhão de aves foram abatidas no estado, segundo dados do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná – Sindiavipar. O número é 4,5% superior à produção de 2019, quando 1,87 bilhão de aves foram abatidas.

O presidente do Sindiavipar, Irineo da Costa Rodrigues, destaca que o principal problema enfrentado mundialmente no ano passado foi a pandemia, que exigiu adaptações e investimentos. Entretanto, foi preciso também a compreensão, de alguns segmentos da sociedade, de que a área de alimentos era tão importante quanto a da saúde, e que não poderia parar. “O setor de alimentos do Brasil provou que é possível se adaptar e manter a produção em condições saudáveis. Sempre tivemos um rigor muito alto com a higienização, antes mesmo do surgimento da pandemia”, explica. Rodrigues ainda reforça que um dos pilares da força do segmento continua sendo a sanidade.

Exportação

Embarcando seu produto para mais de 160 países, a avicultura paranaense também apresentou alta na exportação em 2020, mantendo-se como maior produtora e exportadora de carne de frango no país. De acordo com o portal Comex Stat, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, no Paraná, 1,64 milhão de toneladas foram enviadas ao exterior, o que representa 33,68% do total produzido no estado. Comparado com 2019, quando 1,58 milhão de toneladas foram exportadas, o aumento nos embarques foi de 4,2%. Com estes números, o Paraná foi responsável por 39,62% de todos os embarques de produtos avícolas feitos pelo Brasil.

Ainda segundo o Comex Stat, os principais compradores da carne de frango paranaense foram: China (354,8 mil toneladas), África do Sul (139,9 mil toneladas), Emirados Árabes (118,5 mil toneladas), Japão (114,3 mil toneladas) e Arábia Saudita (92,9 mil toneladas). O total das exportações resultou em uma receita de US$ 2.319.783.641, valor 9,6% menor que o de 2019.

Expectativas

Conforme a vacinação contra a Covid-19 for avançando no Brasil, e seus efeitos forem percebidos, será possível a retomada da economia e o aumento nos postos de trabalho, a expectativa do setor é positiva. “O agro brasileiro se saiu bem em 2020, em plena pandemia, e para nós as perspectivas para 2021 são muito boas. Esperamos um ano melhor, no qual a economia brasileira vai ter um crescimento significativo, termos mais emprego, e maior renda para consumo de alimentos, portanto estamos bem otimistas”, finaliza o presidente do Sindiavipar.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Opinião

Em tempos de pandemia, cuidados com biosseguridade na avicultura se tornam cada dia mais fundamentais

Independente do desafio sanitário, o controle do programa de biosseguridade é feito de acordo com a tendência atual do mercado

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Eduardo Conte, médico veterinário e especialista em Saúde Animal

Nos últimos anos foi possível observar no sistema de produção intensivo de proteína animal, no Brasil e no mundo, um aumento significativo das pressões nos aspectos e desafios sanitários. Um exemplo da história recente é o advento da Influenza Aviária, em 2006, quando o vírus se adaptou ao homem transformando-se em um problema mundial de caráter emergencial e zoonótico.

Esse vírus, em função principalmente da movimentação das aves migratórias da Ásia, assim como dos indivíduos de uma região a outra, causou um risco pandêmico para o mundo, motivo pelo qual as autoridades sanitárias de produção animal adotaram medidas mais rigorosas para controle de pessoas e programas de isolamento. Nesse sentido, o Brasil ganhou destaque.

Isso porque, desde o surgimento do primeiro quadro até hoje, o Brasil não registrou nenhuma incidência da enfermidade, evidenciando a qualidade do sistema de controle de produção e das medidas de biosseguridade e segurança adotadas no país.

Além disso, outras espécies animais, ao longo desses últimos anos, têm sofrido com situações nas quais a pressão viral tem comprometido tanto os aspectos financeiros quanto zootécnicos da produção animal. Recentemente o Senecavírus causou danos no mercado de suinocultura, com perdas econômicas também no Brasil, no entanto, a rápida ação de todas as entidades envolvidas para a execução das medidas de segurança tem surtido efeito, e o controle efetivo na área de produção animal diminuiu o impacto.

Independente do desafio sanitário, o controle do programa de biosseguridade é feito de acordo com a tendência atual do mercado. Por exemplo, o Brasil, um grande exportador de proteína animal, segue principalmente a legislação do mercado Europeu, onde as normas de produção e controle de aditivos, com foco em qualidade, programas de melhorias de trabalho, bem-estar animal e ambiência, buscam oferecer ao consumidor final uma qualidade de proteína com custos competitivos e isentos de contaminantes e micro-organismos, assim como um melhor resultado econômico.

Nesse sentido, a avicultura brasileira cresceu e deve continuar crescendo, não só como um grande produtor global, mas principalmente como um país referência na exportação de carne segura para diversos países do mundo. Parte do sucesso desse trabalho está relacionado aos protocolos de controle de biosseguridade e biossegurança estabelecidos no Brasil.

Biosseguridade e biossegurança no sistema de produção

Dentro do sistema produtivo é importante saber diferenciar a biosseguridade da biossegurança, embora ambas tenham finalidades semelhantes, na prática são bem diferentes.

A biosseguridade engloba tudo o que é desenvolvido em termos de produção animal e vegetal para minimizar os riscos da entrada de patógenos no sistema produtivo. Esse sistema de controle com programas de biosseguridade trazem normas mais flexíveis e tem a premissa de melhorar a saúde animal e das plantas, assumindo alguns riscos no sistema de produção.

O programa de biosseguridade se caracteriza por um conjunto de regras de manejo, protocolos e procedimentos que são destinados à redução de risco de entrada ou a disseminação de doenças. Em produção animal, ele visa uma melhor eficiência na produção, com uma redução de riscos e melhora nos custos de produção.

Quando falamos em programa de biossegurança, ele é direcionado à saúde humana, as normas são permanentes e o risco é zero, ou seja, o indivíduo precisa estar 100% protegido. Esse tipo de protocolo é utilizado comumente em laboratórios de pesquisas com organismos geneticamente modificados, laboratórios de vacinas e medicamentos, sempre por indivíduos que trabalham em áreas de alto desafio sanitário, como é o caso dos profissionais da linha de frente da Covid-19.

Criar barreiras protetivas para a produção animal é o foco de um programa de biosseguridade, a avicultura de corte brasileira é hoje referência em programas dessa categoria. Tanto os mercados de postura comercial e suinocultura apresentaram investimentos nessa área nos últimos anos, assim como a produção de camarão, peixes e agrícola.
Um ponto importante do programa de biosseguridade é, portanto, a redução da pressão de infecção, ou seja, a carga infectiva de um determinado ambiente, de forma que ele consiga obter resultados econômicos e zootécnicos com baixo risco de contaminação.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Euro 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.