Conectado com

Notícias

BASF reúne imprensa para apresentar investimentos e resultados

Publicado em

em

A BASF, uma das maiores fabricantes de defensivos agrícolas do mundo, apresentou, na semana passada, em Campinas (Interior de São Paulo) os principais investimentos, resultados e lançamentos de produtos da empresa nos últimos anos, durante encontro realizado com jornalistas brasileiros.
Na ocasião estiveram presentes o membro da Junta Diretiva da companhia, Harald Schwager; o presidente global da Divisão de Proteção de Cultivos, Markus Heldt; o vice-presidente sênior da Unidade de Proteção de Cultivos para América Latina, Eduardo Leduc; e o vice-presidente da Unidade de Proteção de Cultivos para o Brasil, Francisco Verza. 
O papel da agricultura brasileira no cenário mundial foi o tema central do encontro, pautado pelas iniciativas que a multinacional alemã vem desenvolvendo para contribuir com produtores e parceiros do setor agrícola. A ação reforça as atividades da empresa no ano em que completa 150 anos de existência, sendo mais de 100 deles no Brasil dedicados em grande parte à agricultura. 
Números e cenários 
Embora 2014 tenha sido um ano de desafios na economia mundial, a BASF atingiu globalmente sua meta, aumentando seus ganhos. A companhia fechou 2014 com vendas globais que somaram €74 bilhões em todos os seus negócios, dos quais €4,3 bilhões (ou 6%) somente na América do Sul. A Divisão Agrícola global, isoladamente, aumentou o volume de vendas de €5,2 bilhões para €5,4 bilhões, sendo que a América do Sul alcançou vendas de €3,5 bilhões. 
Porém, o cenário apresentado no ano de 2015 ainda gera incertezas. Os preços do petróleo e das matérias-primas estão voláteis, assim como as moedas; os mercados emergentes estão crescendo mais lentamente e a economia global está sendo freada por conflitos geopolíticos. Ainda assim a companhia espera um crescimento um pouco mais forte do que em 2014 na economia global, na produção industrial e na indústria química, e espera uma alta contribuição de seus segmentos globais de Proteção de Cultivos, de Produtos de Performance e de Soluções Funcionais. 
O vice-presidente da unidade de Proteção de Cultivos da BASF para América Latina, Eduardo Leduc, afirmou que o negócio agrícola da BASF tem a missão de continuar fornecendo aos produtores rurais soluções integradas que favoreçam a sustentabilidade de seus negócios, colaborando para reforçar a posição do Brasil como maior produtor de alimentos. Ele ressalta que os números reforçam os investimentos da companhia na região: “Mesmo em um ano de incertezas, sejam climáticas ou políticas como ocorrido em 2014, tivemos um aumento de 4% nas vendas em agro na América Latina “, avalia Leduc. 
Ainda segundo Eduardo Leduc, as principais culturas responsáveis pelo recente aumento nas vendas foram a soja, cana-de-açúcar, café, milho e laranja: “Um dos principais fatores que colaboraram para estes números refere-se ao fungicida Xemium®, que no Brasil recebeu a marca de OrkestraTMSC. Recomendado para o controle da ferrugem asiática da soja, o produto teve grande aceitação e deve ter vendas duplicadas até o fim deste ano”, ressalta o executivo. Outro produto que contribuiu para este cenário foi o herbicida Heat®, que se consolidou como uma das principais tecnologias para o controle de plantas invasoras no Brasil. 
Os números da agricultura brasileira não param de subir: a safra 2014/15 deve atingir produção de 204 milhões de toneladas, de acordo com dados oficiais da CONAB. Boas condições climáticas, pragas e doenças em menor pressão devem ser as principais contribuições para alcançar este recorde de produção. “Apesar deste cenário é importante estar atento às intempéries do clima, vai-e-vem das commodities, sem deixar de lado os avanços em produtividade, incluindo produção convencional e geneticamente modificada. Nesse sentido, temos oferecido o que há de mais moderno em agricultura para nossos clientes”, afirma Francisco Verza, vice-presidente da unidade de Proteção de Cultivos da BASF no Brasil. 
Confira as informações sobre os principais investimentos em plantas, sustentabilidade e produtos em três blocos abaixo: 
1. Ampliação do Complexo Químico de Guaratinguetá e investimentos na Estação Experimental de Santo Antônio de Posse 
2. Sustentabilidade na agricultura 
3. Produtos 
1. Ampliação do Complexo Químico de Guaratinguetá e investimentos na Estação Experimental de Santo Antônio de Posse 
Com o objetivo de fortalecer a produção local a BASF deve finalizar ainda este ano o processo de ampliação e modernização da divisão agrícola no Complexo Químico Industrial da companhia, localizado em Guaratinguetá, na região do Vale do Paraíba em São Paulo, iniciado em 2013. 
O investimento total de 65 milhões de euros contemplou a construção de novas fábricas, sendo uma de fungicidas e inseticidas, com produção iniciada em outubro de 2014 (especialmente do fungicida Orkestra); uma de herbicidas (especialmente o herbicida Heat®), com início de produção em abril último e processos de melhorias na já existente fábrica do fungicida Boscalid que devem ser concluídos este ano. Além disso, houve a construção de uma fábrica de produtos biológicos focada em hortifruticultura no Chile. 
Com a expansão da planta de Boscalid será possível atender a demanda mundial pelo produto, já que este é o princípio ativo para a fabricação de uma gama variada de fungicidas da companhia que serão utilizados no manejo de culturas como café, cereais, hortifruticultura e canola. “Com a ampliação a produção brasileira da BASF se consolida como um importante fornecedor global de soluções para a agricultura“, afirma Leduc. 
Já a fábrica de fungicidas visa reforçar a liderança da BASF neste mercado. O principal produto produzido é o Orkestra. Este fungicida faz parte da nova geração das carboxamidas que obtêm registro no Brasil desde 2013. Dessa forma, têm auxiliado os agricultores no controle da ferrugem da soja e outras doenças. 
A fábrica de Heat®, herbicida lançado em 2013 no Brasil, foi inaugurada em abril último. O produto é parte da família de herbicidas Kixor® e recomendado para o controle de ervas daninhas de folhas largas, incluindo os que são resistentes a outros herbicidas já disponíveis no mercado. 
No Chile, por sua vez, foi inaugurada em agosto de 2013, a fábrica de produtos biológicos focada em soluções para o manejo de hortifruticultura, especialmente vegetais e frutas. A ideia é fornecer o produto para toda a América do Sul, Europa e Norte da África. “Com a necessidade de se produzir mais e de forma sustentável, a BASF tem buscado atender de forma mais completa as demandas de seus clientes em mercados estratégicos para o seu negócio, especialmente os focados na produção de cereais, oleaginosas como milho e soja, além dos que concentrem a produção em culturas como hortifruticultura e cana-de-açúcar”, afirma Leduc. 
Aquisição 
Em 2012, a BASF já havia anunciado a aquisição da Becker Underwood, pelo valor de US$ 1,02 bilhão (€785 milhões). Com essa compra, a empresa passou a ser a provedora líder mundial em tecnologias para o tratamento biológico de sementes, corantes e polímeros, bem como pode ampliar seu portfólio de produtos nas áreas de proteção biológica de cultivos, nutrição animal e paisagismo. Dessa forma, a empresa consolida seu negócio conhecido como Soluções Funcionais para Agricultura ou Functional Crop Care (FCC). 
O modelo de negócio de FCC conta com três principais áreas de soluções: produtos voltados ao Manejo de Solo, incluindo soluções para manejo de nutrientes e para o manejo hídrico; Soluções para Sementes; que inclui o tratamento de sementes químico convencional, produtos biológicos como os inoculantes, polímeros e colorantes aplicados à semente e Proteção de Cultivos, incluindo produtos biológicos foliares (bioinseticidas e biofungicidas), produtos químicos que vão além da proteção de cultivos e reguladores de crescimento. 
Outro investimento relevante da companhia foi em maquinário focado no tratamento de sementes e desenvolvimento de inoculantes e corantes para sementes e fabricação: os investimentos somam mais de €20 milhões e foram realizados na planta de Pinhais, em Curitiba (PR). 
Estas iniciativas fortalecem a produção local em continuidade aos investimentos da BASF na América Latina nos últimos anos. Além disso, reforçam o compromisso da empresa para acelerar o crescimento dos negócios na região, por meio de inovação das novas tecnologias. “Todos estes investimentos em unidades produtivas devem atender ao aumento da demanda por agroquímicos na América Latina para os próximos anos”, comenta Leduc. 
Sustentabilidade na agricultura 
Outro serviço relevante que vai além de proteção de cultivos da BASF é AgBalanceTM, ferramenta exclusiva e totalmente desenvolvida pela empresa, aplicada pela sua Fundação, a Fundação Espaço ECO (FEE). A ferramenta mensura e avalia a sustentabilidade na agricultura. 
Lançada em 2012, já realizou estudos para diversas instituições como a SLC Agrícola, produtora de commodities, focada na produção de algodão, soja e milho e a Guarani, uma das empresas líderes do setor sucroenergético brasileiro em transformação da cana-de-açúcar. 
Recentemente a empresa também anunciou os resultados de AgBalanceTM junto à Cooperativa de Café de Guaxupé (Cooxupé) que contemplou diferentes regiões de atuação da cooperativa e três arranjos produtivos: não mecanizado, mecanizado e mecanizado irrigado. 
Novo estudo – AgBalanceTM na Fazenda Santa Brígida 
A BASF e a FEE acabam de finalizar mais um estudo de AgBalanceTM: trata-se da Fazenda Santa Brígida (FSB), Unidade de Referência Tecnológica (URT) da Embrapa, localizada em Ipameri (GO). 
O estudo é fruto de uma parceria com a estudante de mestrado da UNESP Sorocaba, a engenheira ambiental Marcela Porto Costa, e teve como base os dados dos sistemas integrados (iLPF e iLP) da Fazenda. A aplicação do método AgBalanceTM para comparar modelos de produção agrícola desenvolvidos na FSB (integrados -iLP e iLPF) e nas regiões vizinhas (convencionais) buscou, por meio de comparações, identificar o modelo de produção mais sustentável para se obter produtos como carne, soja, milho, sorgo e eucalipto. A pesquisa teve iniciou em janeiro de 2014 e deve encerrar em junho 2015, utilizando dados de 2007 a 2014. 
Foram comparados os dados da própria FSB, uma vez que a fazenda é unidade de referência tecnológica da Embrapa e possui o iLPF implantado há mais tempo, com dados modelos de produção de fazendas vizinhas (não especificadas devido à proteção de informação) que cultivam produtos em sistemas convencionais. 
O estudo concluiu que quanto maior a integração iLPF – seguida de iLP, mais socioecoeficiente é o modelo de produção. Vale lembrar que as bases do estudo consideram sempre a demanda alimentar média e energética (de biomassa de eucalipto) de 500 pessoas no Brasil. Ele apontou ainda algumas vantagens nas recuperações de solos degradados, aumentando a matéria orgânica nos solos, conseguindo manter esse padrão de qualidade de solo a longo prazo. 
Hoje a fazenda de quase mil hectares encontra-se totalmente adotada com os sistemas de integração. Esse estudo auxiliará principalmente na divulgação do modelo da fazenda, a fim de contribuir para a disseminação do sistema na região e no país. 
Produtos 
A última safra no Brasil foi marcada pelo aumento de algumas pragas como a helicoverpa e a falsa medideira e contou com o crescimento de soluções para esse tipo de controle fitossanitário. Porém, o crescimento mais significativo está relacionado aos fungicidas, que na ferrugem asiática, por exemplo, continua figurando como o maior problema para os sojicultores e pode dizimar até 80% das lavouras. 
Neste cenário, o fungicida OrkestraTMSC teve seu melhor desempenho. Lançado no segundo semestre de 2013, o produto tem recomendação ao controle das principais doenças que assolam a cultura da soja, especialmente a ferrugem asiática. O fungicida tem sido apresentado aos sojicultores dentro do chamado “Sistema AgCelence Soja – SAS”, modelo de manejo fitossanitário exclusivo, integrado e sequencial de produtos da companhia que, além do controle de pragas e doenças, promove incremento de produtividade da ordem de 10% ou três sacas a mais por hectare. “De acordo com o Sindiveg, a safra de grãos em 2014 registrou novo recorde de 195,47 bilhões de toneladas, um ganho de 6,81 milhões se comparado a 2013. Ou seja, esse aumento só foi possível graças ao uso de tecnologias como do SAS“, complementa Francisco Verza. 
Com a introdução de Orkestra no SAS o modelo tornou-se ainda mais eficiente, já que o fungicida possui efeito “blindagem”, ou seja, protege a planta de soja por mais tempo de importantes doenças e é responsável por acelerar ainda mais a produtividade da cultura pela ação conjunta de dois princípios ativos diferenciados: o fluxapiroxade, uma carboxamida, e a molécula F500, com efeitos comprovados de eficiência fisiológica nas funções orgânicas da planta, com destaque para o aumento da produtividade. 
Nas últimas safras brasileiras mais de 150 milhões de hectares já foram tratados com produtos que apresentam os efeitos AgCelence®, isto é, com os benefícios da molécula F500. 
Os outros dois produtos presentes nesse modelo de manejo oferecido por meio do Sistema AgCelence Soja são Standak® Top e Opera®. O primeiro, de dupla ação (fungicida e inseticida), protege as sementes e as deixa com características determinantes para que o desenvolvimento inicial tenha consequências diretas na qualidade final das plântulas, auxiliando para garantir mais vigor e enraizamento. O segundo é essencial no combate de importantes doenças da cultura. 
Outras recentes soluções para o manejo de soja da BASF é a campanha Comando Antipragas, que prevê técnicas de manejo integrado de pragas cujo funcionamento também se dá com base em três inseticidas: o Fastac® Duo, que controla importantes percevejos que deformam plantas e promovem a má formação dos grãos; Pirate® que possui ação translaminar, ou seja, quando aplicado numa face da folha, exerce sua toxidez contra insetos alojados inclusive na outra face, combatendo de forma eficiente a Helicoverpa; e Nomolt® 150, que também age contra lagartas, sendo eficiente no controle de importantes pragas mastigadoras. 
Outro produto que alterou a forma como se tratava as ervas resistentes no País foi o herbicida Heat®. Durante mais de 10 anos o setor não lançava um produto novo para o controle das daninhas, especialmente a Buva. O produto é posicionado para uso na dessecação, que é um dos principais momentos no qual o agricultor deve eliminar as ervas daninhas para proporcionar a emergência “no limpo” das principais culturas como soja, arroz, milho, trigo e algodão, além do manejo de plantas daninhas em pós-emergência nas culturas do arroz, cana-de-açúcar e algodão em jato dirigido, e da dessecação pré-colheita para as culturas da batata e algodão. 
Cultivance – a nova arma do sojicultor para o manejo de resistência 
A BASF e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) obtiveram recentemente a aprovação de exportação por parte da União Europeia para exportar a soja Cultivance®, tecnologia do Sistema de Produção Cultivance®. Esta autorização era fundamental para que as empresas começassem a fase de comercialização das sementes no Brasil, uma vez que o bloco europeu é um importante comprador da soja nacional. 
O Sistema de Produção Cultivance® é resultado de uma parceria entre a BASF e a Embrapa, que combina cultivares de soja geneticamente modificada, de grande potencial genético, ao uso de herbicidas de amplo espectro para controle de plantas daninhas de folhas largas e gramíneas, configurando um novo sistema de produção. 
O Sistema de Produção Cultivance® foi desenvolvido com o objetivo de atender a todas as regiões do País. As duas empresas preparam o lançamento comercial da tecnologia para o segundo semestre de 2015. Em um primeiro momento, ele estará disponível para parte das regiões produtoras de soja do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Bahia, Minas Gerais e Paraná. 
“A tecnologia oferecerá aos agricultores uma nova opção para o manejo de plantas daninhas, já que Cultivance® será uma opção aos produtores brasileiros, principalmente para aqueles que enfrentam problemas com as plantas de difícil controle. É uma forma do agricultor ter uma nova opção para rotacionar herbicidas com diferentes mecanismos de ação, evitando assim a seleção de plantas resistentes, o que a torna uma importante alternativa às já existentes”, afirma Francisco Verza. 
A soja Cultivance® passou por diversos estudos agronômicos, ambientais e de equivalência nutricional que atestaram sua segurança para o cultivo, consumo humano e para consumo animal. 
A expectativa é que ainda este ano os primeiros produtores tenham acesso à tecnologia. A distribuição levará em conta as características técnicas das cultivares que estarão disponíveis no mercado a partir da safra de verão 2015/2016. 
AgMusa – uma revolução no mercado sucroenergético 
Lançado pela empresa em 2013, o AgMusaTM (Agricultura de Mudas Sadias) chegou ao mercado como um sistema inovador de produção e plantio de mudas sadias de cana-de-açúcar com uso de variedades nobres, garantindo sanidade, por meio de técnicas simplificadas de plantio que resultam no aumento de produtividade dos viveiros e canaviais. 
Nestes dois anos, a BASF consolidou a tecnologia AgMusa junto ao mercado e incrementou fortemente o serviço graças à boa aceitação. Prova disso são as sete patentes já estabelecidas dentro do oferecimento da tecnologia. Hoje já são mais de 50 clientes do serviço, entre usinas e outros fornecedores, que é oferecido desde a matéria-prima ou material varietal com sanidade, passando pela extração de gemas, tratamento das mudas até o plantio e o acompanhamento do canavial, de acordo com o modelo escolhido pela cliente. 
Entre as principais vantagens da adoção do serviço estão uma maior velocidade de introdução de uma nova variedade, produtividade maior (entre 20 e 30%), melhor qualidade sanitária do material a ser multiplicado e um menor investimento em áreas de viveiro de cana. 
Dentre os ganhos tecnológicos ocorridos no período valem ressaltar: a recomendação do sistema em meiosi e a utilização de biofábrica (móvel). O plantio em Meiosi ou “método inter-rotacional”, consorciado às culturas de soja ou amendoim prevê a integração de duas culturas com o objetivo de proporcionar a rotação de área e benefícios agronômicos. A formação de um canavial a partir de mudas AgMusa elimina a possibilidade de levar pragas como Sphenophorus levis para a área em formação, além de garantir a sanidade em relação às doenças como raquitismo e escaldadura. Além disso, a rotação de culturas reduz a pressão de pragas e incrementa a rentabilidade do agricultor, já que o custo por hectare formado é reduzido à medida que o sistema proporciona um aumento de produtividade entre 20% e 40% do viveiro. O produtor pode ainda obter ganhos adicionais com o cultivo intercalar e benefícios técnicos relacionados ao uso do solo. Outra vantagem é a sinergia com os químicos utilizados para o plantio da cultura de ciclo rápido. 
Já a utilização da biofábrica móvel no modelo de negócio tem por objetivo realizar a originação de material genético de cana, utilizando-se de gemas da planta de variedades definidas previamente e na própria usina. A ferramenta possui tecnologia de extração de gemas da cana, alto rendimento e figura com uma das principais patentes geradas. Para que se tenha uma ideia, uma única unidade móvel de biofábrica é capaz de gerar 40 mil gemas/dias (pequenos pedaços do broto). 
A BASF segue investindo fortemente na tecnologia AgMusa nas áreas técnicas e desenvolvimento de equipamentos que aumentam o rendimento na produção e plantio. Com isto, tem conseguido incrementar em escala e fortalecer as áreas e o acesso a novos clientes. O grande desafio para tornar a tecnologia ainda mais acessível é obter um maior banco de variedades para atender o mercado e a adequação da estrutura da fazenda para implementar no campo um novo método de plantio de cana. 
“O desafio agora é tornar a tecnologia ainda mais acessível por meio de um maior banco de variedades, visando nos adequarmos melhor à estrutura de cada cliente“, conclui Verza.
Sobre a BASF 
Na BASF nós transformamos a química – e estamos fazendo isso há 150 anos. Nosso portifólio de produtos oferece desde químicos, plásticos, produtos de performance e para proteção de cultivos, até petróleo e gás. Como empresa química líder mundial, nós combinamos o sucesso econômico, responsabilidade social e proteção ambiental. Por meio da ciência e da inovação, nós possibilitamos aos nossos clientes de todas as indústrias atender às atuais e futuras necessidades da sociedade. Nossos produtos e soluções contribuem para a preservação dos recursos, assegurando nutrição saudável e melhoria da qualidade de vida. Nós resumimos essa contribuição em nossa proposição corporativa: “We create chemistry for a sustainable future” – Nós transformamos a química para um futuro sustentável. A BASF contabilizou vendas de mais de €74 bilhões em 2014 e contava com mais de 113 mil colaboradores no final do ano. As ações da BASF são negociadas nas bolsas de valores de Frankfurt (BAS), Londres (BFA) e Zurique (AN). Mais informações sobre a BASF estão disponíveis no endereço www.basf.com.br ou nos perfis corporativos da empresa no Facebook (BASF Brasil) e no Twitter (@BASF_brasil). 
Sobre a Divisão de Proteção de Cultivos da BASF 
Com vendas de mais de €5.4 bilhões em 2014, a Divisão de Proteção de Cultivos da BASF oferece soluções inovadoras em proteção de cultivos, tratamento de sementes e controle biológico, bem como inovações no gerenciamento de nutrientes e saúde da planta. Seu portfólio inclui também produtos para gramado e plantas ornamentais, controle de pragas e saúde pública. A Divisão de Proteção de Cultivos da BASF é uma líder inovadora e aliada dos agricultores na proteção e melhoria de produtividade das culturas, o que lhes permite produzir alimento de alta qualidade de forma mais eficiente. Ao oferecer novas tecnologias e conhecimento, a Divisão de Proteção de Cultivos da BASF apoia os produtores a construírem uma vida melhor para si mesmos, suas famílias e comunidades. Mais informações podem ser obtidas no site www.agro.basf.com ou por meio de nossos canais das mídias sociais. 

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 2 =

Notícias

SIAVS encerra edição 2022 com recorde de público

Maior evento dos setores do país reuniu cadeia produtiva em programação focada na sustentabilidade e na segurança alimentar global

Publicado em

em

Fotos: O Presente Rural

Terminou com recordes a edição 2022 do Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura (SIAVS), o maior evento dos setores no Brasil, realizado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) entre 9 e 11 de agosto, no Anhembi Parque, em São Paulo (SP).

Principal marco político das cadeias produtivas, SIAVS contou, em  sua solenidade de abertura, com a presença do presidente Jair Bolsonaro na, juntamente com a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão e sete ministros – os ministros da Agricultura, Marcos Montes, do Meio Ambiente, Joaquim Leite,  da Educação, Victor Godoy, da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Cristiane Rodrigues Britto além do Ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira e do Advogado-geral da União, Bruno Bianco, além de outras autoridades e lideranças do agronegócio brasileiro.

Após a abertura, uma ampla programação de palestras e debates foi iniciada, com o tema “Produção Sustentável: Caminhos para a Segurança Alimentar Global”. Ao todo, 2.300 congressistas e 80 palestrantes participaram dos temários técnicos e conjunturais. Entre os destaques esteve o painel dos CEOS, com líderes de agroindústrias do setor, em debate sobre os rumos da cadeia produtiva. Outros painéis sobre projeções de futuro para a proteína animal, competitividade, gestão de crise, logística, questões técnicas sobre antimicrobianos, salmonelose e outros estiveram na pauta de debates.

Com área 30% maior, o SIAVS contou com cerca de 200 expositores de equipamentos, insumos biológicos e farmacêuticos, rações e outros fornecedores de diversas áreas da cadeia produtiva que expuseram em mais de 20 mil metros quadrado, suas tecnologias e produtos voltados para a produção de proteína animal.

Com o SIAVS Multiproteínas, mais de 40 agroindústrias produtoras de aves, suínos,  bovinos, lácteos, bubalinos e peixes de cultivos realizaram negócios com importadores e representantes do varejo nacional que estiveram presentes.

As grandes empresas de equipamentos para o setor, casas genéticas, laboratórios, rações e prestadoras de serviços participaram da feira, juntamente com decisores de compras dos frigoríficos, produtores integrados e independentes das agroindústrias, importadores de mercados alvo para as proteínas do Brasil, supermercadistas de atacado e varejo, entre outros.

O SIAVS 2022 também contou com a participação do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. Com linhas de crédito especiais para o público do agro, as instituições financeiras levaram unidades itinerantes, que estavam estacionadas em meio à feira.

Ao todo, 21 mil visitantes de 53 países estiveram presentes no evento – maior número já registrado até aqui. Pelo Projeto Produtor foram 1,9 mil avicultores e suinocultores integrados dos diversos pólos de produção.

Focado em inovação e promoção de novas oportunidades, o SIAVS trouxe nesta edição atrações exclusivas, como o Siavs Talks, uma iniciativa inédita no evento que reuniu incubadoras de empresas, instituições de pesquisa e acadêmicos, além de empresários do setor em um espaço exclusivo com apresentações inspiradas no formato TED, em meio à exposição comercial.

Também contou com o Siavs Experience, uma imersão na cadeia produtiva com uma área de mais de 70 metros quadrados destinados exclusivamente para a experiência com telas gigantes de LED em um labirinto com jogos de espelhos, além de uma sala com projeção mapeada que promove uma ilusão de ótica em 3 dimensões. A experiência é completa pela sonorização e pelo cheiro de mata, que é liberado estrategicamente por odorizadores espalhados pelo espaço.

Presidente da ABPA, Ricardo Santin em entrevista ao jornal O Presente Rural

Ao final, o presidente da ABPA, Ricardo Santin, comemorou a retomada do evento: “Um grande sucesso! A retomada do SIAVS foi a consagração de um setor que não deixou faltar comida na mesa dos brasileiros após um dos períodos mais difíceis da história da humanidade. E fomos além, debatemos como atender a uma demanda global crescente, garantindo uma produção sustentável e preservando recursos naturais. Quebramos recordes de participação no evento e também na produção e exportação de carnes de aves, suínos e ovos, mas, sobretudo, reforçamos a importância do Brasil para apoiar a segurança alimentar do planeta,” finalizou.

A próxima edição do SIAVS já tem data marcada:  acontecerá entre os dias 06 e 08 de agosto, no Distrito Anhembi, em São Paulo (SP). Acompanhe as novidades sobre o evento pelo site www.siavs.com.br.

 

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Suinocultura

Imunonutrição é tema de palestra de Breno Castello Beirão no 14º SBSS

Médico veterinário fará explanação no terceiro dia do Simpósio Brasil Sul de Suinocultura. O evento é promovido pelo Nucleovet nos dias 16, 17 e 18 deste mês, em Chapecó (SC)

Publicado em

em

Breno Castello Beirão / Divulgação

A nutrição é um fator chave na interação com o sistema imune dos animais de produção. Sendo assim, se torna um componente importante quando pensamos em saúde animal e produtividade. Os cuidados na alimentação de suínos, associados a um protocolo de vacinação, uso de antimicrobianos quando necessário, aditivos, biosseguridade, entre outros, são fundamentais para garantir um equilíbrio imunitário.

Esse tema será abordado no 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS), em palestra do médico veterinário Breno Castello Beirão. O especialista abordará o tema “Imunonutrição: como manejar a imunidade através da nutrição”, no último dia do evento, 18 de agosto, às 8h45, no Painel Nutrição e Reprodução.

Breno Castello Beirão é médico veterinário e mestre em Microbiologia, Parasitologia e Patologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), doutor em Imunologia pela Universidade de Edimburgo (tese sobre macrófagos intratumorais caninos e tratamento com anticorpo monoclonal). É sócio da Imunova Análises Biológicas, professor do departamento de Patologia Básica da UFPR e atua nos programas de pós-graduação de Microbiologia, Parasitologia e Patologia e em Sanidade Animal do Instituto Federal Catarinense (IFC).

O presidente da Comissão Científica, Paulo Bennemann, enfatiza a importância dos estudos referentes à nutrição e saúde animal. “Uma dieta diferenciada pode contribuir com o fortalecimento do sistema imunológico. A palestra de Bruno Castello Beirão trará informações e atualizações sobre o assunto”, comenta, ao acrescentar que cinco painéis nortearão a programação científica nos três dias do SBSS: gestão de pessoas, sanidade, biosseguridade, gestão da informação, nutrição e reprodução.

Sobre o SBSS

O 14º SBSS ocorrerá entre os dias 16 e 18 deste mês. Paralelamente acontecerá a 13ª Brasil Sul Pig Fair. O evento é promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) e será realizado presencialmente no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), com transmissão on-line ao vivo. A programação científica iniciará na terça-feira (16), às 14 horas, e a palestra de abertura ocorrerá no mesmo dia, às 18h40. Na quarta-feira (17), as palestras iniciam às 8 horas e encerram no fim da tarde, seguidas de happy hour. Na quinta-feira (18), a programação será das 8h às 12 horas.

Inscrições 

As inscrições para o 14º SBSS estão no terceiro lote. O investimento é de R$ 600,00 (para o evento presencial) e R$ 500,00 (virtual) para profissionais e R$ 460,00 (presencial) e R$ 400,00 (virtual) para estudantes.

Na compra de pacotes a partir de dez inscrições serão concedidos códigos-convites. Nessa modalidade há possibilidade de parcelamento em até três vezes. O acesso para a 13ª Brasil Sul Pig Fair é gratuito, tanto presencial quanto virtual, assim como para o pré-evento.

As inscrições podem ser feitas no site: www.nucleovet.com.br.

Apoio

O 14º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV/SC), da Embrapa Suínos e Aves, da Prefeitura de Chapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias 14° SBSS

Augusto Heck palestrará sobre prolapsos uterinos

Médico veterinário abordará fatores de risco e abordagens de controle da anomalia. SBSS ocorrerá no período de 16 a 18 deste mês, em Chapecó (SC)

Publicado em

em

Augusto Heck / Divulgação

As anomalias, sejam sanitárias ou não, que podem atingir uma granja de suínos são sempre motivo de alerta para os produtores. Por mais cuidados que existam, elas podem aparecer. Uma delas é o prolapso uterino em matrizes, que gera preocupações com o bem-estar animal e com o impacto econômico. Na maioria dos casos, o prolapso uterino é de difícil reversão e é incompatível com a permanência da matriz na granja.

O tema será abordado na palestra “Prolapsos uterinos: fatores predisponentes e abordagem para o controle”, com o médico veterinário Augusto Heck, durante a programação científica do 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS). Heck palestrará no dia 18 deste mês, às 10h50, no Painel Nutrição e Reprodução.

Heck é médico veterinário pela FAVET/UFRGS, mestre em Ciências Veterinárias pelo CPG da FAVET/UFRGS, tem especialização em Administração Rural pela UFLA e MBA em Gestão Empresarial e Desenvolvimento Humano de Gestores pela FGV. Possui 22 anos de experiência em agroindústria como supervisor, sanitarista de unidade e sanitarista corporativo. Por três anos, foi gerente técnico comercial de suínos para LATAM da Biomin e desde janeiro atua como gerente de marketing de suínos para a LATAM da DSM.

Sobre o SBSS

O 14º SBSS ocorrerá entre os dias 16 e 18 deste mês. Paralelamente acontecerá a 13ª Brasil Sul Pig Fair. O evento é promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) e será realizado presencialmente no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), com transmissão on-line ao vivo. A programação científica iniciará na terça-feira (16), às 14 horas, e a palestra de abertura ocorrerá no mesmo dia, às 18h40. Na quarta-feira (17), as palestras iniciam às 8 horas e encerram no fim da tarde, seguidas de happy hour. Na quinta-feira (18), a programação será das 8h às 12 horas.

Cinco painéis nortearão a programação científica nos três dias do SBSS: gestão de pessoas, sanidade, biosseguridade, gestão da informação, nutrição e reprodução. “O grande diferencial do evento é a abordagem de temas relevantes para o momento atual e de aplicabilidade prática. Os palestrantes são reconhecidos no setor, com ampla experiência e inseridos no meio científico. O Augusto Heck trará atualizações sobre prolapsos uterinos e os cuidados que podem ser adotados para controle da doença dentro de um sistema intensivo de produção”, realça o presidente da Comissão Científica do SBSS, Paulo Bennemann.

Inscrições 

As inscrições para o 14º SBSS estão no terceiro lote. O investimento é de R$ 600,00 (para o evento presencial) e R$ 500,00 (virtual) para profissionais e R$ 460,00 (presencial) e R$ 400,00 (virtual) para estudantes.

Na compra de pacotes a partir de dez inscrições serão concedidos códigos-convites. Nessa modalidade há possibilidade de parcelamento em até três vezes. O acesso para a 13ª Brasil Sul Pig Fair é gratuito, tanto presencial quanto virtual, assim como para o pré-evento.

As inscrições podem ser feitas no site: www.nucleovet.com.br.

Apoio 

O 14º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV/SC), da Embrapa Suínos e Aves, da Prefeitura de Chapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
ADISSEO 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.