Conectado com
LINKE

Notícias

Bem-estar, produtividade e custos de produção: especialistas opinam sobre a gestação coletiva de matrizes suínas

Seminário técnico gratuito sobre o assunto acontece no dia 9 de agosto em Chapecó-SC

Publicado em

em

A gestação coletiva de matrizes suínas é o tema de um seminário técnico que acontece no próximo dia 9 de agosto em Chapecó-SC, durante o IX Simpósio Brasil Sul de Suinocultura. O evento é gratuito e organizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Embrapa Suínos e Aves de Concórdia-SC. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas com a Comissão de Bem-Estar Animal do Mapa, pelo e-mail comissao.bea@agricultura.gov.br.

"A Embrapa Suínos e Aves é referência em pesquisa em bem-estar de suínos. Além de ser uma exigência cada vez mais difundida no mundo todo, as práticas que visam o bem-estar de suínos melhoram o conforto e saúde do animal e a produtividade e manejo da granja, como é o caso da gestação coletiva de matrizes", diz a pesquisadora e chefe geral da Embrapa Suínos e Aves, Janice Zanella.

O bem-estar animal, aliado à manutenção e até mesmo ao aumento da produtividade, além da relação entre a gestação coletiva com os custos de produção, são alguns dos temas do Seminário Técnico Brasil Sul de Gestação Coletiva de Matrizes Suínas (a programação completa pode ser conferida ao final do texto).

Confira alguns depoimentos de profissionais que estão envolvidos com a migração do sistema convencional para o sistema de baias coletivas:

Eliana Renuncio, assessora técnica da Cooperativa Aurora

"Na visão da Aurora, é muito importante que se façam os debates e entendimentos necessários desta nova proposta de troca de alojamento das fêmeas suínas de gaiolas para baias coletivas.

Sabemos que tal assunto já causou grande polêmica e aumentos de custos em outros países onde foram propostas e implementadas as alterações, por isso devemos adotar uma atitude de muita responsabilidade frente a decisões que possam impactar seriamente o produtor rural brasileiro, que já vive um momento ímpar de crise como todo o país. Temos que ser muito abertos a mudanças e melhorias, principalmente relacionadas a criação racional e responsável dos animais destinados a alimentação, porém temos que ser equilibrados nas decisões, visando a sustentabilidade da cadeia produtiva.

Vejo a Embrapa como importante autora desta avaliação e que poderá nos ajudar a analisar os fatos e dados de forma muito mais assertiva e coerente."

Guilherme Brandt, gerente corporativo da cadeia de suinocultura da BRF

"O evento é de suma importância para a cadeia de suinocultura nacional. Estamos vivendo um novo momento na suinocultura brasileira, em que todos iremos passar por grande transformação, desde estrutura até modelo de produção.

Estamos fazendo parte de uma geração de grandes mudanças no mundo e especialmente na suinocultura nacional há um grande desafio em relação ao modelo de produzir e como manejar os animais com bem-estar mantendo a produtividade. Nosso objetivo direto é produzir com respeito às pessoas, animais e ao meio ambiente, suínos de qualidade, saudáveis e a baixo custo.

Há uma grande quebra de velhos paradigmas e novos meios de produção. Estamos engajados neste novo modelo de produção com compromisso firmado para eliminar as gaiolas nos próximos dez anos. Estamos com trabalho focado em todos os segmentos da empresa na formação de pessoas para este novo modelo que não tem mais volta."

Daniel Cruz, coordenador de bem-estar animal da World Animal Protection

“O bem-estar animal é, cada vez mais, uma exigência da sociedade contemporânea. O consumidor não está apenas preocupado com a origem e a qualidade da carne, mas também com a maneira com que os animais são tratados ao longo da cadeia produtiva. O uso de gaiolas para gestação de matrizes suínas vem se tornando uma técnica em desuso em diversos países, inclusive no Brasil, por conta dos prejuízos físicos e psicológicos gerados aos animais. O sistema de gestação coletiva tem demonstrado melhorias significativas nos níveis de bem-estar das fêmeas, tendo como consequência resultados produtivos iguais ou até mesmo superiores.

A World Animal Protection acredita que a gestação coletiva é somente o primeiro passo para a melhoria do bem-estar dos animais na suinocultura. Outros pontos importantes, que também devem ser trabalhados simultaneamente, são políticas de bem-estar animal, enriquecimento ambiental em todas as fases da criação e redução de mutilações.

A gestação coletiva proporciona uma série de benefícios aos animais, colaboradores e indústrias quando bem implantada e manejada. Para a World Animal Protection, a transição para esse sistema é somente a primeira parte do trabalho.”

Liziè Buss, fiscal federal agropecuário, Comissão de Bem-Estar Animal do Mapa

"Do ponto de vista da Comissão de Bem-Estar Animal do Mapa, o fomento da prática é essencial para a sustentabilidade da suinocultura nacional. Os demais competidores e grandes produtores de suínos já anunciaram a mudança de sistema produtivo, e não podemos ficar atrás. O Brasil tem condições ambientais de favorecer um alto grau de bem-estar aos animais de produção, mas o desenho dos sistemas produtivos e qualificação da mão de obra são essenciais para que o alto grau de bem-estar dos animais de produção seja realidade.

O seminário foi proposta do próprio setor privado, que está ávido por informações técnicas que direcionem os novos sistemas produtivos em gestação coletiva. Este é o seminário pensado para a região Sul do país. Pretendemos colocar os especialistas sobre o tema e os técnicos das agroindústrias para discutir suas dificuldades, dúvidas, casos de sucesso e experiências. Queremos que todos os envolvidos sejam beneficiados com este debate técnico, especialmente os suinocultores e seus animais."

Janice Zanella, pesquisadora e chefe geral da Embrapa Suínos e Aves

"Ainda que a maioria das granjas no Brasil adotem o sistema de confinamento de matrizes na gestação, a nova tendência de baias coletivas vai se tornar realidade aqui também.

Para facilitar essa transição, serão precisos estudos e pesquisas em várias áreas e também na validação de medidas de manejo, equipamentos, dentre outros, às nossas condições. Nossas equipes estão trabalhando em parceria com indústrias, universidades e com o Mapa estudando esse novo sistema.

Além dos ganhos em produtividade e possivelmente de mercados, isso irá proporcionar que os suínos expressem seu comportamento natural, se socializem, tenham mais liberdade, diminuindo o estresse." 

Seminário Técnico Brasil Sul de Gestação Coletiva de Matrizes Suínas

Data: 09.08.2016

Local: Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo Nês, Chapecó-SC

Inscrições: gratuitas, pelo e-mail comissao.bea@agricultura.gov.br

Programação

• 8h30 – 9h: Abertura do Seminário

• 9h – 9h15: Projeto Diálogos Setoriais União Europeia-Brasil: Estratégias do Serviço Veterinário Oficial (SVO) e setor privado para a adoção da gestação coletiva de matrizes suínas

• 9h15 – 9h30: O papel da Embrapa Suínos e Aves na transição para a gestação coletiva

• 9h30 – 10h: Intervalo

• 10h – 12h30: Mesa redonda "Compartilhando experiências na gestação coletiva de matrizes suínas", com apresentação dos cases das agroindústrias convidadas (BRF, JBS Foods, Adelle Foods, Pamplona) e debate:

– Como realizar a transição dos sistemas, objetivando o menor impacto ao produtor rural (oportunidades e desafios na implantação das granjas)

– Experiências com o sistema de gestação coletiva sem uso de estação de alimentação (índices de produtividade e desafios de manejo)

– Resultados e desafios de manejo no sistema mini box

– Experiências com o sistema de arraçoamento automatizado (estações de alimentação), índices de produtividade e desafios no manejo

– Gestação coletiva, como reduzir o impacto na reprodução das fêmeas suínas- Desafios no manejo (sistema cobre e solta)

O Seminário Técnico Brasil Sul de Gestação Coletiva de Matrizes Suínas tem apoio da ABCS (Associação Brasileira dos Criadores de Suínos), ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) e do Nucleovet (Núcleo Oeste de Médicos Veterinários).

Fonte: Assessoria Embrapa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + 9 =

Notícias Segundo Cepea

Preços internos do milho renovam máximas nominais

Movimento de alta nas cotações do milho segue firme no Brasil

Publicado em

em

Divulgação

O movimento de alta nas cotações do milho segue firme no Brasil. Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso vem dos baixos estoques internos de milho, da queda na produção da safra de verão e dos preços elevados nos portos. Diante disso, em muitas regiões consultadas pelo Cepea, os valores atingem novos patamares recordes nominais.

As cotações externas também avançam, influenciadas por estimativas indicando safra e estoques de passagem menores que os previstos anteriormente. Quanto aos negócios no spot nacional, pesquisadores ressaltam que ainda ocorrem apenas quando há maior necessidade.

Enquanto vendedores, atentos à queda na produção, estão à espera de novas valorizações, compradores têm expectativa de que o início da colheita possa pressionar as cotações.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Elevação externa e baixo excedente doméstico mantêm preço da soja em alta no Brasil

Preços internos da soja estão em alta, influenciados pela valorização externa e pelo baixo excedente doméstico

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

Os preços internos da soja estão em alta, influenciados pela valorização externa e pelo baixo excedente doméstico. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá (PR) subiu 2,45% entre 8 e 15 de janeiro, a R$ 169,66/sc na sexta-feira (15).

O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná avançou 3,75% no mesmo comparativo, a R$ 166,97/sc de 60 kg na sexta. No campo, o cultivo de soja está praticamente finalizado no Brasil, e a Conab estima produção nacional em 133,69 milhões de toneladas, pouco acima da esperada pelo USDA, de 133 milhões de toneladas. Agora, as atenções de agentes se voltam à colheita, que já foi iniciada em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Minas Gerais.

Entretanto, o ritmo das atividades ainda é lento, tendo em vista o cultivo tardio. A expectativa é de que os trabalhos de campo se intensifiquem entre o final de janeiro e o começo de fevereiro. As áreas de cultivo precoce têm registrado baixa produtividade, diante das chuvas tardias.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Postura

Poder de compra do avicultor cai para o menor patamar da história

Em janeiro, os preços dos principais insumos consumidos na avicultura de postura, milho e farelo de soja, voltaram a se elevar

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Em janeiro, os preços dos principais insumos consumidos na avicultura de postura, milho e farelo de soja, voltaram a se elevar.

Esse cenário, somado aos menores preços pagos pela caixa de ovos comerciais, pressionou o poder de compra do avicultor de postura para o menor patamar já registrado na série histórica do Cepea, iniciada em 2013 para esse produto.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.