Conectado com

Notícias Mercado

Boa demanda externa reduz oferta e aquece preços no mercado suíno

Perspectiva segue positiva para o curto prazo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de carne suína fecha a primeira semana de dezembro com preços firmes no quilo vivo e também nos principais cortes vendidos no atacado. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, a perspectiva segue positiva para o curto prazo, uma vez que a reposição entre atacado e varejo está aquecida, com as redes se preparando para atender as festividades de final de ano.

“A entrada do décimo terceiro na economia é outro ponto que tende a favorecer o consumo. A disponibilidade permanece bem ajustada no mercado nacional, favorecida pelo bom escoamento da produção para o exterior, puxada pelas compras da China”, avalia.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil passou de R$ 5,06 para R$ 5,14, alta de 1,58%. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado ficou em R$ 9,01, alta de 0,80% frente aos R$ 8,94 praticados na semana passada. A carcaça registrou um valor médio de R$ 8,71, aumento de 3,03% frente à semana passada, de R$ 8,45.

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e industrializados) alcançaram 66,4 mil toneladas em novembro, volume 13,2% superior às 58,7 mil toneladas embarcadas no mesmo período do ano passado, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Em receita, o saldo das exportações de novembro totalizou US$ 149,3 milhões, número 42,3% maior que o efetivado no mesmo período de 2018, com US$ 104,9 milhões.

Já no acumulado do ano (janeiro a novembro), os embarques de carne suína alcançaram 674,2 mil toneladas, saldo 14,4% superior ao efetivado no mesmo período do ano passado, com 589,2 mil toneladas.

Em receita, o valor total das vendas em 2019 alcançou US$ 1,413 bilhão, número 27,9% acima do registrado no mesmo período de 2018, com US$ 1,105 bilhão.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo ao longo de novembro passou de R$ 113 para R$ 115. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 4,15 para R$ 4,20. No interior do estado a cotação aumentou de R$ 5,40 para R$ 5,45.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração permaneceu em 4,20. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 5,50 para R$ 5,60. No Paraná o quilo vivo aumentou de R$ 5,40 para R$ 5,50 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo subiu de R$ 4,10 para R$ 4,20.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração continuou em R$ 4,20, enquanto em Campo Grande o preço seguiu em R$ 4,40. Em Goiânia, o preço prosseguiu em R$ 5,90. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno se manteve em R$ 6,00. No mercado independente mineiro, o preço permaneceu em R$ 6,00. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis continuou em R$ 4,60. Já na integração do estado a cotação seguiu em R$ 4,10.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =

Notícias Sanidade

Alemanha confirma 6 novos casos de peste suína africana em javalis

Novos casos ocorrem após a detecção de seis outras infecções em javalis — não em animais de fazenda– na última semana

Publicado em

em

Divulgação

Mais seis casos de peste suína africana (PSA) em javalis selvagens foram confirmados no Estado de Brandemburgo, no leste da Alemanha, informou o Ministério da Agricultura do país nesta sexta-feira (18). Os novos casos ocorrem após a detecção de seis outras infecções em javalis — não em animais de fazenda– na última semana. O total de casos confirmados passou a ser de 13, segundo o ministério.

O instituto científico alemão Friedrich-Loeffler foi o responsável pela confirmação dos novos casos de PSA, acrescentou a pasta.

Nos últimos dias, a China e uma série de outros países compradores de carne suína proibiram as importações da carne proveniente da Alemanha, depois da confirmação do primeiro caso da doença no país europeu.

A peste não afeta humanos, mas é fatal para porcos. Uma grande epidemia na China, maior produtora global de carne suína, fez com que centenas de milhões de porcos tivessem de ser abatidos no país recentemente.

O ministério alertou na quinta-feira (17) que já esperava a detecção de mais casos de PSA em javalis selvagens em Brandemburgo, já que os animais se movem em grupos e a doença é altamente contagiosa.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Sanidade Vegetal

Adapar alerta sobre o recebimento de sementes não encomendadas

Pacotes de sementes como “brindes” de produtos comprados pela internet, ou até sem a solicitação de qualquer encomenda, podem trazer pragas, doenças e plantas daninhas que não existem no país

Publicado em

em

Divulgação/Adapar

Após relatos em alguns estados brasileiros, inclusive no Paraná, sobre o recebimento de pacotes de sementes como “brindes” de produtos comprados pela internet, ou até sem a realização de qualquer encomenda, a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) alerta a população paranaense de que essas sementes podem trazer consigo pragas, doenças e plantas daninhas que não existem no País, capazes de causar graves prejuízos à agricultura e ao meio ambiente.

A instituição de defesa agropecuária orienta que o material não seja aberto, descartado e, muito menos, utilizado. Quem receber os pacotes deve procurar uma unidade da Adapar mais próxima, ou do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Também pode entrar em contato com a Adapar pelo telefone (41) 3313-4000 ou pelo Fale Conosco, disponível em www.adapar.pr.gov.br . Endereços e telefones das unidades podem ser consultados utilizando-se este link: http://www.adapar.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=375.

Até a quinta-feira (17), os fiscais da Adapar recolheram três pacotes de sementes, que serão encaminhados ao Ministério. Dois vieram da região de Curitiba e um, da região de Paranavaí. Nos três casos, as pessoas relataram que a origem do pacote é chinesa, e não se sabe a razão do envio. Uma delas, segundo a Adapar, havia realizado uma compra pela internet no ano passado, e agora recebeu apenas as sementes, da mesma origem.

O coordenador do Programa de Certificação, Rastreabilidade e Epidemiologia Vegetal da Adapar, Juliano Farinacio Galhardo, reforça o alerta para que as sementes não sejam plantadas, mesmo que pareçam estar sadias. “Muitas das pragas e doenças que elas podem conter são invisíveis a olho nu, e somente podem ser detectadas por meio de análises laboratoriais. Por isso, a importância de serem entregues à Adapar ou ao MAPA, para providenciar as análises e o descarte adequado, a fim de evitar a introdução de novas pragas no Estado”, explica. Os exames laboratoriais para identificar as espécies e eventuais patógenos presentes no material serão realizados pelo Ministério da Agricultura.

Orientação

De acordo com Renato Rezende Young Blood, gerente de Sanidade Vegetal da Adapar, a introdução de novas pragas em áreas onde elas não ocorrem acarreta aumento nos custos de produção, maior contaminação ambiental, devido a eventual necessidade de controle com agrotóxicos, e pode trazer ainda restrições ao comércio dos produtos vegetais. “Isso gera impacto direto nas cadeias de produção vegetal e, consequentemente, na economia do Estado. Portanto, contamos com a colaboração de todos, seguindo as orientações da Adapar e do Ministério, a fim de proteger nossa agricultura”.

Fonte: Adapar
Continue Lendo

Notícias Segundo FGV

Inflação ao produtor dispara e IGP-M acelera alta a 4,57% na 2ª prévia de setembro

Principal destaque nessa leitura partiu do grupo Matérias-Primas Brutas, que acelerou a alta de 5,60%

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) passou a subir 4,57% na segunda prévia de setembro, ante alta de 2,34% no mesmo período do mês anterior, refletindo a aceleração contínua da inflação ao produtor, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira (18). O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, disparou a 6,36% no período, contra alta de 3,15% na segunda prévia de agosto.

O principal destaque nessa leitura partiu do grupo Matérias-Primas Brutas, que acelerou a alta de 5,60% no segundo decêndio de agosto a 11,31% no mesmo período de setembro, refletindo a inflação em commodities como o minério de ferro (17,01%) e soja (12,53%), que juntos responderam por 42% do resultado do IPA.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, apresentou alta de 0,38% na segunda prévia de setembro, contra ganho de 0,41% em agosto. O movimento de leve desaceleração da inflação ao consumidor foi liderado pela queda de 0,50% registrada no grupo de Saúde e Cuidados Pessoais, que havia saltado 0,54% na segunda prévia de agosto.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou alta de 0,98% no período, depois de subir 0,96% na segunda prévia de agosto. O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis. A segunda prévia do IGP-M calculou as variações de preços no período entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.