Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias Mercado

China prevê alta de 30% na oferta de carne suína no Ano Novo Lunar

Ano Novo Lunar é o feriado mais importante da China, e a carne suína é tradicionalmente servida em refeições durante as reuniões de famílias para celebrá-lo

Publicado em

em

Divulgação

As ofertas de carne suína durante o feriado de Ano Novo Lunar na China, maior consumidora global do produto, serão 30% maiores do que as verificadas há um ano, disse na quarta-feira (21) uma autoridade agrícola do país, após esforços significativos para a reconstrução do plantel de porcos dizimado pela peste suína africana (PSA).

A recuperação na produção chinesa do animal, somada às amplas importações de carne suína e às mudanças na demanda dos consumidores, deve impulsionar as ofertas da proteína em cerca de 30% na comparação anual, reduzindo os preços frente ao ano passado, afirmou Chen Guanghua, vice-diretor do departamento de veterinária do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China, em “briefing” à imprensa.

O Ano Novo Lunar é o feriado mais importante da China, e a carne suína é tradicionalmente servida em refeições durante as reuniões de famílias para celebrá-lo. A comemoração terá início em 11 de fevereiro de 2021.

Os produtores de suínos da China construíram 12.500 novas fazendas de larga escala e reativaram as operações de mais de 13 mil fazendas nos três primeiros trimestres deste ano, acrescentou Wei Baigang, chefe da divisão de desenvolvimento e planejamento do ministério.

Wei disse que a recuperação do plantel de suínos chinês tem sido “melhor que o esperado” após a peste suína africana dizimar pelo menos 40% dos porcos do país em 2019.

Em setembro, os estoques dos animais ficaram em torno de 370 milhões de cabeças, ou 84% do nível visto em 2017, antes de a doença atingir o país, enquanto o número de fêmeas chegou a 38,22 milhões, equivalente a 86% dos níveis de 2017, afirmou Wei.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − cinco =

Notícias Mercado

Preço do leite captado em outubro e pago em novembro cai 11 centavos/litro

Redução das cotações no campo esteve mais atrelada à pressão dos canais de distribuição sobre as negociações de lácteos com as indústrias em outubro

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O preço do leite no campo recuou em novembro, interrompendo, portanto, o movimento de alta que vinha sendo verificado desde junho. De acordo com levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, a “Média Brasil” líquida do leite captado em outubro e recebido por produtores em novembro caiu para R$ 2,0434/litro, baixa de 5,3% (ou de 11 centavos/litro) frente ao mês anterior.

É importante lembrar que os preços do leite no campo são influenciados pelos mercados de spot e derivados, com atraso de um mês nesse repasse de tendência. Assim, o preço do leite captado em outubro que é pago em novembro é influenciado pelo desempenho dos mercados de derivados e spot de outubro.

Por conta da sazonalidade da produção, é esperado que, a partir de outubro, ocorra a desvalorização do leite no campo, uma vez que as chuvas da primavera e do verão elevam a disponibilidade de pastagem. Porém, em 2020, a retomada da produção não tem ocorrido de forma intensa, já que as condições climáticas foram menos favoráveis. Além disso, a elevação dos custos de produção prejudica a atividade. Mesmo assim, nas primeira e segunda quinzenas de outubro, houve maior oferta de leite spot (negociado entre indústrias) em Minas Gerais, de modo que a média mensal caiu 16,8% frente à de setembro/20, indo para R$ 2,23/litro.

Nesse sentido, de acordo com agentes consultados pelo Cepea, a redução das cotações no campo esteve mais atrelada à pressão dos canais de distribuição sobre as negociações de lácteos com as indústrias em outubro. Isso porque o consumo esteve enfraquecido naquele mês, em função dos altos patamares de preços atingidos pelos derivados em meses anteriores. Como consequência, em outubro, houve a diminuição dos preços médios de derivados importantes para a formação do preço ao produtor, como leite longa vida (UHT), muçarela e leite em pó. É importante destacar que, mesmo com estoques enxutos de lácteos, a valorização intensa de vários gêneros alimentícios nos últimos meses tem pesado sobre a decisão de consumo do brasileiro, o que também resulta em maior competição entre redes varejistas para atrair clientes com preços baixos.

Perspectivas

A grande dificuldade para o setor neste final de ano está em equalizar a demanda, sensível aos elevados patamares de preços dos lácteos, com a oferta que deve seguir restrita, já que a ocorrência de La Niña deve impactar negativamente a atividade leiteira nos próximos meses. Além disso, as expressivas altas dos custos de produção (atreladas, sobretudo, à valorização dos grãos) impossibilitam investimentos na atividade, além de já comprometerem as margens dos produtores, visto que ocorrem em um momento muito sensível de redução da receita. Outro agravante para a situação é a valorização da arroba ao longo deste ano, que acaba estimulando o abate de fêmeas. Assim, a produção de leite pode não se recuperar no verão, como em outros anos, o que pode frear o movimento de queda no campo.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Cooperativa

Castrolanda completa 69 anos com faturamento recorde e nova estrutura corporativa

A data também marca a reinauguração da sede administrativa

Publicado em

em

Divulgação - Presidente Willem Berend Bouwman em frente a nova sede administrativa em Castro-Pr.

A Cooperativa Castrolanda nesta segunda-feira, 30, completa 69 anos de história. A data remonta a chegada dos primeiros grupos de imigrantes holandeses que vieram ao país e deram início ao desenvolvimento da Cooperativa no Estado do Paraná. Os pilares da fé, educação e cooperação, que compõe o tripé da imigração, tem sido a base e a sustentação para toda Castrolanda.

Ressaltar e perpetuar a nossa cultura é essencial. Ano após ano temos conseguido superar nossas expectativas, além disso, mostramos a importância do agronegócio para a economia brasileira, gerando emprego, renda e fazendo com que as regiões em que atuamos se desenvolvam com sustentabilidade”, destaca o Diretor Presidente da Castrolanda, Willem Berend Bouwman.

Nestas quase sete décadas de história, e como resultado de investimentos assertivos e trabalho de cooperados e colaboradores, a Castrolanda tem alcançado resultados expressivos. Neste mês de novembro, pela primeira vez na história, a Cooperativa superou a barreira dos R$ 4 bilhões de faturamento.

“Apesar da pandemia e todas as questões inerentes à Covid-19, tem sido um ano muito bom para o agro e, especialmente, para a gente. Todo esse resultado é fruto do trabalho em conjunto e bases sólidas construídas por nossos pioneiros durante esses anos”, afirma o Diretor Executivo Seung Lee.

Nova Estrutura Corporativa

A estrutura tem um estilo único, com uma mistura de elementos que remetem às construções na Holanda.

A data também marca a reinauguração da sede administrativa, em Castro/PR. Após um ano e nove meses de trabalho, o ambiente foi desenhado com um mix de culturas e texturas com objetivo de reestruturar e melhorar o local, oferecendo acessibilidade e otimizando os espaços.

“O projeto nasceu de um anseio e desejo para que tenhamos um local apropriado e que pudéssemos conectar a imagem da Castrolanda ao mercado. Tenho certeza que atingimos a expectativa, ao entregar um produto muito especial, conectado a história e a essência da Cooperativa”, destaca o Coordenador de Engenharia, Gustavo Viganó.

“Somos movidos por pessoas. Por isso, em todos os ambientes, buscamos levar conforto, bem-estar e funcionalidade dos espaços para os nossos cooperados, colaboradores e parceiros”, ressalta Willem.

Todo o projeto é contemplado por elementos, texturas, design, paisagismo e que estão ligados aos tripé da imigração: fé, educação e cooperação

Fonte: Ass. de Imprensa Castrolanda.
Continue Lendo

Notícias Mercado

Semeio da soja avança e preços recuam, mas baixa umidade preocupa

Avanço do semeio de soja na América do Sul pressionou os valores domésticos da oleaginosa na semana passada

Publicado em

em

Divulgação

O avanço do semeio de soja na América do Sul pressionou os valores domésticos da oleaginosa na semana passada, de acordo com informações do Cepea. No Brasil, o semeio segue para a reta final, chegando a 79%, segundo dados divulgados pela Conab no dia 23 de novembro.

Porém, o baixo índice pluviométrico preocupa sojicultores, que se ausentam de novas vendas. O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná caiu 1,76% entre 20 e 27 de novembro, indo para R$ 161,1/sc de 60 kg.

O Indicador ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá (PR) cedeu 0,8% no mesmo comparativo, indo para R$ 162,31/sc de 60 kg na sexta-feira (27).

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.