Conectado com

Notícias Grãos

China testa balanço da soja do Brasil; Conab revisita números de safras

Eventual revisão da estimativa de safra pelo governo poderia indicar maior oferta de soja para a exportação no Brasil

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A demanda chinesa por soja brasileira na esteira da recente escalada da guerra comercial China-EUA, ainda que mais comedida este ano ante o recorde de 2018, precipitou um movimento de reavaliação dos números oficiais de safra do Brasil, na medida em que há divergências importantes com as estimativas do setor privado. Uma eventual revisão da estimativa de safra pelo governo poderia indicar maior oferta de soja para a exportação no Brasil, o maior exportador global da oleaginosa, diminuindo incertezas.

Pelo balanço de oferta e demanda da estatal Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), não haveria como o Brasil exportar 72 milhões de toneladas em 2019, conforme estima a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove). “O nosso quadro está bem apertado, não tem espaço para exportação de 72 milhões de toneladas”, disse à Reuters o diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, Guilherme Bastos, ao ser questionado em entrevista por telefone.

“Em função do quadro apertado (de oferta e demanda), estamos revisitando os números dessa e da safra anterior. O mercado indicou isso…”, acrescentou ele, observando que não há prazo para o trabalho ser concluído e que, por ora, não se pode dizer se efetivamente vai haver alguma revisão pela Conab.

A Abiove, que representa as principais tradings e indústrias de soja, incluindo multinacionais como Bunge e Cargill, mexeu em seus números na última sexta-feira, mas não alterou as suas estimativas das últimas duas safras (2017/18 e 2018/19), que somadas já apontam uma diferença a maior de mais de 6 milhões de toneladas em relação aos dados da Conab.

Enquanto a Conab aponta safra de cerca de 115 milhões de toneladas para 2018/19, a Abiove vê 117,6 milhões. Mas a disparidade é maior para a colheita passada, com a Conab vendo 119,3 milhões e a Abiove 123,1 milhões de toneladas.

Em ajuste na semana passada, a associação aumentou números de estoques em 2017 e 2018, além de ter reduzido levemente o volume exportado em 2018, para um volume ainda recorde de 83,258 milhões de toneladas, vendo assim soja suficiente para elevar sua projeção de embarques em 2019 para 72 milhões de toneladas, ante 68,1 milhões de toneladas estimadas no início de julho.

Ao elevar a projeção, a Abiove citou a demanda da China em função da guerra comercial. Segundo as previsões atuais, o país deve fechar o ano com estoques mínimos após uma colheita menor e com a China mantendo foco no produto brasileiro novamente no segundo semestre, uma repetição da situação atípica de 2018, enquanto chineses viram as costas aos norte-americanos, que normalmente abastecem os asiáticos nesta época.

As compras chinesas no Brasil, contudo, estão menores ante os incríveis números de 2018, principalmente em função da peste suína africana. Mas estão estáveis em comparação com 2017, por exemplo, somando 39,3 milhões de toneladas de soja de janeiro a julho de 2019, uma queda de pouco mais de 10% frente a mesmo período do ano passado, segundo dados da consultoria AgRural.

O volume importado pelos chineses responde por quase 74% das 53 milhões de toneladas que os brasileiros exportaram no acumulado do ano, marcado por uma safra menor.

Erro em 2017/18?

Analistas privados também têm destacado as disparidades entre os números da Conab e os do setor privado. “O mercado talvez tenha errado na estimativa da safra 2018, foi maior… talvez tenhamos errado aí”, disse o analista Luiz Fernando Roque, da Safras & Mercado, que admitiu algum ajuste na estimativa de 121,8 milhões de toneladas da consultoria.

Segundo Roque, levando-se em conta as estimativas governamentais de safra, o Brasil estaria sem soja “há cinco anos”. “O mercado como um todo terá que revisar seus números, as consultorias privadas e públicas”, afirmou ele, comentando que a demanda atípica da China no segundo semestre pelo segundo ano seguido coloca pressão para uma revisão. Pelos números atuais, Roque afirmou que o Brasil não conseguiria exportar mais do que 72 milhões de toneladas em 2019. “Se continuar forte essa exportação, vai ter de importar, ou parar de exportar”, comentou.

Para a analista Daniely Santos, da Céleres, não fosse a peste suína africana na China, que reduziu a demanda por farelo de soja no mercado chinês, o Brasil teria de virar uma espécie de intermediário comercial e eventualmente importar o grão para reexportar. “Apesar dos estoques mínimos ao final de 2019, acredito que isso não vai acontecer”, ressaltou ela.

A Céleres projeta estoques finais de apenas 1 milhão de toneladas, enquanto a Safras vê apenas pouco mais de 100 mil toneladas.

Divergências

Bastos, responsável pelas estatísticas da Conab, lembrou ainda que o IBGE, outro órgão do governo que realiza projeções de safras, tem números ainda menores —117,8 milhões para a safra 2018 e 113,15 milhões para 2019— que os da companhia ligada ao Ministério da Agricultura.

Segundo o diretor da Conab, que assumiu o cargo em fevereiro com experiência de ter trabalhado em trading e consultorias privadas, a estatal está averiguando as divergências, um trabalho que pode passar por checagem de dados junto a seus mais de 900 informantes. “Estamos averiguando a questão de área (plantada), se há alguma medida abaixo em alguma região, e depois a questão da produtividade…”, disse.

Bastos comentou que o processo é moroso e desafiador, mas está sendo realizado. Ele comentou que os agentes no Brasil não têm obrigatoriedade de fornecer dados de estoques, algo que poderia ajudar no levantamento dos números.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + quinze =

Notícias Pandemia

Coronavírus instabilizou mercado de carne bovina em março

Mercado físico de boi gordo teve um mês marcado por severa instabilidade em março

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo teve um mês marcado por severa instabilidade em março. “Os frigoríficos reagiram na medida em que a pandemia de coronavírus causou transtornos, tanto no âmbito doméstico como no cenário internacional”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Segundo ele, os grandes frigoríficos brasileiros enfrentaram dificuldade para escoar a produção para a União Europeia, com os confinamentos adotados lá e cá afetando drasticamente os padrões de consumo. “Com restaurantes e outros estabelecimentos fechados, os cortes nobres de carne bovina sofreram um baque. No Brasil, o consumidor se voltou aos cortes de menor qualidade e também para a carne de frango”, disse Iglesias

Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade à vista nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 02 de abril:

  • São Paulo (Capital) – R$ 201 a arroba, contra R$ 200 a arroba em 28 de fevereiro, subindo 0,5%.
  • Goiás (Goiânia) – R$ 188 a arroba, ante R$ 190 a arroba (-1%).
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 195 a arroba, contra R$ 192 a arroba (+1,5%).
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 190 a arroba, estável.
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 178 a arroba, ante R$ 185 a arroba (-3,7%).

Para o mês de abril, com as políticas de isolamento social mantidas, o viés é incerto para o mercado de carne bovina, em meio à queda nas vendas internas e externas. Assim, é bastante provável que os frigoríficos comecem a pressionar os pecuaristas por preços mais baixos para a matéria-prima, assinalou Iglesias.

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 555,4 milhões em março (22 dias úteis), com média diária de US$ 25,2 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 125,9 mil toneladas, com média diária de 5,7 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.410,50.

Na comparação com fevereiro, houve baixa de 8% no valor médio diário da exportação, perda de 6,9% na quantidade média diária exportada e queda de 1,3% no preço. Na comparação com março de 2019, houve ganho de 8,8% no valor médio diário, queda de 8,2% na quantidade média diária e ganho de 18,6% no preço médio. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo

Notícias Mercado

Impacto do coronavírus deixa mercado de frango acomodado em março

Mercado brasileiro de frango registrou em março um cenário de pressão nas cotações

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de frango registrou em março um cenário de pressão nas cotações, tanto no quilo vivo pago ao produtor, quanto nos cortes negociados no atacado. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, apesar do isolamento social determinado pela pandemia de coronavírus, o aumento na demanda foi insuficiente para a sustentação dos preços, que cederam ao longo do mês, denotando o efeito econômico da enfermidade.

Iglesias revela que o excedente de oferta presente no mercado doméstico neste momento é o grande fator que vem impedindo um cenário melhor para os preços, em meio ao crescente aumento nos custos de produção dado o descolamento de preços do milho. “O cenário para o curto prazo está indefinido. Ainda que o isolamento social altere sensivelmente o padrão de consumo, elevando a demanda por carne de frango e ovos, o quadro econômico agravado pela pandemia gera preocupação ao setor”, avalia.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango ao longo do mês. O quilo do peito no atacado caiu de R$ 5,50 para R$ 4,85, o quilo da coxa seguiu em R$ 5,30 e o quilo da asa retrocedeu de R$ 7,50 para R$ 7,05. Na distribuição, o quilo do peito baixou de R$ 5,60 para R$ 4,95, o quilo da coxa permaneceu em R$ 5,50 e o quilo da asa recuou de R$ 7,70 para R$ 7,15.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de alterações ao longo de março. No atacado, o preço do quilo do peito baixou de R$ 5,60 para R$ 4,95, o quilo da coxa seguiu em R$ 5,40 e o quilo da asa recuou de R$ 7,60 para R$ 7,15. Na distribuição, o preço do quilo do peito passou de R$ 5,70 para R$ 5,05, o quilo da coxa continuou em R$ 5,60 e o quilo da asa baixou de R$ 7,80 para R$ 7,25.

As exportações de carne de frango “in natura” do Brasil renderam US$ 501,4 milhões em março (22 dias úteis), com média diária de US$ 22,8 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 324,6 mil toneladas, com média diária de 14,8 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.544,50.

Na comparação com fevereiro, houve perda de 18,8% no valor médio diário da exportação, baixa de 18,1% na quantidade média diária exportada e queda de 0,8% no preço. Na comparação com março de 2019, houve recuo de 14,8 no valor médio diário, declínio de 11,7% na quantidade média diária e baixa de 3,5% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento mensal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo baixou de R$ 3,60 para R$ 3,25. Em São Paulo o quilo vivo retrocedeu de R$ 3,05 para R$ 2,81.

Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 2,51. No oeste do Paraná o preço caiu de R$ 3,39 para R$ 3,23. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo baixou de R$ 2,95 para R$ 2,75.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango recuou de R$ 3,35 para R$ 3,20. Em Goiás o quilo vivo baixou de R$ 3,50 para R$ 3,25. No Distrito Federal o quilo vivo retrocedeu de R$ 3,60 para R$ 3,25.

Em Pernambuco, o quilo vivo subiu de R$ 3,80 para R$ 4,50. No Ceará a cotação do quilo vivo aumentou de R$ 3,80 para R$ 4,50 e, no Pará, o quilo vivo avançou de R$ 4,00 para R$ 4,60.

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Preocupação com abastecimento aumenta procura por trigo em março

Preocupações com o abastecimento em meio à pandemia de coronavírus geraram um aumento da procura pelo trigo

Publicado em

em

Divulgação

As preocupações com o abastecimento em meio à pandemia de coronavírus geraram um aumento da procura pelo trigo, por parte da indústria brasileira em março. Isso resultou na elevação dos preços. O analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, observa que já há problemas de logística – ainda pouco significativos – na Argentina.

“No mercado interno brasileiro, a oferta continua reduzida, com boa parte dos agentes ainda negociando as safras de verão. Além disso, quem tem trigo espera valorizar ainda mais para vender. Ainda existe espaço para novas altas, levando em conta o dólar elevado e a escassez da oferta”, resumiu.

O câmbio elevado aumenta os custos de importação e favorece novas altas no mercado interno, levando preocupação à indústria quanto ao abastecimento até o final do ano comercial. “Apesar de estoques relativamente confortáveis para os próximos 45 dias, estes ainda terão de voltar as compras até lá”, disse.

Conforme o analista, basicamente, em março, o dólar alto e a procura pelo trigo puxaram os preços para cima – alta mensal de aproximadamente 6%. Por outro lado, o volume de negócios não teve crescimento significativo. “As pontas seguem separadas, com o produtor elevando suas pedidas e a indústria ainda relutando em pagar mais, pelo menos por enquanto”, finalizou.

No mercado internacional, outros fatores colaboram para a elevação, como, por exemplo, a quebra de safra em importantes países produtores como a Austrália, e mais recentemente a indicação de uma estimativa de menor área plantada da história nos Estados Unidos.

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.