Conectado com

Empresas

Biotrigo, há 10 anos fortalecendo a triticultura nacional

Com uma ampla variedade de cultivares, a Biotrigo Genética se consolida no mercado, em apenas uma década de atividades, como uma das principais empresas de melhoramento de trigo da América Latina

Publicado em

em

A história de uma empresa surge a partir de um propósito. Mas ela se funde, com o passar dos anos, com a história de seus colaboradores e, mais ainda, no caso da Biotrigo, com toda a evolução de uma cultura. Fortalecer a cultura do trigo sempre foi um dos propósitos dos irmãos Ottoni Rosa Filho e André Cunha Rosa, sócios-fundadores da Biotrigo Genética, que comemora neste mês de abril, 10 anos de história. Localizada em Passo Fundo, região Norte do Rio Grande do Sul, e com filial em Campo Mourão, no Paraná, a empresa atende a diversos estados do território brasileiro, além de exportar suas cultivares de trigo para países do Mercosul e América do Norte. Atualmente, é líder na América Latina e no Brasil, com cerca de 72% do market share brasileiro. 

Os irmãos empresários e melhoristas são de uma segunda geração da família dedicada a triticultura. Desde a infância acompanharam a pesquisa de trigo junto ao pai Ottoni Rosa e, após graduados em engenharia agronômica, se tornaram sócios na empresa OR Sementes. Anos mais tarde, a empresa passou por uma cisão e os irmãos fundaram em 2008 a Biotrigo Genética. O objetivo na fundação era entregar para o produtor trigos mais seguros e completos. “A gente acreditava que, através do nosso conhecimento e formando uma boa equipe, conseguiríamos evoluir ainda mais na cultura do trigo. Mas, para isso, era preciso focar mais no melhoramento genético e na gestão”, conta Ottoni.
A nova empresa começou com apenas oito pessoas: os fundadores e mais seis funcionários. A primeira cultivar lançada exclusivamente pela Biotrigo, em 2010, foi chamada de TBIO Pioneiro 2010. Seu forte vigor proporcionava bons resultados mesmo em áreas de menor fertilidade.  Em seguida, no mesmo ano, foi lançado o TBIO Tibagi – um trigo pão de farinha branqueadora.
“Nosso objetivo era abrir um leque de novas oportunidades e de desenvolvimento de pesquisas para impulsionar o desenvolvimento científico e tecnológico da triticultura brasileira. E temos certeza que nesta primeira década, evoluímos muito. Temos maior capacidade gerencial, maior capacidade de plantar e colher experimentos, de multiplicar novas linhagens, de atender nossos clientes diretos e indiretos, de desenvolver novos negócios e, especialmente, maior capacidade de gerar conhecimento dentro do melhoramento de trigo”, relata Ottoni.
 
 

Reconhecimento internacional

Sempre acompanhando a evolução tecnológica, em 2012 a empresa formalizou uma negociação com uma das maiores empresas do agronegócio do mundo, a Bayer CropScience. A Biotrigo na época, já era reconhecida pelos rendimentos, qualidade industrial e pela resistência a doenças. O acordo de cooperação permitiu, sob determinadas condições, a utilização do banco germoplasma da Biotrigo nos países onde a empresa não possui atuação em trigo. “A Biotrigo é líder global em combinação de rendimento de grãos e qualidade industrial com resistência a doenças de difícil controle. E esta liderança nos apoiará na continuidade da nossa expansão na Europa e nos mercados emergentes”, afirmou, na época, Edward Souza, diretor Global de Melhoramento de Trigo da Bayer.
 

Pioneira em eficiência energética

O acordo com a Bayer possibilitou mais do que uma parceria com uma empresa global: ele financiou a expansão física da Biotrigo. Criada em um prédio de 600 m², a nova estrutura da empresa, inaugurada em 2015, soma mais de 14 hectares e 6 mil metros quadrados de área construída. O prédio administrativo foi considerado como referência em eficiência energética, sendo a primeira edificação comercial etiquetada no Rio Grande do Sul e a primeira edificação do ramo do agronegócio do Brasil a cumprir todos os itens de uso eficiente dos recursos naturais (água, luz, ventilação), redução de desperdícios e de impactos sobre o meio ambiente.  Pelo pioneirismo, a Biotrigo conquistou a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE) de Edificação Construída de Nível A. Esta certificação, que foi concedida pelo Inmetro e Eletrobrás/Procel Edifica, classificou o nível de consumo de energia do prédio administrativo como o mais econômico.
Além da unidade administrativo, a matriz ainda conta com um conjunto de laboratórios para sementes, fitopatologia, qualidade e biotecnologia com área total de 700 metros quadrados. Nos dois celeiros, que somam quase 3 mil metros quadrados, são armazenadas as sementes experimentais e genéticas. A área de estufas conta com aproximadamente 11 mil metros quadrados.

Evolução através de parcerias

Em 2017, a Biotrigo se tornou sócia da fabricante de máquinas agrícolas, Montagner Indústria de Máquinas, também de Passo Fundo/RS. O objetivo da sociedade é fortalecer a agricultura através de soluções inovadoras que possam gerar melhores resultados no campo. “Muitos problemas da cultura do trigo não se resolvem com genética, mas com máquinas inovadoras que a Montagner tem capacidade de fazer”, ressalta André.  
Uma outra grande conquista foi a parceria estabelecida com a maior cooperativa agrícola da América Latina, Coamo Agroindustrial Cooperativa, localizada em Campo Mourão, no Paraná. Segundo o Diretor Vice-Presidente da cooperativa, Cláudio Francisco Bianchi Rizzatto, o trigo brasileiro passou por uma evolução muito grande na última década e um dos fatores mais importantes é o alinhamento que existe hoje entre as características agronômicas das cultivares, a qualidade industrial do material e a demanda dos moinhos e consumidores. “A Biotrigo está focada neste alinhamento, trabalhando fortemente para atender a demanda industrial e paralelamente evoluindo muito nas características agronômicas que também é fundamental para o agricultor. Com a parceria com a Biotrigo, conseguimos ofertar para nossos cooperados cultivares com características agronômicas que atendam a necessidade de cada situação e também atendam a qualidade industrial exigida pelo consumidor final. O portfólio das cultivares da Biotrigo é pensado na realidade da triticultura e do triticultor brasileiro”, atesta Cláudio.
 

Desafio: trigos completos

Todos os anos, pelo menos uma nova variedade de trigo é lançada no mercado. O grande desafio é justamente fazer com que as cultivares aliem segurança, produtividade e qualidade, ou seja, cada vez mais completas. “Em cada lançamento que a gente faz, vemos uma evolução. De 2010 para cá, houve um progresso importante do que se colhia para o que se cultiva hoje. Não adianta ter excelência em uma só característica. Colocar tudo de bom em um só produto é o grande desafio. O que a gente quer é que o agricultor, tendo cada vez mais segurança, chegue no final do ano e perceba que o trigo foi um bom negócio e que ele volte a plantar”, afirma Ottoni.
Essa satisfação foi aprovada pelos produtores. A cultivar TBIO Toruk, primeira cultivar brasileira com introdução de genética francesa, foi amplamente aceita pelo mercado e chegou a ser semeada em mais de 20% das áreas de trigo do país em 2017. Entre os seus diferenciais, o trigo alcança maiores tetos produtivos, possui maior estabilidade na produção, tem ótima tolerância germinação na espiga, acamamento e diversas doenças. "Com a introdução da genética francesa no programa de melhoramento, conseguimos dar um salto no potencial genético, na qualidade e principalmente no rendimento, isto porque conseguimos desenvolver um trigo com características agronômicas superiores as outras cultivares”, destaca Ottoni. Atualmente a empresa conta com um portfólio de 15 cultivares de trigo, incluindo novos projetos focados na alimentação animal e na produção de farinhas especiais.  
 

Visão de mercado e foco no controle de doenças

Para o sócio proprietário da Êxito Pesquisa & Consultoria Agronômica, Lucas Bochnia, nos últimos anos diversos lançamentos de materiais da Biotrigo proporcionaram qualidade, tecnologia e altos tetos produtivos. “O posicionamento de materiais com tecnologia avançada, altos tetos produtivos e diferentes aptidões permitiu que produtores obtivessem uma maior segurança, fazendo com que conseguíssemos introduzir novamente o trigo na rotação, de forma sustentável”.
O produtor rural, de Buri/SP, Frederico d'Avila, revela que as pesquisas desenvolvidas pela Biotrigo na última década agregaram em diversos pontos para o seu negócio e na região em que atua, através da inserção da cultura do trigo na rotação de culturas; na manutenção do Sistema de Plantio Direto na Palha (SPDP); controle de ervas daninhas e na participação de segmentos específicos de materiais demandados pela indústria moageira. “Através de muita pesquisa e dedicação exclusiva à triticultura, a Biotrigo reuniu num time de apaixonados por trigo, o que há de melhor entre campo, pesquisa e necessidade da indústria”.
De outra região tritícola do país, o engenheiro agrônomo da Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal, Cláudio Malinski, comenta a grande contribuição da empresa para a melhoria da qualidade do trigo. “Vemos nas cultivares TBIO uma prioridade pela sanidade, a não germinação da espiga, a qualidade da espiga e, ainda a resistência ao brusone e à giberela, além dos aspectos intrínsecos do grão, como força de glúten, estabilidade, farinografia, rendimento industrial que é imprescindível, especialmente com o TBIO Noble, que é uma farinha mais branca em relação aos trigos nacionais”.
Para Maurício Ghiraldelli, da Correcta Alimentos, empresa sediada em São Paulo, foi justamente o fato de a Biotrigo perceber a cadeia como um todo que mais colabora com a evolução e qualidade industrial dos trigos no Brasil. “A Biotrigo foi uma das únicas empresas de pesquisa a enxergar o mercado de uma forma mais macro, ou seja, a cadeia como um todo. Antes, observava no mercado que a pesquisa estava muito ligada à produção e, por isso, tivemos grandes problemas com a falta de liquidez na venda do trigo nos últimos anos, geralmente os trigos não atendiam a demanda industrial”, observa.
 

Uma caminhada construída em colaboração

O trabalho de melhoramento genético da Biotrigo exige muitos anos de pesquisa e uma equipe técnica completa e motivada para que os melhores resultados cheguem aos clientes. Hoje, a equipe conta com mais de 60 colaboradores amplamente engajados com a missão da empresa. A prova disso é revelada nas pesquisas de clima organizacional, realizadas anualmente com todos os funcionários, onde 92,7% relataram estar motivados para trabalhar e 98% afirmaram que a Biotrigo tem credibilidade perante os clientes e é reconhecida pela comunidade. Considerando o índice geral de satisfação da pesquisa de clima, a empresa conquistou uma grande evolução, passando de 72% em 2013, 80% em 2014 e, em 2017, alcançou uma média de 88% entre os colaboradores. “Não há dúvida de que alguém que está empolgado têm ideias novas. Tudo isso faz com que melhores trigos cheguem ao produtor de semente, depois ao produtor de grão, aos moinhos com uma farinha de melhor qualidade e, por fim, na mesa do consumidor”, afirma André.
Esse investimento em pessoas e a preocupação com o crescimento e a satisfação de cada colaborador teve um papel essencial no crescimento da empresa, mas também no desenvolvimento da triticultura brasileira. “O germoplasma é um aspecto importante para a nossa empresa, sem dúvida, mas outro aspecto de igual valor é a equipe que a conseguimos formar. É a atuação técnica e profissional dos nossos colaboradores que garante a segurança de que a Biotrigo seguirá em frente”, afirma.
A chave do sucesso, para ele, é que toda a cadeia, desde o colaborador da Biotrigo; o agricultor; as revendas; os moinhos e as indústrias, estejam bem e tenham sucesso. “Nessa caminhada de longos anos, aprendemos com nossos parceiros que não adiantava somente atender o agricultor, mas sim a toda a cadeia. Esse entendimento foi muito importante para o nosso sucesso”, finaliza André.
 
 

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − 1 =

Empresas Avicultura

Vetanco apresenta App para controle de cascudinhos no Paraná

Essa é uma ferramenta exclusiva da Vetanco, disponibilizada por meio de um App, para apoiar as práticas de gestão sanitária, organizando e definindo as melhores estratégias para o controle do inseto

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O novo aplicativo da Vetanco para o controle de cascudinhos, o Vetancid App, foi apresentado recentemente numa oficina para profissionais da empresa Levo Alimentos, em Umuarama, no Paraná.

O Assistente Técnico da Vetanco, Rodrigo Cesarin, apresentou a novidade para 13 profissionais da empresa, entre eles médicos veterinários, supervisores e estagiários, que puderam interagir em demonstrações práticas do controle da praga, num aviário da empresa paranaense.

Essa é uma ferramenta exclusiva da Vetanco, disponibilizada por meio de um App, para apoiar as práticas de gestão sanitária, organizando e definindo as melhores estratégias para o controle do inseto, sempre com foco na biosseguridade, especialmente no controle de enteropatógenos que são comprovadamente veiculados por este inseto.

O cascudinho é uma das principais pragas da avicultura de corte, pois é um vetor de doenças como a salmonella, podendo comprometer um lote e trazer prejuízos para o produtor e a agroindústria.

A Vetanco desenvolveu e comercializa um eficiente produto para o combate do inseto, o Vetancid. Durante a oficina, o palestrante demonstrou como aplicar de forma mais eficiente o produto e também como o aplicativo pode auxiliar no monitoramento dos cascudinhos.

O Vetancid App gera gráficos de fácil visualização, comparando os níveis de infestação em relação a lotes anteriores, o que traz informações rápidas para o produtor tomar a melhor decisão no controle da praga.

Por isso, a Levo Alimentos fez uma parceria com a Vetanco para capacitar seus profissionais.

A Levo é uma empresa que surgiu de uma aliança entre duas grandes empresas da avicultura nacional, a C. Vale e o Grupo Pluma. De acordo com os organizadores da oficina, a empresa está em franco crescimento e tem trajetória bem sucedida devido ao alto grau de engajamento e profissionalismo de seus colaboradores.

Já a Vetanco, é uma empresa presente em mais de 40 países e que há mais de 30 anos desenvolve soluções para a saúde e produção animal. Tem como objetivo desenvolver produtos que contribuam para que o consumidor tenha um alimento seguro e de qualidade em sua mesa.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Veterinários

MCassab reafirma compromisso com saúde única e homenageia médicos veterinários

Cada vez mais, o médico veterinário é importante para o conceito de saúde única, que alia saúde humana, animal e ambiental

Publicado em

em

Médico veterinário Fábio Martinho - Foto: Divulgação

Em 09 de setembro foi comemorado o Dia do Médico Veterinário. A profissão, ao contrário do que muitos pensam, extrapola o campo da saúde animal. Cada vez mais, o médico veterinário é importante para o conceito de saúde única, que alia saúde humana, animal e ambiental.

Para comemorar a data, a MCassab convidou um de seus profissionais para responder à pergunta: Para você, o que é ser médico veterinário?

“Ser médico veterinário é cuidar dos animais e contribuir para saúde e nutrição de todos, produzindo alimentos seguros e de forma sustentável. Saúde dos plantéis significa saúde dos seres humanos”. A afirmação é do médico veterinário Fábio Martinho, que atualmente é o gerente da Unidade de Negócios Aves com os Portfólios de Saúde Animal, Especialidades e Manufaturados Aves. Ele iniciou no Grupo MCassab como nutricionista para atender a demanda do segmento de avicultura.

“A crescente demanda para redução dos antibióticos traz oportunidades para novas soluções e hoje o maior desafio está em reposicionar a empresa para as próximas décadas, com produtos inovadores e que atendam à crescente demanda do mercado, sempre aderente às exigências das novas legislações”, afirma.

Sempre se destacando pela qualidade, inovação e equipe altamente capacitada, a área de Nutrição e Saúde Animal do Grupo MCassab completou 50 anos de forma consolidada no mercado brasileiro em 2019 trazendo ainda mais tecnologia, inovação e conhecimentos para os clientes e parceiros.

“Neste ano fizemos o lançamento da linha PoultryMIX, com soluções nutricionais completas para maximizar os resultados da avicultura e o Programa Plantel Sadio com o objetivo de oferecer soluções inovadoras para atender as necessidades dos nossos clientes com monitoramento e suporte em todas as fases através da implantação de tecnologias oferecendo um serviço técnico integral, desenvolvendo programas nutricionais e sanitários personalizados para promover alta produtividade, qualidade e segurança alimentar”, destaca Fábio.

Fonte: O Presente Rural com Informações da Assessoria MCassab
Continue Lendo

Empresas Avicultura

Cobb discute controle de ventilação para melhor eficiência das aves e redução de custos

Especialista em Ambiência da Cobb na América do Sul, José Luís Januário, destaca controle de ventilação em granjas de reprodutoras durante webinar promovido pela empresa para América Latina 

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Atualizações de ventilação e melhora de ambiente para reprodutoras (matrizes) que produzem os pintinhos de frango de corte, foram apresentadas pelo especialista em Ambiência da Cobb-Vantress na América do Sul, José Luís Januário, em webinar promovido pela empresa. O manejo de ventilação e ambiência é parecido com o manejo de frangos, com algumas especificidades apenas e comportamento das matrizes. Para se ter uma ideia, a reprodutora pode chegar próximo a 2,2 quilos com 20 semanas, enquanto o frango chega a esse peso em cinco semanas. Por isso, todo o sistema produtivo, como manejo de ventilação e dieta, deve ser bem controlado e instalado para um ciclo mais longo e com as restrições de alimento que fazemos para as matrizes. Januário lembrou que, além de eficiência em produtividade, usar as melhores tecnologias no momento ideal é fundamental para reduzir custos de produção e ter eficiência financeira.

“Precisamos conhecer as necessidades das aves, qual é o custo operativo (de cada sistema de ventilação), como manter o ambiente controlado, com manejo de temperatura e umidade”, iniciou. Pontos críticos para o manejo da ventilação são a velocidade do vento e o controle de umidade”, mencionou. De acordo com ele, os pintinhos desde o nascimento e até o quarto dia, devem ter temperatura corporal ao redor de 40 a 40,6°C. “Muito acima ou muito abaixo podem ser fatais. Aos 36°C, eles só dormem, com 44 graus podem sofrer consequências adversas à saúde”, disse Januário. Ele destaca que além do ambiente, a temperatura da cama deve estar controlada, “entre 32 e 40 graus”. Até os 21 dias, as aves geralmente recebem calefação satisfatória de acordo com a idade e setup de temperatura. As temperaturas desejadas são: entre 33 a 34°C para aves de um a três dias. De quatro a sete dias, 32°C, para as de oito a dez dias, 31°C e para as aves de 11 a 15 dias, 30°C. E ainda: 29°C na terceira semana, 28°C na quarta semana, 27°C na quinta semana, 26°C na sexta semana, e, da sétima até a 24ª semana, a temperatura pode variar de 24 a 25°. Januário afirma que é preciso controlar a relação de calor de dentro e de fora do galpão, utilizando a ventilação, isolamento e a vedação das granjas, para isso.

São três os tipos ou módulos de ventilação: a ventilação mínima, para suportar a qualidade de ar, onde se trabalha junto com inlets, onde se tem,  e manejo de cortinas nos aviários convencionais, a ventilação de transição, também junto com inlets e cortina de entrada de ar, aumentando a extração, a velocidade do vento sem aumentar a sensação térmica de frio, o que melhora a troca de ar, e a ventilação túnel, quando se necessita velocidade de vento, “seja ventilação ou extração no fundo dos galpões”. Segundo ele, a ventilação ajuda ainda a controlar gases indesejados, como amoníaco, CO2 e CO. Em sua palestra, o especialista em ambiência citou que ventiladores misturadores de ar na parte perto do teto dos galpões, instalados nas partes mais altas, assim usamos a física para mesclar o ar, e promover um menor gasto de energia, como gás ou lenha, pois usam o calor de cima do galpão (o ar quente sempre fica acima do ar frio) e o espalha para baixo, onde estão os animais.

Como uma ferramenta de ventilação, para fazer uma ventilação natural, e para tirar calor do galpão, destacou que o uso correto das cortinas laterais pode ajudar, e o fazemos com uma relação de abertura de um lado respeitando uma proporção entre os lados, sendo uma parte para quatro partes do lado oposto, ou abertos seja: se abrir a cortina em cinco centímetros de um lado, do lado do vento predominante, 20 centímetros podem ser abertos do outro para ajudar a forçar o ar quente a passar pelo galpão e sair pelo outro lado junto com os gases indesejados e umidade também. Da mesma forma, para granjas mais modernas, deu dicas para o manejo com inlets para controlar o ar que entra na granja da maneira mais correta, ajudando no controle de umidade e o ambiente de maneira geral.

Mencionou ainda como usar as placas evaporativas e aspersores, “nunca antes que a temperatura esteja abaixo de 28°C dentro do galpão”, e os exaustores e ventiladores para aumentar o poder de ventilação em túnel, usando toda a estrutura, e sempre buscando gastar o menos possível de seu aparato energético para retira com eficiência o calor produzido pelas aves e também o calor que vem de fora. Para isso, sustentou também a importância do isolamento de telhado, das cortinas laterais, para controlar melhor o ambiente. Nas condições ideais, sustentou Januário, a troca total de ar num aviário de matrizes, deve ocorrer ao redor com 50 segundos entre a entrada e saída do ar, e como comparativo em frangos ao redor de 40-45 segundos de troca de ar. Para isso, sustentou, “podemos usar as tecnologias disponíveis, sejam simples como ventiladores e aspersores”. E para ele, é preciso lançar mão das tecnologias que estão disponíveis nas empresas, onde estão as granjas e que tenham boa relação entre custo e benefício.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
ALLFLEX – Novo Site

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.