Conectado com

Bovinos / Grãos / Máquinas

Circuito Feicorte NFT 2013 percorre mais de 20 mil km pelo Brasil

Publicado em

em

A edição de 2013 do Circuito Feicorte NFT, evento que percorreu alguns dos principais polos de produção pecuária do Brasil, superou todas as expectativas. Quase 6 mil pessoas participaram das cinco etapas realizadas em Cuiabá (MT) em março, Palmas (TO) em maio, Campo Grande (MS) em julho, Ji-Paraná (RO) em outubro e Paragominas (PA) em novembro, abrangendo um total de 100 milhões de cabeças de gado.
Entre os participantes, vindos de 276 cidades brasileiras de 18 estados e da Bolívia, 80% são pecuaristas, que participaram ativamente dos debates realizados nos workshops. O tema “Eficiência na produção e comercialização da carne” foi abordado em 75 palestras por 43 palestrantes sob diversas óticas: mercados nacional e internacional, gestão, sanidade, genética, nutrição, clima, pastagens, bem-estar animal, qualidade, visão da indústria e do restaurante, práticas sustentáveis, dentre outros.
Os participantes do Circuito Feicorte NFT puderam ainda estar em contato com as principais novidades tecnológicas apresentadas por 37 empresas de referência no setor que estiveram presentes na feira de negócios que compôs os eventos. Para a realização do Circuito Feicorte NFT 2013, promovido pelo Agrocentro (que realiza a Feicorte em São Paulo) e a Nutrition for Tomorrow Alliance (aliança de marketing cooperativado formada por empresas da cadeia de proteína animal), foram percorridos mais de 20 mil quilômetros. 
“O Circuito Feicorte NFT mais uma vez cumpriu o seu papel de levar informação de qualidade e tecnologia para onde efetivamente o pecuarista está. De forma customizada e procurando atender as necessidades e especificidades de cada região, o evento ofereceu ferramentas, seja com as palestras e discussões geradas, seja com as novidades disponibilizadas pelas empresas para que o produtor busque cada vez a eficiência em sua atividade. Além disso, os eventos do Circuito foram palco para aproximar o produtor do Governo, de entidades representativas e da indústria frigorífica e de insumos para que os elos da cadeia produtiva dialoguem cada vez mais para melhorar a pecuária”, avalia a gerente do Agrocentro, Carla Tuccilio.
“Para a NFT Alliance, o Circuito Feicorte NFT é uma ferramenta fundamental para gerar e disseminar conhecimento para segmento da pecuária de corte nacional. As quase 100 milhões de cabeças de gado presentes nos cinco estados que receberam as etapas do Circuito em 2013 aliadas à grande presença de público e ao enorme interesse dos pecuaristas de cada estado demonstram que o setor está ávido por informações e tecnologias que os auxiliem no sucesso do seu negócio. Para nós, como co-promotores do evento, ficou uma enorme satisfação de ter levado a aplicabilidade das novas tecnologias desenvolvidas pelas empresas para os maiores centro de produção de pecuária do país. A receptividade dos pecuaristas bem como o grande apoio dos órgãos e associações que representam os produtores de cada estado somados à disponibilidade dos palestrantes em percorrerem conosco os diversos cantos do Brasi, e às empresas que estiveram presentes com os estandes nas etapas, foram, sem dúvida, a fórmula do sucesso deste que se tornou o maior e mais importante evento para o segmento da pecuária de corte, tanto em volume como em qualidade de público e na relevância do conteúdo apresentado”, completa o gestor NFT Alliance, Alessandro Roppa.
 
Avaliação das empresas
As empresas que estiveram presentes nesta edição do Circuito Feicorte NFT ficaram bastante satisfeitas com os resultados. “A Feicorte é a vitrine nacional e internacional do segmento de produção de carne. A visibilidade é, sem dúvida, a maior do mercado. Palestras, debates e troca de informações atualizadas que ocorrem durante o evento são de muita valia para os produtores rurais presentes na feira realizada em São Paulo e nas outras cinco importantes cidades para a pecuária brasileira: Cuiabá, Palmas, Campo Grande, Ji-Paraná e Paragominas. Estamos satisfeitos e valeu a pena participar mais um ano da Feicorte, pois fizemos bons contatos com produtores e pudemos compartilhar nossas iniciativas e estratégias, além de trazer novas tecnologias que contribuem para animais mais saudáveis”, declara Tiago Arantes, Diretor Unidade de Negócios Pecuária da MSD Saúde Animal, patrocinador Master do evento.
Para a Dow AgroSciences, também patrocinadora Master, a realização de eventos como o Circuito Feicorte nas principais regiões produtoras possibilita a exposição de produtos, tecnologias e serviços. “O evento viabiliza o acesso do pecuarista à troca de experiências e informações de alto valor por meio das palestras que ocorrem simultaneamente às exposições. Além de podermos apresentar aos produtores soluções para a linha de pastagem, na edição de Paragominas, especialmente, tivemos como destaque os resultados do projeto ‘Pecuária Verde’, criado em 2011 e que desenvolve ações em áreas piloto de seis fazendas no Pará, hoje consideradas modelo de sustentabilidade. A Dow AgroSciences tem orgulho de apostar fortemente nesta parceria e sente-se orgulhosa pelos resultados positivos que o Circuito Feicorte gerou ao longo de suas edições”, afirma o Gerente de Pastagem Dow AgroSciences, Felipe Daltro.
 
Circuito Feicorte NFT 2013 em números:
– Cerca de 6 mil participantes
– Vindos de 18 estados brasileiros e da Bolívia
– Participantes de 276 cidades
– 80% do público pecuarista
– O Circuito passou por regiões que somam um total de 100 milhões de cabeças de gado
– Quase 20 mil km percorridos
– 43 palestrantes
– 75 palestras
– 37 empresas participantes da feira de negócios
– 170 profissionais de imprensa fizeram a cobertura das cinco etapas
– Mais de 1.000 matérias publicadas a respeito do evento
Mais informações: www.agrocentro.com.br/circuitofeicorte
Facebook: http://www.facebook.com/agrocentro.feiras

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 − 1 =

Bovinos / Grãos / Máquinas Segundo Abiec

Exportações brasileiras de carne bovina registram faturamento de US$ 1 bilhão em julho

Volumes cresceram 16,4% com 191.251 toneladas embarcadas no mês

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

As exportações brasileiras de carne bovina registraram incremento de 16,4% no mês de julho em comparação a junho, de acordo com os dados divulgados pela Secex e compilados pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec). Ao todo, foram embarcadas 191.251 toneladas de carne bovina em julho ante 164.332 toneladas em junho. Em receita, o aumento foi de 21,1%, passando de US$ 835,1 milhões para US$ 1 bilhão. Trata-se do melhor resultado mensal do ano.

Na comparação com Julho de 2020, os embarques registraram desaceleração de 1,4% no volume ante as 194 mil toneladas embarcadas no mesmo período. Já o faturamento cresceu 29,9% em julho desse ano ante os US$ 778,3 milhões registrados em julho de 2020, indicando um aumento do preço médio pago pela carne em vários mercados. O preço médio total no período registrou alta de 31,8%.

China

A China segue como principal destino da carne brasileira fechando o mês de Julho com um volume total de 91.144 toneladas, crescimento de 11,2%. As receitas tiveram alta de 19,1% somaram US$ 525,5 milhões. Quando se observa o período de janeiro a julho de 2021, os embarques para a China já somam 490 mil toneladas e receitas de US$ 2,493 bilhões, crescimento de 8,6% e 13,8%, respectivamente, no comparativo com o mesmo período de 2020.

Acumulado do ano

De janeiro a julho de 2021 as exportações totais registraram incremento de 8,5% no faturamento que fechou o período em US$ 5 bilhões ante US$ 4,6 bilhões registrado nos sete primeiros meses de 2020. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o volume embarcado deixou de crescer 3,3% com embarque de 1.065.676 toneladas.

Outros destinos

No acumulado do ano, os embarques para os Estados Unidos cresceram 93%, passando de 27.512 toneladas para 53.123 toneladas. Outros destinos que registraram aumento do volume foram Chile com 48.789 toneladas, Filipinas com 32.642 toneladas e Emirados Árabes Unidos com 25.349 toneladas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Financiamento

Com R$ 27 bilhões, crédito rural atinge recorde no primeiro mês da safra 2021/2022

Os produtores do Pronaf foram os que mais contrataram no período

Publicado em

em

Divulgação

No desempenho do primeiro mês da safra 2021/22, as contratações do crédito rural atingiram R$ 27 bilhões, aumento de 16% em relação à safra passada. Com o volume contratado, em julho, os investimentos somaram de R$ 6,8 bilhões, apresentando o maior crescimento (+38%). As operações de custeio totalizaram R$ 16,5 bilhões, correspondendo a alta de 12% em relação a igual período do ano passado.

De acordo com o Balanço de Financiamento Agropecuário da Safra 2021/2022, os produtores enquadrados no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) apresentaram o melhor desempenho relativo, com 56% de aumento e R$ 6,6 bilhões contratados, dos quais R$ 4,2 bilhões em custeio e R$ 1,8 bilhão em investimento, esse último com crescimento de 61%. Do montante de recursos autorizados para o Pronaf, ainda restam a ser contratados 87% dos investimentos e 78% das demais finalidades.

O Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor (Pronamp) apresentou uma elevação de 5% no volume de recursos contratados e atingiu R$ 3,8 bilhões. Desse montante, R$ 3,5 bilhões referem-se às contratações de custeio e, R$ 306 milhões, aos investimentos. Nesse sentido, o saldo remanescente para atendimento a futuras demandas dos médios produtores amparados pelo programa, situa-se em 93% para investimentos e 88% para custeio, comercialização e/ou industrialização.

Os programas de investimentos, com exceção do Moderfrota (Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras) e do Inovagro (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro), requerem um período maior para análise. O volume contratado no primeiro mês, no conjunto dos programas, ainda é relativamente pequeno, abaixo de 5%.

No entanto, segundo a análise da Secretaria de Política Agrícola do Mapa, cabe destacar que, no caso do BNDES, em alguns programas, o valor correspondente às propostas já protocoladas está próximo do limite de recursos alocados, a exemplo do Prodecoop (Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária) e do PCA (Programa de Construção e Ampliação de Armazéns), o que ensejou a suspensão temporária do acolhimento de novas propostas de financiamento pelo banco para esses programas.

Entretanto, a disponibilidade total de recursos para esses programas, no final de julho último era, respectivamente, de 100% e de 97% do valor de suas programações, pois na atual safra foi ampliado o número de agentes financeiros que operam os programas de investimento agropecuário. As contratações do PCA tiveram redução de 8%.

As fontes de recursos mais utilizadas pelas instituições financeiras na liberação do crédito aos produtores foram Recursos Obrigatórios (R$ 8,8 bilhões), Poupança Rural Controlada (R$ 6,0 bilhões) e Poupança Rural Livre (R$ 5,1 bilhões), cujo aumento foi de 106% em comparação a julho de 2020.

A poupança livre respondeu por 19% do valor total das contratações no primeiro mês da atual safra, sendo que a participação do total de recursos não controlados foi de 29%.

O valor das operações de crédito realizadas com recursos das demais fontes de recursos não controlados e respectivas variações foram: LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio) R$ 1,07 bilhão (-35%), recursos livres R$ 1,3 bilhão (+34%) e outras fontes R$ 344 milhões (+288%).

As fontes controladas tiveram uma redução na participação das contratações de 79% para 71% nesta safra, comparativamente ao mesmo período da safra passada.

Fonte: Mapa
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Nutrição Animal

Adsorventes de micotoxinas: aditivo é indispensável em todas as fases de produção

Intoxicação dos animais pode provocar danos à saúde, queda do desempenho zootécnico e consequente perda financeira

Publicado em

em

Divulgação

Um dos maiores desafios na alimentação animal é o controle de micotoxinas. A intoxicação dos animais pode provocar danos à saúde, queda do desempenho zootécnico e consequente perda financeira. O jornal O Presente Rural entrevistou Mateus Morgan, gerente de produto – adsorventes de micotoxinas – da Agrifirm, para saber onde estão, como prevenir e como tratar adequadamente esse tema. Boa leitura.

O Presente Rural – O que são micotoxinas e onde estão presentes?

Mateus Morgan – Micotoxinas são substâncias tóxicas resultantes do metabolismo secundário de diversas linhagens de fungos filamentosos. São compostos orgânicos de baixo peso molecular e baixa capacidade imunogênica. A sua ocorrência está presente em todo mundo principalmente em climas tropicais e subtropicais, o desenvolvimento fúngico é favorecido pela excelente condição ambiental como umidade e temperatura. Mais de setecentos metabólitos produzidos por aproximadamente uma centena de fungos são conhecidos atualmente.

Os principais fungos produtores de micotoxinas são do gênero Aspergillus, Penicillium e Fusarium, responsáveis pela produção dos três principais grupos de micotoxinas: aflatoxinas, ocratoxina e as fusariotoxinas que são representadas pelas fumonisinas, tricotecenos e zearalenona (tabela1). Os fungos dos gêneros Claviceps, Alternaria, Pithomyces são de baixa frequência, mas não de menor importância.

O Presente Rural – Porque elas são um problema para o agronegócio?

Mateus Morgan – A alta prevalência das micotoxinas nos alimentos acaba trazendo graves problemas para atividade agropecuária. Com os elevados custos de produção e das matérias primas, além de uma demanda por alimentos de alta qualidade para a nutrição animal, sempre que nos deparamos com alimentos contaminados acabamos tendo perdas significativas na qualidade destes alimentos, que impactam diretamente nos custos financeiros e produtivos nas propriedades e agroindústrias e que, necessariamente, tende ser repassado ao consumidor, afetando diretamente o agronegócio.

Como podemos ver na tabela 2, as contaminações de micotoxinas em volumosos são significativas e impactam diretamente nos resultados e qualidade dos alimentos.

Tabela 2 – Amostras de volumosos (julho 2020 a fevereiro de 2021)

O Presente Rural – Em que fases elas afetam a produção de gado de corte e leite?

Mateus Morgan – De maneira geral as micotoxinas afetam os ruminantes em todas as fases de produção dos animais quando expostos a estes metabólitos. Especificamente, os animais em produção são mais acometidos, devido ao maior consumo de alimentos (concentrado e volumosos) conservados que ficam armazenados por longos períodos, o que possibilita uma maior contaminação destes alimentos.

No gado de corte, animais em fase de confinamento e semiconfinamento e suplementados com altos níveis de concentrados são os mais propensos a contaminação. Já na produção de leite, os animais em produção e recria são mais predispostos às intoxicações devido a dieta estar 100% atrelada a alimentos armazenados, como os volumosos, que tendem a ter contaminações que causam efeitos deletérios aos animais.

O Presene Rural – Quais os prejuízos na produção de gado de corte e de leite?

Mateus Morgan – A problemática denominada micotoxinas, muitas vezes oculta dentro da produção, acaba trazendo prejuízos de grande monta no gado de corte e leite por agir de maneira silenciosa e muitas vezes negligenciada por profissionais desta área.

Dentro da pecuária de corte os prejuízos estão mais relacionados a queda de imunidade, danos às funções hepáticas e a saúde do trato gastrointestinal, que refletem em queda nos parâmetros zootécnicos e estão atrelados principalmente a Afla, Fumo e Don. Estudos relatam que altas doses destas micotoxinas podem trazer perda na casa de 150g/animal/dia dentro de confinamentos.

Na atividade leiteira, os problemas são muito similares aos bovinos de corte. A grande diferença para os bovinos leite está relacionada a problemas de cunho reprodutivo que estão diretamente relacionados a Zearalenona e a presença de Aflatoxina M1 no leite, oriundo da contaminação de Aflatoxina nos alimentos.

No gráfico 1 podemos identificar as perdas reprodutivas, associada as taxas de concepção de novilhas de corte em um estudo na Universidade de Santa Maria.

Gráfico 1 – Taxas de concepção após intoxicação de novilhas tradadas com T1 – dieta basal (controle), T2 – dieta basal + 5 mg/kg de ZEA, T3 – dieta basal + 5 mg/kg de ZEA + 2,5 kg/tonelada de AAM e T4 – dieta basal + 5 mg/kg de ZEA + 5,0 kg/tonelada de AAM que foram submetidas a Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF).

O Presente Rural – Que tipos de práticas é preciso lançar mão para evitar prejuízos?

Mateus Morgan – Para evitar os prejuízos causados pelas micotoxinas devemos estar atentos a produção, armazenamento, pré e pós colheita e principalmente na produção manutenção dos silos de volumosos, evitando assim a proliferação dos fungos e aumento da contaminação das micotoxinas. Boas práticas nestas fases são fundamentais para evitar maiores contaminações.

É imprescindível o uso dos aditivos adsorventes de micotoxinas (AAM) para minimizar os impactos negativos destes contaminantes, pois estes são os grandes responsáveis pela proteção dos animais, quando há contaminação nos alimentos. Vale lembrar que nem todos os adsorventes do mercado apresentam eficiência protetora.

O Presente Rural – O que são adsorventes e como eles agem para a pecuária de corte e leite?

Mateus Morgan – Os AAM são aditivos tecnológicos com alta capacidade de adsorção dos metabólitos fúngicos presentes na ração, evitando a sua adsorção pelo trato gastrointestinal dos animais, eliminando-os de forma natural via fezes. Existem adsorventes específicos para determinadas micotoxinas e espécie animal, sendo de extrema importância, conhecer os resultados de eficácia (estudos) in vivo para cada micotoxina na espécie que está sendo usado estes aditivos.

A forma de ação dos AAM é muito idêntica em todas as categorias animais, sendo a sua principal função evitar que as micotoxinas sejam absorvidas no TGI, causando perdas a saúde dos animais e humanos. Outra função importante dos AAM é evitar a formação dos metabólitos tóxicos, produzidos a partir da absorção das micotoxinas, como por exemplo, a presença de Aflatoxina M1 no leite.

O Presente Rural – Que benefícios práticos têm no gado de corte e no gado de leite?

O Presente Rural – Como eles são administrados e em que níveis?

Mateus Morgan – As recomendações de uso são de duas formas; top dress e via ração. Já as doses de inclusão (gramas/animal/dia ou Kg/ton) é um tema que devemos ter total atenção, levando em consideração se as doses recomendadas pelo fornecedor realmente serão efetivas ao controle das micotoxinas.

A melhor maneira de certificar se a dose recomendada está correta e protegendo os animais é solicitar as avaliações de eficácia in vivo, assim, não corremos o risco de usar subdosagens que muitas vezes são um atrativo comercial.

O Presente Rural – Quais são as tecnologias em adsorventes de última geração? E quais as novas fronteiras sobre o tema?

Mateus Morgan – As novas tecnologias de adsorventes estão surgindo aos poucos no mercado, principalmente na produção tecnológica de adsorventes capazes de capturar mais de uma micotoxina. Nestas inovações, podemos citar uma tecnologia onde mudamos a estrutura da sílica através de processos químicos e térmicos tornando-as capazes de capturar Zearalenona, Doeoxinivalenol e Endotoxinas.

A biotransformação, inativação e detoxificação também surgem como tecnologias inovadoras e recentes, porém necessitam estudos e comprovações de eficácia. O Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) recentemente validou uma nova portaria que regulamenta o registro e uso dos AAM. Inovações e novas ferramentas de controle e mensuração da micotoxinas na produção animal têm surgido trazendo vários benéficos para o agronegócio.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Biomin

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.