Conectado com

Suínos / Peixes

Colostragem via sonda gástrica melhora ingestão de leite

Publicado em

em

O uso da ama de leite já é uma constante na suinocultura intensiva. Porém, tão importante quanto garantir o período de amamentação à leitegada é também permitir que ela tenha acesso ao colostro, fundamental para imunidade e, com isso, o desenvolvimento saudável dos leitões. E, pensando nisso, começa a ganhar expressão no setor a ordenha do colostro para posterior fornecimento aos leitões. O manejo tem apoio importantes no meio técnico, como o da Consultoria Integrall, que está desenvolvendo projeto específico sobre o assunto, coordenado pelo médico veterinário Bruno Zinato Carraro. Em entrevista, ele explica o processo, que prevê a ordenha para depois injetar o leite direto no estômago do leitão através de uma sonda. Parece difícil, mas os resultados são satisfatórios. Confira.
OPR – Qual a importância do colostro para os leitões?
Bruno Carraro – Devido ao tipo de formação da placenta da fêmea suína, a imunidade passada de mãe para filhos se dá apenas sob a ingestão do colostro nas primeiras horas após o nascimento. Ficando praticamente nula a transferência de imunidade ainda no útero materno. O colostro tem, além da função de transmitir relativa proteção a diversas doenças através da ingestão de imunoglobulinas, dentre elas a IgG que responde por 75% das imunoglobulinas presentes, células de defesa, dentre elas os linfócitos, também confere significativa fonte de energia para a termorregulação, visto que é fonte de lipídios, carboidratos, proteínas, vitaminas e minerais. É considerado importante fonte de fatores que promovem o crescimento e maturação intestinal.   Leitões que ingerem acima de 200 gr de colostro tem maiores chances de sobrevivência durante a lactação quando comparados aos que ingeriram menos de 200 gr obtendo estes últimos mortalidade superior a 40%. Outro fator importante salientar é o nutricional, a primeira mamada deve ocorrer entre 10 e 30 minutos após o nascimento, para que a demanda de energia de manutenção das funções vitais seja suprida.
OPR – Há um limite de volume que pode ser ordenhado para não prejudicar a leitegada que vai mamar direto na matriz? Todas as matrizes podem ser ordenhadas para extração do colostro?
Bruno Carraro – Sim existe um limite. Uma matriz suína produz em média 3,3 kg de colostro podendo chegar a 5,6 Kg. Primíparas e fêmeas jovens tendem a produzir menor volume de colostro quando comparado com matrizes de maior ordem de parto. Desta forma procuramos evitar a ordenha de primíparas e matrizes até o terceiro parto. Admitindo-se que o consumo de colostro por leitão deve ser acima de 200 gr, onde o ideal seria acima de 300 gr, não devemos retirar mais que 500 gr de colostro por matriz ordenhada no intuito de não prejudicar a mamada subsequente dos leitões. Devemos escolher de preferência matrizes acima de terceiro de parto, pois tendem a ter maiores produções de colostro.
OPR – Como é feita a ordenha das matrizes? 
Bruno Carraro – Primeiro devemos escolher e marcar as matrizes que serão ordenhadas na sala de parto. Devemos proceder a limpeza da glândula mamária no intuito de reduzir possíveis contaminações ao colostro oriundas de glândulas sujas. Após o nascimento do primeiro leitão utilizamos, comumente para facilitar a ordenha, a aplicação de um hormônio análogo sintético à ocitocina, a carbetocina por via intramuscular profunda na matriz. A carbetocina auxilia de maneira eficiente a contração uterina reduzindo a sua atonia e favorece com isso a melhora no trabalho de parto e nascimento dos leitões. Paralela a esta ação também promove a liberação de leite pelas glândulas mamárias, no caso da fase utilizada o colostro. Realizado este processo, levantamos a matriz e com auxílio de um recipiente limpo posicionado por baixo da glândula, iniciamos a ordenha dos tetos utilizando a ponta dos dedos para retirada do colostro. Para agilizar a coleta e rapidamente possibilitarmos que as matrizes deitem novamente, realizamos este processo sempre de duas pessoas, uma de cada lado da glândula mamária simultaneamente. Não há necessidade de imobilizar a matriz, lembrando que a ordenha deve ser de, no máximo, 500 ml.
OPR – O colostro é destinado somente aos próprios filhotes separados para ama de leite, ou a destinação é aleatória?
Bruno Carraro – O colostro ordenhado pode ter duas destinações, o fornecimento do mesmo aos leitões da própria matriz e/ou fazer parte de um banco de colostro para fornecimento aos diversos leitões presentes na sala de parto de outras matrizes. Há um ressalva importante de se fazer neste quesito, apesar da ingestão e absorção de imunoglobulinas acontecer independente da matriz que o leitão ingira o colostro, células de defesa como os linfócitos, por exemplo, apenas são absorvidas do colostro ingerido da própria mãe. Dado este fato a importância da maior parte do colostro ingerido pelo leitão ser oriunda da própria matriz. Uniformizações de leitegadas feitas muito precocemente logo após o nascimento têm, neste caso, comprometida a ingestão de células de defesa pelos leitões sendo necessário neste caso o fornecimento de colostro da própria mãe. 
OPR – Como é o processo para levar o colostro até os leitões e fazer com que eles ingiram?
Bruno Carraro – O mecanismo utilizado para fornecer o colostro até os leitões pode ser desde uma mamadeira, ou um pequeno pote, ou ainda com auxílio de uma seringa sem agulha, fornecendo diretamente na boca do leitão. Mas todos estes métodos demandam obrigatoriamente tempo em sua aplicação e muitas vezes o volume ingerido pelo leitão é aquém do necessário. Em nossa rotina de trabalho temos adotado uma ferramenta de fornecimento bastante eficiente e rápida que é a sonda gástrica, ferramenta esta bastante utilizada em humanos. A técnica foi adaptada para levar o colostro até o estômago dos leitões de forma rápida e eficiente. O processo todo não leva mais que 30 segundos entre a passagem da sonda e aplicação do colostro. Abre-se a boca do leitão e introduzimos um cateter uretral (número 4 ou 6) facilmente adquirido em casas de materiais hospitalares, de forma a levá-lo até o estômago. Importante cuidar para que o cateter seja introduzido com cuidado lateralmente na boca do leitão possibilitando a deglutição do mesmo e evitando assim que ele atinja as vias respiratórias. O colostro fornecido erroneamente pode cair dentro do pulmão e predispor a casos de pneumonia por aspiração de corpo estranho. Normalmente o cateter introduzido erroneamente nas vias respiratórias promove o reflexo de tosse no leitão e o comprimento da sonda fica mais que 2/3 do lado de fora da boca do leitão. Normalmente levamos aos leitões entre 15 a 20 ml de colostro em três aplicações distintas, totalizando próximos dos 60 ml ingeridos, ainda aquém do total necessário para conferir a correta proteção aos leitões, necessitando, portanto, que o leitão ainda mame colostro em sua mãe ou em outra ama de leite para complementar. A colostragem via sonda não substitui em hipótese alguma a amamentação de colostro na própria mãe ou ama de leite, serve apenas como um complemento e auxílio ao processo de mamada, devendo os manejos rotineiros de uniformização de mamadas de colostro serem utilizados no processo.
OPR – Que vantagens, ou ganhos, os leitões têm ao ingerirem o colostro, mesmo que seja dessa forma?
Bruno Carraro – Admitindo-se leitegadas extremamente numerosas acima de 14 leitões, partos demorados acima de 3 a 4 horas, os últimos leitões têm menor tempo disponível para amamentar colostro com boa concentração de componentes em sua própria mãe. Também leitões com baixo peso ao nascimento têm menores reservas corporais para disputarem tetos com outros leitões irmãos e com isso maiores dificuldades em ingerir a quantidade de colostro necessária. Com o fornecimento extra de colostro via sonda, conseguimos auxiliar principalmente estas três categorias de leitão a conseguirem, em primeiro lugar, uma reserva extra de energia para sobrevivência e crescimento bem como disputar tetos e realizar a amamentação em sua mãe. Como título de curiosidade em um trabalho recente (Ferrari, 2013) a mamada do colostro é tão ou mais importante que o peso ao nascer. Um leitão com 1,1 a 1,2 kg que ingeriu mais de 250g de colostro teve o mesmo peso aos 42 dias que um leitão de 1,3 a 1,7 kg que ingeriu menos de 100g de colostro. Este fornecimento de colostro possibilita ainda uma melhora na padronização de mamadas e também uma garantia mínima de imunoglobulinas e células de defesa na corrente sanguínea do leitão. O processo de colostragem via sonda gástrica não permite que o leitão acostume-se com este fornecimento e fique dependente dele durante a lactação, característica esta comumente observada no aleitamento via mamadeiras ou seringas e apelidada pelos funcionários da produção como “leitão viciado na mamadeira”.  O leitão “viciado na mamadeira” tem dificuldade em proceder o aleitamento na glândula mamária da matriz por ser um processo trabalhoso e que demanda gasto de energia pelo mesmo, preferindo a mamadeira ao teto. Já o processo via sonda permite uma rápida ingestão, com volume considerado e rapidamente digerido, fornecendo nutrientes ao mesmo. O processo de sonda gástrica pode ser utilizado também para complementação da mamada de leite aos leitões fracos nos dias subsequentes após o nascimento, reduzindo ou retardando a necessidade de amas de leite nas maternidades que utilizam a técnica. 
Leia também na edição impressa ou pela edição online:

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Suínos / Peixes Perspectiva

Exportação e custo menor da carne suína podem garantir ano mais positivo

Depois de atravessar um 2018 desafiador, o setor suinícola está mais otimista, à espera de uma recuperação em 2019

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Depois de atravessar um 2018 desafiador, o setor suinícola está mais otimista, à espera de uma recuperação em 2019. A perspectiva positiva está pautada, segundo pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, nos possíveis incrementos das exportações da carne suína (principalmente a países asiáticos) e redução dos custos de produção (especialmente devido ao aumento na produção nacional de grãos).

No caso das exportações nacionais de carne suína, dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicam que podem crescer cerca de 7% em 2019. O Departamento estima aumento na demanda da China pela proteína suína, tendo em vista a redução do rebanho daquele país devido à disseminação da Peste Suína Africana. Vale lembrar que, em 2018 (até novembro), a China foi destino de 25% da carne suína brasileira exportada, com o volume total superando em quase 3 vezes o do ano anterior. Para 2019, o USDA estima que as importações chinesas aumentem 7%; Cingapura e Hong Kong devem registrar crescimentos de 3% nas compras internacionais da proteína.

Em relação à Rússia, mesmo com o recente retorno das compras no Brasil, as exportações ao país euroasiático não devem deslanchar em 2019. Isso porque a Rússia investiu na produção de suínos e deve reduzir o volume importado. Vale lembrar que, até 2017, a Rússia era o principal destino da carne suína brasileira e, em 2018, manteve embargo em praticamente todo o ano.

Quanto aos custos de produção, a oferta de milho e de farelo de soja – principais componentes da ração animal – deve ser mais elevada neste ano, o que pode impedir, ou ao menos limitar, fortes altas nos preços desses insumos. De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgados em dezembro, a safra 2018/19 de milho deve aumentar 12,8% frente à anterior. No caso do farelo de soja, o incremento previsto na produção doméstica é de 4,09%.

A produção brasileira, por sua vez, deve aumentar 3% em 2019, segundo previsões do USDA, elevando o excedente doméstico de carne. Apesar disso, o esperado aumento das exportações e o possível incremento da demanda doméstica pela proteína tendem a equilibrar a oferta interna do produto.

Neste caso, o consumo interno de proteínas pode se aquecer, impulsionado pela esperada retomada da economia, que tende a elevar o poder de compra do brasileiro. Projeções do Banco Central indicam crescimento de 2,5% no PIB em 2019 e estabilidade no índice oficial de inflação (IPCA), que deve ficar em 4%.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Suínos / Peixes Marketing

Campanha da Carne Suína alcança mais de 15 milhões de impressões nas mídias impressas e digitais

É sem dúvida um movimento inédito e de força expressiva na educação do consumidor brasileiro

Publicado em

em

Silvio Ávila/ Mapa

Desde 2013, a Semana Nacional da Carne Suína (SNCS) atua com uma estratégia sólida, bem definida e com um único objetivo: mostrar ao consumidor brasileiro todas as vantagens da proteína. Neste ano, o trabalho estratégico da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), do Sistema Sebrae e das redes de varejo participantes refletiu em números: mais de 15 milhões de impressões nas redes sociais somados a 1,5 milhão de consumidores impactados com informações sobre a campanha.

Nas primeiras edições, a iniciativa começou tomando conta das lojas, dos caixas de atendimento, dos balcões dos açougues e nas prateleiras, nas embalagens das carnes. Mas em pouco tempo, os espaços físicos das lojas já não eram o suficiente. Hoje, a Semana Nacional da Carne Suína está nas redes sociais, nos jornais, nas TVs, nos pontos de ônibus e nos produtos que os consumidores levam para casa.

Em sua sexta edição, a SNCS soma às 624 lojas das sete bandeiras participantes, campanhas de marketing nas redes sociais e nos outros meios de comunicação. É sem dúvida um movimento inédito e de força expressiva na educação do consumidor brasileiro.

Em trabalho desenvolvido com o suporte do pacote de comunicação oferecido pela ABCS, as bandeiras Extra e Pão de Açúcar, Hortifruti-Natural da Terra, Lopes Supermercados, Oba Hortifruti e St. Marche, cada uma a sua maneira, investiram em estratégias criativas e inovadoras para levar a carne suína cada vez mais longe. Foram materiais impressos, campanhas online e off-line e inúmeras outras ações desenvolvidas pelas redes. O conteúdo de redes sociais divulgado pelas redes foi também compartilhado nos perfis do Mais Carne Suína no Instagram e Facebook para apresentar ao consumidor as diferentes vertentes da SNCS.

O professor do UniCEUB e especialista em marketing digital, Roberto Lemos, explica que investir na comunicação via redes sociais, hoje, é expandir o alcance da informação e levar cada vez mais longe o conhecimento que se quer compartilhar. “Mais de 50% da população brasileira acessando internet, majoritariamente as classes de consumidores, A B e C, com um percentual altíssimo de engajamento nas redes sociais. O Brasil é segundo país no ranking de uso das redes sociais, por tempo de uso, no mundo. O consumidor tem acesso à internet e às redes sociais, e mais ainda, hoje esse consumidor é mobile. Ele está usando as redes sociais enquanto está em processo de compra. O consumidor de hoje vai ao supermercado enquanto está usando o celular”, destaca.

A ABCS também acredita que a comunicação estratégica e integrada é essencial para disseminar a campanha para os mais diversos públicos, em diferentes canais com o objetivo de levar ao consumidor todas as informações sobre a proteína mais consumida no mundo. “O que vimos nessas duas últimas semanas foi algo inédito para a cadeia da suinocultura brasileira. O resultado do pacote de comunicação repleto de materiais elaborados pela ABCS, com apoio do Sistema Sebrae, e entregue às redes de varejo para a promoção da carne suína foi além do esperado. As estratégias de comunicação tanto na rede quanto no papel projetaram para um público recorde toda a saudabilidade, sabor e custo benefício da proteína. Além disso, cada rede conseguir imprimir na SNCS sua própria identidade, tornando a campanha ainda mais eficiente. O resultado de tudo isso é a geração de credibilidade entre os milhões de consumidores. Nunca estivemos em tantos canais digitais ao mesmo tempo no Brasil. Isso é maravilhoso”, celebra a diretora de projetos e marketing da ABCS, Lívia Machado.

Gustavo Melo, da Unidade de Competitividade do Sebrae afirma que a estratégia comunicativa da ação é importante porque conversa diretamente com o consumidor final, o ator principal dessa cadeia. “Uma vez sensibilizado o consumidor, esse movimento gera valor para a cadeia produtiva como um todo, pois ele começa a exigir do elo do varejo, que por sua vez, impacta os elos de processamento na questão preparação e exposição dos cortes especiais, impactando, por fim, o elo da produção no que diz respeito a qualidade do animal nas granjas, ou seja, esse tipo de ação tem um impacto na cadeia”, sustenta.

Supermercados e mídia

O GPA, por exemplo, investiu em um enxoval impresso e digital para impulsionar a carne suína nas mídias. A bandeira apostou em comunicação no aplicativo do Grupo, nas redes sociais, com stories, alcançando mais de 10 milhões de impressões. Sem contar, ainda, a campanha para TV Minuto, que transmite conteúdo para o metrô de São Paulo, o mais movimentado do país. Já os aplicativos alcançam mais 8 milhões de clientes ativos.

A carne suína também ganhou destaque no canal do YouTube Churrasqueadas, além de posts no blog acessado por mais de 100 mil pessoas, investindo na interatividade com o cliente. Outro destaque da campanha são as revistas das bandeiras Extra e Pão de Açúcar, sendo a última distribuída nos principais jornais dos 13 estados. Foram mais de 248 mil revistas impressas.

A rede Hortifruti – Natural da Terra, por sua vez, surpreendeu os clientes das lojas ao sugerir uma série de combinações entre a carne suína e outros produtos como temperos, vinhos, verduras e processados que dão o match perfeito. Essa pegada permeou toda a campanha feita pela rede nas mídias sociais como Facebook e Instagram, alcançando aproximadamente 130 mil visualizações. Além posts informativos, com receitas e dicas nutricionais em webmail para os clientes. Sem contar o folder de receitas com dicas gastronômicas que destacam todo o sabor e a versatilidade da carne suína.

Já o Lopes Supermercados apostou na comunicação direta com os seus clientes. A rede usou o WhatsApp, que já funcionava na rede para comunicar promoções, para enviar posts informativos sobre a carne suína a mais de 9 mil cadastrados: desde promoções até dicas nutricionais. O Lopes também trabalhou com as suas redes sociais, que juntas, impactam mais de dois milhões de clientes com uma campanha diversificada e dinâmica.

O Oba Hortifruti construiu toda uma campanha baseada no slogan “Carne suína sim”. Os clientes receberam uma série de materiais impressos nas lojas com ofertas e receitas que totalizaram 819 mil exemplares. Nas redes sociais, a rede investiu no conteúdo informativo sobre procedência e motivos para consumir a carne suína, além de uma página exclusiva no blog que alcançou 344.264 consumidores.

A rede St. Marche promoveu uma campanha direta com seus clientes ao estampar a carne suína em todas as suas unidades. O tabloide de ofertas semanal, com mais de 20 mil impressões, recheado com ofertas e novas opções de cortes escolhidos por curadoria pela rede. O St. Marche deu ênfase também aos materiais que os clientes levam para casa: todas as embalagens foram redesenhadas para melhorar a apresentação do produto na hora da venda.

SNCS

A Semana Nacional da Carne Suína, que encerrou em 27 de outubro, reflete o trabalho da ABCS, em parceria com o Sebrae, juntamente com as redes de varejo que abraçaram a causa e investiram na missão de levar mais carne suína para os brasileiros. A campanha também conta com o apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

Mesmo antes de chegar ao consumidor, a SNCS já estava ativa no varejo com a capacitação dos colaboradores das redes. Foram 24 dias, em agosto, de intenso treinamento, com mais de 900 colaboradores treinados com o objetivo de prepara-los para apresentar o produto para o cliente, com informações e respostas embasadas para as possíveis dúvidas em relação ao consumo de carne suína.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Tecnologia

Pesquisadores do Paraná desenvolvem vacina trivalente para tilápia

Estudiosos estão bem próximos de encontrar vacina trivalente capaz de imunizar o peixe das principais doenças que atacam os criadouros

Publicado em

em

Divulgação/UEL

Pesquisadores do Laboratório de Bacteriologia de Peixes (LABBEP) da Universidade de Londrina, PR (UEL), do Centro de Ciências Agrárias (CCA), estão bem próximos de encontrar vacina trivalente capaz de imunizar tilápias, o peixe de água doce mais consumido pela população brasileira, das principais doenças que atacam os criadouros, dois subtipos (sorotipos Ib e III) de estreptococose e da franciselose, causadas por bactérias e que podem provocar sérios prejuízos aos produtores. Embora não existam relatos de malefícios aos seres humanos, a vacina é recomendada por ser um tratamento acessível, proporcionando rentabilidade e maior taxa de sobrevida dos peixes.

O Laboratório já desenvolveu vacina bivalente contra a estreptococose (com eficácia de 98%) e a expectativa é concluir os testes para apresentar ao mercado nova tecnologia capaz de combater as três principais bactérias que afetam a produção comercial de tilápias. Para se ter a dimensão da importância desta cadeia, a produção brasileira de tilápia em 2017 alcançou 357 mil toneladas, de acordo a Associação Brasileira da Piscicultura, volume considerado bastante expressivo e que coloca o Brasil entre os quatro maiores produtores do mundo, atrás de China, Indonésia e Egito.

O coordenador do LABBEP, professor Ulisses de Pádua Pereira, do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, acredita que até o final de novembro tenha avançado esta primeira fase de testes da vacina trivalente. Ele explica que Streptococcus agalactiae (principal causador da estreptococose) é uma bactéria que permanece externamente às células dos peixes, enquanto a bactéria causadora da franciselose tem capacidade de sobreviver e se multiplicar intracelularmente, o que dificulta o estudo. Os testes buscam testar a eficácia da vacina.

De acordo com o professor, o próximo passo será rastrear nos genomas das bactérias – os quais foram sequenciados e publicados pela equipe – alvos vacinais da superfície destes patógenos, que poderão auxiliar no controle e na prevenção das doenças. Os pesquisadores já conseguiram sequenciar cinco genomas completos de bactérias.

Pelo menos dois mestrandos do Programa de Ciência Animal, do CCA, estão debruçados nesta fase do estudo. A estudante Raffaella Mainardi, que desenvolve a vacina, e César Facimoto, responsável pela pesquisa em Bioinformática, e faz os modelos de sequenciamento genético que também auxiliam no desenvolvimento das vacinas. O laboratório conta ainda com mais um mestrando, um doutorando, três médicos veterinários residentes e cinco alunos bolsistas.

Indicação

O professor explica que a vacina é indicada para tilápias com 30 gramas. O peixe atinge o estágio comercial quando chega a pelo menos 900 gramas, o que demanda cinco a seis meses nos criadouros. A vacinação é feita pelo próprio produtor, no abdômen do peixe, em dose única de 0,05 ml. Para vacinar, a recomendação é retirar um lote de peixes do criadouro e separá-los para a anestesia, que pode ser feita em recipiente com água e óleo de cravo ou benzocaína.

O anestésico deixa o peixe sonolento para receber a dose. Posteriormente, ele volta para o tanque, sem qualquer comprometimento físico. De acordo com o professor Ulisses, ao contrário do que aparenta, a vacinação é fácil e rápida. Segundo ele, um tratador com prática pode vacinar até 10 mil peixes por dia.

Linhas de pesquisa

Além do desenvolvimento de vacinas, o LABBEP da UEL trabalha com outras duas linhas de pesquisa. A bioinformática, que sequencia genoma de bactérias, com o objetivo de controle e prevenção de doenças. Outra linha é o desenvolvimento e validação de probióticos, produtos que utilizam microrganismos vivos que irão resultar em efeitos benéficos para os peixes, sejam no estímulo do sistema imune, competição na microbiota intestinal ou no auxílio ao aproveitamento dos nutrientes ingeridos. Nesta segunda linha de pesquisa, o Laboratório trabalha com duas bactérias atualmente.

Mercado

A importância do estudo desenvolvido na UEL ganha força a partir da tendência mundial que coloca o peixe como a proteína animal mais produzida no planeta. A estimativa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da Organização da Alimentação e Agricultura da ONU (FAO) é que a produção global de peixes de cultivo ultrapassará a produção de peixes de captura a partir de 2020. A produção de peixes de cultivo cresceu 60% entre 2007 e 2017, chegando a 80 milhões de toneladas.

No Brasil a piscicultura cresceu 8% em 2017, terminando o ano com a produção de 691.700 toneladas de peixes cultivados. Com este resultado, a atividade voltou ao eixo normal de crescimento, após enfrentar dificuldades em 2016, com redução dos investimentos e queda no consumo. O Paraná é o primeiro produtor brasileiro, tendo registrado produção de 112 mil toneladas no ano passado.

A tilápia é a mais importante espécie de peixe cultivado no Brasil. Segundo levantamento da Associação Brasileira da Piscicultura, a espécie representa 51,7% da piscicultura nacional, com 357.639 toneladas em 2017. A segunda posição não é de uma espécie em si, mas de uma categoria, os nativos – tambaqui, carpa e truta. Os dados são do Anuário 2018 da Associação Brasileira da Piscicultura.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Nucleovet 2
APA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.