Conectado com

Notícias SBSS

Brasil quer demonstrar que é livre de PSC para ampliar mercado internacional

Trabalho realizado pelo MAPA foi apresentado pelo palestrante Guilherme Takeda no 13º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura

Publicado em

em

Divulgação

A Peste Suína Clássica (PSC) é uma doença viral altamente contagiosa entre suínos e javalis e que não tem cura nem tratamento. Não é transmissível para os seres humanos, mas causa grandes prejuízos econômicos para a cadeia produtiva. Pela fácil transmissão e pelo elevado prejuízo que pode causar, o tema é sempre pauta de debates e foi assunto de palestra do auditor fiscal federal agropecuário e chefe da Divisão de Sanidade dos Suínos do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Guilherme Zaha Takeda, no 13º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS).

Com o tema “Peste Suína Clássica: o que o Brasil está fazendo e qual o risco para a nossa suinocultura”, a temática abriu a programação científica desta terça-feira (11), no Painel Biosseguridade. O Simpósio é promovido virtualmente pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) e segue até esta quinta-feira (12).

A suinocultura brasileira se destaca em qualidade e na preservação da sanidade do seu rebanho frente a várias enfermidades de relevância mundial. Takeda frisou que o processo de reconhecimento internacional de zonas livres (ZL) de Peste Suína Clássica no Brasil priorizou as regiões de maior relevância para produção e exportação de suínos e seus produtos. “Atualmente, cerca de 83% do rebanho suíno brasileiro encontra-se em zona livre de PSC, envolvendo, aproximadamente, 50% do território nacional”, informou.

Em 1992 foi implantado o Programa de Controle e Erradicação da PSC no Brasil e em 2000 houve o reconhecimento nacional de extinção da doença em 14 estados. A primeira certificação da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) foi em 2014.

A condição zoossanitária da doença no Brasil reconhecida pela OIE está constituída com três zonas livres: uma integra os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina; outra formada pelos estados do Acre, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo, Sergipe, Tocantins e os municípios de Guajará, Boca do Acre, sul do município de Canutama e sudoeste do município de Lábrea, pertencentes ao estado do Amazonas; e outra formada pelo estado do Paraná. Há uma zona não livre (ZnL), constituída pelos estados de Alagoas, Amapá, Amazonas (exceto região pertencente à ZL), Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Roraima.

Para atuar mais fortemente no controle e prevenção da doença, neste ano foi feita revisão do sistema de vigilância nas zonas livres, vacinação em Alagoas e estudo soroepidemiológico. Também foi implementado o Plano Integrado de Vigilância de Doenças dos Suínos 2021, que abrange toda a zona livre de PSC; considera diferentes realidades de risco e produção; atua com amostragem baseada em risco com busca de populações com maiores chances de detecção; amplia o escopo de vigilância e organiza, dá continuidade e sistematiza as informações e a comunicação.

O especialista enfatizou que o objetivo é erradicar a PSC no Brasil, tornando o país livre da doença. Para isso, é feito um amplo trabalho. “Na zona não livre a atuação é feita com base no Plano Estratégico Brasil Livre de PSC, cujo objetivo é erradicar a PSC na região, reduzindo as perdas diretas e indiretas causadas pela doença e gerando benefícios pelo status sanitário de país livre da doença. Como parte de sua estratégia, o Plano visa promover o fortalecimento do Sistema Veterinário Oficial (SVO) e do sistema de vigilância para as doenças dos suínos, incluindo a implantação de um programa de vacinação sistemática contra a PSC em alguns estados”.

Takeda ressaltou a importância de toda a cadeia produtiva conhecer os sintomas da doença para manter o alerta, a fim de evitar a reintrodução nas zonas livres: tratadores, produtores, médicos veterinários, profissionais da cadeia e controladores de asselvajados. “Todos devem estar devidamente instruídos e sensibilizados acerca dos sinais e da notificação”, reforçou.

Impacto econômico

De acordo com Takeda, a situação da doença nas zonas não livres aumenta a preocupação com a possível reintrodução e disseminação nas zonas livre, pois se isso ocorrer o impacto econômico é grande, podendo chegar a R$ 5 bilhões em perdas, de acordo com estimativa da iniciativa privada.

O Brasil é o quarto maior produtor mundial e o quarto maior exportador mundial de carne suína. “A suinocultura brasileira possui condição sanitária bastante favorável por ser considerada livre de doenças economicamente muito importantes que ocorrem em várias partes do mundo, como a Peste Suína Africana (PSA) e a Síndrome Reprodutiva e Respiratória dos Suínos (PRRS) e por possuir uma vasta zona livre de Peste Suína Clássica. A manutenção dessa condição sanitária no Brasil garante menores custos de produção e vantagem competitiva no acesso a mercados internacionais”, salienta Takeda.

Por ser de fácil transmissão, uma preocupação da cadeia produtiva é o crescente trânsito internacional de pessoas, o comércio internacional de animais e produtos, a intensificação da produção pecuária e outros fatores que contribuem para um aumento dos riscos de introdução e disseminação da doença. “Os estados de zona livre possuem um controle rígido, é proibido o tráfego de animais e produtos suinícolas de zonas não livres para zonas livres e todos os animais importados pelo Brasil passam por uma quarentena”, realçou Takeda, ao acrescentar que diversas ações e prevenção e controle fazem parte do Plano Brasil Livre de PSC.

Taketa salientou que o Brasil possui um robusto sistema de vigilância que tem tido êxito em demonstrar a ausência de PSC nas populações de suínos domésticos e asselvajados nas áreas de zona livre. O objetivo é comprovar esse status sanitário no mercado internacional, a fim de ampliar acordos comerciais. Porém, salientou a necessidade de intervenção nas áreas de zonas não livres, o que é fundamental para a redução do risco de reintrodução do vírus nos locais onde já foi erradicado. “Tivemos casos da doença em 2020 e 2021 no Piauí. É normal surgirem focos nas zonas não livres. Por isso, precisamos sempre estar vigilantes. Faremos relatório semestral e anual do Plano Brasil Livre de PSC e a cada três anos será feita uma revisão. A vigilância é a principal atividade que permite a detecção precoce de doenças e viabiliza o controle e a erradicação eficiente”, concluiu.

Pig Fair

Em torno de 60 empresas de tecnologia, sanidade, nutrição, genética, aditivos e equipamentos para suinocultura participarão da 12ª Brasil Sul Pig Fair. A feira consiste em um espaço virtual onde as empresas geradoras de tecnologias apresentam suas novidades e seus produtos, permitem a construção de networking e o aprimoramento técnico dos congressistas. O acesso para a feira é gratuito.

Apoio

O 13º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de SC (CRMV/SC), da Embrapa, da Prefeitura de Chapecó, da Unochapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

Programação do 13° Simpósio Brasil Sul de Suinocultura 2021

Data 12/08/2021

13h30 às 13h35 – Painel Nutrição

13h35 às 14h15 – Nutrição de precisão: em busca da máxima eficiência.

Palestrante: Mário Penz

14h15 às 14h35 – Discussão

14h40 às 15h20 – Visão estratégica de ingredientes nutricionais (mercado internacional e impacto interno).

Palestrante: Uislei Orlando

15h20 às 15h40 – Discussão

15h40 às 15h55 – Intervalo

15h55 às 16h – Painel Sanidade

16h às 16h40 – O que não vemos: micotoxinas e suas interações (vacinas, performance, CDRS, desafios entéricos).

Palestrante: Paulo Dilkin

16h40 às 17h – Discussão

17h05 às 17h45 – Papel dos agentes primários e secundários no Complexo de Doença Respiratória dos Suínos e suas interações (foco em Influenza, Mh e APP).

Palestrante: Djane Dallanora

17h45 às 18h05 – Discussão

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 2 =

Notícias Dia C

Cooperativismo celebra seu 100º Dia Internacional com inúmeras ações Brasil afora

Iniciativa objetiva ecoar contribuição do movimento para a construção de um mundo melhor.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Cooperativas de todo o mundo comemoraram, no sábado (02), o 100º Dia Internacional do Cooperativismo, ou o #CoopsDay. Comemorada anualmente no primeiro sábado de julho, a data tem como objetivo ecoar a contribuição única do movimento para tornar o mundo um lugar melhor e mais próspero. Cooperativas constroem um mundo melhor é o tema escolhido para a edição de 2022, exatos dez anos depois que a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou o ano de 2012 como o Ano Internacional das Cooperativas com slogan similar: “As Cooperativas fazem um mundo melhor”.

A cada ano, o cooperativismo aumenta ainda mais sua representação e reconhecimento junto a sociedade. Segundo a Aliança Cooperativa Internacional (ACI), o mundo conta com mais de três milhões de cooperativas que congregam 1 bilhão de cooperados e geram 280 milhões de empregos. As 300 maiores cooperativas são responsáveis por pelo menos US$ 2 trilhões de faturamento ao ano. No Brasil, de acordo com o Anuário do Cooperativismo 2021, coordenado pelo Sistema OCB, são mais de 4,8 mil cooperativas, 17,2 milhões de cooperados, 455 mil empregos gerados e R$ 650 bilhões em movimentação financeira.

Por isso, o CoopsDay é uma data para celebrar como o modelo de negócios cooperativista e seus sete princípios contribuem para construir um mundo melhor e mais próspero. Para reconhecer o papel do movimento na economia global, na segurança alimentar, no combate à degradação do meio ambiente, na geração de emprego, na economia colaborativa e tantas outras ações baseadas em seus valores. E para estimular o seu sétimo princípio, que versa sobre a responsabilidade social e o cuidar dos outros.

“É a oportunidade de demonstrarmos a força do cooperativismo neste momento de tantas transformações e evoluções que estão acontecendo no tecido da humanidade. As cooperativas podem construir um ambiente e um mundo muito melhor para nossa gente, para as comunidades onde estão inseridas, para nossos estados, para o país e para o mundo. Queremos mostrar para a humanidade que o cooperativismo é gerador de bem-estar, de felicidade e de prosperidade para as pessoas”, destaca o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

E, para a celebração deste ano, o Sistema OCB promoveu uma ação interativa nas redes sociais do SomosCoop (Instagram e Facebook) para instigar as pessoas a pensar em que coisas ficariam melhores se fossem coop, transformando as respostas dos seguidores em colagens exclusivas e fundos de tela para os usuários. A Casa do Cooperativismo brasileiro também lançou um manifesto que apresenta o movimento cooperativista para quem ainda não o conhece e promoveu um podcast que fala sobre cooperação, principalmente para o público jovem. É um episódio especial do Naruhodo, apresentado por Ken Fujioka e Altay de Souza, que foi ao ar no sábado.

Ações das cooperativas

Transformar realidades para melhor é uma das premissas do cooperativismo. O interesse pela comunidade e pelas pessoas é demonstrado diariamente nas ações e atividades desenvolvidas pelas cooperativas.  Unidas, elas também investem em projetos específicos e voluntários que contribuem para minimizar os efeitos da desigualdade social e promover cidadania entre os beneficiados. É o movimento Dia de Cooperar, mais conhecido como Dia C, que envolve iniciativas planejadas pelas cooperativas durante todo o ano.

E, todo ano, no primeiro sábado de julho, as cooperativas brasileiras, apoiadas pelo Sistema OCB, festejam os resultados do Dia C com eventos sociais realizados simultaneamente em todo o país, a partir de ações de responsabilidade social e voluntárias que incluem prestação de serviços, difusão de diversas culturas e recreação nas áreas de saúde, educação, meio ambiente e outras, para as comunidades onde estão inseridas.

“O Dia C é uma data para incentivar práticas de voluntariado e confirmar o compromisso do cooperativismo com a construção de um mundo mais justo, equilibrado e próspero. Nosso papel é disseminar a importância do movimento e aproveitar esta data para demonstrar à sociedade um pouco do que o cooperativismo faz, diariamente, para melhorar a vida das pessoas e preservar o meio ambiente”, destaca o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

Como evento nacional, o Dia C já totaliza mais de 14 mil iniciativas que beneficiaram 24,8 milhões de pessoas. Em 2021, foram 5,1 milhões de pessoas atendidas com as mais de duas mil iniciativas e ações realizadas por 2.579 cooperativas e seus mais de 145 mil voluntários. Ao todo, 1.411 munícipios registraram a força do voluntariado cooperativista.

Centenário 

O CoopsDay é celebrado desde 1923, embora apenas em 1995, ano do centenário da Assembleia Cooperativa Internacional (ACI), a ONU tenha proclamado oficialmente o primeiro sábado de julho como o Dia Internacional das Cooperativas. Desde então, a ACI e a ONU, por meio do Comitê para a Promoção e Avanço das Cooperativas (Copac), passaram a definir o tema para celebração do evento mundial.

Em 2012, as cooperativas foram homenageadas pelas Nações Unidas por terem sido responsáveis pela criação de 100 milhões de vagas de emprego em todo o mundo, logo após a crise financeira global de 2008. Estudos apontaram que as cooperativas ajudaram, não apenas na retomada econômica das cidades onde estavam inseridas, como para o cumprimento expressivo dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, atuais Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), presente na Agenda 2030, da ONU.

Fonte: Ascom Sistema OCB
Continue Lendo

Notícias 4ª edição

Fish Expo reúne cadeia do pescado em Foz do Iguaçu com foco em mercados e sustentabilidade

Evento se consolida como o maior fórum de especialistas em pescado com participantes de toda a América Latina.

Publicado em

em

Presidente do IFC Brasil, Altemir Gregolin, e a diretora executiva, Eliana Panty - Foto: Divulgação

O encontro que discute mercado e novas fronteiras para o pescado brasileiro no cenário global reunirá os principais players do setor em Foz do Iguaçu (PR). O 4° International Fish Congress & Fish Expo Brasil será realizado nos dias 31 de agosto, 1º e 02 de setembro no Maestra Convention Center do Resort Recanto Cataratas e reúne feira de tecnologias, congresso, mostra de trabalhos científicos e rodada de negócios. A Revolução Azul proposta como tema de discussão refere-se ao significativo crescimento e intensificação da produção aquícola global – cultivo de peixes, crustáceos e plantas aquáticas – de meados do século 20 até o presente, principalmente em países em desenvolvimento.

A edição que marca a expansão do evento para América Latina tem foco em propor alternativas e reunir estratégias para o crescimento sustentável e desenvolvimento responsável do setor. Participam dos painéis e debates especialistas de cinco continentes com diferentes visões e experiências para uma aquicultura orientada para ampliar mercados interno e externo como impulsionador da produção de pescado para o Brasil e o mundo. Serão três dias de palestras, painéis, debates e feira de negócios em evento presencial com transmissão ao vivo, com tradução para o espanhol e on demand em plataforma de streaming exclusiva.

O ex-ministro da Pesca e presidente do IFC Brasil, Altemir Gregolin, destaca que o IFC 2022 propõe uma discussão de temas transversais ao setor, com propósito de orientar o crescimento de forma ordenada e conectada com as tendências mundiais de consumo.

“O IFC assumirá uma dimensão inédita este ano.  Desde a sua origem, tem como objetivo central ser um grande instrumento de apoio ao desenvolvimento da cadeia produtiva de pescado no Brasil. Ao apontar tendências, expor o que tem de melhor em tecnologias e apresentar caminhos e ações para o desenvolvimento, o IFC Brasil uniformiza informações e coloca todos os atores numa mesma  sintonia e trabalhando numa mesma direção”, afirma Gregolin.

Fish Expo gerando negócios

O IFC Brasil, depois do recorde de público e lançamentos de tecnologias inéditas na última edição em 2021, reserva para a sua quarta edição muitas novidades, entre elas: um evento voltado para a América Latina, com empresas de diversos países e a ampliação da feira Fish Expo Brasil que permite um número de expositores 40% maior. A diretora executiva, Eliana Panty, destaca o crescimento da feira e ampliação do foco em negócios.

“A Fish Expo é uma feira de negócios que reunirá empresas de todos os elos da cadeia com lançamentos, ofertas exclusivas e participantes de todo o país e da América Latina. Teremos uma nova área chamada Hands On Aqua, destinada à tecnologias de RAS e onde os expositores poderão demonstrar as funcionalidades de equipamentos para aquicultura. Nas rodadas de negócios compradores e fornecedores estarão frente a frente com mediadores profissionais para proporcionar sucesso nas negociações”, afirma Eliana.

Os organizadores do IFC destacam a importância da geração de negócios e abertura de mercados “Teremos a ampliação do foco em negócios e discussões de mercado com o projeto Peixe Grande, onde teremos a presença já confirmada de importadores americanos e compradores brasileiros do varejo e do food service; aumento da presença de empresas especializadas em  tecnologias para a produção, processamento, cadeia de frio e logística, além de mais de 50 conferencistas nacionais e internacionais e rodada de negócios no local do evento. Caminhamos na direção de consolidar o IFC como o maior evento da cadeia de pescados da América Latina”, dispara Gregolin.

Peixe brasileiro do mercado global

Eliana Panty alerta para a janela de oportunidades que se abre para o pescado brasileiro diante do crescimento da demanda. “O pescado é a proteína animal mais consumida e comercializada no mundo. São U$$ 160 bilhões de comércio mundial, 51% de todas as proteínas de origem animal. O consumo mundial, segundo a FAO, continuará crescendo e demandará em 2030 um adicional de produção de mais 28 milhões de toneladas ao ano. Essa produção terá origem principalmente da aquicultura”.

Gregolin antecipa que o Sudeste Asiático que produz 89% da aquicultura mundial, deve reduzir seu ritmo de crescimento, isso abre enormes oportunidades para o Brasil. “O mundo precisa do Brasil para suprir a crescente demanda de pescado. E, seguramente, com o potencial que temos, a expertise em outras cadeias de carnes que vai sendo transferida para a aquicultura e a dinâmica que já estamos alcançando, não frustraremos o mundo”.

IFC Brasil conta com apoio do setor

O 4º International Fish Congress tem coorganização da Fundação de Apoio ao Ensino, Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação  (FUNDEP) e da Unioeste com apoio da Secretaria Nacional de Aquicultura e Pesca (SAP) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Governo do Estado do Paraná; Associação Brasileira de Reciclagem Animal (ABRA), Associação de Produtores de Peixes do Brasil (Peixe BR), Associação das Indústrias de Pesca (Abipesca), Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Agência de Fomento do Paraná, Sanepar e Copel.

O IFC 2021 conta ainda com o apoio da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar) e Sistema Faep/Senar-PR. Como parceiro o evento tem a Caixa Econômica Federal, que lançou recentemente linhas de crédito exclusivas para o agronegócio.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias

Abisolo lança obra que auxilia empresas no registro de fertilizantes orgânicos e biofertilizantes no Mapa 

O livro “Aminoácidos, extratos de algas, extratos vegetais e substâncias húmicas como biofertilizantes” é organizado pelos pesquisadores Átila Francisco Mógor e Gilda Mógor.

Publicado em

em

Divulgação

A Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo) lança o livro “Aminoácidos, extratos de algas, extratos vegetais e substâncias húmicas como biofertilizantes”.  A obra tem por objetivo ser um guia para auxiliar as empresas na compreensão do escopo da Instrução Normativa 61. Em vigor desde julho de 2020, a norma estabelece as regras para caracterização e registro de fertilizantes orgânicos e dos biofertilizantes no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A obra tem como organizadores os professores, Dr. Átila Francisco Mógor e Dra. Gilda Mógor, com a contribuição de 22 pesquisadores de importantes instituições de ensino e pesquisa nas áreas de Engenharia Agronômica, Biologia, Microbiologia, Farmácia e Tecnologia de Alimentos. O livro consolida os mais recentes estudos sobre biofertilizantes, que têm repercutido no Anuário da Abisolo. O pré-lançamento da obra ocorreu na 9ª edição do Abisolo Fórum e Exposição, no início do mês de junho, em Campinas (SP).

A Instrução Normativa 61 detalha as definições, exigências, especificações, garantias, tolerâncias, registro, embalagem e rotulagem dos fertilizantes orgânicos e dos biofertilizantes, destinados à agricultura. “A demanda por consolidação para essa classe de produtos denominada biofertilizantes é antiga. O grupo técnico tem trabalhado nesse processo há 10 anos”, explica o professor, Átila Mógor.

De acordo com o professor, o efeito do biofertilizante (bioatividade) não tem relação com a fração mineral de um produto, ou seja, o efeito de atuar direta ou indiretamente sobre o todo ou parte das plantas cultivadas. Esse efeito está relacionado ao princípio ativo ou agente orgânico, e não ao eventual teor de nutrientes da formulação, sem desconsiderar possíveis efeitos sinérgicos. “Para enfrentar os crescentes desafios da produção agrícola diante de alterações climáticas, os biofertilizantes podem ser alternativas eficientes na mitigação dos efeitos dos estresses abióticos”, pontua Mógor

O lançamento do livro marca a convergência do conhecimento científico da academia e a atuação da Abisolo, como entidade representante do setor e incentivadora das pesquisas relacionadas à nutrição vegetal. Pelo menos mil exemplares da primeira edição da publicação foram destinados às indústrias associadas do setor e à bibliotecas das universidades de Ciências Agrárias, democratizando o acesso ao conteúdo relacionado aos fertilizantes especiais.

Sustentabilidade e qualidade

“Aminoácidos, extratos de algas, extratos vegetais e substâncias húmicas como biofertilizantes” contempla ainda estudos para se produzir mais e melhor, de forma sustentável, impactando positivamente nos resultados da produção agropecuária. “É uma forma de difusão do conhecimento estratégico, com conteúdo em linguagem acessível, para que não apenas cientistas, mas também agricultores e pecuaristas se utilizem cada vez mais do conhecimento científico para definir suas estratégias, visando a melhor performance da produção”, detalha o presidente do Conselho Deliberativo da Abisolo, Clorialdo Roberto Levrero.

A disseminação do livro contribui com o setor e a pesquisa científica, além de difundir o conhecimento acadêmico, graças ao padrão de linguagem relacionando pesquisa, mercado e a legislação vigente. A revisão científica é muito consistente e apresenta um resumo gráfico no final de cada capítulo, além de utilizar ilustrações como recurso para consulta rápida para sanar dúvidas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.