Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Espírito Santo

Aumento no preço dos insumos gera incertezas nos setores avícola e suinícola

Isso vem fazendo com que o produtor tenha um custo de produção muito elevado

Publicado em

em

Divulgação

O aumento no preço de insumos como milho e o farelo de soja tem gerando muitas incertezas para os produtores dos setores avícola e suinícola capixabas, que já estão calculando os prejuízos e revendo seus planejamentos para não sofrerem com o desabastecimento e até pararem com suas atividades.

Para se ter uma ideia, o preço do milho já está com um percentual 70% mais caro no comparativo com esse mesmo período do ano passado. Além disso, o farelo de soja já ultrapassou os 100% também em relação a 2019. Isso vem fazendo com que o produtor tenha um custo de produção muito elevado.

A soja também vem mostrando números de que pode haver escassez, muito por conta dos altos índices de exportações praticados neste ano, o que já vem resultando na necessidade de importação do insumo em alguns estados, especialmente da Região Sul do país. Nessa conta, o produtor também vem sofrendo para comprar o insumo.

Ao mesmo tempo, os produtos que são comercializados não estão acompanhando essa mesma elevação que se apresenta no preço dos insumos. No caso do ovo, por exemplo, que está sendo o maior sacrificado nessa situação, o produtor vem colhendo prejuízos.

O diretor executivo da AVES e ASES, ressalta as principais preocupações de ambos os setores com a atual situação. “O que preocupa muito é a questão do risco de desabastecimento que os setores vêm sofrendo, em decorrência das pressões que vêm dos mercados e também das especulações. Os produtores que não tiveram condições de fazer precauções de seus estoques estão encontrando dificuldades para comprar milho, que, por outro lado, não vem sendo comercializado, já que também existe a expectativa de se alcançar melhores pagamentos por parte de quem possui esse insumo em mãos e o fator especulativo que vem contribuindo para esses altos preços”, explicou Nélio.

Entidades fazem alertas

Mesmo com o Governo Federal, através de ministra da agricultura, Tereza Cristina, tendo sinalizado de que não haverá problemas com o abastecimento de milho, isso não vem sendo sentido no dia a dia de quem precisa desses insumos.

Desde o início do segundo semestre, a AVES e a ASES vêm trabalhando para alertar as autoridades e esteve com a ministra da agricultura, junto com representantes de vários estados através de reunião promovida com a ABPA, onde foram propostas medidas para viabilizar importação também para estados que estão distantes dos insumos. A situação também foi reforçada através da bancada capixaba em Brasília que diante da gravidade do assunto foi mobilizada pelas duas entidades estaduais e aplicou esforços junto ao Ministério da Agricultura.

Segundo Nélio, hoje o Espírito Santo é o estado que tem o custo mais alto em relação aos insumos no país, e, até o momento, não ocorreu nenhuma posição concreta para ao menos amenizar essa situação.

“Há uma grande preocupação com os reflexos de tudo isso, na qual os produtores do setor de postura comercial já estão antecipando descartes antes do período habitual e já existe uma programação de redução do número de alojamento de pintainhas entre 10 e 15%, conforme levantado junto ao setor local. Somente desta forma será possível fazer com o preço final acabe alcançando a margem dos insumos”, detalhou o diretor executivo da AVES e ASES.

Presidente da AVES e também avicultor, Ademar Kerckhoff ressaltou os principais problemas enfrentados pelo setor avícola capixaba. “Estamos vivendo um momento inesperado com a pandemia, que trouxe uma nova realidade, onde os preços das commodities foram valorizados pela alta do dólar e o nosso setor sofreu muito pela elevação dos insumos como o milho e a soja. Além disso, estamos tendo dificuldades para comprar embalagens de caixas de papelão e de outros materiais. Isso tudo, inevitavelmente, vai refletir para o consumidor na hora das compras”, destacou Ademar.

Já o presidente da ASES, Jayme Meroto, frisou que existe uma preocupação para o final do ano. “Existe uma preocupação com esses custos altos e com o risco de não termos insumos nesse final de 2020, porque, ao contrário do que estão falando as autoridades, os setores produtivos de carne e ovos não estão conseguindo encontrar milho e soja de forma suficiente para atravessar esse período, principalmente o pequeno produtor que não tem capacidade de estoque. No caso setor suíno, que está remunerando, também existe a preocupação que esses custos continuem em alta, o que pode significar uma retração no consumo”, alertou Jayme.

Produtores já temem parar suas atividades

Embora se tenha a perspectiva de um estoque de passagem de 2020 para 2021 com um total de mais de nove milhões de toneladas, os setores de avicultura e suinocultura vêm encontrando desafios para garantir o abastecimento.

Na área de frango de corte, as integradoras já estão replanejando os alojamentos, ou seja, alojando menos, o que pode gerar dificuldades. Além disso, os avicultores independentes também já estão reduzindo seus plantéis.

Representante do Grupo Venturini, Fellipe Venturini, destacou que o consumidor final é quem acabará arcando com essas elevações de preços. “Os reflexos desse aumento no dia a dia da produção são os preços dos produtos mais caros, o prazo de pagamento diminuiu consideravelmente para não ficarmos ‘nas mãos’ de quem detêm os insumos. A situação é muito complicada e precisamos, como alternativa, repassar esses valores para o consumidor final, que, infelizmente, terá que pagar essa conta”, disse Fellipe.

Pelo lado das integradoras, o diretor-superintendente da Proteinorte Alimentos, Elder Marim, enfatiza que a empresa realizou o replanejamento de seus alojamentos desde o início da pandemia. “O replanejamento dos alojamentos iniciou-se por causa da pandemia e, em seguida, pelo aumento dos preços dos produtos agrícolas e também pela dificuldade de suprimento de matérias-primas para o abatedouro, por exemplo, embalagens, materiais de manutenção, dentre outros. A indústria acabou absorvendo todos esses custos e não repassou para os integrados, onde, para estes, o que aumentou foi o espaço de vazio sanitário entre um alojamento e outro”, explicou Elder.

Ele também frisou que o aumento dos insumos foi repentino e relatou incertezas para o primeiro semestre de 2021. “Os custos que mais subiram foram do milho, soja e óleo degomado, porém, o aumento desses insumos foi grande e repentino, o que inviabilizou o repasse para o consumidor. Por essa razão nós não estamos conseguindo vender pelo preço de custo de reposição. Como trabalhamos com estoque de segurança, estamos conseguindo operar sem gerar demissões. A nossa maior preocupação ainda é com o primeiro semestre de 2021, devido a provável falta de poder aquisitivo e incertezas com relação à safra para o próximo ano”, contou o diretor-superintendente da Proteinorte.

Já a avicultora familiar do setor de postura comercial e proprietária da Granja Dom Bosco, Joseméri Gagno Caliman, enfatizou a dificuldade que tem encontrado para comprar milho, que atualmente ela tem adquirido no Tocantins. “Tivemos dificuldades para comprar alguns tipos de insumos e até embalagens. Hoje, estamos comprando milho do Tocantins, muito por causa das dificuldades para encontrar esse insumo”, disse Joseméri.

Ela também agradeceu a união dos avicultores neste momento. “Aqui, em Venda Nova do Imigrante, contamos com a união que temos com outros produtores de ovos que realizam empréstimos de produtos para manter suas produções, mas já passamos por muitas preocupações nos últimos dias, se teríamos milho e soja para alimentar nossas aves, já tivemos momentos em que pensamos que os animais passariam fome em decorrência do atraso do produto que adquirimos. Infelizmente não temos silos na granja, acabamos armazenando os insumos em pequenas quantidades e estamos tendo que mudar nosso planejamento desde a alimentação das aves até nos horários de nossos colaboradores”, descreve a proprietária da Granja Dom Bosco.

Em meio a essa situação, os produtores que não estão conseguindo os insumos estão parando suas atividades e retirando seus lotes. Isso tudo tem resultado na queda da renda para o produtor, além do desemprego.

Nélio destaca que todo esse prejuízo pode chegar ao consumidor final. “No final das contas, os maiores prejudicados serão os produtores de pequeno porte, o trabalhador que pode sofrer com o desemprego e o também o consumidor final que terá que arcar com preços mais altos na hora de ir às compras”, finalizou o diretor executivo da AVES e ASES.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 1 =

Notícias Calendário

Santa Catarina terá 117 feiras e eventos agropecuários no ano

Regiões serrana, extremo e meio oeste programam maior número de exposições no Estado. Abril, maio e setembro têm programação mais extensa

Publicado em

em

Divulgação

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), em parceria com os 92 Sindicatos Rurais associados no Estado, elaborou o calendário de feiras e eventos agropecuários para 2021. Ao todo, serão 117 exposições entre janeiro a dezembro em todas as regiões catarinenses.

De acordo com o vice-presidente de Finanças da FAESC e coordenador dos programas de bovinocultura e ovinocultura de corte, Antônio Marcos Pagani de Souza, com o controle da pandemia e a vacinação prevista no Estado, a maioria dos eventos voltará a ser presencial. Porém, segundo o dirigente, muitos municípios também manterão o modelo virtual dos leilões e feiras adotado em 2020 durante a crise sanitária.

“Os leilões on-line surgiram para evitar aglomerações na pandemia, porém foi um modelo aprovado pelos produtores e compradores, devido à maior facilidade na organização e o maior alcance na comercialização. A maioria dos compradores prefere leilões presenciais para conferir de perto os animais ofertados, mas, com certeza, o formato virtual é uma inovação que veio para ficar no Estado”, ressalta Pagani.

O maior município da serra catarinense, Lages, tem mais de 20 feiras e eventos programados para o ano. De acordo com o presidente do Sindicato Rural, Márcio Pamplona, os leilões do primeiro semestre serão virtuais. “Decidimos pelo formato on-line para maior prevenção e para anteciparmos a organização dos eventos que acontecem antes da vacina e do controle total da pandemia. A nossa expectativa para o ano é a melhor possível”, ressalta.

Água Doce, no meio oeste catarinense, programa mais de 10 eventos no ano. O presidente do Sindicato Rural, Nilton Bedin, afirma que os leilões e feiras serão mistos, mesclando os dois formatos durante o ano todo, conforme autoriza Portaria nº 999 do Governo do Estado. “Esperamos mais público durante o ano, pois a procura por animais é muito grande”, projeta.

O presidente da FAESC, José Zeferino Pedrozo, demonstra otimismo para 2021, com o fim da pandemia e crescimento do setor em todo o País. “O Agro não parou em 2020 e registrou o segundo maior aumento no número de empregos no Brasil, atrás apenas da construção civil. Para 2021, prevemos alta de 3% do PIB do agronegócio (R$ 1,8 trilhões) e de 4,2% no Valor Bruto da Produção (R$ 941 bilhões), além da maior demanda do mercado externo. Santa Catarina lidera esse crescimento e as feiras e eventos são fundamentais para movimentar o setor”, sublinha Pedrozo.

Confira a Programação

Nome do Evento Local Janeiro
Feira de Gado Geral Água Doce 23
Nome do Evento Local Fevereiro
Remate do Gado Geral São Miguel do Oeste 13
Potros & Potrancas – Cabanha Maior Lages 20
Leilão Fazenda Santa Rita e São Joaquim Caçador 21
Nome do Evento Local Março
Campo Demonstrativo – 6º Clube da Bezerra Videira 3 a 5
Feira do Gado Geral Painel 6
Leilão de Terneiro e Terneira Campos Novos 6
Remate do Gado Geral São Miguel do Oeste 20
Feira do Gado Geral Lages 20
Leilão do Gado Geral Concórdia 27
Leilão do Gado Geral São Lourenço do Oeste 28
Nome do Evento Local Abril
Feira de Gado de Leite de Seara Seara 1
Feira do Gado Geral e Feira do Terneiro Capão Alto 6
Feira do Terneiro Caçador 4
Leilão do Gado Geral Campo Erê 10
Feira de Bovinos Mafra 10
Feira do Terneiro e da Terneira Urupema 10
Leilão do Gado Geral Capinzal 10
Leilão do Terneiro e da Terneira Capinzal 10
Feira do Terneiro e Gado Geral Matos Costa 11
Feira do Terneiro e da Terneira Bom Retiro 11
Feira do Terneiro e da Terneira Fraiburgo 17
Feira do Terneiro e da Terneira Água Doce 18
Feira do Terneiro e da Terneira Anita Garibaldi 18
Feira do Terneiro e da Terneira São Joaquim 21
Feira do Terneiro e da Terneira Campo Belo do Sul 24
Feira do Terneiro, Terneira, Novilha, Reprodutores Bovinos e Arremate de Gado Geral Santa Cecília 24
Remate de Gado Geral São Miguel do Oeste 24
Bovicorte – Feira do Gado de Corte Programa ATeG Chapecó 24
Amostra Regional Gado de Corte e Gado de Leite Major Vieira 24
Feira do Terneiro e da Terneira Urubici 24
EXPOTÍLIAS Treze Tílias 25
Feira da Terneira Bom Jardim da Serra 25
Feira do Terneiro e da Terneira Joaçaba 25
Feira do Terneiro e da Terneira São José do Cerrito 25
Nome do Evento Local Maio
Feira do Terneiro Bom Jardim da Serra 1
Feira do Terneiro e da Terneira – Etapa I Lages 3
Exposição Morfológica de Cavalos Crioulos Lages 5 a 9
Exposição e Feira de Ovinos Mafra 8
Feira de Bovinos Mafra 8
Leilão  Doma e Laço – Crioulos da Serra Lages 8
Feira do Terneiro e da Terneira – Etapa II Lages 8
Feira do Terneiro e Feira de Gado Geral Ponte Serrada 8
Feira da Terneira Curitibanos 9
  Feira do Terneiro Curitibanos 9
Feira do Gado Geral e Reprodutores e Ovinos Bom Jardim da Serra 9
Feira do Gado Geral Curitibanos 10
Feira de Reprodutores Bovinos Curitibanos 10
Feira do Gado Geral Lages 10
Expocampos Campos Novos 13 a 16
Feira do Terneiro e da Terneira Correia Pinto 15
Feira do Terneiro e da Terneira Campos Novos 15
Remate Pecuária Abdonense Abdon Batista 16
Feira do Terneiro e da Terneira Bocaina do Sul 22
Remate do Gado Geral São Miguel do Oeste 22
Feira do Terneiro e da Terneira Capão Alto 22
Expofeira a Feira de Gado Geral Água Doce 23
Feira do Terneiro e da Terneira Painel 23
Feira de Gado Geral Concórdia 28
Pecuária Show Catarinense – Feira de Terneiros e Terneiras Tubarão 29
Leilão do Gado Geral São Lourenço do Oeste 30
Feira do Terneiro e Gado Geral Caçador 30
Nome do Evento Local Junho
Leilão Genética e Produção Água Doce 5
Feira de Inverno – Gado Geral Lages 14
Leilão do Gado Geral Zortéa 19
Leilão de Reprodutores Multiraças São Miguel do Oeste 25
Exposição Passaporte Expointer – Cavalos Crioulos Lages 25 e 26
Remate do Gado Geral São Miguel do Oeste 26
Nome do Evento Local Julho
Feira de Gado Geral Capão Alto 3
Leilão Charolês do Contestado Água Doce 3
FEAGRO Braço do Norte 8 a 11
Freio do Proprietário e Freio Jovem – Cavalos Crioulos Lages 16 e 17
Feira da Novilha e Reprodutor Água Doce 17
Leilão Branco de Charolês Caçador 18
Leilão – Genética Planalto Norte Mafra 24
Leilão do Gado Geral Concórdia 25
Dia de Campo e Negócios 3 Maria Agronegócios Videira 31
Leilão –  Genética Planalto Norte Mafra 31
Nome do Evento Local Agosto
Leilão e Shoppin Fazenda  Sonho e Realidade Água Doce 15
Leilão  Guarda Mór – Genética Lages 18
Remate do Gado Geral São Miguel do Oeste 21
Feira da Primavera Campos Novos 28
Nome do Evento Local Setembro
Feira da Primavera Fraiburgo 4
Leilão Amigos da Pecuária Caçador 5
Leilão Fazendas Mãe Rainha e Meia Lua – Matrizes Lages 9
Exposição e Feira de Ovinos Mafra 11
Exposição e Feira Agropecuária Mafra 11
Leilão Fazendas Mãe Rainha e Meia Lua – Touros Lages 11
Leilão Virtual – Cabanha São Luiz – Ivo Tadeu Bianchini Lages 15
Leilão Primavera Ponte Serrada 18
Leilão VP – Angus e Brangus Lages 18
Feira da Primavera de Caçador Caçador 19
Feira do Gado Geral Biguaçú 19
Leilão de Gado – Programa ATEG São José do Cerrito 19
Leilão de Produção  – Fazenda Guarda Mór Angus e Brangus Lages 21
Leilão Top Devon – Cruzas Lages 24
Leilão Top Devon – Reprodutores e Matrizes Lages 25
Feira da Primavera Água Doce 25
EXPOARCS São Joaquim 26
Nome do Evento Local Outubro
Feira de Gado Geral Capinzal 2
Feira de Gado Geral Fêmas Curitibanos 2
Feira de Gado Geral Machos Curitibanos 3
Feira de Reprodutores Bovinos Curitibanos 3
Feira de Gado Geral e Reprodutor Correia Pinto 9
EXPOLAGES  2021 Lages 12 a 17
Feira do Gado Geral Santa Cecília 17
Feira do Gado Geral Biguaçu 17
BOVIEXPO 2021 Chapecó 21 a 23
Feira do Gado Geral e Reprodutores Tijucas 23
Remate do Gado Geral São Miguel do Oeste 30
Nome do Evento Local Novembro
Feira de Gado Geral e Reprodutores Anita Garibaldi 6
Feira da Novilha, Novilho, Reprodutor e Gado Geral São José do Cerrito 7
EXPOIOMERÊ Iomerê 12 a 14
Feira de Gado Geral Zorteia 13
Feira de Gado Geral e Reprodutor Capão Alto 13
Leilão do Gado Geral Concórdia 20
Feira do Gado Geral Lages 22
Nome do Evento Local Dezembro
Remate de Gado Geral São Miguel do Oeste 4
Leilão Prenhez Positiva Caçador 11

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Retração dos frigoríficos pressiona cotações da carne suína no Brasil

O mercado brasileiro para a carne suína teve uma semana de pressão nas cotações

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro para a carne suína teve uma semana de pressão nas cotações, com frigoríficos adotando uma postura mais retraída nas negociações, avaliando que o escoamento da carne evolui de maneira lenta. A avaliação é do analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia.

O suinocultor encontra maior dificuldade para reter os animais nas granjas neste momento dado o alto custo da nutrição animal, com milho e farelo de soja em tendência de alta, operando com margens deterioradas. “O fim do auxílio emergencial e aumento das despesas das famílias neste momento são fatores negativos para o consumo. O quadro de disponibilidade de carne suína tende a aumentar no curto prazo, fator que pode resultar em novas quedas de preços”, acrescenta Maia.

Quanto ao milho, o cenário deve ser bastante complicado ao longo do primeiro semestre, devido à safra de verão curta e a logística centrada na soja. “Deste modo, o produtor deve se atentar ao tamanho do alojamento. Dados da exportação de carne suína também merecem atenção ao longo das próximas semanas, com a necessidade de bons fluxos para mitigar parte do cenário negativo”, completa.

China

Os preços de suínos vivos na China em dezembro ficaram em 33 yuans por quilo, alta de 14% mês a mês e no mesmo nível registrado um ano antes. Segundo relatório mensal do banco holandês, Rabobank, relativo a alimentos e agronegócio no país asiático, os preços chegaram a 38 yuans por quilo no início de janeiro, perto dos valores recorde, apesar da liberação de carne suína congelada de reservas estatais.

“Isso reflete a forte demanda sazonal e o aperto da oferta no mercado”, diz o documento assinado pela analista de proteína animal do banco, Chenjun Pan. O Rabobank prevê que os preços devam começar a cair na segunda metade do primeiro trimestre de 2021 e depois cair a um patamar entre 22 e 26 yuans por quilo para o balanço de 2021, ficando de 25 a 30% abaixo da média para 2020.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

USDA confirma aperto na oferta de soja e preços sobem

A confirmação de um quadro de aperto na oferta global da oleaginosa sustenta as cotações

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

Os preços da soja tiveram mais uma semana de firmeza no Brasil e de ganhos consistentes para os contratos futuros negociados em Chicago. A confirmação de um quadro de aperto na oferta global da oleaginosa sustenta as cotações.

O relatório de janeiro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicou que a safra norte americana de soja deverá ficar em 4,135 bilhões de bushels em 2020/21, o equivalente a 112,53 milhões de toneladas, abaixo do esperado no relatório anterior: 4,170 bilhões de bushels ou 113,5 milhões de toneladas. O mercado apostava em 4,155 bilhões ou 113,07 milhões.

Os estoques finais estão estimados em 140 milhões de bushels ou 3,81 milhões de toneladas. O mercado apostava em carryover de 135 milhões ou 3,67 milhões de toneladas. No relatório anterior, os estoques estavam projetados em 175 milhões de bushels – 4,76 milhões de toneladas.

O USDA indicou esmagamento em 2,2 bilhões de bushels e exportação de 2,230 bilhões, contra 2,195 e 2,2 bilhões projetados em dezembro, respectivamente.

O relatório USDA projetou safra mundial de soja em 2020/21 de 361 milhões de toneladas. Em dezembro, o número era de 362,05 milhões de toneladas.

Os estoques finais estão estimados em 84,31 milhões de toneladas. O mercado esperava por estoques finais de 83 milhões de toneladas. Em dezembro, a previsão era de 85,64 milhões de toneladas.

A projeção do USDA aposta em safra americana de 112,53 milhões de toneladas. Para o Brasil, a previsão é de uma produção de 133 milhões de toneladas, repetindo o número de dezembro. A Argentina deverá produzir 48 milhões de toneladas. A previsão anterior era de 50 milhões de toneladas.

A estimativa para as importações chinesas em 2020/21 é de 100 milhões de toneladas, mantendo a previsão do mês anterior.

Os estoques trimestrais de soja em grão dos Estados Unidos, na posição 1o de dezembro, totalizaram 2,93 bilhões de bushels. O volume estocado recuou 10% na comparação com igual período de 2019. O número ficou acima da expectativa do mercado, de 2,904 bilhões de bushels.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.