Conectado com

Notícias Segundo AgRural

Chuvas amenizam tensão sobre atraso no plantio de soja no Paraná

Desde que o plantio no Paraná começou em setembro, muitas áreas sofrem com déficit hídrico

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Chuvas que atingem na segunda-feira (21) o Paraná, um dos maiores produtores de soja do Brasil, devem ajudar a amenizar a tensão de produtores que lidam com o maior atraso no plantio no Estado em oito anos, enquanto há expectativa de boas precipitações até o final do mês, de acordo com avaliação da consultoria AgRural.

“Está chovendo hoje no Estado todo… o pessoal está menos nervoso…”, disse a analista Daniele Siqueira, ponderando que produtores paranaenses têm sofrido com previsões de precipitações que não se confirmam totalmente.

Desde que o plantio no Paraná começou em setembro, muitas áreas sofrem com déficit hídrico, o que deixou o Estado com o ritmo mais lento nos trabalhos de implantação da lavoura desde a temporada 2011/12.

Segundo Daniele, esse atraso não significa problemas de quebra de safra para a soja, ainda que produtores tenham tido que realizar replantios em várias áreas, após plantarem no pó e as chuvas não chegarem, o que gerou problemas de germinação da semente. “As previsões até mostram chuvas, o pessoal planta esperando que a chuva venha, e não vem no volume esperado”, ressaltou a analista, esperando que as previsões até o final do mês agora se confirmem.

Segundo dados meteorológicos publicados no Eikon, da Refinitiv, o norte do Paraná receberá mais de 100 milímetros de chuvas até o dia 31, enquanto o noroeste e o oeste entre 80 e 90 mm. Outras áreas no sul terão mais de 120 mm, configurando essas regiões como as mais chuvosas do país no período, juntamente do o oeste de Santa Catarina.

A analista explicou que, para a soja, a janela de plantio é um pouco mais longa, e até o final do mês de outubro é possível plantar no oeste do Paraná sem que o produtor fique muito suscetível a riscos para a implantação da segunda safra de milho, semeada após a colheita da oleaginosa.

“A segunda quinzena de outubro é decisiva, se chover agora, e tem previsão, e se os volumes se confirmarem, acho que não tem problema nem para a safrinha (de milho)”, destacou ela, comentando que os agricultores, quando têm condições, conseguem avançar rápido nos trabalhos. Se há demora para plantar a soja, a segunda safra fica sujeita à seca mais perto do inverno, além de eventuais geadas.

O atraso, contudo, deve deixar a plantação de soja do Paraná concentrada, com uma boa parte das áreas em um mesmo estágio de desenvolvimento, o que aumenta riscos caso venha a surgir algum veranico que deixe a lavoura sem chuvas em fases cruciais mais para a frente.

Até a última quinta-feira, os produtores do Paraná tinham semeado 33% da área projetada. Em anos como em 2018 e 2016, quando o plantio estava menos atrasado, as lavouras da segunda safra de milho do Estado sofreram perdas relevantes.

No Brasil, a área total plantada avançou para 21% do projetado, em linha com a média de cinco anos, mas abaixo do nível registrado em mesmo período do ano passado, de 34%, segundo boletim da consultoria divulgado nesta segunda-feira.

O bom ritmo da semana passada foi puxado por Mato Grosso, maior produtor de soja do país, à frente de Paraná e Rio Grande do Sul. O Estado do Centro-Oeste havia semeado quase metade de sua área de soja até a última quinta-feira.

“Embora as chuvas ainda estejam irregulares em alguns pontos do Estado (Mato Grosso), volumes e cobertura melhoraram na primeira quinzena de outubro, permitindo que os produtores superassem o atraso inicial observado em setembro.”

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 4 =

Notícias Segundo Imea

Vendas da safra nova de soja de MT avançam a 43,8%; milho vai a 44,5%

Em relação ao levantamento anterior, houve avanço de 7,75% na comercialização da nova safra

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O Mato Grosso, maior produtor brasileiro de grãos, negociou antecipadamente 43,78% da produção de soja esperada para a temporada 2019/20, cuja colheita se inicia na virada do ano, informou o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) na segunda-feira (11).

Em relação ao levantamento divulgado no mês anterior, houve um avanço de 7,75 pontos percentuais na comercialização da nova safra. “As vendas foram influenciadas pela valorização das cotações na CME, motivada pela expectativa do mercado sobre o acordo comercial entre os Estados Unidos e a China, atrelada aos elevados patamares do dólar na primeira quinzena do mês”, disse o Imea em boletim.

O preço médio mensal de comercialização da safra 2019/20 em Mato Grosso apresentou alta de 1,56% e fechou a 70,47 reais/saca. Neste momento, as vendas da safra 2019/20 se encontram 8 pontos à frente do mesmo período da safra passada, e também superam a média histórica para o período, de cerca de 36,5%. As vendas da safra velha estão quase finalizadas.

No caso da safra nova do milho, a venda antecipada da colheita do ano que vem seguiu a passos lentos, atingindo 44,49% da produção, com um avanço mensal de apenas 2,60 pontos, após produtores terem comprometido grande parte da produção esperada em meses anteriores.

Pela média histórica, o percentual de vendas nesta época é de 28,28%. No mesmo período da safra 2018/19, tinham atingido 33,45% Para a safra colhida neste ano, a comercialização de milho em Mato Grosso avançou 2,09 pontos, alcançando 95,4% da safra.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Previsão

IBGE estima queda de 1% na safra de grãos em 2020

Apesar da queda, essa é a segunda maior estimativa da série histórica, ficando atrás somente de 2017

Publicado em

em

Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias

A safra nacional de grãos deve somar 238,5 milhões de toneladas em 2020, segundo o primeiro prognóstico do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta quarta-feira (13) pelo IBGE. Isso corresponde a uma redução de 1% em relação à colheita estimada para 2019, uma diferença de 2,3 milhões de toneladas. Apesar da queda, essa é a segunda maior estimativa da série histórica iniciada em 1975, ficando atrás somente de 2017 (240,6 milhões).

A redução decorre, principalmente, da menor produção prevista para o milho (-7,5%), enquanto para a soja espera-se um crescimento de 4,7%. O primeiro prognóstico de milho estima uma produção de 92,7 milhões de toneladas no próximo ano, o que representa uma redução de 7,5 milhões de toneladas em relação a 2019. O levantamento mantém a tendência de um maior volume de produção do milho em segunda safra, com 72,4% de participação na produção nacional para 2020, contra 27,6% de participação da primeira safra de milho.

Para o pesquisador do IBGE, Carlos Barradas, a conjuntura não é tão benéfica para a segunda safra de milho em 2020 quanto a de 2019. “O ano agrícola iniciou-se de forma normal, com o plantio da soja sendo realizado, em sua maior parte, na segunda quinzena de outubro, portanto, a janela de plantio para o milho segunda safra deve ser mais restrita”, disse ele.

Já a produção de soja deve crescer 4,7% em 2020, chegando a 118,4 milhões de toneladas. A área a ser plantada com o grão deve ser de 36 milhões de hectares, aumento de 0,7%. Dentre os maiores produtores, o Mato Grosso, estima colher 31,4 milhões de toneladas, declínio de 2,4% em relação a 2019, apesar de aumento de 0,4% na área a ser plantada. O Paraná, segundo maior produtor, espera produzir 19,8 milhões de toneladas, aumento de 22,6%, recuperando-se de um 2019 em que teve sua safra comprometida pela estiagem durante o ciclo da cultura.

Em 2019, safra deve ter novo recorde

O IBGE também divulgou hoje que a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve atingir um novo recorde de 240,8 milhões de toneladas em 2019, uma alta de 6,3% em relação à produção do ano passado. A safra de 2019 deve ser 1% maior que a de 2017, com 2,4 milhões de toneladas a mais produzidas.

O aumento foi puxado pelo milho que deve ter uma produção recorde de 100,2 milhões em 2019 (25,9 milhões de toneladas de milho na primeira safra e 74,3 milhões de toneladas de milho na segunda safra), o que representa um aumento de 23,2% frente a 2018. “Houve uma conjuntura de preços que incentivou o plantio do milho de segunda safra. O clima também se comportou de forma favorável”, comentou Barradas.

Outro grão que deve bater um recorde da série história do IBGE é o algodão. Na safra deste ano, a produção deve chegar a 6,9 toneladas, um aumento de 39,7% na relação com o ano anterior. Segundo o pesquisador do IBGE, o aumento no plantio do grão ocorre em função da melhora nos preços.

Por outro lado, a soja e o arroz, outros dois carros-chefes da produção agrícola nacional, reduziram a colheita. A estimativa do IBGE aponta para uma produção de 113 milhões de toneladas de soja em 2019, o que o que representa uma retração de 4,1% em relação ao ano passado. Já o arroz teve queda na produção por consequência da redução de 9,5% na área plantada e de 12% na área a ser colhida. Estima-se produção de 10,3 milhões de toneladas do grão, um recuo de 12% em relação ao ano passado.

“Os preços não têm incentivado o consumo de arroz em algumas áreas. Os produtores têm optado por usar a área para plantio de outras culturas, como a soja, por exemplo”, explicou Carlos Barradas.

A pesquisa estima ainda que, em 2019, a área a ser colhida será de 63,1 milhões de hectares, apresentando crescimento de 3,6% frente à área colhida em 2018, aumento de 2,2 milhões de hectares. Em relação ao mês anterior, a estimativa da área a ser colhida apresentou crescimento de 71,3 mil hectares (0,1%). O recorde anterior da produção fora de 2017, quando foram produzidas 238,4 milhões de toneladas.

Capacidade dos estoques cresce 3,5%

A Pesquisa de Estoques, também divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE, mostrou que o total de capacidade útil disponível para armazenamento cresceu 3,5% no primeiro semestre de 2019, frente ao segundo semestre de 2018, totalizando 175,5 milhões de toneladas.

Em termos de capacidade útil armazenável, os silos predominam no país, com 84,7 milhões de toneladas, o que representa 48,3% da armazenagem nacional. Armazéns graneleiros e granelizados responderam por 66,7 milhões de toneladas, enquanto armazéns convencionais, estruturais e infláveis, somaram 24 milhões de toneladas de capacidade útil armazenável.

Fonte: IBGE
Continue Lendo

Notícias Mercado

Exportação de soja do Brasil à China pode cair a 53 mi t, em caso de acordo com EUA

Espera-se que as exportações dos EUA para China avancem em 2019/20 mesmo que eventual acordo não seja alcançado

Publicado em

em

Divulgação

As exportações de soja do Brasil para a China podem recuar para 53 milhões de toneladas em 2019/20, ante 60 milhões de toneladas em 2018/19, caso seja atingido um acordo comercial entre o país asiático e os Estados Unidos, disse na terça-feira (12) a consultoria Agroconsult.

A Agroconsult espera que os embarques brasileiros para a China recuem menos caso um acordo sino-americano não seja selado, projetando as exportações de soja em 57 milhões de toneladas, uma vez que a nação asiática deve reduzir suas compras totais da oleaginosa devido à demanda local mais fraca por farelo de soja, afetada pelo surto de peste suína africana.

Espera-se que as exportações dos Estados Unidos para a China avancem em 2019/20 mesmo que um eventual acordo não seja alcançado, disse a consultoria, projetando tal volume em 20 milhões de toneladas, ante 14 milhões de toneladas embarcadas em 2018/19.

Se a primeira fase do acordo comercial for assinada, a Agroconsult vê um aumento das exportações norte-americanas para 27 milhões de toneladas em 2019/20, com o país captando parte da fatia brasileira no maior mercado mundial da oleaginosa.

“Já há acordos para a exportação de 7 milhões de toneladas de soja dos EUA para a China. Neste momento do ano passado, o número era de cerca de 2 milhões de toneladas apenas”, disse o analista Fabio Meneghin, da Agroconsult, durante apresentação na conferência BiodieselBR 2019.

O analista projetou a safra de soja 2019/20 do Brasil em 124 milhões de toneladas, versus 118 milhões de toneladas em 2018/19, com a expectativa de que haja neste ano uma elevação de produtividade, além de um aumento de 700 mil hectares na área plantada.

A Agroconsult vê as importações totais de soja pela China em 84 milhões de toneladas em 2019/20, apenas 1 milhão de toneladas a mais que em 2018/19, considerando que o país levará anos para se recuperar da crise causada pela peste suína africana e que o consumo de farelo de soja continua reduzido.

Antes da epidemia, a nação asiática havia importado 94 milhões de toneladas de soja em 2017/18.

As exportações totais do Brasil, por sua vez, foram estimadas em 76,4 milhões de toneladas em 2019/20, contra 72,1 milhões de toneladas em 2018/19, caso não ocorra o acordo sino-americano. Se houver acerto entre as duas maiores economias do mundo, os embarques totais do Brasil devem chegar a 74,9 milhões de toneladas na nova temporada.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
AB VISTA Quadrado
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.