Conectado com
Minuto Agro

Notícias Mercado

Brasil segue com exportação de carne aos EUA, mas há destinos melhores, diz Marfrig

Embarques de carne bovina do Brasil aos EUA seguem fluindo, porém devem ter menor volume, pois “há destinos melhores” para os exportadores

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

Os embarques de carne bovina do Brasil para os Estados Unidos seguem fluindo, porém devem ter menor volume, pois “há destinos melhores” para os exportadores, disse na terça-feira (19) o CEO da Marfrig na América do Sul, Miguel Gularte.

Em teleconferência para comentar resultados trimestrais, ele destacou que a exportação representa cerca de 70% da participação de mercado da companhia no país. “Nos últimos anos tivemos a possibilidade de deixar a exportação mais forte e agora escolher onde colocar esse produto”, afirmou. Segundo o CEO, as vendas externas representavam anteriormente cerca de 50% dos resultados da empresa.

O mercado norte-americano foi reaberto para a carne bovina in natura do Brasil em fevereiro, após uma interrupção imposta pelos EUA desde 2017 por questões sanitárias. Sem revelar o volume embarcado, Gularte afirmou que os cortes brasileiros são enviados para os EUA para compor um mix nos produtos processados.

Ele ressaltou que a China retornou com demanda firme pela proteína desde que houve um controle parcial da pandemia naquele país. Países como Coreia do Sul, Japão e alguns mercados europeus também foram relevantes para as exportações da América do Sul ao longo dos três primeiros meses do ano.

No primeiro trimestre, a estratégia de diversificação de mercados, além da China, foi determinante para o crescimento de 109% no lucro operacional da Marfrig, embora a companhia tenha amargado um prejuízo líquido de R$ 137 milhões por causa, principalmente, de despesas cambiais.

Covid-19

Com relação aos efeitos da pandemia, Gularte ressaltou a necessidade de reforçar o caixa da empresa, mas disse que a Marfrig segue atenta a oportunidades de fusões e aquisições de menor porte. “É importante estar com caixa reforçado e trabalhar de forma cautelosa, o que não quer dizer que não estejamos atentos a oportunidades, mas nada de grande relevância…(Alguma aquisição) não está nesse momento sobre a mesa, mas a porta não está fechada.”

O fundador e presidente do Conselho de Administração da empresa, Marcos Molina, acrescentou que a Marfrig tem utilizado o caixa gerado pela National Beef para baixar o endividamento e, diante das incertezas relativas à Covid-19, a Marfrig optou por postergar o pagamento de dividendos para o mês de julho.

Segundo Molina, a distribuição de dividendos ocorre trimestralmente e corresponde a 56% do resultado. Nos Estados Unidos, o CEO das Operações América do Norte, Tim Klein, disse que houve uma elevação de custos por conta da paralisação temporária de uma das unidades da National Beef, além de despesas com materiais de prevenção, mas não há expectativa de que estas despesas afetem as margens da companhia ou aumentem os preços da carne comercializada no varejo norte-americano.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − 9 =

Notícias Suinocultura

Demanda chinesa elevada faz com que exportações brasileiras atinjam recorde

Exportações de carne suína in natura geraram R$ 1,2 bi, montante 50,7% maior que o de abril

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

As exportações brasileiras de carne suína in natura atingiram em maio o maior volume de toda a série histórica da Secex, iniciada em 1997. Os embarques do mês passado totalizaram 90,7 mil toneladas, aumento de 44,1% frente ao resultado de abril e ainda 53,2% acima do volume verificado em maio de 2019.

Segundo colaboradores do Cepea, a demanda chinesa seguiu sendo o principal motivo do incremento nos embarques brasileiros da proteína. A maior quantidade escoada e o alto patamar do câmbio resultaram em receita média obtida pelo setor também recorde, acima de R$ 1 bilhão pela primeira vez na história.

Dessa forma, as exportações de carne suína in natura geraram R$ 1,2 bi, montante 50,7% maior que o de abril e mais que o dobro da receita obtida em maio de 2019.

Vale ressaltar que um dos fatores que tem favorecido a carne suína brasileira no mercado internacional é a presença da Peste Suína Africana (PSA) em diversos países da Ásia, da Europa e África.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Média mensal da arroba é a terceira maior da série do Cepea

Em maio, o Indicador do boi gordo CEPEA/B3 teve média de R$ 201,21, sendo 0,82% acima da observada em abril

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

As exportações brasileiras em volumes recordes e a baixa oferta doméstica de animais prontos para o abate continuam sustentando os preços da arroba bovina. Em maio, o Indicador do boi gordo CEPEA/B3 teve média de R$ 201,21, sendo 0,82% acima da observada em abril e 24,7% superior à de maio do ano passado, em termos reais (os valores foram deflacionados pelo IGP-DI).

A média de maio foi, também, a terceira maior de toda a série mensal do Cepea (iniciada em 1994), atrás somente do recorde real de dezembro de 2019, de R$ 215,77, e de novembro de 2019, de R$ 208,33. Quanto às exportações, somaram 155,136 mil toneladas em maio, crescimentos de 33,4% frente ao volume de abril e de 28,2% em relação ao de maio de 2019, segundo dados da Secex. Trata-se, também, de quantidade recorde para um mês de maio.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Exportação

Porto de Paranaguá dobra embarques de soja

Corredor de Exportação registrou 2,4 milhões de toneladas em maio, contra 1,2 milhão do mesmo mês de 2019

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

As exportações do complexo soja pelo porto de Paranaguá mais que dobraram em maio. Foram 2,4 milhões de toneladas embarcadas, duas vezes o carregado no mesmo mês de 2019 (1,2 milhão). O resultado confirma o bom desempenho do complexo (grão e farelo), que ultrapassou a marca de 2 milhões de toneladas exportadas, pelo terceiro mês consecutivo, em 2020.

O volume carregado nos cinco primeiros meses do ano já soma 9,6 milhões de toneladas: 33% mais que o embarcado no mesmo período do ano anterior. “Apesar da crise do coronavírus, o mercado se manteve muito forte. O dólar valorizado favoreceu as exportações e o tempo seco garantiu o ritmo de embarques”, explica o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

A empresa pública investiu em medidas de cuidado com a saúde dos trabalhadores e manteve os serviços. “Foi essencial dar segurança para os portuários e caminhoneiros. No campo, os produtores tiveram a certeza que a safra seria escoada com a eficiência de sempre e toda a cadeia de negócios foi preservada”, completa.

Soja

Este ano, os três berços do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá só registraram embarque de milho em janeiro. De fevereiro até maio, a soja dominou as movimentações.

Especificamente o produto em grão teve um crescimento de quase 70%, na comparação entre os cinco primeiros meses de 2019 e 2020. Subiu de 4,29 milhões para 7,28 milhões de toneladas.

Só em maio, foram exportadas cerca de 1,95 milhão de toneladas. Volume que é 248% maior que as 561.284 toneladas de soja em grão carregadas pelo complexo no mesmo mês do ano anterior.

O farelo de soja também teve crescimento. Neste ano, foram 2 milhões de toneladas exportadas, ante 1,8 milhão nos primeiros cinco meses de 2019. Considerando apenas o embarque mensal, maio de 2020 teve crescimento de 76%, com 496.360 toneladas embarcadas.

Diferencial

O sistema paranaense de embarque de granéis é único no Brasil. A carga pode ser embarcada simultaneamente nos três berços de atracação exclusivos e é possível que um mesmo navio receba mercadorias de diferentes produtores, inclusive dos pequenos.

Atualmente, nove terminais privados ou arrendados operam no Corredor: AGTL Cargill, Centro Sul, Cimbesul, Coamo, Cotriguaçu, Interalli, Louis Dreyfus e Rocha. Juntos, eles somam 1,025 milhão de tonelada de capacidade global.

Além disso, a empresa pública Portos do Paraná mantém um silo vertical, com capacidade estática de 100 mil toneladas, e quatro silos horizontais, com capacidade total de 60 mil toneladas. Por eles, operam Céu Azul, Grano Logística, Gransol, Marcon, Sulmare, Tibagi e Transgolf, que trabalham com diversos exportadores menores.

Sucesso

Para o chefe da Divisão de Silos do Porto de Paranaguá, Gilmar Francener, os números de movimentação indicam o sucesso do trabalho que é desenvolvido em conjunto, pela iniciativa pública e privada.

“O objetivo de todos é ampliar a eficiência e a produtividade, que garantem bons negócios. Os números de 2020 indicam um novo paradigma para os embarques do Corredor de Exportação. Nos últimos três meses, as movimentações todas foram superiores a 2,4 milhões de toneladas”, comenta.

Menos tempo de espera

Em maio de 2019, 22 navios atracaram nos berços do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá. Neste ano foram 39. O número só foi possível, porque o tempo de espera das embarcações reduziu e a produtividade dos berços aumentou.

O tempo que um navio levou para carregar saltou de uma média de 2,9 dias para 2,2 dias. Já o volume movimentado saltou de 801 toneladas/hora para 1.138 toneladas/hora.

Silos públicos

Juntos os silos públicos (vertical e horizontais) carregaram, este ano, volume 103% maior que em 2019. São 1,4 milhão de toneladas exportadas em 2020, contra 694,9 mil toneladas no ano passado.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.