Conectado com
Minuto Agro

Suínos / Peixes Para especialistas

Brasil precisa resolver problemas internos para ser grande player mundial de pescado

Opinião é de lideranças do setor

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Ainda são muitos os gargalos enfrentados pela aquicultura para se tornar uma atividade tão competitiva quanto outras proteínas animais. Durante o International Fish Congress (IFC), que aconteceu em setembro em Foz do Iguaçu, PR, lideranças do setor discutiram estratégias e políticas para transformar o Brasil em um player mundial do pescado.

Quando o assunto é produção, o Brasil tem um bom destaque, segundo o presidente executivo da Peixe BR, Francisco Medeiros. “Em 2018 a produção de pescado, falando principalmente de tilápia e tambaqui, foram 722 mil toneladas, um crescimento de 4,5% em relação a 2017”, introduz. Somente a tilápia, informa, teve um crescimento aproximado de 12% neste período. “Nos últimos dois anos houve um aumento de mais de 27%, sendo que o Paraná assumiu a liderança de produção”, diz.

Já quando o peixe é o tambaqui, a geografia muda. “Os principais polos produtores são as regiões Centro-Oeste e Norte, com Rondônia na liderança absoluta na produção”, conta. Medeiros diz que em 2018 houve uma queda na produção do tambaqui em decorrência de uma série de fatores. “Mas todos estão fazendo o dever de casa no sentido de retomar os níveis de crescimento”, conta. Isso, porque no Brasil foi observado nos últimos anos um aumento do consumo. “Não tivemos problemas quando a isso, principalmente da tilápia. Mas temos outros problemas para enfrentar”, avisa.

Medeiros informa que atualmente há dois modelos de produção no Brasil, que é de integração, das cooperativas e agroindústrias, e das empresas verticalizadas. “Acreditamos que a indústria de processamento deve estar onde se produz o peixe. Hoje, especificadamente a tilápia, o ideal é que a distância não passe de 50 km. A partir disso, passa a ter perdas”, diz. Para ele, as indústrias que estão foram do núcleo de produção devem ir para onde elas estão. “Sistemas integrados e verticalizadas já não são maios uma previsão, elas já fazem parte da realidade do setor produtivo. O setor precisa se organizar nesse sentido para que possamos ganhar competitividade, e essas empresas que hoje estão verticalizadas e fazem integração são as mais competitivas do mercado”, afirma.

Entre as estratégias e soluções apontadas por Medeiros estão a campanha de aumento do consumo de carne de peixe, encabeçada pela Peixe BR, as ações junto à Embrapa para aumento das exportações e as estratégias para aumentar a produção e segurança ao produtor. “Com a campanha, estamos trabalhando diretamente com o consumidor final para mostrar para ele que o nosso produto é bom, barato e fácil de fazer”, explica. “Implantamos ainda o drawback da tilápia este ano, que nos proporcionou um aumento significativo das exportações, por exemplo”, informa.

Mercado internacional merece atenção

Segundo o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Pescado (Abipesca), Eduardo Lobo, US$ 163 milhões rodam no mercado mundial dos pescados. “Precisamos pensar o que vamos fazer para a gente participar desse mercado que é muito interessante. Porque se olharmos as condições e tamanhos dos países que são grandes players, nem sempre esses países vão ter o potencial que nós temos”, afirma. Ele mostra: “A Noruega tem uma troca comercial internacional de US$ 13,3 bilhões e é um país pequeno. Os EUA têm um troca comercial de US$ 28,6 bilhões”, diz.

De acordo com ele, algo interessante feito pela China e que deveria ser adotado pelo Brasil, é que a quantidade exportada de pescado pelo país asiático é similar à importada. “Precisamos de estratégia, planejamento, o governo intercedendo cada vez menos, que então a coisa acontece, não da noite para o dia, mas acontece com planejamento”, afirma.

Lobo reitera o planejamento deve acontecer, principalmente, porque segundo pesquisas a produção de captura e cultivo no Brasil vai aumentar 89% nos próximos 10 anos. “E se não tivermos planejamento e competitividade internacional, a gente vai colocar todo esse produto no mercado interno? O que vai acontecer com o preço do pescado capturado se de uma hora para outra aumentar intensamente essa captura? A gente vai colocar esse pescado por um preço inviável para o produtor”, diz. O presidente comenta que a cadeia precisa crescer e produzir, mas isso com cuidado e planejamento. “Se a gente aumentar a produção em 20% ou termos uma superprodução de peixes e não estivermos competitivos e preparados para exportar toda essa proteína, esse peixe vai ficar aqui dentro”, analisa.

Para Lobo, existem alguns pilares na cadeia que devem ser refletidos. O primeiro deles é o ordenamento inteligente. “Ou seja, estatísticas, entender que o mundo mudou, o clima também, que nem sempre as espécies migram onde migravam, reproduzem na época que reproduziam. Temos que entender que algumas espécies mudaram, mas nós por falta de informação ficamos no passado, em um modelo engessado”, comenta. Além disso, ele diz que existe uma grande preocupação em pensar no artefato da pesca. “Não é importante como vamos tirar o peixe da água. O que interessa é quanto vamos tirar”, afirma.

Outro pilar é o planejamento aquícola. “Que é o que acabei de comentar, de sabermos o quanto exatamente devemos ou podemos produzir nos próximos anos, onde produzir e processar, para quem vender e a que preços. Além de entender o preço internacional”, diz. Lobo acrescentou ser importante não pensar somente em aumentar a produção visando somente o mercado interno. “Nenhuma atividade se sustenta somente no mercado interno de larga escala. O fomento industrial, a industrialização é a espinha dorsal e que cria inovação e assegura qualidade para distribuir o produto ao mundo”, reitera.

Impasses do mercado interno

Neste mesmo painel, o presidente do Comitê de Aquicultura da CNA, Eduardo Ono, apresentou algumas estratégias e políticas que podem transformar o Brasil e fazê-lo ocupar a vaga que tenha condição de alcançar que é de grande player de mercado mundial do pescado. Para ele, o essencial a ser feito é aumentar a competitividade do pescado nacional. “Hoje a grande dificuldade que temos em transformar o pescado brasileiro em um grande player ou transformar o Brasil em um player internacional é justamente a falta de competitividade na nossa produção”, afirma.

Para ele, a primeira coisa a ser feita para acabar com esta falta de competitividade é combater o chamado custo Brasil. “Isso penaliza toda a cadeia de produção, não somente a aquicultura”, diz. “Temos problemas de infraestrutura para escoamento do grão, que encarece a produção. Nós somos, junto com outras proteínas, vítimas desse custo Brasil por questão de falta de infraestrutura, logística e custos processuais”, conta. Segundo Ono, esta é uma armadilha que foi criada pelo próprio setor produtivo.

Outro problema enfrentado pela cadeia é quanto a alta burocracia que existe no Brasil. “Nós temos um arcabouço legal gigantesco. A CNA fez um levantamento que mostrou que existem mais de 60 mil dispositivos que regulam a agropecuária brasileira. Se olharmos desde a década de 1950 até hoje esta é a quantidade que regulam nossa agropecuária”, mostra. Além desse grande número de dispositivos, Ono destaca que muitos deles são antagônicos. “Temos normas da década de 1960 que ainda são vigentes, mas que é contradita por uma outra norma que é da década de 1990. E as duas estão vigentes. Então, qual a segurança jurídica que tem o empresário quando entra nesse meio?”, questiona. Para ele, a falta de segurança jurídica para quem investe é um problema seríssimo para o setor e que precisa ser resolvido.

Outro ponto que merece atenção de todo o setor é quanto ao crédito no Brasil. “Precisamos desburocratizar isso, que ainda é muito caro e difícil”, afirma. Ono diz que a pergunta que deve ser feita é quanto custa o dinheiro lá fora e quanto custa no Brasil. “Lá fora as linhas de crédito são para 20 anos e para pagar 2% de juros ao ano. Como somos competitivos com o nosso crédito que tem que pagar bem mais rápido e caro? Isso tudo entra no contexto da competitividade”, reitera. Ele diz que outros países têm crédito de pagamento de longo prazo, sendo tempo de pagamento e retorno maiores torna a atividade viável. “Agora, no Brasil, dependendo da linha de crédito que é pega não há tempo, você precisa devolver o dinheiro antes do negócio se pagar”, conta.

Outro problema é quanto a área de tecnologia, segundo Ono. “Precisamos de mais foco e agilidade. A nossa pesquisa ainda é muito difusa, tem milhares de linhas de pesquisa diferentes que, muitas vezes, não se conversam e não chegam onde precisam chegar”, explica. Segundo ele, esta parte é importante porque o setor precisa de pessoas qualificadas no campo. “Com poucos locais de exceção, temos um problema sério de falta de conhecimento no campo, técnicas antigas sendo propagadas e assim muita coisa está sendo perdida”, diz.

Segundo Ono, um segundo eixo importante que deve ser feito é o aumento das exportações. “Claro, precisamos melhorar o consumo doméstico, o consumidor brasileiro ainda não sabe nem cozinhar ou fritar um peixe, temos o nosso dever de casa para fazer. Mas isso não anula as ações no mercado internacional. Não precisamos primeiro esgotar o mercado nacional para partir para o internacional”, esclarece. De acordo com ele, os dois mercados andam juntos. “No Brasil temos uma visão equivocada que só se exporta o que tem de excedente. Não é isso, nós temos que exportar, independente de ser excedente ou não. Temos que ser exportadores e importadores de pescado ao mesmo tempo, o mercado internacional funciona assim”, explica.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × um =

Suínos / Peixes Suinocultura

Qual o melhor relatório de custos de suínos?

Se não usarmos a ferramenta correta a resposta pode não atender as reais necessidades e questionamentos

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

 Artigo escrito por Luis César Nogueira e Silva, administrador com ênfase em análise de sistemas com MBA em Gestão de negócios, Controladoria e Finanças Corporativas

luiscesarnogueira@gmail.com

Essa é uma ótima pergunta e está sempre presente nas reuniões de avaliação financeira do negócio de produção de suínos.

É comum empresários e produtores demonstrarem a intenção de receber todas as respostas em apenas um relatório financeiro, mas, se não usarmos a ferramenta correta a resposta pode não atender as reais necessidades e questionamentos.

Para isso precisamos montar um “Dashboard” – ou seja, um painel de interface gráfica que proporciona a visualização dos principais indicadores de desempenho econômicos financeiros.

Facilmente podemos fazer uma analogia com o painel de nosso carro, em uma rápida olhada temos várias informações importantes para o momento e avaliações, tais como:

  • Se teremos combustível para chegar ao destino
  • Se estamos na velocidade correta da via
  • Se não existe nenhum problema maior, como uma luz de defeito acesa

Agora, de nada adianta querer saber se está na velocidade correta olhando  para o indicador de combustível do tanque. Apesar de “obvio”, muitas vezes fazemos isso com os relatórios financeiros.

Para começar a desenvolver todo esse trabalho de análises, precisamos ter no mínimo três relatórios:

Orçamento 

Todas as principais empresas do mundo fazem esse trabalho de orçamento, que consiste em montar o cenário dos próximos anos, para que consiga dentro das suas possibilidades, se organizar para sanar os vários desafios que fazem parte da atividade.

Pensando em nosso setor, vamos imaginar uma empresa de fornecimento de genética – quantos anos ela  precisou projetar/enxergar para ter disponível hoje as fêmeas que serão comercializadas para atender as granjas em todo País, por exemplo.

Um orçamento bem feito pode ajudar o produtor a se organizar melhor ao invés de esperar o caixa avisar que algo está dando errado, e assim gerando os efeitos colaterais indesejados como juros, multas, e atrasos em fornecimento de insumos para a produção.

Não poderia deixar de mencionar um fato muito curioso dos orçamentos que normalmente acompanho, onde é comum serem considerados somente cenários positivos e cenários de crescimento, o que é certo que não vai ocorrer.

Nessa hora precisamos conseguir andar sobre a tênue linha entre o otimismo e o pessimismo. Em resumo, quem tiver a melhor visão do seu negócio e do mercado vai conseguir se posicionar de forma mais adequada.

Fluxo de Caixa 

Aqui estamos em um ambiente que os produtores convivem diariamente, uns de forma mais amigável e outros nem tanto!

O fluxo de caixa é um relatório elaborado com as informações de entrada e saída de recursos, ou seja, pagamentos e receitas.

Empresas e produtores que possuem um sistema de gestão alimentado de forma correta conseguem visualizar a linha do tempo com o cruzamento dessas informações em tempo real.

Seguindo a nossa analogia, é mais fácil fazer uma curva perigosa à esquerda  (falta de recursos) quando se tem uma placa com a distância correta fazendo essa indicação, ainda mais se estiver a noite e chovendo, algo que a suinocultura nos proporciona todos os anos, meses e porque não falar semanas.

Uma característica interessante que devemos destacar é que muitas vezes no dia a dia pode passar desapercebido pelo empreendedor é de que – caixa atual positivo, com tranquilidade pode ser indicativo de prejuízos futuros, e o contrário também é verdadeiro –  caixa apertado pode estar significando crescimento, investimentos, aumento no peso de abate, visando maior lucro posterior, enfim, quem está melhor informado toma a melhor decisão sempre.

D.R.E

Esse relatório é um dos meus preferidos com toda certeza, pois é ele que responde qual foi o resultado de todo o processo, se chama Demonstrativo de Resultado de Exercício.

É um relatório contábil, que ajustado para realidade do seu negócio, vai te informar se sua atividade teve lucro ou não.

Até para falar em lucro precisamos entender um pouco mais sobre como essas ferramentas funcionam, uma vez que existem mais de um tipo de lucro, como:

  • Lucro bruto
  • Lucro Operacional
  • Lucro líquido

A ferramenta de DRE, quando bem trabalhada, conseguirá informar ao produtor o resultado de todo exercício, apresentando do faturamento bruto até o último dado possível que é o resultado do exercício.

Analisando esse relatório poderemos identificar rapidamente um dos fatores primários e mais importantes, se a operação está saudável ou não, pois é comum granjas com operações saudáveis, mas com “pesos” de outros exercícios fazendo com que não sobre dinheiro no final do mês, dentre outros tantos desdobramentos que são possíveis.

Abaixo temos um gráfico simples apenas para ilustrar um pouco do que tratamos acima, onde temos:

  • Linha azul é a meta média de faturamento projetada para 2020.
  • Linha verde a média de faturamento real em 2020.
  • Linha laranja, o valor real faturado mês a mês.

Fonte: Autor do artigo
Continue Lendo

Suínos / Peixes Saúde Animal

Óleo essencial de orégano melhora desempenho de porcas e leitões

Óleo essencial de orégano fornece uma ferramenta natural para melhorar a saúde e o desempenho de porcas e progênies

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Reginaldo Sérgio Teixeira Filho, gerente Vendas Anpario Plc

Estamos atravessando hoje no mundo uma das maiores crises pandêmicas da era moderna, a Covid-19 transformou nossos hábitos, ações e condições humanas rapidamente. Talvez como nunca tivemos tais desafios sociais e políticos ficamos perplexos com toda a situação. Porém, como afirma o filósofo Yuval Noah Harari, “a melhor defesa que os seres humanos têm contra patógenos não é o isolamento – é a informação”.

Neste momento devemos ter mais força no agronegócio, pois somos nós que temos que garantir a continuidade da produção e que a população permaneça sendo abastecida com alimentos seguros, segundo a própria Confederação da Agricultura e Pecuária. Hoje temos uma grande vantagem competitiva em relação aos outros países na suinocultura brasileira, a boa situação sanitária é evidenciada pelos índices produtivos alcançados por seus rebanhos tecnificados, que são semelhantes aos de outros países onde a atividade também é desenvolvida.

No Brasil, as principais doenças de suínos relatadas são multifatoriais e virais, geralmente imunossupressoras, e causam elevada morbidade, mortalidade variável e, principalmente, redução no desempenho com aumento no custo de produção. Outro fato relevante e desafiador, é o desenvolvimento da resistência do uso de antibióticos em suínos e, consequentemente, o banimento das moléculas para uso como promotores de crescimento.

Várias são as opções de substituição dos antibióticos no mercado, por exemplo, prebióticos, probióticos, simbióticos, vacinas, óleos essenciais naturais, ácidos orgânicos, entre outros.

Foi realizado trabalho nos EUA, em que foi verificado o efeito do óleo essencial natural de orégano na saúde da progênie e no desempenho das porcas suplementadas.

Foram utilizadas 200 fêmeas LW x LR alocadas aleatoriamente, com tratamento controle (CON) ou suplementadas com óleo essencial natural de orégano (OS) e equilibradas quanto à paridade no serviço.

As dietas (CON) gestação e lactação, foram formuladas para atender ou exceder os requisitos da NRC (NRC, 2012) e as dietas (OS), foram suplementadas com 500g / t de óleo essencial de orégano, durante a gestação e lactação até o desmame (~ 19 dias). Todos os leitões foram marcados no nascimento e realocados conforme o necessário. Todos os leitões foram registrados, independenmente de vivos, natimortos, mortos. O peso dos leitões foi medido no nascimento, no dia 2 e dia 19, para avaliar os números de nascidos, desmamados e crescimento da leitegada para cada tratamento. Amostras de leite foram coletadas de 30 porcas (15 por tratamento) dentro de 48 horas após o parto.

O número médio de leitões nascidos vivos foi conservado em ambos os grupos de tratamento (14,61 vs 14,36 para CON e OS, respectivamente). No desmame, o peso médio dos leitões foi semelhante, mas o peso da leitegada foi numericamente mais pesado do que as porcas suplementadas com OS, devido ao aumento do número de leitões desmamados.

As remoções (mortalidade e abate) mostraram uma tendência de redução (p = 0,05) após a suplementação de OS com um maior número de leitões desmamados (11%) e uma redução de 2% na mortalidade pré-desmame em comparação com o controle (11,13 vs 9,09 para CON e OS, respectivamente).

As melhorias na capacidade de sobrevivência dos leitões resultaram em um número significativamente maior de leitões desmamados de porcas suplementadas com OS, visto também nas análises de IgA e IgG, segundo as análises ​​pelo risco relativo (rr = 0,92) (p = 0,0001).

As diferenças citadas acima, proporcionam um benefício econômico significativo, comum número maior de leitões desmamados por porca/ano, fornecendo uma margem sobre o valor de alimentação de U$ 74 por porca/ano.

O óleo essencial de orégano fornece uma ferramenta natural para melhorar a saúde e o desempenho de porcas e progênies. Melhora o desempenho e a saúde do desmame, que podem ter efeitos significativos no desempenho da vida e no uso de medicamentos.

Outro estudo foi realizado para demonstrar como o óleo essencial de orégano pode ser uma alternativa natural aos antibióticos para melhorar o desempenho dos leitões pós desmama. Foi realizado um estudo em uma unidade comercial na Grécia desde o desmame até os 21 dias de vida. Os leitões foram alocados aleatoriamente em uma 1 das 6 dietas de tratamento de 8 a 21 dias de idade, enquanto foram submetidos a estressores naturais associados ao desmame. Dos dias 1 a 7 do estudo, uma dieta basal comercial inicial foi fornecida a todos os grupos. O desempenho dos leitões foi medido considerando o ganho médio diário (GMD), mortalidade, escore de diarreia e conversão alimentar (FCR). Os níveis fecais de E. coli também foram monitorados.

O ganho médio diário foi significativamente melhorado com a inclusão de 0,5 kg / t do óleo essencial natural de orégano, em comparação ao controle negativo e dietas contendo colistina ou ácido orgânico. O óleo essencial natural de orégano reduziu a mortalidade em 11,1% quando adicionado a 0,5 kg / t em comparação ao controle negativo.  Também reduziu significativamente os escores de diarréia e forneceu uma das porcentagens mais baixas de amostras fecais com resultado positivo para E. coli.

O óleo essencial natural de orégano teve desempenho igual ou significativamente melhor que o tratamento com antibióticos durante o período pós-desmame, fornecendo uma ferramenta natural para reduzir os antibióticos nesse período crítico na vida dos leitões.

O óleo essencial natural de orégano mantêm a integridade intestinal dos suínos, fortalecendo o sistema imune, com isso se observa a melhoria no desempenho zootécnico, conversão alimentar, aumentando o ganho de peso e diminuindo a mortalidade. Também foi verificado extra proteção e controle para Salmonella spp, E.Coli, Brachyspira spp e Ileíte (Lawsonia intracellularis).

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Suinocultura

A importância do pH dos detergentes na higienização das granjas

Nosso maior objetivo é cuidar dos animais, mas acima de tudo é cuidar do planeta

Publicado em

em

Divulgação

 Artigo escrito por Rildo Belarmino, biólogo e gerente Técnico Neogen Brasil

A higienização possui dois objetivos: Preservar a saúde dos animais e evitar a proliferação de microrganismos patogênicos, evitando assim o risco eminente a possíveis doenças transmitidas por fungos, bactérias e vírus. As medidas higiênicas e de profilaxia ambiental dos locais representam um aspecto essencial na economia e contribuem para a inocuidade dos alimentos, deixando-os assim livres de salmonelas, E. coli, Campylobacter entre outros.  Simultaneamente também previnem ou reduzem a difusão de patógenos. É importante ressaltar que uma superfície que não foi suficientemente limpa não pode ser desinfetada, pois os resíduos presentes protegem os microrganismos da ação dos desinfetantes.

“Um programa básico de limpeza e desinfecção tem um baixo custo, sendo que os custos com tratamentos antimicrobianos normalmente são superiores, sem considerar o prejuízo com queda no desempenho zootécnico”, cita a doutora Anne de Lara, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

  • Dentro de conceito de limpeza temos
  • Limpeza seca: Varredura e retirada de todos os resíduos antes da limpeza úmida.
  • Limpeza Úmida: jateamento de água e utilização dos detergentes.
  • É imprescindível lembrar que uma não substitui a outra.
  • Outro fator importante é rotação dos pH dos detergentes nas limpezas úmidas, sendo 3 semanas com pH alcalinos e uma semana com pH ácido, e assim sucessivamente.
  • O uso de detergente na limpeza úmida é essencial para o sucesso da higienização, reduzindo em até 90% a carga de microrganismos patogênicos.

Desafios da Limpeza são eles:

  • Presença de Biofilme
  • Presença de matéria orgânica
  • Tipos de superfícies
  • Desafios microbiano
  • Surtos de doenças

Biofilme

É uma fina camada geralmente resistente de microrganismos (como bactérias) que se formam e revestem várias superfícies. Estas células aderentes são frequentemente incorporadas dentro de uma matriz de Substância Polimérica Extracelular (EPS). Biofilme é uma substância polimérica extracelular, que também é referido como limo.

Abordando especificamente a questão do rodizio de pH dos detergentes, temos 4 tipos de matéria dentro das granjas que precisam ser removidas, para que a ação dos desinfetantes seja o mais efetiva possível, e também para que estas sujidades não neutralizem a ação dos desinfetantes por diferença de carga eletrostática, uma vez que a matéria orgânica é  aniônica (-) e a maioria dos desinfetantes são catiônicos(+).

Como podemos observar, os detergentes alcalinos têm uma maior ação sobre matéria orgânica (esterco, restos de ração, pelos, penas) e lipídios , e os detergentes ácidos tem uma melhor ação sobre matéria biológica (bactérias, vírus, fungos e principalmente biofilme), atuando através da oxidação, e também sobre matéria mineral (carbonatos de cálcio e magnésio) presentes principalmente em granjas onde temos “água dura”. Quando utilizamos um detergente alcalino, alternando com um detergente ácido, estamos removendo os quatro tipos de matéria que encontramos dentro da granja. Como já foi dito anteriormente, nossa recomendação é realizar 3 limpezas com detergente alcalino e uma limpeza com detergente ácido, sucessivamente, variando conforme o protocolo da granja.

Modo de Ação dos detergentes

  • Solubilizar sujidades/ partículas de sujeira
  • Deslocar matéria orgânica
  • Emulsificar partículas sólidas/sujas
  • Diminuir tensão superficial entre a sujeira e a superfície
  • Combater os fatores de dureza de água
  • Hidrólise da Biopelícula

Conclusão

Uma excelente higienização depende de bons detergentes e de um protocolo de trabalho com etapas bem definidas, realização da rotação dos pH dos detergentes na rotina de higienização das granjas, com utilização de produtos de qualidade e registrado nos órgãos regulatórios para suas finalidades.

Além da preocupação de uma excelente higienização, precisamos nos preocupar com os resíduos dos detergentes pós limpeza, e para isso dependemos de uso de detergentes biodegradáveis.

Nosso maior objetivo é cuidar dos animais, mas acima de tudo é cuidar do planeta. Todos os dias nós protegemos as pessoas e os animais que gostamos.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Biochem Webinar

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.