Conectado com

Notícias

Boletim do Deral analisa reflexos dos custos de produção e do clima no preço do leite

Preços dos produtos lácteos continuam em alta para o consumidor paranaense e, em menor escala, para o produtor. Tendência se mantém com a chegada do inverno, já que as temperaturas baixas podem reduzir as pastagens. Dados são do Boletim de Conjuntura Agropecuária referente ao período de 17 a 23 de junho.

Publicado em

em

Jaelson Lucas/AEN

Os preços dos produtos lácteos continuam em alta para o consumidor paranaense e, em menor escala, para o produtor. As causas e as tendências são analisadas no Boletim de Conjuntura Agropecuária referente ao período de 17 a 23 de junho. O documento é preparado por técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab).

De acordo com os dados do Deral, o leite longa vida, que é o derivado lácteo de maior apelo popular, teve alta de aproximadamente 33% no comparativo entre maio de 2021 e maio de 2022. O valor saltou de R$ 3,59, em média, para R$ 4,76 o litro no Estado. Para o produtor, o índice foi de 25% a mais, passando de R$ 1,92 para R$ 2,41.

Essa alta dos preços é explicada, pelo menos em parte, pelo aumento nos custos de produção. O encarecimento dos grãos que compõem a ração animal, particularmente milho e soja, e dos combustíveis está entre os principais motivos. Mas também se associa a isto o inverno e a entressafra das pastagens, que acabam reduzindo a oferta de leite fluido para laticínios.

Como o inverno está apenas começando e vem com suas características temperaturas mais baixas e dias mais curtos, a previsão é que os preços continuem elevados, pelo menos no médio prazo. No entanto, o escoamento da produção pode se tornar um limitador para as altas, pois, se os preços continuarem subindo, os consumidores podem restringir o uso dos lácteos na dieta diária.

Milho e trigo

O boletim também registra que 44% da área total de 2,7 milhões de hectares de milho está em maturação, reduzindo os riscos de perdas em decorrência do clima. Do restante, 52% estão em frutificação e 2% em floração. De outro lado, a colheita atingiu 3% da área, ou 71 mil hectares.

No mercado internacional, o preço do trigo mantém a oscilação. Internamente, os preços médios recebidos pelo produtor, em junho, devem ultrapassar R$ 100,00 por saca pela primeira vez na história do Paraná. Apesar disso, quando se deflaciona a série histórica, os valores se equivalem aos do final de 2002, que foi uma situação pontual.

Feijão e batata

O último levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a segunda safra de feijão, realizado em junho, indica produção aproximada de 1,4 milhão de toneladas, ou 24% superior ao volume colhido no ano passado. No entanto, no Paraná, entre 29 de maio e 10 de junho, houve atraso na colheita e perda de qualidade devido às chuvas.

Sobre a batata, o documento do Deral registra a normalização no preço após altas de 40% nos meses de março e abril. A média praticada no Estado ficou em R$ 6,70 o quilo durante maio, repetindo o mês anterior. Atualmente, metade da área de 11.400 hectares plantados na segunda safra já está colhida e a tendência é de redução de preço pela maior oferta.

Avicultura

O custo de produção de frango no Paraná, em maio de 2022, foi 0,7% superior ao de abril, subindo de R$ 5,58 para R$ 5,62 o quilo, de acordo com a Embrapa Suínos e Aves. O boletim do Deral aponta que, em maio, o preço médio do frango vivo, ao produtor paranaense, foi de R$ 5,58 o quilo, valor 6,16% inferior ao do mês anterior, quando estava em R$ 5,69. No entanto, há alta de 10,93% se o comparativo for com maio de 2021, quando se pagava R$ 5,03 pelo quilo.

Fonte: AEN Paraná
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 3 =

Colunistas Artigo

100 anos: cooperativismo faz bem

Para assegurar recursos ao setor rural e outros setores da atividade econômica, surgiram as cooperativas de crédito que fomentaram a base produtiva e dinamizaram as cadeias de suprimento, dando musculatura à economia local e microrregional.

Publicado em

em

Presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina, Luiz Vicente Suzin - Foto: Divulgação/Ocesc

Neste primeiro sábado de julho comemora-se em todo o mundo o Dia Internacional do Cooperativismo. Em 02 de julho, pela centésima vez, essa emblemática data será festejada. Uma reflexão acompanha a marca dos 100 anos dessa efeméride: o cooperativismo pode ser a solução para todos ou praticamente todos os problemas da humanidade.

Um dos maiores flagelos da atualidade – a fome – é combatida pelas cooperativas do ramo agropecuário, responsáveis pela organização de produtores e empresários rurais na estruturação da produção de cereais, frutas, hortigranjeiros, lácteos e proteína animal. Essas cooperativas levaram tecnologia ao campo, capacitaram agricultores, abriram mercados e incorporaram milhares de pequenos produtores, transformando-os em competitivos agentes econômicos. Disso resultou a maior oferta de alimentos e a redução da fome no país e no exterior.

Para assegurar recursos ao setor rural e outros setores da atividade econômica, surgiram as cooperativas de crédito que fomentaram a base produtiva e dinamizaram as cadeias de suprimento, dando musculatura à economia local e microrregional. Da mesma forma, as  cooperativas do ramo da infraestrutura levaram sistema de abastecimento de energia elétrica ao campo e aos municípios isolados. As cooperativas de trabalho médico organizaram profissionais de saúde e criaram formidáveis aparatos que envolvem desde a atenção primária à saúde até a medicina de alta complexidade, aliviando o sistema público de saúde, este sempre no limiar de um colapso.

As cooperativas, portanto, exercitando uma doutrina de livre associação, meritocracia e estímulo ao esforço individual, premiando a todos na proporção direta do esforço de cada um tornou-se um fator essencial da livre-iniciativa – que deixou de ser uma ficção constitucional para tornar-se fator indispensável à saúde da vida econômica. Os paradigmas se espraiam por todos os ramos: transporte, consumo, habitacional etc.

Nesses tempos em que as mudanças e transformações tecnológicas estão destruindo empregos, as cooperativas do ramo de trabalho podem oferecer uma alternativa para a empregabilidade. Transformações disruptivas em curso tendem a tornar anacrônica ou obsoleta a legislação trabalhista. É um fenômeno mundial inescapável. A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), editada em 1º de maio de 1943 – há 79 anos, portanto –  marcou território na defesa dos trabalhadores, inaugurando um novo tempo nas relações de trabalho e impregnando conceitos  de dignidade, humanidade e justiça social.

Mas os tempos mudaram e, hodiernamente, os 922 artigos originais – que depois derivaram em milhares de normas via portarias, decretos, instruções etc. – regulamentam excessivamente aspectos como identificação profissional, jornada de trabalho, férias, salário mínimo, aviso prévio, rescisão contratual, estabilidade, direito judiciário do trabalho, organização sindical, negociações e dissídios coletivos, profissões com tratamento diferenciado etc. Surgiu uma suspeita de que a excessiva regulamentação tornou-se um fator de desempregabilidade. O legislador original teria  ignorado a realidade social e econômica brasileira, como prova a intensa judicialização que há quase 80 anos congestiona a Justiça do Trabalho.

Acreditamos que a organização de trabalhadores e profissionais qualificados de nível operacional, básico ou superior em regime de sociedade cooperativista poderia ser uma grande alternativa no combate ao desemprego em muitas regiões brasileiras. A resistência observável, de potenciais contratantes ou dos próprios trabalhadores é uma decorrência dessa cultura fulcrada na CLT que impregna o mercado de trabalho no Brasil.  É possível que o amadurecimento das relações sociais em face das transformações distópicas e que nos referimos possa revalorizar e proporcionar uma ressignificação às cooperativas do ramo de trabalho.

Quaisquer que sejam as reflexões, a 100ª comemoração do Dia Internacional do Cooperativismo renova uma sólida e evidente convicção – cooperativismo faz bem em todas as atividades humanas.

Fonte: Ascom Ocesc
Continue Lendo

Notícias

Coopeavi recebe inscrições para 2º Torneio de Silagem de Milho

Podem participar do evento lavouras de milho plantadas no período de 1º de junho a 31 de julho de 2022.

Publicado em

em

Foto: Leandro Fidelis/Coopeavi

O inverno chegou e é tempo de se preparar para manter nutrido o gado leiteiro sem contratempos. Com a meta de reduzir em 15% a sazonalidade da produção de alimentos para bovinos leiteiros até 2024, a Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi) abre inscrições para a 2ª edição do Torneio de Silagem de Milho.

O concurso é voltado aos pecuaristas associados que fornecem leite à cooperativa, com destaque para as bacias leiteiras onde a Coopeavi realiza captação atualmente (Espírito Santo e Leste e Noroeste de Minas Gerais). A ficha de inscrição e o regulamento podem ser acessados no link https://bit.ly/TorneioSilagemCoopeavi2022. A taxa é de R$ 50 por amostra.

Podem ser inscritas no Torneio lavouras de milho plantadas no período de 1º de junho a 31 de julho de 2022. As amostras serão coletadas por técnicos do Programa “Leite Certo” e ligados às unidades comerciais, que ficarão responsáveis pelo acompanhamento desde o plantio do milho até a colheita.  A coleta deverá ser feita com no mínimo 30 dias após a ensilagem.

Serão premiados os três primeiros colocados, sendo que o vencedor ganhará um kit bar completo, o 2º lugar, uma smart TV 50”, e o 3º lugar, um vale combustível no valor de R$ 1.500. O resultado será divulgado em evento de premiação, ainda sem data confirmada.

Na primeira edição do Torneio, em 2021, Carlos Eduardo Delogo Lacerda, de Águia Branca (ES), bateu a melhor marca com 97,2 pontos, seguido de Anderson Sian (95,39), de Nova Venécia (ES) e Geroni Rodrigues Toras (93,42), de Águia Branca.

A importância da qualidade da silagem de milho

A silagem de milho é um alimento estratégico para a produção de leite e carne no Brasil, especialmente em função da sazonalidade na produção das pastagens ocasionada pelas variações de temperatura, precipitação pluviométrica e comprimento dos dias, levando a grande déficit na disponibilidade de alimento forrageiro e perdas produtivas dentro dos rebanhos bovinos.

As forragens conservadas, como as silagens, podem apresentar grandes variações na composição em função dos procedimentos empregados na produção e conservação, além dos fenômenos bioquímicos e microbiológicos ocorridos durante o processo.

O conhecimento da composição bromatológica da silagem de milho utilizada na alimentação do rebanho é fundamental para o correto ajuste da dieta. Além disso, a composição da silagem pode fornecer informações técnicas importantes ao produtor sobre várias etapas do processo de produção, como o ponto de colheita adotado, a regulagem do maquinário utilizado na colheita do material, características da fermentação, entre outros.

Fonte: Ascom Coopeavi
Continue Lendo

Notícias

Aurora Coop celebra Dia C com ações em diversas cidades do país  

Além das comemorações presenciais, a programação nas unidades conta com mobilização dos colaboradores para doação de sangue e de alimentos não perecíveis.

Publicado em

em

Divulgação

A Cooperativa Central Aurora Alimentos (Aurora Coop) preparou uma programação especial para comemorar o Dia Internacional do Cooperativismo, celebrado neste sábado (02). A iniciativa integra as ações do dia Dia C — programa de reponsabilidade social do cooperativismo criado pelo Sistema OCB para incentivar o voluntariado.

O diretor presidente executivo, Neivor Canton, destaca que a data representa um momento para celebrar e reconhecer o importante papel do cooperativismo para o desenvolvimento econômico e social de toda a comunidade. “Será um dia para comemorar e reforçar que os movimentos de cooperação e intercooperação representam atos simples, mas com um significado grandioso na vida das pessoas”.

Serão diversas ações em várias cidades onde a Aurora Coop possui unidades, realizadas em parceria com as cooperativas filiadas, entidades e prefeituras, visando promover um dia de lazer, diversão, voluntariado e promoção da saúde e qualidade de vida das pessoas. Confira abaixo a lista de cidades e as ações que serão realizadas.

Além das comemorações presenciais, a programação nas unidades conta com mobilização dos colaboradores para doação de sangue e de alimentos não perecíveis. As ações tiveram início no dia 16 de maio e seguem até 30 de junho e os itens arrecadados serão destinados a entidades beneficentes. A iniciativa conta com a parceria das cooperativas filiadas e da Fundação Aury Luiz Bodanese.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
suinfair 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.