Conectado com
FACE

Empresas

Ceva reuniu referências da indústria avícola, tecnologia e ações solidárias durante o Simpósio Brasil Sul de Avicultura

Empresa encerra sua participação com a sensação de dever cumprido

Publicado em

em

Tharley Carvalho

Felipe Pelicioni

De 6 a 8 de abril a CEVA mais uma vez marcou presença em dos mais respeitados encontros técnico-científico da avicultura nacional, a vigésima primeira edição do Simpósio Brasil Sul de Avicultura, evento organizado pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas/SC (Chapecó/SC), entregando para os participantes que estiveram reunidos virtualmente nas plataformas digitais do simpósio e por meios das redes sociais da multinacional, devido a pandemia da Covid-19, a assinatura do seu slogan: “Juntos, além da Saúde Animal”. “Acreditamos que entregamos o melhor de nós a fim de reduzir o distanciamento social necessário frente a estes novos tempos”, compartilharam os líderes de marketing da Unidade Avicultura Ciclo Curto e Longo da CEVA, Tharley Carvalho e Felipe Pelicioni respectivamente.

Stand virtual, palestras com líderes do setor e ação solidária conduziram os trabalhos da multi durante os três dias do evento reafirmando mais uma vez junto aos profissionais que formam a cadeia avícola o seu compromisso com o setor.

No stand os visitantes tiveram acesso a todas as tecnologias oferecidas pela CEVA, como por exemplo as vacinas Cevac IBras, Cevac Maxmune e Cevac Eggmune, soluções voltadas para os desafios zootécnicos e econômicos em torno dos impactos negativos causados pela Bronquite Infecciosa (BI) que afetam sobremaneira o desempenho das aves e lucratividade das granjas nacionais. “As vacinas desenvolvidas pela CEVA com o vírus BR1 tem contribuído enormemente com a produtividade e rentabilidade juntos aos desafios das granjas já que garantem segurança e eficácia durante o processo de atenuação. Marcas que garantiram pela primeira vez o controle verdadeiro e eficaz da BI brasileira causados pela cepa BR1”, destacou o Gerente de Serviços Veterinários CEVA, Jorge Luis Chacón.

Além do suporte aos participantes através do stand, o Painel CEVA intitulado ‘A inovação como aliada para o crescimento sustentável do negócio’, realizado na manhã do dia 8 de abril, foi o ponto alto das ações. O Diretor da BU Aves, Branko Alva durante a abertura deu as boas-vindas aos participantes e ressaltou o papel da companhia neste momento delicado vivido pela humanidade. “Novos tempos requerem a nossa solidariedade”, iniciou o diretor referindo-se as ações sociais que seriam realizadas ao decorrer do evento.

O primeiro convidado foi o superintendente de produção da Copacol, Irineu Dantes Peron que abordou a inovação na cooperativa. “Inovação é um tema cada vez mais presente em nossas vidas, por isso sua importância”, descreveu.

Para ele, o marco dentro da Copacol iniciou nos anos 2000 com a introdução da tecnologia SAP e que de lá para cá, por meio das informações obtidas e interpretadas, estes processos continuaram. “Vemos ano a ano que a velocidade da inovação tecnológica ocorre em um tempo mais curto. As tomadas de decisão deverão acompanhar este mesmo ritmo”, apontou.

Aliado a isso, o profissional revelou o poder da educação continuada. Uma ação iniciada por volta de 2004 na cooperativa através da metodologia in company preparando gestores e lideranças para os anos vindouros. “Além da introdução da tecnologia é necessário que o time esteja preparado para as aberturas, mudanças e escolhas dos melhores momentos das decisões”, completou Irineu.

Contudo alertou sobre se ter a clareza sobre as oportunidades haja vista recursos finitos. “Tarefa que só é possível por meio de planejamentos estratégicos para priorizar e estruturar as melhores decisões de forma coletiva de um time/empresa que estejam preparados para introduzir inovações e tecnologias capazes de viabilizarem os processos.”

Um bom exemplo disso nas questões sanitárias, destacou Irineu, foi a experiência que tiveram junto a CEVA Saúde Animal. “Há dois anos realizamos um trabalho de mudança e introdução de inovação para minimizar perdas relativas às condenações e qualidade de pele e o resultado foi extremamente positivo”, concluiu.

Na sequência José Antonio Ribas Junior, Diretor Corporativo de Agropecuária da Seara, deixou suas impressões sobre a pauta inovação.

O profissional, em um bate-papo bem informal, traduziu de forma clara o olhar estratégico da companhia. “O que nos trouxe até aqui e nos fez referência mundial na indústria de produção avícola foi trabalho, suor e inspiração de muitos profissionais que deixaram para nós este legado e que devemos nos preparar para o futuro”, iniciou o executivo.

De acordo com ele, olhando para o futuro, as novas gerações trarão novos questionamentos que tornam a inovação uma premissa de sobrevivência das empresas. “O agronegócio brasileiro é o novo Vale do Silício do mundo e que pulsa o movimento das inovações e tecnologias que serão responsáveis por grandes transformações nos próximos cinco anos jamais vistos nos últimos trinta anos da atividade”, previu.

No entanto, há riscos. Para ele, o setor não pode olhar para inovação/tecnologia como fim. “Não podemos cometer este erro, ela é a nossa jornada de um futuro que não seremos capazes de compreender por inteiro, mas dentro de alguns parâmetros devemos entender e começar a construção agora”, alertou. Portanto, para José Antonio, olhar para dentro, aplicar tecnologia e comunicar para fora de forma proativa farão toda a diferença.

Na mesa redonda virtual as lideranças deixaram suas posições sobre a formação das pessoas e biosseguridade, um dos bens mais preciosos da avicultura nacional. E pegando carona em uma frase de efeito José Antonio lançou: “custo machuca, sanidade mata”, provocou.

Após a mesa redonda a CEVA realizou uma ação solidária que por meio de jogos de perguntas e respostas – formato quiz – a quantidade de participantes na ação seria revertida em um quilo de carne de frango. As entidades escolhidas ficaram a cargo dos três primeiros vencedores do quiz que neste ano foram quatro, devido ao empate nos terceiros colocados.

Para fechar o ciclo de Painel CEVA, a multinacional francesa trouxe o professor e pesquisador Sjaak de Wit, referência global em Bronquite Infecciosa na avicultura mundial que atualizou os participantes sobre o tema destacando a importância  de escolher uma vacina adequada à sua realidade e que tenha o perfeito balanço entre proteção e segurança. Acesse todo o conteúdo pelo link: https://bit.ly/2OxAyoR

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =

Empresas Avicultura

Especialista da Boehringer Ingelheim Saúde Animal explica como prevenir a devastadora doença de Newcastle em aves

Por ser uma doença com alta taxa de transmissibilidade, produtores devem seguir o controle oficial estabelecido pelo MAPA. Vacinação é a medida mais eficaz para conter a doença e proteger a cadeia avícola de riscos sanitários e econômicos

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural

A doença de Newcastle, uma das mais letais na avicultura devido à sua alta taxa de transmissibilidade, acarreta elevadas perdas econômicas à cadeia avícola e ao país atingido, caso o surto não seja controlado. O vírus da família Paramyxoviridae, causador da enfermidade, traz problemas respiratórios, nervosos e digestivos para as aves e pode ser transmitido pela respiração, fezes, ovos ou restos mortais do animal infectado. As aves infectadas apresentam espirros e respiração ofegante, falta de apetite, paralisia completa, diarreia aquosa, desorientação (andar em círculos e de costas), entre outros sintomas.

Apesar de ser livre da doença de Newcastle desde 2006, o Brasil detém um controle oficial estabelecido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para estabelecimentos avícolas de reprodução e postura comercial e, caso algum surto ocorra, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) deve ser notificada. De acordo com o gerente técnico de Avicultura da Boehringer Ingelheim, Tobias Filho, para evitar que ocorram surtos da doença nas granjas, o produtor deve seguir os protocolos de biosseguridade adequados e realizar a prevenção da doença por meio de vacinação: “Para garantir a segurança e evitar quaisquer tipos de surtos na propriedade, o produtor deve seguir os protocolos estabelecidos pelas autoridades locais e, no caso de exportação, os protocolos sanitários que regem os acordos comerciais. Qualquer tipo de negligência neste sentido pode acarretar perdas econômicas imensuráveis ao produtor e ao comércio do país”, explica. “Em caso de surto em uma propriedade com animais suscetíveis à doença, a incidência de mortes pode chegar a 100% das aves infectadas antes mesmo de apresentarem sinais clínicos evidentes, acarretando perda total de plantel do produtor”, conclui.

A vacinação, portanto, é fundamental para garantir o bem-estar dos animais, sustentar a produção e proteger a propriedade de perdas financeiras. Além disso, ela garante que a carne de frango e os ovos comercializados estejam dentro dos padrões estabelecidos pelas instituições competentes, chegando à mesa dos consumidores de forma segura e saudável, de acordo com os preceitos de “saúde única”, que corresponde os animais e humanos.

Vacina para doença de Newcastle

A Boehringer Ingelheim Saúde Animal lançou recentemente a vacina Newxxitek® HVT + ND, para proteção de aves contra as doenças de Newcastle e Marek. É a única vacina do mercado com o mesmo vetor da Vaxxitek® HVT+IBD – que protege contra Marek e Gumboro e já vacinou mais de 100 bilhões de aves no mundo –, expressando o gene da proteína F de um vírus velogênico do genótipo IV, o que traz maior segurança aos desafios de vírus de campo. Além disso, a solução combina a conveniência da administração única em incubatório (in ovo ou subcutânea) com a proteção de início rápido e de longo prazo contra Marek e Newcastle com a replicação do vetor HVT.

“A Newxxitek® HVT + ND se soma ao restante do portfólio da empresa de soluções para a avicultura, deixando-o mais completo e com flexibilidade de escolha, atendendo às necessidades da cadeia de produção”, afirma Filipe Fernando, gerente de marketing da área de Aves e Suínos da empresa. “Com esta solução, oferecemos uma cobertura vacinal robusta e variada para as principais enfermidades que acometem as aves, auxiliando no processo de produção e melhorando ainda mais os resultados”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Tecnologia

Novo recurso de áudio oferece praticidade dentro do agBlog

Agroceres Multimix realiza parceria com startup e oferece uma nova experiência aos seus usuários

Publicado em

em

Divulgação.

Relevante, atualizado e prático. O blog da Agroceres Multimix assume seu papel de fornecedor de conteúdo técnico de qualidade para o setor de produção de proteína animal e, agora, disponibiliza mais um recurso para seus usuários. Dentro do agBlog será possível consumir cerca de 500 publicações através de áudio, uma tecnologia que promove a inclusão e autonomia.

Ao acessar qualquer texto disponível no agBlog, os usuários encontrarão uma caixa contendo um “play”, logo abaixo da imagem de capa que ilustra o artigo. Com apenas um clique, o software de inteligência artificial fará com que uma voz humana narre o texto na íntegra.

“Mesmo depois de atingirmos um grande nível de maturidade, achamos que o agBlog poderia oferecer ainda mais opções aos usuários, por isso, realizamos uma parceria com a startup Audima e disponibilizamos mais esse recurso a todos que buscam informações técnicas de qualidade sobre o agronegócio. Nosso objetivo sempre foi oferecer uma experiência excepcional aos nossos leitores, portanto não medimos esforços para aprimorar cada vez mais nossas plataformas digitais”, explica Eric Wood, coordenador de marketing da Agroceres Multimix.

A Agroceres Multimix é pioneira entre as empresas de nutrição animal ao oferecer essa funcionalidade. Praticidade para quem não tem tempo de se dedicar à leitura e uma ótima opção para aqueles que estão sempre viajando ou praticando outras atividades. Sem contar, é claro, que a nova função torna mais inclusivo e democrático o consumo de conteúdo técnico de qualidade.

Para curtir essa experiência, confira abaixo alguns textos do agBlog com o novo recurso de áudio:

BOVINOS DE CORTE

BOVINOS DE LEITE

AVES DE CORTE

AVES DE POSTURA

SUÍNOS

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Reconhecimento.

Cobb recebe certificação de bem-estar animal pela PAACO

Empresa valida medidas de bem-estar no mês Abril Laranja, destacado para conscientizar e prevenir maus-tratos aos animais

Publicado em

em

Marcio Gereti / Divulgação

A Cobb-Vantress recebeu certificação de Bem-estar Animal em algumas de suas unidades do Brasil pela WQS, vinculada com a PAACO (Organização de Certificação de Auditores Profissionais de Saúde Animal, da sigla em inglês). “Essa validação assegura que estamos cumprindo todos os critérios do nosso programa de BEA, isso aos olhos de uma pessoa externa, ou empresa, é muito positivo, pois é uma certificação internacional”, destacou o biólogo e gerente de Laboratório e Bem-Estar Animal da Cobb-Vantress na América do Sul, Marcio Gereti.

Disponibilidade de alimento aos animais, checagem do conforto das aves, treinamentos dos colaboradores sobre bem-estar animal, relatórios de parâmetros técnicos e responsáveis pela aderência do programa nas unidades foram alguns dos critérios avaliados durante a certificação, explicou a bióloga e analista de Bem-Estar Animal e Controle Entomológico da Cobb-Vantress na América do Sul, Gracieli Araújo.

Ela salienta que a Cobb tem esta certificação anual no país e que todas as unidades estão 100% dentro do programa. “Assim como da última vez, tivemos agora 100% de aproveitamento, pois atendemos a todos os requisitos pedidos durante a auditoria”, afirmou.

Gereti defende que o bem-estar animal está diretamente atrelado ao processo produtivo. “Muitos dos indicadores que prezamos na produção animal podem ser melhorados e medidos através de melhorias no bem-estar dessas aves. Com isso, então, estamos cuidando de duas áreas ao mesmo tempo: o Bem-Estar Animal e a Produção. Uma não vive sem a outra, pois todos os recursos empregados na produção acabam impactando o bem-estar animal, e vice-versa”.

Ele ressalta a cultura do bem-estar animal. “Está enraizada em nossos colaboradores. Eles sabem muito bem do que se trata e o que fazer para nos mantermos com excelência nesse assunto. E, para o cliente, é uma garantia de que ele está comprando produtos de uma empresa que está cumprindo com o que há de mais exigente e atual no que se refere ao bem-estar animal”.

Gracieli reforça a importância do apoio da alta direção da empresa na implementação destas normas. “Demanda muito treinamento e mudança de cultura. Então, se eu pudesse pontuar os desafios desta conquista, diria que fora os investimos de tempo das pessoas e também a criação de um hábito de olhar para nossas aves pensando especificamente no Bem-Estar”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.