Conectado com

Notícias Segundo AgRural

Chuvas amenizam tensão sobre atraso no plantio de soja no Paraná

Desde que o plantio no Paraná começou em setembro, muitas áreas sofrem com déficit hídrico

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Chuvas que atingem na segunda-feira (21) o Paraná, um dos maiores produtores de soja do Brasil, devem ajudar a amenizar a tensão de produtores que lidam com o maior atraso no plantio no Estado em oito anos, enquanto há expectativa de boas precipitações até o final do mês, de acordo com avaliação da consultoria AgRural.

“Está chovendo hoje no Estado todo… o pessoal está menos nervoso…”, disse a analista Daniele Siqueira, ponderando que produtores paranaenses têm sofrido com previsões de precipitações que não se confirmam totalmente.

Desde que o plantio no Paraná começou em setembro, muitas áreas sofrem com déficit hídrico, o que deixou o Estado com o ritmo mais lento nos trabalhos de implantação da lavoura desde a temporada 2011/12.

Segundo Daniele, esse atraso não significa problemas de quebra de safra para a soja, ainda que produtores tenham tido que realizar replantios em várias áreas, após plantarem no pó e as chuvas não chegarem, o que gerou problemas de germinação da semente. “As previsões até mostram chuvas, o pessoal planta esperando que a chuva venha, e não vem no volume esperado”, ressaltou a analista, esperando que as previsões até o final do mês agora se confirmem.

Segundo dados meteorológicos publicados no Eikon, da Refinitiv, o norte do Paraná receberá mais de 100 milímetros de chuvas até o dia 31, enquanto o noroeste e o oeste entre 80 e 90 mm. Outras áreas no sul terão mais de 120 mm, configurando essas regiões como as mais chuvosas do país no período, juntamente do o oeste de Santa Catarina.

A analista explicou que, para a soja, a janela de plantio é um pouco mais longa, e até o final do mês de outubro é possível plantar no oeste do Paraná sem que o produtor fique muito suscetível a riscos para a implantação da segunda safra de milho, semeada após a colheita da oleaginosa.

“A segunda quinzena de outubro é decisiva, se chover agora, e tem previsão, e se os volumes se confirmarem, acho que não tem problema nem para a safrinha (de milho)”, destacou ela, comentando que os agricultores, quando têm condições, conseguem avançar rápido nos trabalhos. Se há demora para plantar a soja, a segunda safra fica sujeita à seca mais perto do inverno, além de eventuais geadas.

O atraso, contudo, deve deixar a plantação de soja do Paraná concentrada, com uma boa parte das áreas em um mesmo estágio de desenvolvimento, o que aumenta riscos caso venha a surgir algum veranico que deixe a lavoura sem chuvas em fases cruciais mais para a frente.

Até a última quinta-feira, os produtores do Paraná tinham semeado 33% da área projetada. Em anos como em 2018 e 2016, quando o plantio estava menos atrasado, as lavouras da segunda safra de milho do Estado sofreram perdas relevantes.

No Brasil, a área total plantada avançou para 21% do projetado, em linha com a média de cinco anos, mas abaixo do nível registrado em mesmo período do ano passado, de 34%, segundo boletim da consultoria divulgado nesta segunda-feira.

O bom ritmo da semana passada foi puxado por Mato Grosso, maior produtor de soja do país, à frente de Paraná e Rio Grande do Sul. O Estado do Centro-Oeste havia semeado quase metade de sua área de soja até a última quinta-feira.

“Embora as chuvas ainda estejam irregulares em alguns pontos do Estado (Mato Grosso), volumes e cobertura melhoraram na primeira quinzena de outubro, permitindo que os produtores superassem o atraso inicial observado em setembro.”

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + 20 =

Notícias Cooperativismo

AGO confirma 2019 como um dos melhores anos à Coopavel

Faturamento da Coopavel em 2019 foi de R$ 2,67 bilhões

Publicado em

em

Divulgação

Se o ano de 2019 marcou o início de um aguardado e bem-vindo processo de recuperação da economia brasileira, para a Coopavel ele consolidou a força, o trabalho e a determinação de uma das maiores cooperativas do Paraná. O desempenho da Coopavel em 2019 foi apresentado na manhã de quarta-feira (22), durante Assembleia Geral Ordinária, no prédio Paraná Cooperativo, estrutura construída na área que de 3 a 7 de fevereiro abrigará a 32º edição do Show Rural. E os resultados do ano foram excepcionais, afirmou o presidente Dilvo Grolli.

A AGO contou com a participação de cerca de 500 cooperados e de líderes dos mais diversos setores, entre eles o prefeito Leonaldo Paranhos, o deputado estadual Coronel Lee e o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. “Os números são excelentes e fazem de 2019 um dos melhores anos da história da cooperativa, que em 15 de dezembro vai comemorar os seus 50 anos de fundação”, disse Dilvo. Alguns dados apresentados na Assembleia chamaram atenção, entre eles o que aponta para crescimento de 280% nos resultados financeiros no comparativo de 2018 a 2019.

O faturamento da Coopavel em 2019 foi de R$ 2,67 bilhões. Em 2018 foi de R$ 2,52 bilhões. Os investimentos cresceram significativamente, chegando a R$ 113,3 milhões enquanto que em 2018 somaram R$ 44,5 milhões. O lucro da cooperativa no exercício de 2019 foi de R$ 85,2 milhões. E em 2018 atingiu a cifra de R$ 22,4 milhões. “Esses números demonstram a força de uma cooperativa 100% paranaense”, ressaltou o presidente Dilvo Grolli.

“Temos quase cinco décadas de história, e sempre estivemos alinhados com os princípios do cooperativismo. Com coragem, determinação e trabalho, vencemos crises e hoje estamos entre as 12 maiores cooperativas brasileiras”, destacou o presidente. As sobras de 2019 repassadas aos cooperados chegam a R$ 30 milhões. Com isso, a saca da soja foi agregada em R$ 2, a do milho e trigo em R$ 1,50, o suíno terminado em R$ 7, o leitão entregue na cooperativa em R$ 1,50 e o frango em R$ 0,10 por ave.

Conselho e investimentos

A Assembleia aprovou por unanimidade a formação do novo Conselho Fiscal, que ficou assim constituído: Gustavo Riepenhoff, Ademir Sebold, Ênio Pereira da Silva, Francisco Leonel Ferreira, Luis Felipe Orsatto e Leonir Antônio Felini.

Os cooperados também aprovaram novos investimentos da Coopavel que incluem a aquisição de unidades da Sementes Guerra no Sudoeste. Com essa expansão, a cooperativa agrega capacidade de um milhão de toneladas na recepção de grãos. A AGO também apresentou estimativa de receitas e custos para 2020. O total das receitas deverá ficar em R$ 3 bilhões.

Os objetivos e metas para esse exercício são os seguintes: ampliação e melhorias de filiais do Oeste e Sudoeste, de agroindústrias de soja, trigo e rações, dos frigoríficos de aves e suínos, de matrizeiros e unidades de produção de leitões e ovos férteis e de unidades de produção de sementes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Preços do boi gordo seguem pressionados por menor demanda no Brasil

Pecuária de corte ainda se depara com intenso movimento de correção nos preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A pecuária de corte ainda se depara com intenso movimento de correção nos preços. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, esta é uma situação natural, levando em conta a mudança do perfil de consumo no decorrer do primeiro bimestre.

“No geral, o consumidor médio está descapitalizado nesse período do ano estrangulando a demanda. É um perfil muito mais comedido se comparado ao período de festividades”, disse.

O analista destaca, ainda, a notícia de que a China pretende renegociar os contratos de importação de carne bovina brasileira. Para ele, isso justificaria o ritmo mais lento de compra no decorrer de janeiro, com exportações abaixo do esperado.

“Com o arrefecimento do consumo, tanto interno quanto externo, o escoamento da carne torna-se mais lento, levando os frigoríficos a testar o mercado de maneira mais enfática”, finalizou o analista.

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 369,9 milhões em janeiro (14 dias úteis), com média diária de US$ 30,8 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 73 mil toneladas, com média diária de 6,1 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 5.068,80.

Na comparação com dezembro, houve baixa de 13,8% no valor médio diário da exportação, perda de 14,2% na quantidade média diária exportada e alta de 0,4% no preço. Na comparação com janeiro de 2019, houve ganho de 76,6% no valor médio diário, alta de 30,6% na quantidade média diária e ganho de 35,2% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Trigo tem negócios limitados por spread entre pedidas e oferta

Mercado brasileiro de trigo segue com firmeza nos referenciais de preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de trigo segue com firmeza nos referenciais de preços. No interior do Rio Grande do Sul os negócios reportados saem por volta de R$ 850 por tonelada (t) no FOB. No Paraná negociado a R$ 980/t no CIF de Ponta Grossa.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Élcio Bento, o ritmo dos negócios segue limitado devido ao spread largo entre as pedidas e as ofertas. Além disso, no Paraná os produtores começam a focar nos trabalhos de colheita e comercialização da safra de verão.

Ele destaca o anúncio da venda de estoques públicos no próximo dia 28. Serão ofertadas 1,2 mil t de trigo em grão melhorador (PH 82) da safra 2017 de Ponta Grossa/PR. O preço de abertura será definido pela Conab, em R$/kg sem ICMS, e divulgado na próxima sexta-feira (31).

“A depender desse preço estipulado como mínimo para a venda, a tendência é que o leilão seja bastante disputado. A venda de estoque por parte do governo ocorre em momentos de altas significativas do produto. No caso do trigo, os estoques em mãos do Governo neste momento são de apenas 2,849 mil t, volume que, mantidas as outras variáveis, não terá força para mudar o comportamento dos preços. A realização do leilão, no entanto, pode ser uma sinalização de que o governo está atento à escalada de alta das cotações”, explicou o analista.

Argentina

O Ministério da Agroindústria da Argentina estimou, em seu relatório de janeiro, que a área de trigo na safra 2019/20 do país deve ocupar 6,75 milhões de hectares, alta de 7,3% em relação aos 6,29 milhões de hectares plantados na temporada anterior. O Ministério informou ainda que a produção na temporada 2019/20 deve ficar em 19,5 milhões de toneladas, com avanço de 0,2% sobre o ano anterior, de 19,46 milhões de toneladas.

Levantamento semanal divulgado pelo Ministério indicou que a colheita de trigo da safra 2019/20 do país somava 99% até o dia 23 de janeiro, da área total prevista de 6,759 milhões de hectares. Na semana anterior, a colheita estava em 98%. No mesmo período do ano passado, atingia 100% dos 6,287 milhões de hectares projetados para a temporada 2018/19.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Mais carne
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.