Conectado com
Minuto Agro

Empresas Avicultura

Cobb-Vantress adota biosseguridade de vanguarda na proteção à saúde das aves e dos colaboradores

Empresa adota medidas rigorosas para a qualidade sanitária, eficiência da produção e segurança dos membros da equipe

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

A Cobb-Vantress adota uma série de medidas rigorosas de biosseguridade para a qualidade sanitária de seus lotes e eficiência na produção. E biosseguridade é uma palavra que vem ganhando destaque cada vez maior diante do atual momento de pandemia de Covid-19, doença provocada pelo novo Coronavírus. São iniciativas que visam a segurança sanitária da sua produção e também dos seus colaboradores. Isso quer dizer atuar antecipadamente para a mitigação de riscos de doenças aviárias, que podem causar sérios riscos à avicultura mundial e à saúde pública. “Banho e troca de roupas e calçados são obrigatórios para todas as pessoas que acessam a área de recria e produção das granjas, incubatórios e fábricas de ração”, cita o diretor Associado de Qualidade e Sanidade da Cobb-Vantress na América do Sul, Rafael Bampi.

Nas granjas, são pelo menos três banhos só para visitar um lote. “O banho de entrada na portaria central, um banho na entrada e outro na saída das portarias dos setores são obrigatórios”, amplia. Se a presença for extremamente necessária, as pessoas precisam fazer um registro completo, continua. “Todas as pessoas que têm acesso às granjas, aos incubatórios e a fábrica de ração devem se registrar na portaria central. Para as granjas, o acesso aos setores deve ser registrado da mesma maneira. Visitantes ainda devem preencher um questionário indicando se tiveram contato com aves nos últimos sete dias e que não apresentam sintomas de desordem gastrointestinal. O acesso ainda deve ser aprovado por um membro da equipe de gestão do Compartimento”, menciona Bampi.

Limpeza e desinfecção das mãos com álcool gel antes de entrar no aviário também é regra, assim como desinfecção das botas com solução bactericida e viricida. O executivo explica que todos os funcionários são treinados e instruídos a não manter contato com outras espécies de aves, mesmo caseiras. “Todos assinam contrato de trabalho com cláusula de não criar aves e há vistoria na casa dos funcionários das áreas de produção. Qualquer um que tenha contato ou proximidade com aves em sua residência deve informar seu superior e será mantido fora do contato com aves da empresa até que esse contato ou proximidade sejam eliminados”, conta. “Para funcionários são 3 dias de quarentena. Para visitantes, 7 dias sendo os últimos dois dias em hotel da cidade”, amplia.

Treinamentos e conscientização fazem parte da rotina. “Todos os colaboradores das áreas de produção são treinados regularmente dentro das regras de biosseguridade. A participação é registrada em lista de presença. Todos os treinamentos seguem processo de reciclagem periodicamente”, cita ele. “Se tudo isso é regra, o uso de equipamentos de proteção individual não seria diferente. Seu uso é obrigatório, incluindo a máscara de proteção PFF2 (N95), a mesma indicada pelo Ministério da Saúde para proteção contra o COVID-19”, comenta.

Veículos

Bampi destaca o acesso rigorosamente restrito de veículos nas unidades de produção. “Os veículos de uso interno são exclusivos de cada granja, seja qual for a finalidade do veículo. Quando há necessidade de entrar no setor, os veículos sofrem desinfecção úmida com desinfetante bactericida e viricida na entrada e saída e seu acesso é registrado em item de controle de setor”, comenta. Todos os veículos sofrem limpeza e desinfecção periódicas pré-definidas. Assim como as pessoas, o registro de acesso dos veículos também é obrigatório. “Todos os veículos não exclusivos da granja que têm acesso através do arco de desinfecção da portaria central devem ser registrados em formulário próprio que identifique origem e destino de cada veículo”.

 

Materiais e equipamentos

As regras de biosseguridade atingem também materiais e equipamentos, que são desinfetados antes da entrada e na saída das unidades e dos setores com desinfetante de ação bactericida e viricida. “Em todas as granjas, cada setor possui seus materiais e equipamentos de uso exclusivo, necessários para o desempenho de todas as atividades durante o período que o setor estiver ocupado com aves. Materiais e equipamentos não são compartilhados entre setores durante o período de ocupação das aves”, pontua.

Para não haver proximidade com espécies suscetíveis ao vírus aviários, a limpeza e desinfecção dos aviários e outras estruturas são rotineiras. “As unidades possuem um programa de limpeza e desinfecção com a utilização de produtos comprovadamente eficazes para a inativação dos vírus de Influenza Aviária (IA) e Doença de Newcastle (DNC), ambas altamente infecciosas e de notificação obrigatória”, conta. Manejo das aves mortas, sobras de ração, cama dos aviários, além de sobras de comidas dos funcionários, são submetidos à desidratação em forno, seguida de compostagem, que são métodos cientificamente aceitos para inativação dos vírus de IA e DNC .

Alimentação das aves

A alimentação das aves é outro ponto onde a biosseguridade da Cobb atua fortemente. “Há tratamento térmico da ração para a eliminação de contaminações por microrganismos patogênicos, bem como o transporte em veículo exclusivo para esta finalidade. Mantemos cuidados com o tratamento de água, controle de pragas, como roedores e insetos”, destaca o especialista.

Nas Propriedades Rurais

Estas medidas também devem ser seguidas nas propriedades rurais. “O produtor deve ter um Programa de Biosseguridade que contemple o controle de vários pontos, como sanitização da água de bebida das aves e limpeza dos depósitos de água com frequência pré-determinada, produção de ração de acordo com questões nutricionais e sanitárias, controle no acesso de pessoas, veículos, materiais e equipamentos, limpeza e desinfecção dos galpões e outras estruturas. Além disso, deve evitar a entrada de aves de vida livre dentro dos galpões, bem como outros animais, como gatos, cães, etc.”, orienta. Outras necessidades inerentes aos avicultores são tratamento por compostagem das aves mortas, sobras de alimento, ração, etc., além de controle de pragas, como roedores e insetos.

Se o produtor possui medidas rígidas de biosseguridade nas quais restringem o acesso de pessoas externas (terceirizados, fornecedores), materiais, equipamentos e veículos em sua granja, eles não estão apenas ajudando a proteger seus planteis contra doenças avícolas, mas também seus colaboradores contra doenças humanas, como o novo Coronavírus, pontua Bampi.

Para o profissional, a tendência é que empresas fornecedoras de equipamentos e estruturas de aviários desenvolvam opções e novos designs que facilitem o processo de limpeza e desinfecção. “Empresas que contam com equipes de engenheiros que projetam seus “lançamentos” pensando nessas facilidades de biosseguridade sem dúvida estarão à frente”, sugere.

Plano de contingência

A Cobb possui um Plano de Contingência em caso de emergência sanitária por Influenza Aviária e Doença de Newcastle. Este plano contempla ações voltadas para mitigar o risco de disseminação destas doenças e a redução do impacto em caso de surto, através de ações estratégicas.

Dentre elas, incluem-se: mapas de unidades de produção, incubatórios, fábricas de rações e unidades funcionais associadas (maravalheiras); definição de rotas para o fluxo de transporte de ração, ovos, aves e insumos, de maneira a mitigar o risco de disseminação de doenças e para manutenção do abastecimento de outras unidades da empresa; programa de sanitização da água das aves; plano para descarte de aves, cama de aves, resíduos e alimentos de maneira segura para mitigar riscos de disseminação da doença; identificação do responsável pela equipe de gestão do compartimento e seus contatos; lista de contatos do serviço veterinário oficial de cada região onde a empresa tem operações; programa de capacitação e treinamentos: biosseguridade, compartimento, plano de contingência e supervisões; além de vigilância epidemiológica das aves da empresa e aves de subsistência nas propriedades adjacentes para avaliação de riscos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =

Empresas

Evonik divulga nova estrutura e metas financeiras atualizadas para continuar avançando na transformação da empresa

Nova estrutura por divisões a partir de 1° de julho reflete a transformação estratégica

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A Evonik continua avançando em seus esforços para se tornar a melhor empresa de especialidades químicas do mundo e está reorganizando a sua estrutura em divisões. Esse passo reflete a futura transformação estratégica do portfólio da empresa.

Em 1º de julho, os atuais segmentos operacionais serão transferidos para quatro divisões mais equilibradas em tamanho e tipo de negócio. As divisões serão mais fáceis de administrar por conta de suas funções estratégicas claras – três delas orientadas ao crescimento e uma orientada à eficiência – e serão estruturadas com apoio em plataformas tecnológicas separadas.

“A transformação da Evonik está se tornando cada vez mais visível”, disse Christian Kullmann, Presidente da Diretoria Executiva da empresa. “Conseguimos aumentar a participação dos negócios de especialidades em nosso portfólio e vamos continuar firmes nessa direção”.

As especialidades hoje respondem por 80% do portfólio da Evonik. Em 2010 eram apenas 40%. Esses negócios apresentaram um crescimento orgânico anual das receitas – sem levar em conta as aquisições – de 6% na comparação com os últimos cinco anos.

 

As quatro novas divisões – Specialty Additives, Nutrition & Care, Smart Materials e Performance Materials – terão uma administração simplificada. A nova configuração envolve a redução de 150 cargos e uma economia anual de 25 milhões de euros até o final de 2021, sobretudo em funções administrativas nos segmentos operacionais.

A nova estruturação em divisões aumentará a transparência financeira. A Evonik passará a publicar resultados para quatro em vez de três divisões, facilitando a compreensão do desenvolvimento dos diferentes negócios. Além disso, a empresa divulgará as vendas separadas por subdivisões.

A Evonik também conduziu, pela primeira vez, uma análise de sustentabilidade de todo o seu portfólio, tendo como finalidade sobretudo a melhora da integração do tema em decisões futuras relativas ao portfólio em si e às decisões gerenciais estratégicas da empresa. Os resultados mostram que 90% dos produtos da Evonik incluem um benefício de sustentabilidade positivo que está no nível ou acima do nível de referência do mercado. Mais que 30% do portfólio da empresa entregam benefícios de sustentabilidade claramente superiores. Essas “Soluções de Próxima Geração (NGS)” contemplam o desejo dos clientes por produtos sustentáveis e oferecem potencial de crescimento acima da média para a Evonik.

“Nossas Soluções de Próxima Geração (NGS) estão criando oportunidades de crescimento atraentes”, disse Kullmann. “Estamos vendo uma alta demanda e esperamos continuar aumentando a participação nas vendas desses campeões em sustentabilidade”, acrescentou.

A fim de refletir a sua transformação estratégica e suas expectativas de crescimento, a Evonik atualizou suas metas financeiras de médio prazo. Nas três divisões de crescimento é esperado um aumento nos volumes de venda de mais de 3% ao ano, em média. A empresa pretende criar valor mediante a geração de um retorno de 11% sobre o capital investido – bem acima de seu custo de capital. E, por fim, o objetivo da Evonik é gerar um robusto fluxo de caixa livre em relação ao lucro, tendo como meta uma taxa de conversão de caixa (definido como fluxo de caixa livre em relação ao EBITDA ajustado) superior a 40%.

“Essas novas metas ilustram o nosso esforço na criação de valor para os acionistas mediante um aumento do foco em crescimento, retorno e geração de caixa”, disse Ute Wolf, CFO da empresa.

As novas metas são complementares às já existentes, que continuam válidas. A Evonik ainda planeja gerar uma margem EBITDA de 18-20%, distribuir dividendos confiáveis e reter uma sólida classificação de grau de investimento.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Semana da Sustentabilidade: durante escassez, empresas buscam estratégias na gestão hídrica

Indústria paranaense de alimentos propõe projetos pioneiros para gerir consumo de água na fábrica

Publicado em

em

Na Alegra, medidores monitoram o fluxo hídrico 24h por dia, com levantamentos dos setores com maior gasto - Foto: Divulgação

Em meio a uma situação de emergência hídrica no Paraná, ações sustentáveis se tornaram ainda mais necessárias. De acordo com a Sanepar, vivemos a pior estiagem dos últimos 100 anos e o nível dos reservatórios que abastecem Curitiba e Região está em 43%. Na Alegra, indústria de alimentos de origem suína, a crise no abastecimento não afetou a produção porque toda a água utilizada é captada e tratada em uma estação própria. Apesar disso, a busca por formas de gerir melhor o uso da água e também evitar desperdícios é diária.

De acordo com o Supervisor da Estação de Tratamento de Águas e Efluentes da Alegra, Rogério Rodrigues Penaroti, gráficos são usados para monitorar em tempo real o volume de consumo na fábrica. “Nós temos medidores que monitoram o fluxo hídrico 24h por dia, com esses dados conseguimos fazer levantamentos de onde precisamos melhorar, quais setores têm um gasto maior e facilita também a identificação de falhas, como vazamentos”, explica.

A empresa também apresentou novos projetos para gerar mais economia e também nos processos de reutilização de água no setor. “Por determinações sanitárias, as águas que atendem os padrões de reutilização não podem ser aplicadas em todos os setores da produção. Por isso, fizemos uma proposta para usarmos na lavagem de caminhões e recepção de suínos, por exemplo, que hoje ainda não é liberada”, explica Penaroti.

Além disso, de acordo com o gestor, a indústria pretende aplicar uma ferramenta pioneira na área. “Criamos um projeto que pretende implementar medidores de fluxo específicos em cada setor da produção. Os aparelhos serão regulados com um valor máximo diário de consumo e emitirão um alerta no painel de controle e via e-mail, permitindo que os gestores de cada área tenham conhecimento do consumo de água em tempo real e também todas as vezes que ultrapassar o limite diário, reforçando a importância da economia na prática”, conta.

Além do cuidado contínuo, no período de estiagem a empresa também adotou medidas que ajudam na redução de consumo, como a adaptação de ponteiras nas mangueiras, orientação da equipe de higienização e maior controle do fluxo hídrico na produção e também parte externa da fábrica.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Danyllo Guerra integra time da Safeeds

Safeeds continua investindo em seus profissionais e reforça time com novo gerente de monogástricos

Publicado em

em

Danyllo Guerra assume a gerencia de Mercado de Monogástricos da região Centro-Oeste, Norte, Nordeste e Espirito Santo. - Foto: Divulgação

A equipe técnica-comercial da Safeeds acaba de ganhar mais um importante profissional. O médico veterinário Danyllo Guerra assume a gerencia de Mercado de Monogástricos da região Centro-Oeste, Norte, Nordeste e Espirito Santo.

Com 21 anos de profissão, ele já atuou nas áreas de produção e comercial e agora traz todo seu conhecimento e experiência profissional para auxiliar os clientes da Safeeds.

O novo gerente é formado em medicina veterinária pela Universidade de Alfenas, possui pós-graduação em produção de Monogástricos, pela Universidade Federal de Lavras e MBA em Gestão Empresarial e Financeira, pela Universidade de Rio Verde.

Segundo Danyllo, o modelo produtivo de proteína animal está em transformação, guiado pela demanda e nova percepção alimentar do consumidor moderno, onde o conceito de sustentabilidade, qualidade e segurança do alimento se faz presente de forma irreversível. “Nesse cenário, a proposta de trabalho e disponibilidade de soluções da Safeeds são diferenciadas, permitindo ao cliente produzir um alimento seguro – AGP free – e sobretudo mantendo ótimos indicadores zootécnicos”, comenta o veterinário.

Para Danyllo, a atuação junto ao cliente deve ser feita de forma colaborativa e transparente, direcionando o portfólio de produtos  da empresa na busca das melhores alternativas para monitorar e controlar os desafios da cadeia produtiva, desde a qualidade de matéria prima nas fábricas de rações, alta performance dos animais no campo e finalmente um alimento seguro na mesa das pessoas. ‘’Tenho uma grande expectativa em colaborar com o contínuo crescimento da Safeeds, que passa sobretudo pela qualidade e tecnologia de seus produtos, mas em especial visa a valorização das pessoas”, ressalta o novo gerente de monogástricos.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.