Conectado com
OP INSTAGRAM

Empresas Bovinos

Como fazer uma boa estação de monta usando as melhores estratégias de inseminação artificial

Devemos usar estrategicamente as vacinas pré-estação de monta ou junto da IATF para conseguir os melhores resultados.

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

*Por Reuel Luiz Goncalves
Gerente Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó

Recentes trabalhos conduzidos pelos Departamentos de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo – FMVZ/USP, campus de São Paulo e campus de Pirassununga em parceria com a Biogénesis Bagó demonstraram que a adoção estratégica de do hormônio GnRH (Gonaxal), pontualmente em fêmeas que não apresentaram cio no protocolo de inseminação artificial em tempo fixo (IATF), promove incrementos na taxa de prenhez destes animais que pode variar de 3% a 10%.

Mesmo quando utilizado em massa em todas as fêmeas protocoladas junto do momento da inseminação artificial (IA), esta estratégia tem conseguido incrementos mesmo nos animais que apresentaram cio pré-IA, como nos trabalhos em parceria com a Embrapa de Rondônia, onde usávamos o bastão marcador de cio na anca das fêmeas no D8 do protocolo e no D10. Os animais que não tiveram a marca de bastão retirada, fazíamos o Gonaxal no momento da IA.

Já nos trabalhos em parceria com o Departamento de Reprodução Animal da FMVZ/USP, usamos duas estratégias: a do bastão no D8 e massal (Gonaxal em todas as fêmeas no momento da IA), com excelentes resultados nas duas estratégias.

Outro resultado positivo foi com a utilização do Kit Adaptador® Min e Vit, um suplemento injetável mineral e vitamínico pré-IATF, para combater radicais livres e o estresse oxidativo advindo dos manejos das fêmeas na IATF. Os trabalhos realizados demonstraram que o uso desta suplementação promoveu um incremento da produção de enzimas antioxidativas, entre elas a superoxido dismutase (SOD) nos animais tratados, reduzindo os efeitos deletérios dos radicais livres, melhorando a imunidade e, consequentemente, aumentando a taxa de prenhez dos animais tratados. Com isso, os animais apresentaram maior ciclicidade, maior diâmetro do folículo dominante (FD) e melhor corpo lúteo.

A enzima superóxido dismutase (SOD) catalisa a dismutação do superóxido em oxigênio e peróxido de hidrogênio, considerada uma importante defesa antioxidante na maioria das células expostas ao oxigênio.

Uma estratégia que deve ser adotada com maior ênfase é também o uso de vacinas reprodutivas (Bioabortogen H + Bioleptogen) em todas as fêmeas em reprodução, nulíparas, primíparas, secundíparas e pluríparas. Elas não só ajudam a alcançar bons índices de prenhez na IATF, como também garantem que o fundo de vacada (perdas pós-diagnóstico gestacional) não seja alto. Por isso, devemos usar estrategicamente as vacinas pré-estação de monta ou junto da IATF para conseguir os melhores resultados.

 

Protocolos com bons resultados

Estudos apontam que propriedades que associam IATF com pelo menos uma Ressinc (segunda IATF por sincronização tradicional, precoce ou superprecoce, seguido de repasse de touro por monta natural) conseguem finalizar a estação de monta com índices próximos de 85% de prenhez, podendo alcançar marcas superiores a 90%. Atualmente, uma das estratégias é adoção desse manejo e propriedades que já fazem uma IATF estão buscando intensificar o uso da inseminação artificial com Ressinc.

Também há opção de protocolos já consolidados, como o com três contenções (D0, D8 e D10). Este é um dos mais utilizado devido à sua facilidade de execução pelo menor estresse dos animais (menos contenções) e pelas opções de ajustes de dias e horários para ser executado.

Um exemplo prático de como funciona:

– D0 (manhã) Benzoato de Estradiol (BE) + Dispositivo de Progesterona (P4)

– D8 (manhã) Cipionato de Estradiol (CE) + Prostaglandina (PGF) + Gonadotrofina coriônica equina (eCG)

– D10 (manhã) Inseminação Artificial (IA)

Por que este é o protocolo mais buscado? Porque ele permite opções ao veterinário e/ou fazenda fazer adaptações, pois é possível adiantar o protocolo para D0, D7 e D9 ou atrasar para D0, D9 e D11 em uma eventualidade com resultados de prenhez semelhantes ao tradicional.

 

Produtos e estratégias imprescindíveis

Independente do protocolo escolhido e que mais se adapte à realidade da propriedade, é preciso planejamento e segurança no manejo. Os fármacos devem ser providenciados com antecedência e com pelo menos 5% a mais de produto para uma eventualidade. Entre os produtos necessários para a estação de monta estão o Bioestrogen (BE), Dispositivos de Progesterona (P4) Monodose (Repro One) ou multiuso (Repro Neo), Croni-Cip (CE), Croniben (PGF), Ecegon (eCG), Bastão de Cio, Gonaxal (GnRH) e Kit Adaptador® Min e Vit (suplemento injetável).

Além dos produtos de boa procedência, é fundamental contratar assistência de profissionais capacitados para montar a estação de monta e organizar a IATF na propriedade, como também orientar na aquisição de sêmen e outros insumos.

A orientação que dou é sempre adquirir produtos de boa procedência e tempo de mercado, sendo protocolos fechados da mesma empresa, evitando o uso de protocolos “Frankenstein”, que em caso de algum insucesso, podem ficar sem solução.

Fonte: Assessoria da Biogénesis
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 4 =

Empresas

Biogénesis Bagó inaugura novo banco de vacinas contra a febre aftosa

As instalações funcionam como reserva estratégica de antígenos e vacinas contra a febre aftosa, única na América Latina

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A Biogénesis Bagó, empresa de biotecnologia especializada no desenvolvimento, produção e comercialização de produtos para a saúde e produtividade animal, inaugurou uma nova instalação que amplia a sua capacidade de resposta a emergências para 60 milhões de doses de vacinas contra a febre aftosa e tem capacidade de expansão de acordo com demandas futuras.

O novo centro construído pela empresa, que visa atender à necessidade global de vacinas de “classe mundial” para responder a emergências sanitárias e acompanhar a evolução tecnológica, conta com medidas de segurança e monitoramento de características especiais, abrigando 20 tanques para armazenar antígenos ultraconcentrados em nitrogênio líquido a -180° C. Estes constituem as matérias-primas cruciais para a formulação de vacinas com potência e segurança garantidas em um período inferior a uma semana – enquanto a elaboração de uma vacina através de processos tradicionais leva ao menos três meses – e, desta maneira, permite atender a qualquer emergência, em qualquer parte do mundo, de forma imediata.

“Nossa experiência em atendimento de emergências, juntamente com a nossa constante inovação tecnológica e profissionalização de nosso capital humano, nos consolida como uma referência mundial na luta contra a febre aftosa. Este projeto é um exemplo de nosso compromisso com a evolução da saúde animal e, ao mesmo tempo, com o desenvolvimento do conhecimento e da capacidade de produção da Argentina e da região para o mundo”, afirma Esteban Turic, CEO da Biogénesis Bagó.

A evolução da Biogénesis Bagó como líder global posiciona a companhia como uma das únicas empresas no mundo com capacidade de produção e fornecimento de produtos seguros e eficazes de classe mundial. Este é o resultado da vasta trajetória da companhia, do investimento constante na luta contra a febre aftosa e do trabalho conjunto com organizações científicas e técnicas na Argentina e centros de referência global. Ao mesmo tempo, a cooperação público-privada tem permitido o desenvolvimento de profissionais altamente qualificados, que são a base da evolução tecnológica da empresa.

“A participação em campanhas de emergência e o fornecimento ao SENASA, na Argentina, ao Banco Nacional de Vacinas Animais e Contramedidas Veterinárias do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e ao Banco Norte-Americano de vacinas contra a febre aftosa, que os EUA integram com o Canadá, abriu um precedente sobre as nossas competências e as conquistas que poderemos alcançar a partir desta ampliação”, acrescenta Rodolfo Bellinzoni, diretor de Operações Industriais em Inovação da Biogénesis Bagó e referência mundial no assunto.

Este projeto é parte de um ambicioso plano de investimento e desenvolvimento tecnológico para ampliar a capacidade de produção e os padrões de qualidade das fábricas, que contempla, no futuro, a execução de outras obras relevantes na unidade de Garín com o objetivo de sustentar a expansão global da companhia.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Parceria

Conheça a Novagro, uma parceira Feedis

Juntas empresas buscam levar para o mercado soluções tecnológicas inovadoras voltadas para nutrição de animais de produção

Publicado em

em

Sergio Metzker / Divulgação

A Feedis, empresa especializa em aditivos inovadores para nutrição animal, apresenta mais um parceiro da sua rede. Desta vez é a Novagro, empresa sediada em Pará de Minas (MG), criada em fevereiro deste ano e pelo médico-veterinário Sergio Metzker.

“Criamos a Novagro este ano com o objetivo de levar aos nossos clientes tecnologias que ajudem a enfrentar os desafios do dia a dia, produzir mais e melhor. A parceria surgiu da oportunidade e soluções inovadoras disponibilizadas pela Feedis, que vem ao encontro do que consideramos importantes aos nossos clientes, principalmente com o objetivo de produzir com melhor eficiência e mais saúde, destaca Sérgio Metzker: “É uma excelente parceria, pois reúne produtos e profissionais de ponta para um mercado extremamente exigente”.

Luciano Heis, Gerente de Negócios Feedis, faz suas considerações sobre este braço da empresa austro-brasileira para a região: “A parceria com a Novagro, é um importante passo para firmarmos nossa presença no mercado de Minas Gerais, alinhado com o desejo de estarmos mais próximos dos clientes deste importante estado produtor”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Aquicultura: uso de enzimas na dieta dos animais proporciona maior rentabilidade

Compostos enzimáticos melhoram a digestibilidade dos nutrientes, promovendo uma série de benefícios ao produtor

Publicado em

em

Divulgação Alltech

O aproveitamento de nutrientes presentes na dieta dos animais é um fator fundamental para melhorar a rentabilidade das criações, inclusive na aquicultura. Entretanto, também pode ser considerado um desafio no manejo de peixes e camarões, já que nem todos os alimentos conseguem ser absorvidos de maneira natural. Neste processo, a digestibilidade é essencial na busca pela eficiência alimentar.

Como explica a zootecnista Carolina Farias, gerente de vendas para aquicultura da Alltech, o organismo dos peixes é preparado fisiologicamente para aproveitar nutrientes disponíveis na natureza, entretanto alguns deles não são totalmente absorvidos. Para alimentá-los em cultivos, a exigência fisiológica dos animais é atendida com farinhas de origem animal e vegetal. Mas como explica a especialista, apenas isso não é suficiente: “alguns ingredientes de origem vegetal contêm substâncias antinutricionais para os peixes, que além de não serem bem aproveitadas, acabam piorando a absorção de outros elementos”, diz.

Por conta disso, as enzimas são tão importantes, já que têm a função de acelerar algumas reações químicas específicas dentro do organismo dos animais, quebrando moléculas maiores em menores, o que acaba facilitando a absorção de nutrientes pelo intestino, ou seja, melhorando a digestibilidade. “Por meio das enzimas, conseguimos quebrar compostos antinutricionais e elevar o aproveitamento de nutrientes que não estariam disponíveis sem a tecnologia”, comenta.

Os benefícios do uso de soluções enzimáticas na dieta dos animais já têm sido observados na prática, como relata Giuliano Mathias Dias, produtor de tilápia em Caconde (SP), que, ao utilizar a tecnologia na alimentação dos peixes. “Com a enzima melhoramos 0.2 na conversão alimentar, que é uma diferença significativa quando se pensa em grandes volumes” comenta.

Além da maior produção de filé com a mesma quantidade de peixe, o produtor também notou outros benefícios: “outro resultado positivo foi a diminuição de mortalidade e melhora significativa também no crescimento. Tudo relacionado talvez ao melhor aproveitamento da ração proporcionado pela enzima”, diz.

A utilização de um complexo enzimático depende da fase, da genética e até do manejo do animal, e vale ressaltar que o seu uso na aquicultura não só potencializa a conversão alimentar, mas também traz uma série de benefícios ao produtor: “o que você oferece ao animal vai ser melhor absorvido, então consequentemente vai ter maior um ganho de peso, maior manutenção dos parâmetros de qualidade de água, e maior aproveitamento de nutrientes, pontos muito importantes para a manutenção da produtividade e a rentabilidade da produção. Quanto mais o animal crescer e ficar bem de saúde, num ambiente adequado, melhor vai ser para ele”, explica Carolina.

Solução para formulação

Para auxiliar o setor a melhorar a eficiência alimentar dos animais, a Alltech possui em seu portfólio as soluções Allzyme´s.  Allzyme SSF e Allzyme Vegpro auxiliam na saúde do sistema digestivo do animal e maximizam a digestibilidade dos nutrientes da dieta.

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.