Conectado com

Suínos / Peixes Mercado

Bolsas de Suínos garantem preço e segurança para produtores brasileiros

Com a bolsa, o suinocultor tem mais informações e maior segurança no momento de comercializar o suíno

Publicado em

em

Divulgação

Quem trabalha com a suinocultura sabe a grande montanha-russa que é esse mercaado. Alguns anos está bom, em outros nem tanto. Os preços pagos e também custeados pelo suinocultor fazem toda a diferença no ânimo de todos da cadeia. Mas algo que tem ajudado muitos suinocultores de diversos Estados é a Bolsa de Suínos. Uma ferramenta utilizada por suinocultores de vários estados, como Santa Catarina, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. A partir dela, o suinocultor tem mais informações e maior segurança no momento de comercializar o suíno, sabendo que o preço que está recebendo é o justo para o momento.

Cada Bolsa com as suas particularidades, trocando informações, os Estados conseguem definir um preço, fazendo o suíno brasileiro mais valorizado e o suinocultor mais bem remunerado. Para entender como funciona isso, a reportagem de O Presente Rural conversou com os responsáveis das Bolsas de Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais.

Santa Catarina

O presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio de Lorenzi, explica que a Bolsa de Suínos de Santa Catarina era feita em forma de pesquisa de mercado até o ano de 2018. “Em julho daquele ano aconteceu uma reunião em Concórdia com os representantes do Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo. Assim, começamos a trabalhar com uma bolsa unificada entre esses Estados. Mais tarde entrou também Goiás e Minas Gerais”, lembra. No início a Bolsa de Santa Catarina acontecia todas as segundas-feiras. “Mas a de Minas Gerais sempre acontecia na quinta-feira, por isso uma sempre servia de referência para a outra”, conta.

De acordo com Lorenzi, Santa Catarina define os preços da Bolsa a partir das informações que são coletadas com produtores de todas as regiões do Estado. “Eles passam para nós a comercialização que tiveram na semana, os preços acertados e as tendências de mercado para a próxima semana. A Bolsa fica sobre aquilo que foi vendido e mais a perspectiva de mercado para a próxima semana”, explica. Ele conta que trabalhar dessa forma tem sido um grande balizador de mercado, já que a maioria dos suinocultores independentes do Estado se espelham na Bolsa para vender os animais, assim como os grandes produtores de suínos já têm contrato firmado com o preço da Bolsa.

No início de janeiro, informa o presidente da ACCS, houve uma mudança na Bolsa e ela passou a acontecer nas quintas-feiras, assim como acontece em Minas Gerais e São Paulo. “Fizemos essa mudança para unificar a informação. Então, na parte da manhã conversamos com os produtores e próximo ao meio dia conversamos entre os responsáveis pelas Bolsas de Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais para alinharmos as negociações e preços sobre aquilo que é a realidade do mercado”, explica.

Para Lorenzi, a Bolsa tem sido muito positiva para os suinocultores catarinenses. “Se a gente olhar a avaliação do que fazemos, aqui trabalhamos com regiões específicas como o Extremo-Oeste, Meio-Oeste e Sul do Estado. Então, por mais que a gente compila os dados e colocamos um valor único na Bolsa, acrescentamos também como ficaram as negociações nessas regiões. O Extremo-Oeste sempre tinha o menor preço de todos, mas isso, por falta de informação de mercado”, comenta. Segundo a liderança, hoje a região tem o melhor preço do Estado, porque como não há tantos produtores independentes naquela região e a procura é muito grande os produtores começaram a se organizar melhor com o preço. “Em geral houve uma unificação de preços no Estado”, diz.

O presidente da ACCS conta que após o fechamento da Bolsa os preços são enviados para grupos de WhatsApp de suinocultura de todo o país, além de outras redes sociais, site da associação e nas rádios regionais do Estado. “O pessoal já sabe que na quinta-feira tem o preço da Bolsa. É importante ser essa referência e aumenta a nossa responsabilidade, mas estamos aí para fazer bem feito”, acrescenta.

Lorenzi comenta que 2019 foi um ano histórico para a suinocultura. “Tivemos até março uma retração de preços, mas depois disso começou uma recuperação e os custos de produção ficaram estáveis. A gente conseguiu recuperar parte do dinheiro perdido nos últimos quatro anos”, conta. Para ele, a expectativa é que 2020 continue promissor. “Mas com um diferencial. Percebemos que os custos de produção estão aumentando, especialmente quanto ao preço do milho e do farelo de soja. Então, com os custos de produção aumentando, pode diminuir um pouco a margem de lucro do produtor comparando ao ano passado”, afirma.

Minas Gerais

Funcionando há 40 anos, desde 1980, a Bolsa de Suínos do Estado de Minas Gerais (BSEMG) tem se tornado uma referência, não somente ao suinocultor mineiro, mas também para outras Bolsas do país. De acordo com o presidente da Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (ASEMG), João Carlos Leite, as reuniões da Bolsa acontecem todas as quintas-feiras, quando são definidos os preços para a semana. “Definimos o preço a partir de uma análise que fazemos do nosso software, das informações que temos, para ser algo justo para todos”, informa.

Ele explica que este software que a Bolsa utiliza trata-se de uma plataforma que conta com informações de produção, comercialização, exportação, entre outros. Destas informações são retirados dados relativos ao total de animais vendidos, peso médio de cargas, peso médio de vendas avulsas, idade média das cargas, animais retidos, retenção para o dia da venda, venda prevista, venda realizada, animais vendidos por faixa de pesos, entre outros dados estão disponíveis para análise. “Isso torna possível o entendimento do mercado no qual a entidade está inserida. E nos ajuda bastante no momento de definir o preço, porque dá mais confiabilidade ao que estamos fazendo. Tanto o produtor quanto o frigorífico se sentem mais seguros em adotar os preços”, afirma.

Para Leite, é possível entender e prever os movimentos de mercado quando se trabalha em cima de números. “A Bolsa de Suínos de Minas Gerais trabalha hoje com uma arrojada plataforma de dados que mapeia diariamente e entende o mercado através de dados gentilmente cedidos por suinocultores e que são automaticamente retirados de seus sistemas de gestão, o que nos dá a segurança de entender a disponibilidade de suínos no Estado de forma automatizada e bastante precisa. Temos vários outros dados que complementam a plataforma, mas vale lembrar das exportações e do acompanhamento do abate oficial a nível Brasil. O processamento desses dados permite acompanhar a disponibilidade interna de carne suína (DICS). Isso tudo facilita a tomada de decisão dos suinocultores na hora da discussão de mercado junto aos frigoríficos” conta.

A tomada de decisão de preços é feita na própria sede da ASEMG, onde eles tem um espaço somente para isso. “Negociamos com produtores e frigoríficos. A intenção é chegar em um consenso com o melhor preço para todos”, diz. Para Leite, se não tiver a Bolsa, tanto o produtor quanto o frigorífico ficam sem referência. “Dessa forma, todos saem tranquilos, sabendo que vão negociar a um preço justo. É bom para todos”, comenta. Segundo ele, existe uma relação de confiança entre todos os envolvidos.

Além de todos os dados do software que são analisados, no momento da decisão do preço também são levados em conta fatores como mercado interno, externo e as exportações. “No mercado interno vemos os preços que estão sendo praticados em São Paulo e no Sul. Mas nós pegamos também o que está acontecendo no nosso mercado para definir um preço. Além disso, acompanhamos ainda todo o mercado externo no geral”, comenta. Os preços que são decididos na Bolsa são informados imediatamente para todos os suinocultores não somente de Minas, mas também do país. “Temos grupos de WhatsApp, no nosso Twitter, outras redes sociais e também no nosso site”, informa.

Para Leite, a média praticada em 2019 foi positiva. “Superou as expectativas dos suinocultores. Podemos dizer que ano passado foi um ano bom para nós. Teve toda a questão da China e o mercado de carnes foi positivo”, analisa. Segundo ele, as expectativas é que 2020 seja parecido. “As informações que temos é que este ano continue a mesma movimentação do ano passado. Não dá pra China se recompor ainda. Mas, para 2021 não se fala muito ainda”, explica.

São Paulo

Funcionando como um parâmetro de preços para o suinocultor de São Paulo, a Bolsa de Suínos é feita no Estado há 25 anos, desde 1994. Com algumas peculiaridades das demais, a cotação da Bolsa paulista é feita diariamente, porém, uma vez por semana é oficializado o valor que será referência na comercialização, explica o presidente da Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS), Valdomiro Ferreira Júnior. “A Bolsa foi criada para que o produtor e o frigorífico possam ter condições de sinalizar o preço mais próxima da realidade do mercado”, informa.

De acordo com Ferreira, a definição de preços, como ocorre cotação diária, é oficializada nas quintas-feiras. “Nós fazemos uma pesquisa junto aos frigoríficos e aos produtores. Na oportunidade eles têm a chance de opinar sobre o preço de referência ou de comercialização”, explica. A liderança expressa que a participação dos suinocultores é decisiva na precificação, uma vez que quanto mais produtores participam, a possibilidade de ocorrer algum erro na referência é menor. “A Bolsa tem sinalizado positivamente para os produtores. Ela acaba sendo uma referência, um patamar de pesquisa de mercado. E já que existe há muitos anos, ela é um instrumento que ajuda o produtor na decisão de venda e gestão”, comenta.

Ferreira informa que os preços são baseados observando o mercado como um todo, tanto São Paulo quanto Estados com maior consumo. “Observamos também como estão as exportações naquela semana ou mês. Prevalece sempre a teoria da oferta e da demanda, por isso que é importante a cotação, porque ela nos baliza tanto no preço, quanto na oferta dos animais”, diz.

Após a cotação ser feita, os preços já são encaminhados para todos. “A informação é online. Assim que termina a Bolsa já é divulgado o preço através de todas as ferramentas que temos disponíveis, como redes sociais, WhatsApp, e-mail e site. Nós trabalhamos muito para que a informação chegue o mais rápido possível ao nosso produtor”, conta Ferreira. Ele informa que a Bolsa ocorre de forma presencial em Campinas, SP. Mas quando há necessidade de fazer de forma online, ela é realizada dentro da estrutura física da associação, que está localizada na cidade de Espírito Santo do Pinhal, SP.

Para Ferreira, o primeiro semestre do ano passado foi negativo para o setor, porém, no semestre seguinte foi mais positivo em termos de preço. “Ocorreu uma rentabilidade no segundo semestre que desafogou um pouco o produtor, já que as perdas de 2017 e 2018 foram grandes”, comenta. Já quanto a 2020, a liderança diz que a associação está sugerindo que o produtor trabalhe este ano para melhorar os investimentos, principalmente na fábrica de ração, instalações, equipamentos e material genético. “O importante é que o suinocultor tenha uma granja forte em termos de competitividade na produção e produtividade”, conta.

Segundo ele, é importante que primeiro o produtor arrume a casa no que foi estragado nos últimos anos, especialmente 2017 e 2018. E somente em um segundo momento que ele pense em aumentar o plantel. “Isso por ainda existir instabilidade no mercado. Temos que ter cautela em aumentar a produção sem saber para onde vamos vender”, diz.

Além disso, há expectativas ainda para melhora no mercado interno, acredita Ferreira. “A economia dá sinais de melhora e isso significa que o trabalhador brasileiro, tendo emprego e salário, tem a possibilidade de um maior consumo de proteína animal. Por isso, acreditamos que este ano será positivo para os produtores”, comenta. Porém, a preocupação, segundo a liderança, está nos custos de produção. “Principalmente no mercado de milho e farelo de soja em questão do câmbio, já que hoje ele tem grande participação em virtude da maioria dos produtos, como milho, vitaminas e aminoácidos, serem todos dolarizados”, explica.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de fevereiro/março de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + sete =

Suínos / Peixes Suinocultura

ABCS orienta granjas e agroindústria em período de quarentena para reduzir risco de disseminação do Coronavírus

Entidade nacional preparou materiais que trazem recomendações aos suinocultores e respondem a dúvidas dos demais profissionais do setor

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Diante da situação de alerta sobre a pandemia enfrentada mundialmente devido ao aumento dos casos de pessoas infectadas pelo novo Coronavírus (COVID-19), diversos setores tem sido afetados e surgem as dúvidas sobre as medidas de prevenção necessárias neste cenário. Pensando na saúde de todos, para evitar a propagação da doença, e também proteger o agronegócio, no sentido de garantir o abastecimento de alimentos e insumos, a ABCS elaborou conteúdos orientativos para aprimorar os cuidados nas granjas e também esclarecer possíveis questionamentos aos diferentes elos da cadeia suinícola.

O material ressalta a importância das ações que promovam a manutenção do trânsito de animais, a comercialização de insumos e ração, assim como os medicamentos e as vacinas, que são muito dependentes do trânsito nacional e internacional. O presidente da ABCS, Marcelo Lopes, junto à diretora técnica da entidade, Charli Ludtke, solicitam aos produtores e às agroindústrias que deem maior atenção e suporte aos colaboradores envolvidos nas granjas e no transporte dos animais, de forma a garantir a manutenção da produção de alimentos à sociedade, e para tanto o bem-estar e a saúde de todas as equipes envolvidas é fundamental.

Existe alguma relação entre os suínos e o Coronavirus (COVID 19)?

A área técnica da ABCS compilou informações para esclarecer as dúvidas dos suinocultores e apontou para uma das questões mais preocupantes para o setor: a de saber se há risco em relação aos rebanhos e transmissão da doença aos humanos. Segundo a diretora técnica da ABCS, o Coronavírus está intimamente ligado a morcegos hematófagos, de acordo com as investigações epidemiológicas realizadas na China, e não há nenhuma evidência de que o Coronavírus (COVID-19) pode infectar suínos e demais animais domésticos. Também não há risco de transmissão quanto ao consumo de carne suína ou de seus produtos industrializados.

Prevenção nas granjas

A ABCS indica que produtores de suínos devem seguir rigorosamente os protocolos de biossegurança. É fundamental, por exemplo, limitar a exposição da unidade de produção e evitar a entrada de terceiros que frequentam outros ambientes e outras granjas, pois todo visitante pode ser um risco à introdução de patógenos específicos dos suínos, além do risco de esses mesmos visitantes disseminarem o Coronavírus (COVID-19) junto as equipes. Caso haja visitas no local, realizar o vazio sanitário e todas as demais medidas de biosseguridade recomendadas pela unidade de produção.

Médicos Veterinários e demais profissionais responsáveis pelas unidades de produção, devem orientar os produtores e colaboradores para que toda a granja tenha um plano de biosseguridade e adote procedimentos rigorosos, visando evitar que os animais sejam expostos a qualquer doença infecciosa.

Também é recomendado ter um acompanhamento da saúde dos colaboradores, caso apresentem qualquer suspeita de gripe, coriza, espirros ou tosse. Havendo sintomas, é importante, e necessário o isolamento, permanecendo em repouso e quarentena em casa, evitando a disseminação aos demais colaboradores. E até que seja realizado o diagnóstico e tratado corretamente. Aos demais colaboradores que tiveram contato direto, também devem ser separados e monitorados, no sentido de prevenção e de transmissão a todos os funcionários.

Outra medida importante é a necessidade de ambulatório dentro da empresa para um possível pré-diagnostico e orientações, assim, evitar o deslocamento dos colaboradores, diminuindo o risco de contaminação. Entretanto, caso não haja um ambulatório disponível nas dependências, deve-se seguir as recomendações em protocolo do Ministério da Saúde (MS).

O presidente da ABCS, Marcelo Lopes, explica que neste momento é importante que todos os brasileiros e, falando especialmente com o setor da suinocultura, que sejamos cautelosos e vigilantes para a manutenção da saúde e do bem-estar de todos.

É importante seguirmos as recomendações do Ministério da Saúde, que visam evitar a propagação do Coronavírus (COVID 19), de forma que não se atinja grande proporção de pessoas infectadas. Evitar exposições desnecessárias, grandes aglomerações, proteger os mais vulneráveis, ter maior cuidado com a higiene pessoal e das instalações e ir na rede de saúde, apenas se realmente for necessário. Unindo esforços e com a colaboração de todos, vamos superar este momento desafiador”, alertou o Presidente da ABCS, Marcelo Lopes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Suínos / Peixes Covid-19

Entidades da suinocultura reforçam importância do setor para abastecimento

Entidades nacionais e estaduais reforçam importância dos produtores rurais em levar alimentos de qualidade à mesa dos brasileiros, especialmente neste período

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Para garantir o abastecimento do Brasil e uma alimentação saudável para a população, os setores agropecuários não paralisaram seus trabalhos. Seguindo todas as recomendações da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde, para conter e não disseminar o coronavírus (Covid-19), produtores brasileiros continuam trabalhando para garantir o alimento na mesa da população.

Dessa forma, em uma carta conjunta, a Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS), a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), informam que as granjas, indústrias frigoríficas e os supermercados do Brasil não interrompem o seu funcionamento e estão priorizando o cumprimento das normas do Ministério da Saúde com relação às medidas preventivas para garantir o bem-estar e a segurança de todos os colaboradores e clientes.

“Aos nossos milhares de consumidores, reforçamos nosso compromisso com a manutenção de preços justos e na oferta de cortes de frango e suínos nas gôndolas. Trabalhamos com afinco para que a população possa se concentrar no cuidado com o seu maior patrimônio: a sua família. Também queremos tranquilizá-los em relação às notícias falsas sobre esse abastecimento”, afirmam em nota.

Associações estaduais

Entidades da classe suinícola também têm se preocupado em repassar informações verídicas aos consumidores, assim como garantir o abastecimento da proteína na mesa dos brasileiros. Por isso, a Associação Paranaense de Suinocultura (APS), em comunicado, informa que no cumprimento do seu dever como entidade que representa os interesses dos produtores de suínos do Paraná, diante da evolução dos casos de Covid-19 no Brasil e com o avanço dessa doença, manifesta-se no sentido de orientar, recomendar e instruir os produtores a ela associados, ou não, destacando ao menos três missões fundamentais neste momento, relacionadas ao papel da própria APS e dos suinocultores paranaenses: preservação da vida, cuidados com os animais e estar preparada para qualquer eventualidade.

“O Brasil e o mundo continuam precisando de alimentos e a cadeia suinícola deve continuar fazendo a sua parte na área do fomento e da agroindústria. O país não pode parar a produção de alimentos, sob pena de colocar sua população em risco ainda maior do que a própria Covid-19, qual seja, a falta de alimentos”, afirma.

Já a Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), em nota, agradeceu a todos os profissionais do agronegócio, em especial aos suinocultores, que neste tempo de tamanha aflição do povo brasileiro, continua a trabalhar incansavelmente para que não falte o alimento de cada dia na mesa de qualquer cidadão, seja ele brasileiro ou de qualquer outra nacionalidade onde o país exporta.

“Essa pandemia vai passar e sairemos muito mais fortes do que chegamos até aqui. Que jamais percamos o bom senso de cumprir as leis e regras para podermos viver uma vida digna, com muita responsabilidade para fazer o que precisa ser feito, independentemente da situação, em especial como esta, que inúmeras categorias de profissionais arriscam a sua própria vida para manter a produção, o abastecimento e a ordem nesta nação”, afirma a Associação.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo IBGE

Abate de suínos atinge recordes em 2019

Abate de suínos alcançou 11,89 milhões de cabeças, aumentos de 6,2% em relação ao mesmo período de 2018

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O ano de 2019 do setor pecuário foi marcado por recordes no abate de suínos e na produção de ovos, impulsionados pela demanda da China, que sofre efeitos da peste suína africana. O abate de suínos alcançou 46,33 milhões de cabeças, aumento de 4,5% em relação a 2018, com alta em 20 dos 25 Estados pesquisados, enquanto a produção de ovos chegou a 3,83 bilhões de dúzias em 2019, aumento de 6,3% em relação ao ano anterior, com crescimento em 21 dos 26 Estados. Outro recorde foi a produção de leite, que atingiu 25,01 bilhões de litros, alta de 2,3% sobre a quantidade registrada em 2018.

Os dados são da Estatística da Produção Pecuária, que o IBGE divulga na quinta-feira (19). A pesquisa mostra também que o abate de bovinos cresceu 1,2%, somando 32,44 milhões de cabeças, com expansão em 15 dos 27 estados. Enquanto o abate de frangos cresceu 1,9% para 5,81 bilhões de cabeças, após dois anos consecutivos de queda na comparação anual. As altas no abate de frangos foram registradas em 15 dos 25 estados pesquisados.

“Foram registrados aumentos nas exportações de suínos por conta da peste suína africana incidente na China. No final do ano, também houve um aumento nas exportações de bovinos, chegando a 22% do que foi produzido. A China não importou apenas suínos, mas também mais bovinos e frangos. No mercado interno, com o aumento dos preços das carnes bovinas, devido ao crescimento das exportações, houve a procura por outras proteínas, como os ovos, que registraram novo recorde”, analisa o supervisor das pesquisas de pecuária do IBGE, Bernardo Viscardi.

Dados trimestrais

No 4º trimestre de 2019, o abate de bovinos caiu 1,4% e os de suínos e frangos subiram 6,2% e 3,8%, respectivamente, no último trimestre de 2019, em comparação com o mesmo período do ano anterior. Já em relação ao terceiro trimestre de 2019, o abate de bovinos reduziu 5%, o de frangos variou -0,1% e o de suínos subiu 1,2%.

No último trimestre do ano passado, foram abatidas 8,07 milhões de cabeças de bovinos, com uma produção total de 2,09 milhões de toneladas de carcaças, aumento de 0,9% em comparação com o mesmo período de 2018, porém, 4,8% abaixo da quantidade aferida no terceiro trimestre de 2019. Considerando a série histórica iniciada em 1997, trata-se do segundo melhor resultado para um quarto trimestre desde 2013, quando foram produzidas 2,20 milhões de toneladas de carcaças bovinas.

Suínos

O abate de suínos alcançou 11,89 milhões de cabeças, aumentos de 6,2% em relação ao mesmo período de 2018 e de 1,2% na comparação com o 3° trimestre de 2019, no melhor resultado para o trimestre, determinando assim, novo recorde para a série histórica iniciada em 1997. O peso acumulado das carcaças foi de 1,06 milhões de toneladas, no 4º trimestre de 2019, com altas de 7,9% em relação ao mesmo período de 2018 e estabilidade (0,1%) na comparação com o 3º trimestre de 2019.

Fonte: Agência IBGE
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.