Conectado com

Notícias Soberania Energética

CIBiogás reúne ministérios e agências reguladoras para acelerar iniciativas de biogás no Brasil

Ação compõe um dos propósitos do Fundo Global para o Meio Ambiente que é desenvolver as energias renováveis na agroindústria brasileira

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Nesta quarta e quinta-feira (14 e 15), o Centro Internacional de Energias Renováveis – CIBiogás, reuniu membros de cinco ministérios e agências reguladoras, como a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), para nivelamento técnico e debates que promovam aceleração de iniciativas do biogás no Brasil. Para o diretor-presidente do CIBiogás, Rodrigo Regis de Almeida Galvão, o trabalho de sensibilização das autoridades busca promover a soberania energética nacional. “O biogás é transversal, ele é uma alternativa para o desenvolvimento sócio-ambiental e econômico do país”, afirma o diretor.

O encontro foi uma iniciativa do projeto Aplicações do Biogás na Agroindústria Brasileira, financiado com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), e que tem o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) como instituição líder do projeto, representado pela Secretaria de Empreendedorismo e Inovação (SEMPI), a qual é responsável pela área de energia. A Secretaria identificou no biogás uma oportunidade de empreender serviços energéticos e ambientais de alta relevância para o país.

Conteúdo

Cumprindo o papel de agente executor do projeto, o CIBiogás colaborou com conteúdo técnico-científico, compartilhando com os participantes conhecimento reais sobre: tecnologias para produção de biogás, o biogás na geração de energia elétrica, modelos de conexão, aspectos regulatórios, biometano – regulamentações e características, cases das Unidades de Produção de biogás e projetos de inovação, mercado brasileiro do Biogás, biogás e o desenvolvimento territorial e sob o ponto de vista econômico, ambiental e social, oportunidades de negócios com o biogás.

Segundo Natali Nunes dos Reis da Silva, engenheira eletricista, discutir ações para consolidação do biogás no setor de energia elétrica é essencial, além da opção de geração distribuída por meio do sistema de compensação de energia, é necessário desenvolver mecanismos para venda, já que as características dessa fonte propiciam uma geração firme.

Próximos passos

O projeto prevê articulações com as instituições presentes na reunião. De acordo com Felipe Marques, engenheiro ambiental e gerente de projetos no CIBiogás pela UNIDO, a ideia é que as ações federais ganhem celeridade, inclusive na formação de modelos de negócios no Sul do Brasil, onde a biomassa disponível é abundante. “A nossa chance agora é que todas as instituições compreendam o que é o biogás para quebrar barreiras existentes para expansão e  desenvolvimento desta energia renovável”, explica Marques que enfatiza a necessidade de desburocratização e criação de incentivos.

Participantes

Estiveram presentes no nivelamento técnico representantes da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), do Ministério das Relações Exteriores, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), vinculada ao Ministério de Minas e Energia, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Ministério de Minas e Energia (MME), Ministério da Economia (ME), a Agência Alemã de Cooperação Internacional, que no Brasil é focada em energias renováveis e eficiência energética – GIZ, a Itaipu Binacional,  o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE e SEBRAE PR, UNIDO – Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial.

Gustavo de Lima Ramos, engenheiro agrônomo e membro do MCTIC, ressalta que há cerca de 15 anos o ministério vem desenvolvendo pesquisas que demonstram os benefícios do biogás. “A temática se tornou uma prioridade para o Ministério e para o Governo. Esse projeto está em um ótimo momento, tanto para agregar os esforços quanto para direcionar as futuras ações para desenvolver a cadeia de valor do biogás”, enfatiza.

No Comitê de Gestão do projeto estão, ao lado do MCTIC, o MAPA, MMA, MME, Itaipu Binacional, UNIDO, Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e CIBiogás. Este grupo viu no biogás uma oportunidade para fortalecer a soberania energética, independência tecnológica, garantindo desenvolvimento tecnológico ativando a cadeia nacional com o biogás, que é um energético que tem potencial para trazer resultados para o país, tanto sócio-ambientais quanto em biocombustíveis.

ANP

Para o superintendente da ANP, Carlos Orlando Enrique da Silva, a reunião possibilitou três enfoques diferentes. Segundo Carlos, um meio simples de incentivar a indústria do biogás e do biometano seria tornar as resoluções nacionais mais simples para que produtores de médio e pequeno porte tenham acesso a produção e a comercialização do biogás.

O segundo enfoque seria dar uma posição de maior força e destaque ao biometano no Renovabio, que é uma política de Estado que objetiva traçar uma estratégia conjunta para reconhecer o papel estratégico de todos os tipos de biocombustíveis na matriz energética brasileira, tanto para a segurança energética quanto para mitigação de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa.

E o terceiro enfoque está na condução do biometano para que no futuro ele e o gás natural componham uma solução para substituição do uso do diesel nacional. “Nas nossas reuniões acreditamos que essa junção é a saída para a redução de emissões de gases de efeito estufa no ciclo diesel que representa 47% de toda a matriz energética de transporte”, afirma.

O encontro foi realizado nas dependências do PTI, que 2008 desenvolve projetos em biogás e parceria com o CIBiogás. Além disso, o PTI também fomenta pesquisa e aplicação do hidrogênio e da solar, conforme afirma o diretor administrativo-financeiro do Parque, Flaviano da Costa Masnik, que recepcionou os participantes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + dez =

Notícias Fórum de Inovação

“Desafios e oportunidades do agro brasileiro até 2030” é o foco do ESALQSHOW

Fórum de Inovação para o Agronegócio Sustentável será nos dias 9, 10 e 11 de outubro, no campus da Esalq/USP, em Piracicaba (SP)

Publicado em

em

Divulgação

Fortalecer e expandir o papel e as contribuições das universidades, melhorando a integração entre a academia e os demais elos do agronegócio é a proposta do ESALQSHOW, Fórum de Inovação para o Agronegócio Sustentável, que debaterá este ano os “Desafios e oportunidades do agro brasileiro até 2030”. O evento será entre os dias 9 e 11 de outubro, na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – Universidade de São Paulo (Esalq/USP), em Piracicaba (SP). A abertura do evento será no dia 9, às 9 horas, no Prédio Central.

O ESALQSHOW contará com uma vasta programação durante os três dias, entre eles o Encontro de Lideranças em Agricultura, o Prêmio Novo Agro Santander, o Agtech Valley Summits, Painel Startups no Agronegócio – Academyday, StartupDay e Integração e Inovação no Vale do Piracicaba, Painel Agricultura Digital – Conectividade, Painel Agricultura Familiar e Pequeno Produtor, Clínica de Consultoria para Startups e Empreendedores, além de uma Feira de Inovação e Tecnologia.

“Além de promover o empreendedorismo, o ESALQSHOW vem para dar mais visibilidade às iniciativas acadêmicas para o mercado nacional e internacional”, aponta Luiz Carlos Corrêa Carvalho, presidente do conselho consultivo do ESALQSHOW 2019.

A participação no ESALQSHOW é gratuita e aberta ao público geral, mediante inscrição antecipada.

Lideranças se reúnem para traçar oportunidades do setor nos próximos anos

Quais são os desafios e oportunidades que o agronegócio terá até 2030? Este será um dos questionamentos a serem debatidos durante o Encontro de Lideranças em Agricultura, que será no dia 9 de outubro, a partir das 14 horas.

Sob o tema “Relações Internacionais no Agro”, o debate contará com a presença de Flávio Campestrin Bettarello (secretário adjunto de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura), Guo Pei (professor e pesquisador da China Agricultural University), Jorge Cabral (embaixador de Portugal no Brasil), Ricardo Carciofi (membro do Grupo de Países Productores del Sur) e Yang Wanming (embaixador da China no Brasil).

 “A proposta é apresentar e debater as diferentes perspectivas da agricultura sob a ótica da academia, das agências de pesquisa, setores produtivos, governos e cooperação internacional. A ideia é de contextualizar, de maneira ampla, estratégica e global, a visão de cada um destes especialistas e profundos conhecedores do setor sobre o tema central do ESALQSHOW que são os desafios e oportunidades do agro até 2030 e o que é preciso ser feito neste contexto”, aponta o presidente do conselho consultivo do ESALQSHOW 2019 e que será o mediador do debate. 

Agtech Valley Summits

Com o objetivo levantar as principais questões e desafios para o setor, discutir as últimas tendências do mercado e envolver líderes da academia, produtores e empresas, o Agtech Valley Summits terá palestras, debates e mesas redondas, nos dias 10 e 11 de outubro. O evento contará com quatro painéis diários que ocorrerão das 9h às 16h30.

No dia 10 de outubro o tema central será “O agro brasileiro e seus caminhos” e os painéis abordarão assuntos como: Comércio Exterior – Os Caminhos até 2030, Mercado Brasil-China e Mecanismos Financeiros.

Já no dia 11, a programação será sobre “A inovação tecnológica no agro a favor de uma alimentação mais saudável e da energia renovável”. Os palestrantes e debatedores tratarão de Alimentos Saudáveis, Etanol e Açúcar, Sistemas de Produção e o Profissional do Futuro: Visões da Academia e do Mercado.

Feira de Inovação e Tecnologia

A Feira de Inovação e Tecnologia é um espaço dinâmico em que os participantes discutirão desafios, soluções e tendências, estimulando o networking, a formação de parcerias e promovendo novas ideias, tecnologias, produtos e serviços.

No painel “Startups no Agronegócio – Academyday”, os participantes poderão obter informações de como transformar conhecimento em inovação e o papel das universidades dos institutos de pesquisa. Já o painel “Agricultura Familiar e Pequeno Produtor” abordará as políticas para Inclusão de modelos sustentáveis, oportunidades de mercado e sucessão familiar e viabilidade do negócio.

No “Painel Agricultura Digital – Conectividade” as palestras abordarão Instrumentação, Monitoramento, Conectividade e o Mercado da Agricultura Digital.

O espaço será montado na Central de Aulas e Prédio 2 do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição e Alameda dos Alecrins e funcionará durante os três dias de ESALQSHOW, das 9h às 17h. Haverá ainda área de exposições junto aos auditórios com a participação de centros de pesquisa, empresas e startups.

Clínica de Consultoria para Startups e Empreendedores

Para a edição deste ano, o ESAQLSHOW contará com uma programação exclusiva para os empreendedores e startups que desenvolvem inovações para o agronegócio. A “Clínica de Consultoria para Startups e Empreendedores”, que será nos dias 10 e 11 de outubro, das 9h às 17h, vai oferecer sessões de consultoria individual, com o objetivo de auxiliar no desenvolvimento das atividades a fim de materializar ideias em soluções e formatar os modelos de negócios. Os atendimentos são gratuitos e ocorrerão por agendamento prévio.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Leite

Setor de leite e derivados articula ações na região oeste paranaense

Formação de governança e aproximação da cadeia envolvem o projeto balizado pela metodologia Foresight

Publicado em

em

Grupo do Foresight Leite e Derivados durante reunião realizada em Toledo

Desde fevereiro passado, entidades, produtores, cooperativas e empresários da área de laticínios e similares da região oeste, estão desenvolvendo a governança Foresight Leite e Derivados, uma iniciativa que visa entender as perspectivas do presente e projetar ações, estratégias e investimentos para o futuro da cadeia produtiva de leite no oeste do Paraná.

O projeto, que conta com a participação do Sebrae/PR, Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), Biopark, Adapar, Iapar, PTI, Emater, Senai, Sindicato Rural de Cascavel,  AcicLabs, PUC, Unioeste, Frimesa e associações comerciais de Foz do Iguaçu e Toledo (Acifi e Acit), pretende fomentar a cooperação entre os produtores,  o uso de novas tecnologias e dar suporte para a criação de novos produtos derivados do leite, agregando valor à produção.

Foresight é uma palavra em inglês que significa previsão. Aplicada, especificamente, à cadeia produtiva de leite e derivados, diz respeito a definição de estratégias que podem ajudar o produtor a manter a sua rentabilidade e produtividade, mesmo diante de mudanças de perspectiva, clima e cenários econômicos.

“Com o Foresight Leite e Derivados, nosso principal objetivo era definir o cenário tecnológico da região e identificar quais são os principais gargalos da produção local. Com isso, conseguimos fazer uma previsão de tecnologia que pode ser inserida na cadeia produtiva, podendo prever investimentos e reestruturações que podem ser feitas para que o produto ganhe mais destaque no mercado”, detalha o consultor do Sebrae/PR, Edson Braga.

A partir dos encontros, na região oeste do Paraná, dois pontos principais foram identificados: sustentabilidade e marketing territorial.

“Definido o Foresight, estamos sensibilizando a governança em função do cenário que desenhamos. Percebemos que é preciso organizar a cadeia produtiva para a implantação de um plano de inovação setorial em função da sustentabilidade junto a estratégias de marketing que podem ajudar o produtor a vender melhor o que é feito aqui na região, de forma diferenciada”, pontua o consultor do Centro Tecnológico Cosmob, Emílio Beltrami, que está acompanhando o grupo.

Com os gargalos identificados, a governança trabalha para propor soluções e, a partir daí, melhorar os cenários do setor na região.  Para isso, um dos próximos passos é a Missão Técnica Internacional, que levará o grupo do Foresight das regiões Oeste, Sul e Norte do Paraná para uma imersão na Feira Internacional do Queijo, realizada na Itália. O produtor Gilvan Malacarne, representante da Lactomil, de Serranópolis do Iguaçu, garantiu a vaga e está animado para a viagem.

“Quando o Foresight foi apresentado, fiquei interessado, pois a governança trabalha com a formação de grupos. Eu estava alinhando a formação de uma cooperativa junto aos meus produtores e estou trabalhando para a criação de uma nova linha de produtos para um público diferenciado, agregando valor à matéria-prima, que é o leite. Com a missão, espero entender quais são os principais processos aplicados nas cooperativas italianas e, quem sabe, trazer algumas metodologias para cá”, destaca o produtor.

Gelir Maria Giombelli, do município de Toledo, tem uma pequena fábrica de queijos coloniais pasteurizados. Com o Foresight, a produtora viu a possibilidade de sair de um universo limitado de produção, conhecendo outros produtores, se aproximando de novidades e participando de grupos ativos que podem fazer a diferença na produção.

“Venho de uma família de colonos e sempre aprendi a aproveitar o leite ao máximo, variando os produtos e oferecendo possibilidades ao cliente. Quando me convidaram para participar da governança, fiquei animada, pois sabia que ali, poderia entrar em contato com outros produtores. Durante os encontros, vi que os problemas que enfrento não são apenas meus e juntos, conseguimos pensar em várias soluções que poderão melhorar a nossa produção”, evidencia.

A produtora também garantiu a vaga para a missão técnica. “Ir até a Itália sempre foi um sonho. Saber que poderei conhecer o país e, ainda, aprender mais sobre o meu trabalho é uma alegria imensa”, conclui Gelir.

Resultados

O Foresight Leite e Derivados, terá os resultados apresentados em novembro de 2019 ou até março de 2020. Até lá, o trabalho continuará junto aos atores da governança. Uma união importante que, segundo o coordenador de PDI do Instituto Senai de Tecnologia em Alimentos Alcides Júnior Sperotto, gera importantes mobilizações na cadeia leiteira.

“Um dos principais ganhos, com a metodologia do Foresight, é fato dos produtores terem um panorama geral de como está a cadeia leiteira na região, mas, também, de poderem interagir entre si, gerando e pensando em soluções conjuntas para o setor. Há um direcionamento importante para a entrega prática de resultados a fim de alavancar os negócios”, pontua.

Até o momento, os principais resultados colhidos com o Foresight Leite e Derivados na região oeste do Paraná são a definição do cenário tecnológico, que mostra os pontos fortes do setor e quais aspectos devem ser aprimorados; a organização do cluster em forma de governança; a possibilidade da formação de um ecossistema onde instituições prestadoras de serviço conseguem interagir de forma mais simples com as empresas;  e a elaboração de um plano de benchmarking internacional por meio da Missão Técnica Internacional, que levará os produtores, empresários e parceiros para a Feira Internacional do Queijo, realizada na Itália.

Perspectivas

O Paraná é o terceiro maior produtor de leite do país, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) da Seab (Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná). A produção média é de 4,73 bilhões de litros por ano, correspondendo a 14,07% da produção nacional, segundo dados publicados no Anuário do Leite da Embrapa. A partir de 2017, porém, a recessão econômica afetou o consumo de produtos lácteos mais elaborados, reduzindo o preço da matéria-prima e, consequentemente, afetando o ganho dos produtores.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Gado de Leite

3 mil estudantes de 10 estados participam da Caravana 4.0

Primeira etapa do movimento Ideas For Milk 2019, da Embrapa Gado de Leite

Publicado em

em

Caravana 4.0 na Agtech em Piracicaba-SP

Mais de 40 universidades e instituições de estudos e de pesquisas, mais de 3 mil jovens impactados e mais de uma dezena de estados envolvidos. Este é o balanço parcial da Caravana 4.0, a primeira etapa do movimento Ideas For Milk, criado pela Embrapa Gado de Leite para atrair ideias criativas e inovadoras na cadeia do leite.

A Caravana 4.0 percorre instituições de ensino de diversos estados para divulgar no meio acadêmico as Agtechs (empresas de tecnologia voltadas para o agronegócio) e plantar a semente do empreendedorismo nos jovens.

Pesquisadores e analistas da Embrapa Gado de Leite conversam com professores e estudantes das instituições sobre a cadeia produtiva do leite, a revolução digital no agronegócio e as grandes oportunidades do mercado agtech. Além de contribuir para a ampliação do ecossistema de inovação do leite, um dos objetivos da caravana é atrair os jovens para o Vacathon, maratona de programação que visa desenvolver projetos para a solução de problemas da cadeia do leite, que representa a segunda etapa do Ideas For Milk e ocorrerá na última semana de outubro, na Embrapa Gado de leite, em Juiz de Fora (MG).

O chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo do Carmo Martins, explica que a Caravana 4.0 tem como proposta mostrar as possibilidades de empreendedorismo para jovens de ciências exatas, humanas e biologia. “Os jovens querem ser desafiados a criar e a superar obstáculos. É a isso que a Caravana 4.0 se propõe: abrir uma porta para essas cabeças criativas”. A Caravana 4.0 acontece até o final de setembro.

Após a Caravana 4.0, é realizado o bootcamp Vacathon e, na etapa seguinte, o Desafio de Startup, que reúne as melhores ideias criativas. “Além da inovação digital, são aceitos projetos para o Desafio voltados para designer industrial, embalagens e produtos lácteos. Os projetos inscritos serão avaliados e selecionados regionalmente”, informa Paulo Martins.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
AB VISTA Quadrado
PSA
Peixes
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.