Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias

Coasc escreve mais um importante capítulo em sua história

Cooperativa realizou a primeira compra de milho com preço da saca a R$ 48; qualidade do cereal surpreendeu o cooperado beneficiado

Publicado em

em

A Cooperativa Agroindustrial dos Suinocultores Catarinenses (Coasc) escreveu mais um importante capítulo em sua trajetória de dois anos, mas que já soma importantes triunfos para os cooperados. Foi concluída na segunda-feira (27) a primeira compra de milho da cooperativa. Foram adquiridas 630 toneladas de milho ao preço de R$ 48 por saca.

O primeiro cooperado beneficiado com o grão comprado no Mato Grosso foi a propriedade da família Pastre, de Linha Caravagio, no interior de Concórdia. A primeira carga com 37 toneladas de milho desembarcou na propriedade na quarta-feira passada (29). O restante do produto deve chegar em mais 16 carretas até o próximo dia 11.

Além da agilidade da Coasc na negociação por melhores preços e na entrega, Robson Pastre, primeiro cooperado beneficiado com a compra de milho, enalteceu a boa condição do insumo, com apenas 13,3% de humidade, uma vez que o limite mínimo de qualidade exigida é 14%.

“A Coasc surge para nós associados como uma alternativa na busca por insumos e já planejamos outras compras pela cooperativa. A Coasc se empenhou em buscar essa alternativa neste momento de instabilidade, uma vez que o preço do suíno baixa semana a semana e os valores dos insumos se mantém estáveis”, disse o cooperado beneficiado.

Credibilidade frente ao cooperado

O presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi, que também preside a Coasc, comemorou a compra de milho. “É um motivo de orgulho para nós fazer a compra de milho de qualidade e efetuar a entrega rápida neste período de turbulência pelo qual o setor atravessa. Pagamos entre R$ 4 e R$ 5 mais barato no cereal em relação ao que o mercado local está oferecendo. Esse fator mostra a credibilidade que a cooperativa tem frente aos seus cooperados. O nosso trabalho é fazer com que as propriedades dos associados sejam cada vez mais sustentáveis”.

A Coasc começa a receber o milho comprado no Paraguai a partir da próxima semana. De acordo com Losivanio, o valor do cereal deve ser mais barato em relação ao grão comprado no Mato Grosso. “A Coasc está no caminho certo e o cooperativismo tem feito a diferença no Estado. Os nossos cooperados estão satisfeitos com todos os insumos comprados pela Coasc”.

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − quatro =

Notícias Mercado

Indicador do milho se aproxima de novo recorde real

Em muitas praças acompanhadas pelo Cepea, os valores médios do milho vêm renovando as máximas nominais da série histórica

Publicado em

em

Divulgação

Em muitas praças acompanhadas pelo Cepea, os valores médios do milho vêm renovando as máximas nominais da série histórica. Inclusive, em algumas regiões, como no porto de Paranaguá (PR), a média de janeiro já é recorde real.

No caso do Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP), houve avanço de 7,35% na parcial deste mês (até o dia 22), fechando a R$ 84,43/saca de 60 kg na sexta-feira-feira (22). Na quarta-feira (20), especificamente, o Indicador fechou a R$ 85,44, nova máxima nominal da série e próxima do recorde real, de R$ 87,35/sc, verificado em 30 de novembro de 2007 (os preços foram deflacionados pelo IGP-DI de dezembro/20).

Segundo pesquisadores do Cepea, a disponibilidade restrita de milho no Brasil e a paridade de exportação elevada – que mantém os embarques aquecidos – seguem aumentando os preços do cereal no mercado interno. Além disso, a demanda doméstica também está firme.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Segundo Cepea

Preços do farelo de soja voltam a subir no Brasil

Consumidores brasileiros de farelo de soja consultados pelo Cepea indicam ter necessidade de adquirir novos volumes no curto prazo

Publicado em

em

Najia Furlan

Consumidores brasileiros de farelo de soja consultados pelo Cepea indicam ter necessidade de adquirir novos volumes no curto prazo.

Entretanto, indústrias nacionais estão resistentes nas vendas envolvendo grandes lotes, uma vez, que, além de a oferta ser baixa, a colheita tardia da soja deve retardar a entrega do grão às processadoras. Esse cenário tem elevado os preços internos do farelo de soja, segundo apontam dados levantados pelo Cepea.

Outro fator que dá sustentação aos valores do derivado de soja é o bloqueio de caminhoneiros nas estradas da Argentina, que tende a atrapalhar os embarques no país vizinho, principal exportador global de farelo de soja.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Vendas aquecidas e oferta controlada elevam preços dos ovos

Procura pelo produto tem sido favorecida pelo alto preço das principais carnes consumidas pelo brasileiro, que podem fazer o consumidor optar por alternativas mais “em conta”

Publicado em

em

Divulgação

Mesmo com o início da segunda quinzena de janeiro, as vendas de ovos comerciais estiveram em bom ritmo nos últimos dias, de acordo com informações coletadas pelo Cepea.

A procura pelo produto tem sido favorecida pelo alto preço das principais carnes consumidas pelo brasileiro, bovina, suína e de frango, que podem fazer o consumidor optar por alternativas mais “em conta”.

Além da boa saída na ponta final, colaboradores do Cepea apontam que a oferta de ovos está mais controlada, resultado de descartes das poedeiras mais velhas pelos produtores. Com boa demanda e redução na oferta, os preços subiram.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.