Conectado com
FACE

Suínos / Peixes

Biotransformação combate micotoxinas que resistem aos adsorventes

Sua ocorrência é mundial, e são consideradas como importante fator de risco para saúde animal

Publicado em

em

Artigo escrito por Vladimir Borges, da Biomin

As micotoxinas são metabolitos secundários de baixo peso molecular produzidos por fungos. São considerados secundários por não serem essenciais para o crescimento do fungo. Sua ocorrência é mundial, e são consideradas como importante fator de risco para saúde animal. Sua presença pode acarretar grandes perdas econômicas. Temos vários grupos de micotoxinas que causam prejuízos à produção animal. A diferenciação entre os grupos é pelas diferenças estruturais das moléculas.

Trabalhos mostram que muitas vezes os animais são expostos a mais de um micotoxina e os efeitos resultantes da cocontaminação ainda são pouco conhecidos. A associação de deoxynivalenol (DON) e fumonisina (FUM) em alguns estudos mostraram uma ação aditiva sobre a indução de lesões hepáticas e redução na eficácia da vacinação.

O método mais utilizado para controlar os efeitos tóxicos das micotoxinas é o uso de adsorventes, que são aditivos que têm o objetivo de inibir a absorção de micotoxinas. Devido à diversidade existente entre as estruturas moleculares das famílias das micotoxinas, estas requerem diferentes estratégias de detoxificação. A estratégia de absorção – com bentonitas, por exemplo – terá uma eficácia adequada para alguns grupos de micotoxinas, como o grupo das aflatoxinas (AFLA) e alcalóides de Ergot, mas terá uma eficácia muito baixa para outros grupos, como o grupo dos tricotecenos (DON, T-2…), fumonisinas e zearalenona (Figura 2). Foi necessário criar outro tipo de estratégia diferente da absorção para controle dos grupos de micotoxinas pouco polares (DON e ZEA) ou que sofrem alteração na adsorção dependendo do pH (FUM). O método que se mostrou mais eficaz para controle dos grupos de micotoxinas com baixa adsorção foi a biotransformação, que utiliza microrganismos ou enzimas capazes de converter as micotoxinas destes grupos em metabolitos não tóxicos. Atualmente existem tecnologias de biotransformação para degradação da zearalenona, tricotecenos, ocratoxina A e fumonisinas através do uso microrganismos ou enzimas específicas.

A primeira tecnologia aprovada pela União Europeia para inativação de um grupo de micotoxinas é a bactéria registrada e nominada BBSH 797 isolada do conteúdo ruminal. Foi o primeiro aditivo com microrganismo a ser desenvolvido para a desintoxicação de micotoxinas. Esta estirpe bacteriana é capaz de biotransformar os tricotecenos. DON é enzimaticamente reduzida por uma de-epoxidase do Eubacterium BBSH 797 para o metabolito não tóxico de-epoxi-desoxinivalenol (DOM-1). No último ano foi lançado no Brasil um novo produto que contém uma enzima específica para degradar fumonisina. Esta micotoxina sofre ação de uma enzima específica a carboxil esterase, que possui a capacidade de remover as cadeias laterais de ácido tricarbalílicos da fumononisina. De uma molécula de fumonisina (FUM) teremos com resultado da ação desta enzima uma fumonisina hidrolisada (HFUM) e dois ácidos tricarbalílicos (TCAs) que não são tóxicos e desta forma evitamos os efeitos tóxicos da fumonisina.

As vantagens da biotransformação são reações específicas, irreversíveis e o resultado dela temos metabólitos não tóxicos e sua ação não se limita às micotoxinas adsorvíveis. Todo avanço na área de biotransformação é resultado de muito trabalho e investimento em pesquisa e desenvolvimento.

No campo, muitas vezes nos deparamos com desafios de multicontaminações de micotoxinas, em que um simples adsorvente terá uma eficácia muito limitada para garantir uma proteção efetiva do rebanho. É importante o uso de produtos que tenham em sua composição um blend de minerais que garantam um controle da micotoxinas adsorvíveis e componentes que sejam capazes de fazer a biotransformação específica dos grupos de micotoxinas não adsorvíveis, como tricotecenos (DON e T2), fumonisinas, zearalenona e ocratoxina. Só a biotransformação é capaz de controlar de maneira eficaz estes grupos de micotoxinas.

Dessa forma é muito importante avaliarmos de maneira criteriosa qual o desafio de micotoxina é encontrado nas matérias-primas e rações. Sabendo o (s) tipo (s) de micotoxina (s), o nível de contaminação de cada micotoxina e a fase/espécie animal que será destinada à ração, devemos escolher qual o produto será capaz de combater este desafio, seja pelo método de adsorção e/ou biotransformação enzimática.

 

Mais informações você encontra na edição de maio/junho de 2016 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − 2 =

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Mercados Asiáticos e EUA fortalecem embarques de carne suína em 2020

Vendas para o mercado asiático foram principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

No ano em que as exportações brasileiras de carne suína registraram recorde histórico – com 1,02 milhão de toneladas (+36%), número já divulgado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) – as vendas para o mercado asiático foram o principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira.

Ao todo, a Ásia importou 800,2 mil toneladas em 2020, volume que superou em 66,9% o desempenho registrado ao longo de 2019. A China, líder entre os países importadores (com 50,7% de participação das exportações totais do Brasil) foi destino de 513,5 mil toneladas, volume 106% superior ao exportado em 2019. Vietnã, com 40,3 mil toneladas (+198%), Cingapura, com 52,1 mil toneladas (+50%) e Japão, com 11,5 mil toneladas (+91%) também apresentaram alta nas vendas no ano passado.

Os países da África também se destacaram entre os destinos, com 60,9 mil toneladas (+5,3%). O mercado angolano é o maior destino da região, com 28,4 mil toneladas (+5,6%).

Para os destinos das Américas foram exportadas 128,1 mil toneladas (-5,9%). Os Estados Unidos importaram, no período, 7,9 mil toneladas (+30,4%).

“Os impactos da Peste Suína Africana na Ásia, que determinaram o ritmo das vendas de 2020, devem continuar a influenciar as vendas dos exportadores brasileiros no mercado internacional em 2021”, avalia o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua.

Conforme os levantamentos da ABPA, foram habilitadas 15 novas plantas exportadoras de carne suína, para destinos como Chile, Filipinas, Singapura, Vietnã e África do Sul.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo Cepea

Setor suinícola pode registrar mais um ano favorável

Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar das dificuldades provocadas pela pandemia de covid-19, a suinocultura brasileira encerrou o ano de 2020 com preços, abate e embarques recordes. Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a demanda externa por carne suína deve continuar firme, sustentada pelas compras chinesas, ao passo que a procura interna deve ser favorecida pela possível retomada econômica.

Os custos de produção, contudo, devem continuar sendo um grande gargalo ao setor em 2021. Isso porque os valores dos dois principais componentes da ração, o milho e o farelo de soja, devem se manter altos neste ano, tendo em vista as aquecidas demandas interna e externa por esses grãos.

Esse cenário tende a pressionar, por mais um ano, o poder de compra dos suinocultores.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Exportações de carne suína confirmam recorde em 2020

Vendas internacionais de carne suína totalizaram 1,021 milhão de toneladas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O resultado consolidado das exportações brasileiras de carne suína e de carne de frango confirmam as previsões feitas pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) para 2020.

As vendas internacionais de carne suína (incluindo todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 1,021 milhão de toneladas nos 12 meses, número 36,1% superior ao registrado em 2019, quando foram exportadas 750,3 mil toneladas.

A receita cambial das vendas chegou a US$ 2,270 bilhões, resultado 42,2% maior que o alcançado em 2019, com US$ 1,597 bilhão.

Em carne de frango, as vendas de 2020 alcançaram 4,230 milhões de toneladas, superando em 0,4% o total embarcado em 2019, com 4,214 milhões de toneladas.

A receita das exportações do ano chegou a US$ 6,123 bilhões, desempenho 12,5% menor em relação aos 12 meses de 2019, com 6,994 bilhões.

“Seja pelo recorde de exportações de suínos, superando 1 milhão de toneladas pela primeira vez na história, como pela alta nos embarques de aves, as projeções setoriais estabelecidas pela ABPA e confirmadas nas vendas finais reforçam o bom momento para o Brasil no mercado internacional, a despeito de um ano desafiador em todos os sentidos. A perspectiva é que o ritmo positivo se mantenha em 2021, com a esperada retomada econômica internacional”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Embarques de dezembro

As exportações de carne suína totalizaram 80,3 mil toneladas em dezembro, volume 5,6% maior em relação às 76 mil toneladas embarcadas no mesmo período de 2019.

Em receita, a alta é de 4,1%, com US$ 191,2 milhões no último mês de 2020, contra US$ 183,6 milhões em dezembro de 2019.

No mesmo período comparativo, as vendas de carne de frango chegaram a 380,8 mil toneladas, volume 2,8% menor em relação ao mesmo período de 2019, com 391,9 mil toneladas. A receita das exportações de dezembro chegou a US$ 579,6 milhões, número 8,9% menor em relação ao saldo do último mês de 2019, com US$ 636,1 milhões.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.