Conectado com
OP INSTAGRAM

Pet

Como um pet pode transformar as nossas vidas: conheça os benefícios da interação humano-animal

O convívio diário com gatos e cães ajuda a criar senso de responsabilidade, além de reduzir a solidão e o sedentarismo.

Publicado em

em

Divulgação/Pexels

Não é novidade que os animais desempenham um papel importante em nossa rede de apoio, deixando a vida mais ativa e feliz. A convivência com gatos e cães traz diversos benefícios para todas as fases da vida humana.

Pesquisas demonstram que a presença de pets nas casas de crianças, por exemplo, pode causar efeitos positivos no desenvolvimento cognitivo e aprendizado de vocabulário.

Não é à toa que o crescimento de aquisição de animais de estimação aumentou durante a pandemia. Um estudo recente conduzido pelo canal especializado Journal of Veterinary Behavior com 1.300 respostas coletadas em três semanas de distanciamento constatou que os animais de estimação trazem benefícios para saúde mental e ajudaram as pessoas a enfrentar as consequências do confinamento, que incluem a solidão como principal sintoma.

O convívio diário com gatos e cães também pode ajudar a aliviar sintomas relacionados à solidão e sentimento de isolamento, diminuindo os níveis de estresse e aumentando os hormônios que trazem a sensação de felicidade e bem-estar nos seres humanos.

Quer saber mais sobre como os pets podem ajudá-lo a ter uma vida mais feliz e saudável? Confira os estudos da Mars Petcare sobre o assunto.

Seu cão pode te ajudar a ter hábitos mais saudáveis

Estudos indicam uma associação entre ser tutor de um pet e uma vida mais longa. De acordo com estudos do Centro de Nutrição e Bem-Estar Animal WALTHAM®, parte da Mars Petcare, ser tutor de um gato ou cão agrega benefícios em diversos aspectos da vida, incluindo a saúde física, já que nos estimulam à prática diária de exercícios físicos, através de passeios ou até mesmo das brincadeiras dentro de casa.

Os pets contribuem para a nossa saúde mental

A grande maioria dos tutores de gatos e cães atestam que conviver diariamente com seu pet tem impacto positivo na sua saúde mental. Não é à toa que são conhecidos como os “melhores amigos do homem”. Eles transmitem uma sensação de segurança e bem-estar, além de ajudar a lidar com o estresse, a ansiedade e a depressão.

Seu pet também tem necessidades emocionais

A saúde mental dos pets também deve ser motivo de atenção para os tutores, principalmente em períodos de mudanças e instabilidade. As questões emocionais contribuem para o bem-estar de um animal de estimação durante sua rotina e o tutor deve ter atenção caso o pet apresente algum comportamento diferente, demonstrando estresse ou angústia

Pets são companheiros, mas exigem compromisso

Observando todas as vantagens de se conviver com um pet, é fácil imaginar que muitas pessoas adorariam ser tutores de um gatinho ou cãozinho, principalmente em momentos de isolamento. Entretanto, a decisão de adquirir um pet deve ser planejada para garantir uma guarda responsável.

O futuro tutor deve avaliar antes se possui reais condições de dedicar tempo para proporcionar uma rotina saudável ao pet, além de arcar com as despesas para os cuidados com sua saúde. Assim, é possível evitar os abandonos de animais.

Fonte: Assessoria Royal Canin
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 11 =

Pet Você Sabia?

Coceira excessiva em pets pode ser sintoma de alergia

Na maioria das vezes, a coceira dos pets não é algo que causa preocupação nos tutores. Porém, quando começa a ocorrer de forma intensa e contínua, o alerta deve ser ativado.

Publicado em

em

Melvin Quaresma/DrogaVET

Na maioria das vezes, a coceira dos pets não é algo que causa preocupação nos tutores. Porém, quando começa a ocorrer de forma intensa e contínua, o alerta deve ser ativado.

É o que afirma a veterinária da DrogaVET, Alessandra Farias, explicando que a constância desse comportamento pode indicar a presença de alguma alergia, comprometendo o bem-estar e a saúde do animal de estimação. “Os tipos de alergia mais comuns que acometem os pets são a dermatite alérgica por picada de pulga, por alergia alimentar e por atopia. Trata-se de uma reação exacerbada do organismo do cachorro a alguma substância ou ao próprio ambiente, no caso da atópica, e, assim como nós humanos, cada pet reage de um jeito a cada tipo de substância. Então, quando o coça-coça se torna mais intenso é importante investigar” orienta a veterinária.

As causas das alergias em pets são inúmeras. Segundo a profissional, até mesmo os pets que tomam banho semanalmente e fazem uso do secador podem desenvolver alergia por terem predisposição ao ressecamento da pele, por exemplo. “Outro fator preponderante é o estresse. Os cães necessitam de passeios e brincadeiras, já os felinos necessitam de um ambiente rico em distrações, com caixas e obstáculos, por exemplo. A ausência desses momentos de descompressão pode dar origem a alergias e até automutilações”, alerta a Alessandra.

Ao sinal de coceira ininterrupta e lambedura constante das patas ou corpo, a especialista orienta o tutor a visitar um veterinário para identificar a causa do coça-coça. “As alergias, normalmente, são multifatoriais e necessitam de exames clínicos, laboratoriais e acompanhamento médico de médio a longo prazo, para que se possa analisar o contexto e o histórico do paciente, objetivando o tratamento mais compatível ao caso”, detalha Alessandra.

Um aliado do tutor no tratamento de alergias atópicas e dermatites são os medicamentos manipulados. “A manipulação veterinária permite unir matérias-primas que ajudam a tratar as alergias. O uso do fitoterápico com princípios fármacos é um aliado para reduzir os sintomas. Além disso, há opções de fórmulas farmacêuticas manipuladas para cada caso, como: xampus, mousses e loções que diminuem o prurido”, finaliza a especialista.

Fonte: Assessoria DrograVET
Continue Lendo

Pet Mês das Crianças

Entenda por que não é recomendado dar um pet de presente para os pequenos

Na corrida pela escolha do presente, não é raro que um gato ou cão se torne uma opção irresistível. Mas é importante lembrar que ter um pet traz responsabilidades emocionais e financeiras, por isso, a tutela deve ser planejada.

Publicado em

em

Divulgação/Pexels

O mês de outubro chegou e, com ele, o Dia das Crianças. Por conta disso, muitos adultos já ficam na expectativa para escolher o presente ideal e podem acabar utilizando a data para presentear os pequenos com um pet. Mas será que um gato ou cão seria a melhor escolha de presente para essa data?

De acordo com os dados coletados pela Comissão de Animais de Companhia (Comac), a principal porta de entrada dos animais de estimação nas famílias brasileiras é por meio da adoção ou como um presente. É o que aponta a porcentagem de tutores que foram presenteados, sendo 44% com cães e 31% com gatos.

A intenção de quem presenteia é sempre a melhor, afinal ser tutor de um animal de estimação pode ser uma das experiências mais surpreendentes na vida de uma criança. Pesquisas feitas pela Waltham (Petcare Science Institute) mostram que a convivência com gatos e cães beneficia crianças e adultos de forma geral, reduzindo estresse, medo, fadiga e tristeza e também ajudando no desenvolvimento emocional e social. Sem contar que é gratificante para os animais também, porque muitos se encontram em situação de abandono ou maus tratos. No entanto, presentear a criança com um pet é mais do que um momento de alegria, trata-se de um compromisso de longa data, por toda uma vida.

Para os especialistas da Royal Canin, antes de se tornar tutor de um pet é necessário realizar uma pesquisa prévia para identificar as características e o perfil dele, incluindo dados de comportamento, personalidade e nível de energia, a fim de encontrar um pet que tenha sinergia com o cotidiano e perfil da família para uma adaptação positiva e posse responsável.

Ter um pet também significa cuidar dele durante toda a sua vida e, para isso, é importante manter hábitos saudáveis para que tenha uma vida promissora. Além disso, é fundamental criar condições ideais para que o gato ou cão se sinta feliz, seja sociável, bem-comportado e que enriqueça a vida da família e da sociedade, reduzindo riscos de abandono.

A Royal Canin, sempre comprometida com o bem-estar e posse responsável dos animais, mapeou sete pontos essenciais que devem ser levados em consideração antes de adquirir um gato ou cão:

1. Qual perfil de pet é o mais recomendado?

Cada gato e cão é diferente. Seu tamanho, idade, níveis de energia e temperamentos podem afetar a dinâmica familiar. Consultar um Médico-Veterinário é um recurso-chave para a busca por informações confiáveis. Eles podem, até mesmo, recomendar criadores, ONGs e abrigos de animais abandonados que adotem diretrizes de bem-estar responsáveis.

2. Você tem condições financeiras para assumir as despesas?

Ter um pet em sua família gerará gastos extras. Lembre-se que o orçamento dedicado precisa atender as despesas de rotina como, por exemplo, alimentos, brinquedos, vacinas, visitas regulares ao Médico-Veterinário e cuidados necessários com a higiene.

3. Você já decidiu quem vai cuidar da saúde do seu pet?

Escolha um Médico-Veterinário antes do seu pet chegar e pesquise por potenciais cuidadores para cuidar dele na sua ausência. É importante apresentá-los ao pet antes de contratá-los.

4. Existem condições especiais de saúde ou necessidades alimentares que o seu futuro animal de estimação pode ter?

Saiba o que seu novo pet precisa para estar saudável e feliz em casa com você.

5. A agenda da sua família é agitada?

A guarda responsável também inclui o planejamento de cuidados do tutor. Todos podem ajudar a cuidar do pet – alimentação, exercícios, adestramento e brincadeiras – ou a responsabilidade estará só com você? É recomendado refletir.

6. Você pesquisou por locais de adestramento e /ou está disposto a dedicar tempo para isso?

Além de amor e atenção, os pets também devem passar por um processo de aprendizado. Ensinar seu cão, por exemplo, requer paciência, dedicação e persistência – e também tempo e recursos.

7. Sua casa está preparada para receber o pet?

Algumas raças precisam de mais estímulo mental e de um espaço maior, enquanto outras, são mais adequadas para ambientes menores. O espaço físico que será disponibilizado para do o seu animal de estimação é importante. Para receber um gato, por exemplo, é necessário telar todas as janelas para evitar fugas e acidentes.

Não dê um animal de estimação de presente, mas planeje para ter um. Contar com um gato ou um cão na família é uma das experiências mais gratificantes. Com o planejamento correto, ele terá um lar feliz e os cuidados necessários para a vida toda.

Fonte: Royal Canin
Continue Lendo

Pet Saúde dos animais domésticos

Conheça três dicas de cuidados essenciais com os pets na Primavera

Insetos, plantas tóxicas e alergias são mais comuns nessa época do ano. Especialista da Royal Canin orienta como proteger os pets e preparar a casa para a época mais colorida do ano.

Publicado em

em

Divulgação/Royal Canin

A primavera chegou e, com ela, o desabrochar de flores, que deixam os ambientes mais bonitos e perfumados. Porém, para quem tem pets em casa, esse também é um momento que exige bastante atenção e cuidados, pois a estação do ano mais colorida é sinônimo de alergias, irritação e pode elevar o risco de intoxicação.

“Assim como nós, os pets também podem ter alergias que se agravam nesta época. Além disso, parasitas externos são mais comuns durante esta estação do ano, e além das irritações na pele, são responsáveis pela transmissão de diferentes doenças, podendo algumas delas até mesmo agravarem quando não diagnosticadas a tempo”, alerta Priscila Rizelo, médica-veterinária e coordenadora de Comunicação Científica da Royal Canin.

Se você quer saber como manter o seu gato ou cão protegido e ainda aproveitar a primavera, confira as dicas que Royal Canin separou:

Como evitar alergias nos pets?

A primavera é sinônimo de flores, mas também de alergias respiratórias. Alguns pets sofrem com esse problema, causado por poeiras, fungos e pólen. Entretanto, a manifestação é diferente da dos humanos. Em vez de espirrar, os gatos e cães tendem a desenvolver coceiras e irritações de pele. Isso ocorre, pois, ao ter contato com o alérgeno, o organismo desencadeia uma reação alérgica, ou seja, uma hipersensibilidade na pele, causando sintomas como vermelhidão, coceira, descamação e outras lesões. Para tentar acalmar o local, o pet acaba lambendo e coçando a região, provocando feridas e irritações.

Para amenizar o problema, algumas medidas de prevenção devem ser adotadas, como limpar as patinhas dos pets ao voltarem dos passeios, manter a umidade do ambiente nos dias mais secos e deixar sempre à disposição água fresca. O tutor também deve evitar passeios em locais com uma grande quantidade de flores, para minimizar o contato do animal com o pólen.

Além disso, manter a cama e os locais favoritos de descanso do seu cão limpos, pois isso ajuda a remover a poeira e a caspa, um terreno fértil para parasitas que causam coceira. Os cães também devem tomar banho para ajudar a remover agentes irritantes da pele, mas sempre com um xampu adequado para eles. Já os gatos não devem tomar banho regularmente.

Loções hidratantes também podem ajudar. E enquanto você cuida da pele do seu cão, preste atenção a qualquer arranhão. Se seu cão está machucando a pele, é hora de uma visita ao Médico-Veterinário.

Xô parasitas externos! Como faz?

Outro agravante dessa estação é o aumento da incidência de parasitas externos, como pulgas, carrapatos, moscas e pernilongos. Eles são os responsáveis pela transmissão de doenças que, se não diagnosticadas a tempo, podem ser fatais. “Nesta época do ano, os passeios com os gatos e cães são mais frequentes, por isso, deve-se manter a aplicação do ectoparasiticida em dia”, indica a profissional.

Além disso, é preciso ter cuidado também com abelhas e formigas que, apesar de não serem insetos transmissores de doenças, podem ocasionar crises alérgicas nos pets através de suas picadas.

Pets e plantas: cuidado em dobro!

Sabemos que os pets são seres curiosos e que adoram novidades e a primavera é a melhor época para deixar a casa mais colorida com plantas e flores. Porém, antes de escolhê-las, é preciso saber que algumas espécies de plantas possuem substâncias que são tóxicas para os animais, podendo colocá-los em risco, caso entrem em contato direto com essas plantas ou ingerirem uma parte delas.

As plantas tóxicas mais comuns são lírios, dama da noite, hera, glicínia, espada de são jorge, comigo-ninguém-pode, costela de adão, jiboia, copo de leite, samambaia, violeta, hibisco, avenca, tulipa entre outras. Mas isso não significa que você não pode tê-las em casa, só deve deixar em um local longe do alcance do seu pet.

E, caso ele goste de interagir com plantas, existem alternativas que não causam danos, como a orquídea, além de ervas como hortelã e manjericão. A valeriana ainda tem propriedades calmantes e pode ser uma boa escolha para pets agitados.

Fonte: Royal Canin
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.