Conectado com

Empresas Bovinos

Biogenesis Bagó investirá U$ 10 milhões de dólares planta de vacina contra a febre aftosa na Argentina

Empresa atualizará sistemas de qualidade e biossegurança para dar suporte ao crescimento e expansão nos mercados internacionais

Publicado em

em

Planta de produção de vacina contra febre aftosa, em Garín, na Argentina, receberá investimentos- Foto: Divulgação

A Biogénesis Bagó, uma das líderes na América Latina na produção de soluções para a saúde animal, investirá 10 milhões de dólares em sua planta de produção de vacinas contra a Febre Aftosa, localizada na cidade de Garín, na província de Buenos Aires, na Argentina. O investimento tem como objetivo atualizar o sistema de qualidade e adequar os níveis de biossegurança aos novos regulamentos estabelecidos pelo SENASA (Servicio Nacional de Sanidad y Calidad Agroalimentaria) da Argentina e as exigências dos países nos quais a empresa projeta seu maior crescimento.

Esse posicionamento estratégico é apoiado por programas de expansão territorial para licenças e pesquisa e desenvolvimento, nesta fase concentrada principalmente no Sudeste Asiático, para onde a empresa já exporta a três destinos.

“Decidimos investir na Argentina para gerar mais conhecimento e produzir aqui uma vacina de alta qualidade em nível global, atendendo às demandas específicas de cada mercado que vamos incorporar. Todo esse processo de atualização da planta permitirá consolidar a capacidade, a segurança e a qualidade da resposta em nível local e será a base do crescimento da empresa em sua estratégia de expansão global”, afirma Rodolfo Bellinzoni, diretor de Operações Industriais e Inovação da Biogénesis Bagó.

A empresa anunciou o investimento durante a 133ª Exposição Rural de Palermo, que prevê o desenvolvimento de um plano de engenharia e obras de infraestrutura nos próximos dois anos. Isso colocará a planta no mais alto nível de tecnologia e biossegurança para a elaboração de vacinas anti aftosas com o manejo de diferentes cepas do vírus, que garantem a resposta imune dos rebanhos em cada região produtiva.

Também permitirá que a empresa, liderada por Esteban Turic desde janeiro deste ano, cumpra as novas exigências do banco de antígenos norte-americano, para o qual fornece desde 2006. “Para intensificar a estratégia preventiva contra um possível surto de febre aftosa que afete essa região, nos foi pedido para expandir a capacidade do banco. Por isso precisamos acelerar nossa capacidade de resposta, além de atualizar os sistemas de biossegurança, levando em conta as novas demandas em nível local”, explica Bellinzoni.

A planta de Garin tem uma capacidade produtiva de 300 milhões de doses de vacinas anti aftosa por ano. É essa planta que abastece os mercados da América Latina, onde 3 de 10 doses aplicadas são fornecidas pela Biogenesis Bagó.

No Brasil, a empresa comercializa a vacina Aftogen® Óleo desde 2009 e o montante comercializado de mais de 300 milhões de doses, contribuindo de forma decisiva para o atingimento dos objetivos do País no Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA). Além disso, as vacinas contra Febre Aftosa da Biogénesis Bagó são exportadas para Taiwan, Coréia do Sul e Vietnã, onde 170 milhões de doses já foram comercializadas.

“Como uma planta especializada, fornecemos vacina contra Febre Aftosa para 11 países e realizamos processos de transferência de tecnologia, o que nos permitiu instalar uma planta de produção na China. Também oferecemos serviços para prevenir emergências de saúde a bancos de antígenos e vacinas em países que não vacinam (livres de febre aftosa sem vacinação)”, complementa o diretor de Operações Industriais e Inovação da empresa.

A Biogénesis Bagó espera adicionar novos destinos às exportações no sudeste da Ásia e direciona esforços em países como Mongólia, Camboja, Laos e Tailândia, onde negociações já estão avançados. Nas projeções para os próximos cinco anos, a empresa espera realizar operações da ordem de 100 milhões de dólares nesta região, além da pretensão de abrir mercados na África e no Oriente Médio.

Para sustentar esse forte posicionamento, Bellinzoni explica que, além da atualização da planta, áreas de pesquisa e desenvolvimento e gerenciamento de projetos serão criadas em nível local e global dentro da Biogénesis Bagó, focadas exclusivamente em Febre Aftosa.

“Queremos oferecer produtos e serviços de alta qualidade, diferenciados em capacidade de resposta, qualidade e biossegurança. A Argentina já é um centro de referência mundial por sua capacidade de responder a emergências de saúde com produtos seguros e eficiente”, afirma Bellinzoni.

 

China

Por outro lado, a Biogénesis Bagó continuará a investir na China, fornecendo seu know-how para a operação da mais moderna planta de produção de vacinas contra Febre Aftosa no mundo, construída a partir de uma joint venture com a empresa farmacêutica Hile Biotechnology.

Rodolfo Bellinzoni informa que o escritório comercial de Xangai, que já conta com 14 funcionários, ganhará um centro de pesquisa e desenvolvimento sobre doenças bovinas que afetam os rebanhos chineses, para o qual planeja estabelecer alianças de trabalho com instituições científicas técnicas do local para gerar conhecimento e desenvolver soluções específicas de saúde.

Desta forma, a empresa busca diversificar o portfólio de produtos na China para além da produção de vacina anti aftosa na planta Yangling Yinhai Biotechnology. A planta chinesa tem uma capacidade de produção de 400 milhões de doses por ano e foi construída exclusivamente para abastecer o mercado chinês, que anualmente exige 2 bilhões de doses diante de um total mundial de 3 bilhões de doses.

Fonte: Assessoria da Biogénesis
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + um =

Empresas Grãos

ConectarAGRO se torna oficialmente uma Associação

Com a mudança de status, novos membros já podem fazer parte da nova entidade

Publicado em

em

Com o objetivo de promover conectividade nas áreas rurais de todo o Brasil, o ConectarAGRO reforça sua iniciativa e se oficializa como uma associação civil sem fins lucrativos. A partir de julho, novas empresas que se identificarem com o propósito do ConectarAGRO podem se associar.

A decisão faz parte da estratégia das oito empresas fundadoras da iniciativa – AGCO, Climate FieldView, CNH Industrial, Jacto, Nokia, Solinftec, TIM e Trimble, com o intuito de permitir a entrada de novos participantes e ter uma formação que fortaleça iniciativas relativas à conectividade. Isso deve ampliar ainda mais as ações e resultados do ConectarAGRO em todo o país.

“Continuamos apoiando uma tecnologia aberta, acessível e simples, que conecta pessoas e máquinas, e que atenda às aplicações no campo da melhor maneira possível. E, a partir de agora, com o lançamento da Associação, poderemos chegar ainda mais longe com o apoio de novas empresas, de variadas áreas e diversos tamanhos, sejam elas multinacionais ou startups”, afirma Gregory Riordan, presidente da Associação ConectarAGRO.

Desde o seu lançamento, na Agrishow de 2019, até dezembro do ano passado, o ConectarAGRO promoveu conectividade via banda larga 4G de 700 MHz para mais de 5,1 milhões de hectares de áreas rurais em todo o Brasil, sendo que mais da metade das propriedades tem até 100 ha. Até o momento, mais de 575 mil pessoas em áreas rurais, 218 cidades e oito estados diferentes se beneficiaram pelo projeto, assim como mais de 24 mil quilômetros de estradas e rodovias.

Outra conquista do ConectarAGRO neste primeiro ano foi a cobertura de mais de 11,5 milhões de hectares com a plataforma Narrow Band IoT (NB-IoT). Habilitadora de soluções de Internet das Coisas, a tecnologia oferecida pela TIM é essencial para a conexão de máquinas e sensores, ferramentas importantes para o desenvolvimento do agronegócio. Por ser um padrão adotado mundialmente, o NB-IoT pode ampliar em mais de 40% a cobertura tradicional em relação ao uso de smartphones, além de consumir menos bateria, o que é fundamental para aplicações de IoT.

Agora, mesmo com as limitações impostas pela Covid-19, a Associação estima ampliar conectividade para 13 milhões de hectares até 2021, incluindo projetos com cooperativas. “Ao mesmo tempo em que esse momento de pandemia traz grandes desafios para nossos planos de expansão, ele também serve como um imenso estímulo à digitalização e às ferramentas digitais, criando uma grande demanda pela conectividade que impulsionará os avanços de forma significativa quando a situação se normalizar”, diz Riordan.

Há também a previsão do desenvolvimento de outras iniciativas que apoiam o crescimento da solução promovida pelo ConectarAGRO, como o projeto educacional, voltado a qualificação das pessoas que vivem e trabalham no campo dentro de uma nova realidade digital.

“Sabemos que a conectividade muda a vida das pessoas. Ela pode transformar a eficiência do agronegócio, promover a inclusão digital para quem vive no campo, propiciar a integração logística nas vias de transporte e alavancar outros setores cujas atividades estão em áreas remotas”, finaliza Riordan.

Com a ampliação dos participantes na Associação, aumenta a possibilidade de apoio às muitas AgTechs que surgem com soluções de melhoria e crescimento para o agronegócio brasileiro. O ConectarAGRO contribui de forma ampla para a transformação das áreas remotas do Brasil e atua para que a conectividade esteja em todo território nacional e não somente nas em áreas urbanas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Talita Resende, coordenadora de diagnóstico da Sanphar, aborda os efeitos da infecção por Lawsonia intracellularis em diferentes células

Publicado em

em

Talita Resende, coordenadora de diagnóstico da Sanphar

Talita Resende, coordenadora de diagnóstico da Sanphar, aborda os efeitos da infecção pela bactéria Lawsonia intracellularis em diferentes células de mamíferos em live realizada pela SuinoCast, podcast da suinocultura brasileira. A conversa teve como base artigo sobre o tema publicado no periódico Veterinary Microbiology e discutiu como a divulgação de conhecimentos sobre a bactéria ajudam a enfrentá-la na suinocultura. Talita tem doutorado em Medicina Veterinária pela Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos.

“A Lawsonia intracellularis causa a enteropatia proliferativa, doença conhecida popularmente como ileíte. Quando infectados pela Lawsonia intracellularis, os suínos apresentam quadros de diarreia, o que afeta diretamente o ganho de peso. Essa é uma enfermidade relativamente nova, pois apesar das lesões serem relatadas em suínos há muitos anos, a bactéria só foi reconhecida como o agente causador da ileíte na decada de 1990”, destaca a médica veterinária da Sanphar.

Talita Resende informa que, devido às suas especificidades para isolamento e manutenção em laboratório, pouco se sabe como a Lawsonia intracellularis instala-se no intestino dos suínos. “Essa carência de conhecimento dificulta o desenvolvimento de estratégias de prevenção e de controle da doença”, diz.

Durante o seu doutorado, a coordenadora de diagnóstico da Sanphar investigou os efeitos da infecção bacteriana em diferentes células (de suínos, camundongo, rato e ser humano) com diferentes condições de cultivo. O objetivo foi verificar se tais células seriam capazes de reproduzir a proliferação celular induzida pela bactéria no intestino dos animais afetados.

Estudos como esse podem contribuir para o desenvolvimento de vacinas ou de tratamentos que não envolvam antimicrobianos. “Mesmo sem atingir o resultado que esperávamos, pudemos demonstrar que dependemos do avanço das pesquisas de ciência básica para que, a médio e longo prazos, possamos controlar a doença, tal qual como já fazemos com outras bactérias intestinais, como Salmonella e E. Coli”, ressalta Talita Resende.

Fonte: Ass. de Imprensa Sanphar
Continue Lendo

Empresas Topigs Norsvin

Topigs Norsvin anuncia novas contratações

Ampliação da equipe segue compromisso da empresa de manter a entrega de resultados e o melhor atendimento ao cliente

Publicado em

em

Novo coordenador de Território, Bruno Battistel

Focada na qualidade da equipe e na excelência do serviço prestado aos clientes, a Topigs Norsvin, líder mundial em pesquisa e desenvolvimento de genética suína, anuncia três novas contratações que vêm para reforçar o atendimento ao cliente. Passam a integrar o time da empresa os profissionais Bruno Battistel, Guilherme Fernandes e Marcelo Dacas.

“A ampliação da equipe reforça nosso compromisso com o atendimento de qualidade, principalmente em tempos difíceis, como o da pandemia da Covid-19. Precisamos estar prontos para levar aos clientes os melhores produtos e profissionais mais gabaritados, sempre fazendo parte da solução do problema, pois entendemos a importância do setor para o mundo. A suinocultura não pode parar e nós também não”, afirma o diretor de Negócios e Marketing da Topigs Norsvin no Brasil, Adauto Canedo Jr.

Sobre os profissionais

Para o estado do Rio Grande do Sul e litoral de Santa Catarina, o novo coordenador de Território será Bruno Battistel. Formado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Battistel também possui um mestrado pela Universidade Autônoma de Barcelona, na Espanha. “Desejo somar à equipe Topigs Norsvin e desenvolver junto aos clientes e parceiros um grande trabalho”, almeja Battistel, que atuará do departamento comercial.

Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (UNIDERP), Guilherme Fernandes assume como coordenador de Produção em Goiás, Mato Grosso e São Paulo atuando junto aos multiplicadores, garantindo a qualidade dos animais entregues. “Espero com meu trabalho poder contribuir para o desenvolvimento de uma suinocultura mais forte e eficiente”, afirma Fernandes.

O novo consultor técnico Comercial Marcelo Dacas ficará sediado em Ponta Grossa (PR) e cuidará do atendimento técnico de clientes do leste do Paraná, São Paulo e Sul de Minas Gerais. Ele é técnico agrícola formado pela EAFC e engenheiro agrônomo graduado pela UNIBAVE. “Trago minha experiência de 12 anos de atuação na suinocultura para agregar ao departamento técnico da Topigs Norsvin, atuando no pós venda no acompanhamento dos resultados dos clientes”, explica Dacas.

A empresa de genética suína Topigs Norsvin é reconhecida por sua abordagem inovadora na implementação de novas tecnologias e pelo seu foco contínuo na produção de suínos com a melhor relação custo-benefício possível.

Com uma produção de 11 milhões de doses sêmen/ano, a melhoria contínua e fortalecimento dos produtos permitem que os clientes da Topigs Norsvin obtenham um valor agregado significativo em sua produção. O melhoramento genético da Topigs Norsvin baseia-se em dois pilares fundamentais: sustentabilidade e eficiência, que se traduzem em criação equilibrada e eficiência total na alimentação.

Pesquisa, inovação e disseminação de melhorias genéticas são os pilares da empresa, que investe 22,5 milhões de euros em P&D ao ano.

 

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.