Conectado com

Notícias

CNH industrial é reconhecida pelo CDP entre as líderes na comunicação transparente sobre a luta contra as mudanças climáticas

Publicado em

em

Pelo terceiro ano consecutivo, a CNH Industrial tem se posicionado no topo do Índice Climate Disclosure Leadership (CDLI) da Itália 100, graças à qualidade das informações sobre a luta contra as mudanças climáticas disponíveis para o mercado através do CDP, o único sistema global para a divulgação de informações ambientais.
O Grupo alcançou uma pontuação de 93/100 na avaliação da qualidade e integridade dos dados divulgados, com notas de importância para a gestão e comunicação das emissões, e do envolvimento das partes interessadas. A CNH Industrial também recebeu uma classificação "B" em uma escala de "A" (sendo a mais alta) a "E" (a mínima) por seu compromisso com a redução das emissões de CO2.
Os resultados foram anunciados hoje, com a publicação do Relatório das Mudanças Climáticas da CDP Itália 100 2013 preparado pela Accenture, que descreve como as 100 maiores empresas listadas na Itália estão gerindo as mudanças climáticas em nível global.
A CNH Industrial participou do programa anual sobre as mudanças climáticas patrocinado pelo CDP, que opera representando 722 investidores institucionais, e que gerem ativos de 87 trilhões de dólares. O programa visa facilitar a gestão das emissões de gases de efeito estufa e os riscos e oportunidades relacionadas às mudanças climáticas.
O índice, compilado anualmente pelo IMQ, em nome do CDP, inclui as empresas da Bolsa de Milão (FTSE MIB) bem como as de Pequeno e Médio Porte da FTSE Itália e que demonstraram uma maior transparência na comunicação de informações sobre a luta contra as mudanças climáticas.
Altas pontuações indicam um alto nível de comunicação e uma boa compreensão das questões e problemas relacionados com as mudanças climáticas que afetam a empresa. Os resultados são comunicados aos investidores e outras partes interessadas, utilizando uma variedade de canais, incluindo a plataforma Bloomberg, que permite avaliar a capacidade das empresas em responder as demandas do mercado e regulamentações sobre as emissões, que estão em contínua evolução.
O CDLI inclui 10% das empresas que obtiveram as pontuações mais altas e, portanto, as empresas admitidas no CDLI Itália 100 foram apenas dez. A pontuação mínima foi de 91/100, demonstrando como nos últimos anos tem aumentado a conscientização das empresas sobre a importância da comunicação transparente no setor ambiental.
CNH industrial N.V. (NYSE: CNHI / MI: CNHI) é líder global no setor de bens de capital, com uma grande base industrial, uma vasta gama de produtos e presença geográfica no mundo inteiro. Todas as marcas comerciais do Grupo são os principais players internacionais em seus respectivos campos: Case IH, New Holland Agriculture e Steyr – tratores e máquinas para agricultura; Case e New Holland – equipamentos de construção; – veículos comerciais Iveco, Iveco Bus e Heuliez Bus – onibus, Iveco Astra – veículos de mineração e construção, Iveco Magirus – carros de bombeiros, e a Iveco Veículos de Defesa – meios de transporte para a defesa e proteção civis e FPT Industrial para motores e transmissões.  
CDP (anteriormente conhecido como Carbon Disclosure Project) é uma organização internacional sem fins lucrativos que oferece o único sistema global às empresas e cidades para a medição, publicação, gestão e compartilhamento das mais importantes informações ambientais. CDP opera em nome de 722 investidores institucionais que gerem ativos de 87 trilhões de dólares e incentiva as empresas a divulgar informações sobre o seu impacto sobre o meio ambiente e sobre os recursos naturais e as medidas tomadas para mitigar tais impactos. Até o presente, CDP opera a maior base de dados mundial sobre as mudanças climáticas, recursos hídricos e conservação das reservas florestais e naturais e a torna disponível para e em apoio das escolhas políticas, estratégicas e de investimento

Fonte: Ass. Imprensa da CNH Industrial

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Para o produtor

Custos de produção de aves e suínos aumentaram em 2018

Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar de os custos de produção de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa terem se mantido estáveis em dezembro de 2018 (218,06 pontos, ante 218,05 em novembro), acumularam uma alta de 14,21% durante todo o ano passado.

 Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018. O gasto com a alimentação das aves representa 69% do total dos custos de produção dos frangos. Em seguida, as maiores altas em 2018 ficaram com os itens pinto de um dia (2,18%), custo de capital (0,18%) e depreciação (0,16%).

O custo de produção do quilo do frango de corte vivo também se manteve estável em dezembro, encerrando o ano em R$ 2,82 no Paraná, valor calculado a partir dos resultados em aviário tipo climatizado em pressão positiva.

Já o ICPSuíno caiu pelo terceiro mês consecutivo, chegando aos 219,49 pontos em dezembro, -1,34% em relação a novembro de 2018 (222,47 pontos). No ano, os custos de produção de suínos subiram 9,85%, influenciados principalmente pela alimentação dos animais, que teve um aumento de 9,68%.

O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina caiu para R$ 3,84 em dezembro (o menor valor desde março de 2018). 

Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. Santa Catarina e Paraná são usados como estados referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves
Continue Lendo

Notícias Mercado

Desaquecimento de negócios pressiona valores da carne de frango

Vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Colaboradores do Cepea afirmam que as vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano. Assim, as cotações do produto, especialmente do congelado, estão em queda na maior parte das regiões acompanhadas. Na Grande São Paulo, o preço do frango inteiro congelado recuou 0,6% frente a dezembro, com média de R$ 4,37/kg na parcial deste ano (até 17 de janeiro).

Quanto à carne resfriada, por outro lado, foram observadas variações distintas na primeira quinzena de janeiro dentre as regiões pesquisadas pelo Cepea. No comparativo com janeiro/18, porém, os preços atuais estão significativamente mais elevados, em termos nominais.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Ovos

Poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda

Quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor desde 2013

Publicado em

em

Domicio Faustino

De acordo com pesquisadores do Cepea, a oferta elevada, que segue pressionando as cotações dos ovos, tem impactado negativamente o poder de compra do avicultor de postura paulista frente aos principais insumos utilizados na alimentação das poedeiras, o milho e o farelo de soja.

Na parcial deste mês, a quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor de toda a série do Cepea, iniciada em maio/13. Já sobre a quantidade do derivado da soja, é a menor desde dezembro/13.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Nucleovet 2
APA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.