Conectado com

Notícias Paraná

Casos de raiva fazem Adapar reforçar necessidade de vacinação do rebanho

Imunização é a melhor forma de proteger o rebanho; grau de letalidade da doença é de 100%

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

Novos casos de raiva em bovinos identificados no Paraná fizeram com que a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) emitisse um comunicado em que reitera aos pecuaristas a necessidade da vacinação do rebanho. Causada por um vírus transmitido, principalmente, pela mordida de morcegos hematófagos (da espécie Desmodus rotundus), a raiva é uma doença incurável que ataca o sistema nervoso dos animais, levando-os à morte. A doença é considerada uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida a seres humanos.

Conforme a Adapar, a necessidade de prevenção se torna ainda maior durante o período de pandemia do novo coronavírus. Sempre que um caso de raiva é identificado, técnicos da agência se deslocam à propriedade rural para a coleta de material para análise em laboratório, além de tentar identificar pontos de refúgio do morcego. Além disso, os agentes visitam propriedades localizadas a um raio de 12 quilômetros do foco da doença, alertando e orientando os pecuaristas. Com os protocolos de distanciamento social deflagrados em razão da Covid-19, no entanto, essas ações se tornaram inadequadas.

“Por causa da pandemia, temos encontrado dificuldade de fazer as atividades perifocais, mais de linha de frente. Então, o ideal, neste instante, é que o produtor rural vacine seu rebanho”, diz Ricardo Vieira, coordenador do programa de vigilância e prevenção da raiva da Adapar.

Para isso, a Adapar tem entrado em contato com os sindicatos rurais, para que estes divulguem entre seus associados a necessidade de vacinação do rebanho. Essa ação de conscientização e de informação tem apoio do Sistema FAEP/SENAR-PR.

Neste ano, já foram identificados 35 de casos de raiva do Paraná. Segundo a Adapar, o principal foco é o município de Palmeira, nos Campos Gerais, onde foi confirmada uma dezena de casos.

As reses devem ser vacinadas anualmente. Os animais novos, com idade superior a três meses, também precisar ser imunizados e receber um reforço da vacina 30 dias após a primeira aplicação. Vieira destaca que a vacina é a principal forma de manter o rebanho imune à doença e que tem um baixo custo. A Adapar lembra que o grau de letalidade da raiva é de 100%, ou seja, todos os animais infectados morrem em pouco tempo.

“Antes, o pecuarista vacinava contra a raiva junto com a imunização contra a febre aftosa. Como o Paraná já não precisa vacinar contra a aftosa, é preciso reforçar essa necessidade de aplicar a dose contra a raiva”, aponta Vieira. “A vacina custa em torno de R$ 0,50. É muito barato em comparação a um boi gordo, que gira em torno de R$ 2 mil”, acrescenta.

A Adapar também reitera que a vacinação contra a raiva deve ocorrer todos os anos, pois a imunização é a melhor forma de proteger o rebanho. “O que acontece é que muitos produtores param de vacinar, porque acham que não está dando a doença. Mas é o contrário: não estava dando a doença justamente porque se estava vacinando”, diz Vieira.

A raiva

A doença pode infectar não só bovinos e equinos, mas a todos os animais mamíferos. O vírus também pode ser repassado por arranhões e lambidas dos bichos contaminados.

Entre as orientações da Adapar, estão o isolamento imediato do animal sob suspeita. O pecuarista deve estar atento ao comportamento do rebanho, principalmente em casos de reses que apresentem andar cambaleante e queda, salivação excessiva e engasgos – sintomas mais evidentes de contágio de raiva. Em todos esses casos, a Adapar deve ser informada pelo produtor imediatamente.

Fonte: Sistema FAEP
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × dois =

Notícias Mercado

Preços do boi gordo batem em “teto” e param de subir

Preços do boi gordo ficaram acomodados na semana nas principais praças de produção e comercialização do Brasil

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Os preços do boi gordo ficaram acomodados na semana nas principais praças de produção e comercialização do Brasil. “Parece que os preços encontraram um limite para seu movimento de alta. As negociações ainda acontecem a partir de R$ 225 por arroba à vista para animais destinados ao mercado chinês em São Paulo, enquanto para animais destinados ao mercado doméstico, a indicação de comprador permanece posicionada a R$ 220 por arroba, a prazo”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Segundo ele, a China permanece bastante ativa nas importações. “O problema é a demanda doméstica de carne bovina, ainda enfraquecida por conta da pandemia”, assinalou. O relaxamento das medidas de distanciamento social não é suficiente para fazer os níveis voltarem aos níveis pré-crise. De qualquer maneira, a oferta de animais prontos para o abate permanece restrita, configurando outro ponto de sustentação aos preços do boi.

Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade à prazo nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 09 de julho:

  • São Paulo (Capital) – R$ 218 a arroba, estáveis.
  • Goiás (Goiânia) – R$ 211 a arroba, inalterados.
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 214 a arroba, estáveis.
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 212 a arroba, inalterados.
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 200 a arroba, inalterados.

Exportação

As exportações de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada do Brasil renderam US$ 71,370 milhões em junho (3 dias úteis), com média diária de US$ 23,790 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 17,728 mil toneladas, com média diária de 5,509 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.025,70.

Na comparação com julho de 2019, houve ganho de 3,13% no valor médio diário, alta de 2,05% na quantidade média diária e avanço de 1,06% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Clima ameaça produtividade do trigo de Brasil e Argentina

Mercado brasileiro de trigo encerra a semana atento ao clima sobre as lavouras, em meio à reta final dos trabalhos de plantio

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de trigo encerra a semana atento ao clima sobre as lavouras, em meio à reta final dos trabalhos de plantio. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, países da Europa e a Argentina vêm sendo prejudicados pela seca, podendo ter como consequência uma redução da produtividade. “O mercado já começa a repercutir estas possibilidades, devido à menor disponibilidade de oferta no cenário internacional”, ele observa que uma queda na produção da Argentina pode afetar os preços no Brasil.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que o plantio da safra 2020 de trigo do estado atinge 97% da área estimada de 1,13 milhão de hectares, contra 1,028 milhão de hectares em 2019, alta de 10%.

Segundo o Deral, 90% das lavouras estão em boas condições 8% em situação média e 2% em condições ruins. As lavouras se dividem entre as fases de germinação (4%), crescimento vegetativo (81%), floração (14%) e frutificação (1%).

A produção deve ficar em 3,672 milhões de toneladas, 72% acima das 2,141 milhões de toneladas colhidas na temporada 2019. A produtividade média é estimada em 3.250 quilos por hectare, acima dos 2.205 quilos por hectare registrados na temporada 2019.

Rio Grande do Sul

O plantio de trigo atinge 95% da área, estimada em 915.712 hectares. Na semana passada, os trabalhos atingiam 87%. Em igual período do ano passado, o implante cobria 93% da área. A média para os últimos cinco anos é de 90%. Todas as lavouras estão em fase de germinação ou desenvolvimento vegetativo.

A semana foi marcada pela instabilidade com predomínio de tempo encoberto, temperaturas baixas e chuvas, que em muitos municípios os acumulados superaram a 100 milímetros. Os produtores aguardam a melhoria do tempo para dar continuidade aos plantios e ao monitoramento de pragas, doenças e ervas nas áreas já implantadas.

Argentina

O plantio de trigo atinge 86,8% da área na Argentina. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, os trabalhos avançaram 7,7 pontos percentuais na semana e estão 1 ponto adiantados em relação ao ano passado. A projeção de área fica em 6,5 milhões de hectares. Até o momento, os trabalhos cobrem 5,64 milhões de hectares.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Sem pressão ainda da safrinha, milho mantém preços firmes

Mercado brasileiro de milho manteve preços firmes nas principais praças de comercialização na semana

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de milho manteve preços firmes nas principais praças de comercialização na semana. As cotações seguiram sustentadas nos portos e o mercado ainda não é pressionado de forma mais intensa pela entrada da safrinha, que ainda tem colheita “discreta”.

Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, a oferta segue ajustada em relação à demanda, o que determina o suporte aos preços. Atenções seguem para a volatilidade no câmbio e para a passagem de massas de ar polar sobre as regiões produtoras, que derrubam as temperaturas e geram temores de geadas e perdas nas lavouras.

Na Bolsa de Chicago, expectativa para a divulgação nesta sexta-feira do relatório de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que pode trazer alterações importantes nos números. A produção de milho dos Estados Unidos para a temporada 2020/21 deve ser apontada em 15,060 milhões de bushels, aquém dos 15,995 bilhões previstos em junho, segundo adidos e traders consultados por agências internacionais. A produtividade média da safra 2020/21 deve elevada de 178,5 bushels por acre para 178,9 bushels por acre.

Os estoques de passagem da safra 2019/20 dos Estados Unidos devem ser indicados em 2,286 bilhões de bushels, acima dos 2,103 bilhões de bushels apontados em junho. Para a temporada 2020/21 as projeções apontam para um estoque final de passagem norte-americano de 2,728 bilhões de bushels, ante os 3,323 bilhões estimados no mês passado.

Voltando ao mercado brasileiro, no balanço semanal as cotações avançaram em boa parte das regiões. No Porto de Santos, na base de compra, o preço se manteve estável no comparativo do dia 02 para o dia 09 de julho (quinta-feira), em R$ 52,00 a saca de 60 quilos. Já no Porto de Paranaguá, no mesmo período, a cotações do milho na compra teve leve avanço de R$ 51,30 para R$ 51,50 a saca.

No mercado interno, no Paraná, a cotação em Cascavel no balanço semanal subiu de R$ 46,00 para R$ 47,00 a saca na base de venda. Em São Paulo, preço na Mogiana subiu no comparativo semanal (de 02 para 09 de julho) de R$ 50,00 para R$ 52,00. Em Campinas CIF, a cotação avançou de R$ 53,00 para R$ 53,50 a saca.

No Rio Grande do Sul, em Erechim, o preço do milho na semana permaneceu estável no comparativo em R$ 52,00 a saca. Em Minas Gerais, preço inalterado em Uberlândia no balanço semanal em R$ 49,00 a saca na venda. No Mato Grosso, preço no balanço semanal subiu de R$ 37,00 para R$ 38,00 a saca em Rondonópolis.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.