Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias Mercado Interno

Com demanda firme, mercado de frango registra boa alta em outubro

Mercado brasileiro de frango vivo fecha a última semana de negócios de outubro com preços em alta

Publicado em

em

ave de corte
Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de frango vivo fecha a última semana de negócios de outubro com preços em alta. O analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, ressalta que esse movimento de valorização foi inferior se comparado às proteínas concorrentes, tanto para o quilo vivo quanto para os cortes negociados no atacado e na distribuição, uma vez que o setor deve registrar no mês um alojamento recorde de frangos.

“O avanço dos custos de nutrição animal foi um fator marcante ao longo do mês, por conta comportamento de alta do milho e do farelo de soja. Para a primeira quinzena de novembro a tendência é de continuidade do movimento de valorização nos preços do frango, em linha com a entrada dos salários, que é um relevante fator motivador da reposição ao longo da cadeia produtiva”, sinaliza.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram mudanças para os cortes congelados de frango ao longo de outubro. O quilo do peito no atacado passou de R$ 6,20 para R$ 6,60, o quilo da coxa de R$ 6,80 para R$ 7,35 e o quilo da asa de R$ 13,60 para R$ 13,90. Na distribuição, o quilo do peito subiu de R$ 6,40 para R$ 6,80, o quilo da coxa de R$ 6,90 para R$ 7,55 e o quilo da asa de R$ 13,80 para R$ 14,00.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de alterações nos preços durante o mês. No atacado, o preço do quilo do peito avançou de R$ 6,30 para R$ 6,70, o quilo da coxa de R$ 6,90 para R$ 7,45 e o quilo da asa de R$ 13,70 para R$ 14,00. Na distribuição, o preço do quilo do peito aumentou de R$ 6,50 para R$ 6,90, o quilo da coxa de R$ 7,00 para R$ 7,65 e o quilo da asa de R$ 13,90 para R$ 14,10.

Para Iglesias, as exportações permanecem em bom nível em outubro, com a China absorvendo volumes substanciais de proteína animal brasileira. As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 332,637 milhões em outubro (16 dias úteis), com média diária de US$ 20,789 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 246,189 mil toneladas, com média diária de 15,387 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.351,10.

Na comparação com outubro de 2019, houve baixa de 14,05% no valor médio diário, ganho de 1,16% na quantidade média diária e retração de 15,04% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento mensal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo passou de R$ 4,15 para R$ 4,30. Em São Paulo o quilo vivo avançou de R$ 4,10 para R$ 4,25.

Na integração catarinense a cotação do frango mudou de R$ 3,50 para R$ 3,80. No oeste do Paraná o preço na integração subiu de R$ 3,85 para R$ 4,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 3,85 para R$ 4,00.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango subiu de R$ 4,00 para R$ 4,10. Em Goiás o quilo vivo aumentou de R$ 4,00 para R$ 4,10. No Distrito Federal o quilo vivo avançou de R$ 3,95 para R$ 4,20.

Em Pernambuco, o quilo vivo aumentou de R$ 4,75 para R$ 5,00. No Ceará a cotação do quilo subiu de R$ 4,75 para R$ 5,00 e, no Pará, o quilo vivo avançou de R$ 4,80 para R$ 5,20.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 3 =

Notícias Evento

Destaque IFC 2020 – Oxigênio: um fôlego a mais para Nutrição de Peixes

Serão mais de 16h de conteúdo exclusivo, com especialistas de quatro continentes

Publicado em

em

(Foto: Divulgação)

Manejo da qualidade da água e do oxigênio disponível está entre as tendências para otimizar a produção aquícola brasileira. O tema ganha importância a medida que aumenta a demanda pela proteína e cresce em escala a produção. Mas para os peixes metabolizarem adequadamente os nutrientes do alimento é necessário aporte adequado de oxigênio, daí a importância do tema que será apresentado pelo Zootecnista e Doutor em Produção Animal na área de nutrição de peixes Wilson Boscolo, na palestra apresentará o tema “Oxigênio: um fôlego a mais para Nutrição de Peixes. Professor do Curso de Engenharia de Pesca da Universidade Estadual do Oeste do Paraná e Pesquisador do Grupo de Estudos de Manejo em Aquicultura vai explorar o tema proposto no dia 02 de dezembro, na programação oficial do IFC Brasil Digital 2020 que vai de 01 a 03 de dezembro, em plataforma virtual e híbrido a partir de Foz do Iguaçu,PR. Inscrições no site www.ifcbrasil.com.br

O Presidente do IFC Digital Altemir Gregolin destaca que “O oxigênio dissolvido é um parâmetro que deve ser monitorado constantemente pelos piscicultores. Pesquisas demonstram que temos muitas oportunidades com o correto manejo de qualidade de água e controle deste parâmetro. Iremos abordar este tema visando otimizar a performance dos peixes”.

Serão mais de 16h de conteúdo exclusivo, com especialistas de quatro continentes. Os mediadores estarão em estúdio com sistema de câmeras de vídeo de alta definição e em telas de led full HD. “Trata-se do primeiro e único evento internacional da cadeira do pescado em ambiente híbrido e virtual. Em um mundo lotado de conteúdo online e muitas dúvidas, lançamos a IFC Digital, mantendo nosso DNA: uma comissão organizadora que conhece profundamente os desafios e oportunidades do setor do pescado, sob medida, os conteúdos mais relevantes, instigantes e inspiradores”, destaca Eliana Schwarz, Diretora Executiva do IFC.

O evento digital tem o patrocínio do Sebrae e apoio fundamental do MAPA – Ministério da Agricultura e Abastecimento/ Secretaria Nacional de Aquicultura e Pesca e Governo do Estado do Paraná, através da SEAB – Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e empresas Sanepar, Copel, Agência de Fomento e BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul . Entre as entidades apoiadoras estãoa Peixe BR – Associação de Produtores de Peixes do Brasil , Abipesca – Associação das Indústrias de Pesca , CONEPE- Conselho Nacional de Pesca, ABRAPES – Associação Brasileira de Fomento ao Pescado, ABCC – Associação Brasileira de Produtores de Camarão, SINDIPI – Sindicato dos Armadores de Pesca de Itajaí, CNA – Confederação Nacional da Agricultura e COPACOL. O International Fish Congress tem a coorganização de FUNDEP e UNIOESTE.

Fonte: Ass. de Imprensa.
Continue Lendo

Notícias Rio Grande do Sul

Protocolo sanitário da 22ª Expodireto Cotrijal é entregue ao governo do Estado

Documento sugere normas, medidas e adequações na área do parque para a realização da feira, de 1º a 5 de março de 2021

Publicado em

em

Divulgação

Atendendo às determinações do governo do Estado, foi apresentado nesta quinta-feira(26) ao governador Eduardo Leite e à secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, o protocolo sanitário da 22ª Expodireto Cotrijal. O documento sugere normas, medidas e adequações na área do parque para a realização da feira, de 1º a 5 de março de 2021, em Não-Me-Toque.

Nei César Manica, presidente da Cotrijal, destacou que a feira, organizada pela cooperativa, tem alguns diferenciais que ajudam na prevenção à Covid-19. Um deles é a realização numa extensa área, de 980 mil metros quadrados, a céu aberto, com espaçamento entre os estandes. Mesmo assim, medidas restritivas estão programadas para a próxima edição, como a suspensão da Área Internacional e da vinda de delegações estrangeiras. Os grandes eventos presenciais, como os tradicionais fóruns, acontecerão de forma híbrida, com transmissão on-line e poucas pessoas nos auditórios.

Também estão previstos a segregação dos fluxos de entrada e saída, a instalação de totens para disponibilização de álcool em gel, a obrigatoriedade do uso de máscaras e do distanciamento entre as pessoas, a higienização e desinfecção frequente de superfícies e áreas comuns e a ampliação do horário da praça de alimentação, dentre outras medidas.

O presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo, que junto com Manica entregou o protocolo, destacou que há grande expectativa de todo o Agro para que a feira aconteça. “Que possamos ter a retomada dos grandes eventos no Estado com a Expodireto, respeitando todos os protocolos e regras que serão definidos pelas autoridades”, afirmou.

A apresentação do documento à equipe técnica da Secretaria Estadual da Saúde, sob a liderança da secretária Arita e do diretor Bruno Naundorf, também foi acompanhada pelo coordenador da comissão do protocolo sanitário da Expodireto Cotrijal, Benisio Rodrigues, e integrou ainda, de forma remota, a equipe técnica da Cotrijal.

Tanto o governador quanto a secretária da Saúde sinalizaram positivamente quanto à realização da 22ª Expodireto. Arita destacou que as normas sugeridas são bem elaboradas, atendendo aos decretos estaduais em vigor. Nos próximos dias serão feitas algumas adequações ao protocolo para que o documento seja submetido ao Comitê de Dados e ao Gabinete de Crise do governo do Estado. “Queremos construir em conjunto”, disse a secretária.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Estimativa

Paraná mantém previsão de safra de soja 2020/21 e reduz projeção de milho verão

Previsão aponta ainda uma queda de 1% ante a safra colhida no ano passado no segundo maior Estado produtor da oleaginosa do Brasil

Publicado em

em

Danilo Estevão/Embrapa

A safra de soja do Paraná 2020/21 foi estimada nesta quinta-feira em 20,47 milhões de toneladas, praticamente estável ante a projeção de outubro, apesar de preocupações com chuvas irregulares ao longo do último mês, apontaram dados mensais do Departamento de Economia Rural (Deral), órgão do governo estadual.

A previsão aponta ainda uma queda de 1% ante a safra colhida no ano passado no segundo maior Estado produtor da oleaginosa do Brasil, atrás de Mato Grosso, conforme o Deral.

Após um atraso inicial, o plantio de soja está praticamente concluído no Paraná, informou mais cedo nesta semana o órgão estadual.

A estimativa da primeira safra de milho foi reduzida levemente, para 3,39 milhões de toneladas, ante 3,46 milhões em outubro, versus 3,56 milhões em 2019/20.

A safra de trigo do Paraná deste ano foi ajustada para 3,05 milhões de toneladas, ante 3,13 milhões de toneladas na previsão de outubro, mas um salto de 43% ante 2019, quando a colheita foi atingida por intempéries climáticas no principal produtor brasileiro do cereal.

Já a segunda safra de milho 2019/20 foi projetada em 11,66 milhões de toneladas, estável ante previsão de outubro, mas uma queda de 12% na comparação anual.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.